Suse - GNU/Linux

5,848 views

Published on

Suse - GNU/Linux
ANDERSON DINIZ VIEIRA
Sistemas Operacionais I
Universidade Guaurlhos

Published in: Technology
2 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
5,848
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
19
Actions
Shares
0
Downloads
181
Comments
2
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Suse - GNU/Linux

  1. 1. SISTEMAS OPERACIONAIS Open suse 11 POR ANDERSON DINIZ VIEIRA RA 2007 12 100 4
  2. 2. HISTÓRIA A SuSE, mais precisamente SUSE LINUX AG, era uma empresa alemã, que disponibilizava soluções baseadas no sistema operacional, GNU/Linux.
  3. 3. HISTÓRIA Em Janeiro de 2004 a empresa foi adquirida pela Novell, uma companhia americana que na década de 1980 ficou famosa por seu sistema operacional de rede (Netware) e que perdeu fatia substancial de mercado com o advento do Windows NT da Microsoft.
  4. 4. NOVELL A Novell comprou SuSE por cerca de US$ 210 milhões.
  5. 5. DISPONIBILIDADE Sua ultima versão é a 11.0, lançada em 19 de junho de 2008. Em breve teremos em mãos a nova versão a 11.1.
  6. 6. REQUISITOS DE HARDWARE Processador: Intel Pentium 1.4 ou xeon; AMD Duron, Athlon, Athlon XP, Athlon MP, Athlon 64 e Sempron Memória Principal: Pelo menos 256 MB, 512 MB recomendados Disco Rígido: Pelo menos 500 MB (para um sistema mínimo); 3 GB recomendados para um sistema normal Placas de som e gráficas: São suportadas a maioria das placas de som e gráficas modernas
  7. 7. KDE 4.0 KDE significa K Desktop Environment e, O gerenciador de janelas disponibilizado (KWin) é responsável por fornecer uma interface gráfica organizada e consistente para que aplicativos sejam executados e para que o usuário interaja com o computador, KDE foi inteiramente criado em C++. Bem mais trabalhado e bonito que o Gnome.
  8. 8. GNOME GNOME (acrônimo para GNU Network Object Model Environment) é um esforço global para a criação de um ambiente de trabalho completo, gratuito e composto inteiramente por software livre. Ele é mais leve que o KDE, mas não tem os mesmos recursos que ele. A sua versão é 2.24
  9. 9. COMPIZ FUSION Compiz um dos primeiros gerenciadores de janelas para o servidor de janela X que oferece aceleração OpenGL. O gerenciador permite que as janelas possuam efeitos visuais, como animações ao minimizar e uma área de trabalho em forma de cubo
  10. 12. BERYL O Beryl é um ambiente de trabalho acelerado por OpenGL que proporciona uma experiência de ambiente de trabalho livre, open source à comunidade que reflecte os desejos dos utilizadores. Acima de tudo, o projecto procura ouvir e responder aos pedidos dos utilizadores. O Beryl é um fora do Compiz. O Beryl possui mais alguns efeitos do que o gestor de janelas comum Compiz, incluindo novas animações tais como Window Burns, um Plugin 3D (colorido).
  11. 15. <ul><li>PROGRAMAS DO OPENSUSE </li></ul>
  12. 24. YAST Pelo yast fica muito fácil configurar hadware, perifericos e diversos serviços, rede em geral, ADSL, seleconar serviços que devem iniciar junto com o boot, manutenão de usuários e muito mais, a lista é grande, também configura servidores como samba, nis, nfs, proxy, web, ftp e muitos outros, somente acessando para conferir, muito prático e intuitivo.
  13. 26. SAX2 Configurador do mouse, teclado, monitor, video, VNC e outros aplicativos, como root na linha de comando;SAX 2
  14. 27. SAX2 Configurador do mouse, teclado, monitor, video, VNC e outros aplicativos, como root na linha de comando;SAX 2 SAX2 Configurador do mouse, teclado, monitor, video, VNC e outros aplicativos, como root na linha de comando;SAX 2
  15. 28. GESTÃO DE PACOTES O gestor de pacotes obtem os pacotes de software através De repositórios(servidores online, CD's, DVD's e etc.) O gestor de pacotes também torna fácil removê-los mais tarde ou atualizá-los. O número de pacotes disponíveis para instalação depende dos repositórios que adicionou.
  16. 29. GERÊNCIA DE PROCESSOS O sistema operacional multitarefa é preparado para dar ao usuário a ilusão que o número de processos em execução simultânea no computador é maior que o número de processadores instalados. Cada processo recebe uma fatia do tempo e a alternância entre vários processos é tão rápida que o usuário pensa que sua execução é simultânea.
