Conselho escolar como espaço de formação humana

6,105 views

Published on

O Conselheiro é um militante na construção da democracia e cidadania. Participa como co-responsável na construção de uma educação escolar inclusiva e de qualidade social. Sua prática é um processo de formação humana e exige momentos específicos de qualificação, que se realiza pela qualificação da prática educativa escolar. Para os encontros de qualificação dos conselheiros é apresentada uma metodologia fundada nos Círculos de Cultura, enfatizando as fases de: a) problematização, investigação rigorosa do problema, b) teorização, estudo para fundamentação de alternativas de solução e c) planejamento da intervenção e acompanhamento da execução.

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,105
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
31
Actions
Shares
0
Downloads
107
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Conselho escolar como espaço de formação humana

  1. 3. <ul><li>Por que formação continuada dos Conselheiros e como realizá-la? </li></ul><ul><li>“ A formação continuada dos Conselheiros Escolares se funda na complexidade de sua atuação e nos desafios que a educação escolar e a sua gestão enfrentam” (p. 10). </li></ul>
  2. 4. <ul><li>Primeira Parte: A importância e sentido da formação </li></ul><ul><li>O Conselheiro Escolar e a construção da democracia e da cidadania </li></ul><ul><li>A formação do Conselho Escolar </li></ul><ul><li>Círculo de Cultura: Espaço democrático e cidadã de formação dos Conselheiros Escolares </li></ul><ul><li>Segunda Parte: O processo de Formação </li></ul><ul><li>Problematização: diagnóstico e investigação </li></ul><ul><li>Tematização: reflexão e estudo </li></ul><ul><li>Intervenção: programação e prática </li></ul>
  3. 5. <ul><li>A formação continuada dos estudantes, trabalhadores da educação, pais e membros da comunidade local, em especial do Conselho Escolar é fundamental para que possam contribuir mais efetivamente na educação escolar. </li></ul>
  4. 6. <ul><li>O Conselheiro Escolar e a construção da democracia e da cidadania </li></ul><ul><li>A cidadania e a democracia participativas não são outorgadas pelo poder e pelo Estado, nem conquistadas. Elas são historicamente construídas no árduo trabalho coletiva dos cidadãos e das cidadãs” (p. 21). </li></ul>
  5. 7. <ul><li>O que é indispensável para </li></ul><ul><li>a democracia e a cidadania? </li></ul><ul><li>Respeito e cultivo às diferenças; </li></ul><ul><li>Unidade da diversidade. </li></ul>
  6. 8. <ul><li>A formação do Conselho Escolar </li></ul><ul><li>Que processos de formação continuada contribuem para que os Conselheiros Escolares atuem, de fato, para a construção de uma educação com inclusão social? </li></ul>
  7. 9. <ul><li>Círculo de Cultura: espaço democrático e cidadão de formação dos Conselheiros Escolares </li></ul><ul><li>Por que o Círculo de Cultura como metodologia de formação dos Conselheiros Escolares? </li></ul><ul><li>O Círculo de Cultura leva em consideração características essenciais na formação humana. Reconhece a pessoa como sujeito histórico, em permanente construção de si mesmo” (p. 38-39). </li></ul>
  8. 10. <ul><li>O Conselho Escolar além de participar de problemas financeiros, assume papel importante, participando do planejamento, da avaliação e da reprogramação da proposta pedagógica da escola, do projeto político-pedagógico. </li></ul><ul><li>Para esta tarefa, o caderno sugere três momentos do Círculo de Cultura, a saber: investigativo, de tematização e de proposição. </li></ul>
  9. 11. <ul><li>Problematização: diagnóstico e investigação </li></ul><ul><li>O que é preciso saber e fazer para entender </li></ul><ul><li>e enfrentar um problema e buscar alternativas para sua solução? </li></ul><ul><li>Não basta atacar a aparência da situação-problema. É preciso descobrir o que faz com que os problemas surjam, qual é a sua origem, a quem interessa a existência desses problemas. </li></ul>
  10. 12. <ul><li>Tematização: reflexão e estudo </li></ul><ul><li>O que o Conselho precisa para poder definir melhor o que fazer para resolver os problemas? </li></ul><ul><li>Para resolver os problemas não basta esforço e boa vontade, é preciso muita discussão coletiva, reflexão e estudo. </li></ul>
  11. 13. <ul><li>Intervenção: programação e prática </li></ul><ul><li>Como construir propostas de solução para os problemas e como pôr em prática uma alternativa? </li></ul><ul><li>É preciso construir uma programação das ações, a qual exige que se pense na viabilidade de sua execução, em amplo dialogo e articulação com a equipe gestora da escola, bem como definir o acompanhamento das atividades programadas e da sua eficácia na solução do problema, pela execução e avaliação das ações. </li></ul>
  12. 15. <ul><li>http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Consescol/cad%206.pdf </li></ul>

×