Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

21 rapazes, 21 raparigas. e um cão

216 views

Published on

Mais um conto de Maria Helena Amaro publicado no blogue Maria Mãe.
http://mariahelenaamaro.blogspot.pt/p/contos.html

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

21 rapazes, 21 raparigas. e um cão

  1. 1. 21 Rapazes, 21 Raparigas e um Cão «O meu bom dia vai sempre para os que trazem a cara suja... Sim, para eles, em especial... - Vai lavar a cara João! Que feio, que feio com essa cara suja... - Mas eu «labi-la»... Ora, meus meninos, o João tem a cara limpa ou suja? Suja!!! (E tem bigodes de café...) O João, dez reis de gente... e a Laurinda, um tanto tonta... Os dois... e mais o cão. E as patas, e as batas, e os narizes e os cabelos e... as caras sujas. Só o cão vem limpo. E quase sempre depois da hora... O João, mas vós não podeis chegar assim tarde... É demais. A que horas saíram de casa? - Inda era noite... - Não pode ser. Dizei à vossa mãe que vos mande cedo. Olhai, logo levais um bilhete meu. - ... O pai é barbeiro; a mãe doméstica. Um rancho de filhos e apenas uns magros escudos para encher tanta boca faminta. O João entrou pela primeira vez este ano. Aprende com dificuldade, mas não é bronco de todo. É apenas uma criança inculta, um pedaço de granito duro e tosco que tem de ser limado e modelado. No entanto, é um amor de rapaz este João! Mas... a Laurinda é repetente. Atraso mental. Olhos grandes e espantados, boca entreaberta, sorriso perene. Pés arrastados no soalho velho e pasta pendente na mãozita suja. Aí se vissem as mãos da Laurinda! Aquilo é preciso um balde de água para as pôr dignas de vistas humanas e civilizadas... Falta o cão. Um cão negro e branco, de focinho simpático e rabo matreiro. Um cão, quase luxuoso, o da Laurinda. Vem com eles, vai com eles. Entra-me na sala e deita-se em frente do estrado, sereno e molengão. É um cão intelectual este. À hora da lição, arrebita as orelhas e senta-se nas patas traseiras a mirar o quadro, como se entendesse algo este maranho de letras e riscos. É um bom cão. É um cão matriculado na 1.ª classe desta escola frequentada por 21 rapazes e 21 raparigas, dirigida por uma professora um tanto estranha. Uma professora que não põe o cão na rua, porque não
  2. 2. pode ver os olhos do João rasos de água, nem a cara da Laurinda angustiada. No primeiro dia, tentei: - Ponham esse cão lá fora! - É do João! É da Laurinda... - João, põe-me esse cão lá fora... Os outros ergueram-se para escorraçar o cão, contentes da oportunidade de mexer um pouco. Mas, o João foi lesto. Foi dum só passo para o cão e abraçando-o como a um bebé levou-o ao colo, com todo o carinho, para fora da sala. A Laurinda aflita olhava-me. Diziam-lhe os lhos: - Não faça mal ao cão... Não ralhe por causa do cão... Tive pena do João, e sorri à Laurinda. O cão ficou sentado, do lado de fora da porta, obediente e sereno, mirando-me com os olhos grandes de animal fiel. Fui até à porta e ele lambeu-me com o focinho doce a ponta dos sapatos. Vacilei. Fiz-lhe uma festa. O focinho ergueu-se e conquistou-me. O João, ao lado, tinha os olhos brilhantes de ternura. O seu cão... A senhora fez uma festa a seu cão - diziam-me eles. Regressei à secretária. Mas não vim só. O cão, de rabo matreiro, rastejou atrás de mim e foi aninhar-se todo junto da janela. Abri o diário de frequência, para fazer a chamada. Contei: vinte e um rapazes, vinte e uma raparigas e um... cão!» Maria Helena Amaro In, «Maria Mãe», 1973. Data da conclusão da edição no blogue – 24 de julho de 2014 http://mariahelenaamaro.blogspot.com/

×