  17. 30. KERNEL O Kernel do Suse 11 é o 2.6.25 Ou seja núcleo pode ser considerado o próprio sistema operacional, quando este é definido como um gerenciador de recursos de hardware. O kernel mode do Suse é um processo não preemptivo, ou seja ele nunca é interropido por outro processo
  18. 31. THREADS Thread, ou linha de execução em português, é uma forma de um processo dividir a si mesmo em duas ou mais tarefas que podem ser executadas simultaneamente. O suporte à thread é fornecido pelo próprio sistema operacional (SO).
  19. 32. ESCALONADOR (SCHEDULE) É um componente do s.o. , que determina qual processo recebera posse do cpu. O escalonador do Suse 11 é o escalonador circular com preenpcão para os processos de mesma prioridade. A chegada de um processo de maior prioridade, força a preempençao do processo executando em user mode.
  20. 33. GERÊNCIA DE MEMÓRIA O sistema operacional tem acesso completo à memória do sistema e deve permitir que os processos dos usuários tenham acesso seguro à memória quando o requisitam.
  21. 34. PACOTES RPM O sistema operacional Linux, até hoje, tem a fama de ter instalações complicadas, o que, muitas vezes, não deixa de ser verdade. Na tentativa de resolver esses problemas de instalação, A empresa Red Hat criou uma tecnologia chamada RPM, que significa RedHat Package Manager (Gerenciador de Pacotes RedHat). O RPM é um poderoso gerenciador de pacotes, que pode ser usado para criar, instalar, desinstalar, pesquisar, verificar e atualizar pacotes individuais de software. Um pacote consiste em armazenagem de arquivos e informações, incluindo nome, versão e descrição.
  22. 35. TIPOS DE SUBDIRETÓRIOS BIN: arquivos executáveis(binários) de comandos essenciais pertencentes ao sistema e que são usados com freqüencia. BOOT: arquivos estáticos de boot de inicialização(boot-loader) DEV: arquivos de dispositivos de entrada/saída ETC: Configuração do sistema da máquina local com arquivos diversos para a administração de sistema. HOME: diretórios local(home) dos usuários.
  23. 36. TIPOS DE SUBDIRETÓRIOS LIB: arquivos da biblilotecas compartilhadas usados com freqüencia MMT: Ponto de montagem de partição temporários ROOT:Diretório local do superusuário (root) SBIN: Arquvios de sistema essenciais
  24. 37. TIPOS DE SUBDIRETÓRIOS TMP: arquivos temporários gerados por alguns utilitários USR: todos os arquivos de usuários devem estar aqui (segunda maior hierárquia) VAR: Informação variável
  25. 38. PONTOS POSITIVOS A primeira surpresa foi que o ambiente está muito agradável, estável, rápido. Outra surpresa, foi que ele veio com o Firefox 3 Beta 5, coisa que logo foi resolvida com um update, pois nos repositórios já está a versão 3 Final. Mais um ponto para o OpenSuse 11! Muito interessante que o OpenSuse 11 traz muita coisa boa instalada com ele. Firefox, Pidgin, OpenOffice 2.4, um cliente de torrent chamado Monsoon, Xchat , etc...
  26. 39. PONTOS POSITIVOS O Yast parece ter ficado mais rápido, mesmo, de verdade. Acredito que é um dos trabalhos de refinamento do Gnome mais bem feito. Para rodar mp3 muito fácil, com mais de 1000 programas,e pacotes para você usar e abusar. Fácil de instalar e muito pratico e uma das distribuições mais completas.
  27. 40. PONTOS NEGATIVOS A única observação fica por conta do idioma, instalei em Português do Brasil e várias coisas ficaram ainda em inglês. Nada como o idioma que domina a TI, também os detalhes em inglês não atrapalham em nada os aspectos positivos que essa versão trouxe. Outro ponto negativo ele vir com a versão 4.0 do KDE e não com a 4.1, algo que será corrigido na versão 11.1 a ser lançada em breve.
  28. 41. PONTOS NEGATIVOS Uma coisa que realmente é chato nesta distribuição é na barra do gestor de tarefas, ou seja, a barra onde estão as janelas abertas (ou minimizadas), elas não piscam nem dão qualquer outro sinal quando por exemplo recebemos uma mensagem no Emesene. Um dos problema no Linux era a falta de aplicativos. Vários programas desenvolvidos em Java, Python, Delphi/C++ (via Wine) e C++ (usando a biblioteca QT ou GTK) podem ser executados no Linux de forma nativa. Porém, muitos software que são desenvolvidos rodam apenas na plataforma Windows.
  29. 42. BIBLIOGRAFIA http://opensuse.org Home Page Suse http://www.openline.com.br/linux-br/ Home Page do Linux no Brasil http://www.br.freebsd.org/linux-br/index.html Home Page do Linux em português http://www.inf.ufrgs.br/~kojima/linux/faq-linux.html Perguntas frequentemente colocadas na linux-br (FAQ)
  30. 43. THE END

×