Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Violencia contra criança e adolescente

62,775 views

Published on

Aula de violência de Direito e Psicologia.

Bons estudos.

Published in: Technology

Violencia contra criança e adolescente

  1. 1. Violência em crianças e adolescentes e pedofilia Prof. Caroline Marafiga carolvmarafiga@hotmail.com
  2. 2. VIOLÊNCIA  A violência origina-se do latim violentia, que significa o ato de violentar abusivamente contra o direito natural, exercendo constrangimento sobre determinada pessoa por obrigá-la a praticar algo contra sua vontade (CLIMENE & BURALLI, 1998).
  3. 3.  Considerada um fenômeno multicausal, a violência é um processo de vitimização que se expressa em “atos com intenção de prejudicar, subtrair, subestimar e subjugar, envolvendo sempre um conteúdo de poder, quer seja intelectual quer seja físico, econômico, político ou social. Atingem de forma mais hostil os seres mais indefesos da sociedade, como as crianças e adolescentes, e também as mulheres sem, contudo, poupar os demais” (Rocha et al., 2001, p.96).
  4. 4. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR  Violência Doméstica contra crianças e adolescentes (VDCA): “Atos e/ou omissões praticados por pais ou responsáveis em relação a criança e/ou adolescentes que – sendo capaz de causar à vítima dor ou dano de natureza física, sexual e/ou psicológica – implica, de um lado, numa trangressão do poder/dever de proteção do adulto e, de outro, numa ‘coisificação da’ infância, isto é, numa negação do direito de ser tratados como sujeitos e pessoas em condição peculiar de desenvolvimento.” (In: Azevedo, M. A.; Guerra, V. N. A. violência Doméstica na infância e na adolescência, SP: Robe,1995).
  5. 5.  Violência Intrafamiliar contra crianças e adolescentes (VDCA): Saffioti (1997) propõe conceito de Violência Intrafamiliar. “(...) a violência familiar pode estar contida na doméstica. Quando o agressor é parente da vítima, trata-se via de regra, de violência familiar e doméstica.” (Saffioti, s.d, p.5).
  6. 6. - Violência Física “Toda ação que causa dor física numa criança, desde um simples tapa até o espancamento fatal representam só continuum de violência.” (In: Azevedo, M. A.; Guerra, V. N. A. Violência Doméstica na infância e adolescência. SP: Robe, 1995)
  7. 7. - Violência Sexual “Configura-se como todo ato ou jogo sexual, relação hetero ou homossexual, entre um ou mais adultos e uma criança ou adolescente, tendo por finalidade estimular sexualmente uma criança ou adolescente ou utilizá-los para obter uma estimulação sexual sobre sua pessoa ou outra pessoa. Ressalte-se que em ocorrências desse tipo a criança é sempre VÍTIMA e não poderá ser transformada em RÉ. A intenção do processo de violência sexual é sempre o prazer (direto ou indireto) do adulto...”
  8. 8. “(...) sendo que o mecanismo que possibilita a participação da criança é a coerção exercida pelo adulto, coerção esta que tem suas raízes no padrão adultocêntrico de relações adulto-criança, vigente em nossa sociedade. A violência sexual doméstica é uma forma de erosão da infância.” (In: Azevedo, M. A.; Guerra, V. N. A. Violência Doméstica na infância e adolescência. SP: Robe, 1995).
  9. 9. - Violência Psicológica “Também designada como ‘tortura psicológica’, ocorre quando o adulto constantemente deprecia a criança, bloqueia seus esforços de auto-aceitação, causando-lhe grande sofrimento mental. Ameaças de abandono também podem tornar uma criança medrosa e ansiosa, podendo representar formas de sofrimento psicológico.” (In: Azevedo, M. A.; Guerra, V. N. A. Violência Psicológica Doméstica. SP: Vozes da Juventude. www.ieditora.com.br, 2001).
  10. 10. - Negligência “Representa uma omissão em termos de prover as necessidades físicas e emocionais de uma criança ou adolescente. Configura-se quando os pais (ou responsáveis) falham em termos de alimentar, de vestir adequadamente seus filhos, etc e quando tal falha não é resultado de condições de vida além do seu controle. A negligência pode se apresentar como moderada ou severa. Nas residências em que os pais negligenciam severamente os filhos observa-se, de modo geral, que os alimentos nunca são providenciados, não há rotinas na habitação e para as crianças, não há roupas limpas...”
  11. 11. “(...) o ambiente físico é muito sujo com lixo espalhado por todos os lados, as crianças são muitas vezes deixadas sós por diversos dias, chegando a falecer em conseqüência de acidentes domésticos, e inanição. A literatura registra, entre pais, um consumo elevado de drogas, de álcool, uma presença significativa de desordens severas de personalidade.” (In: Azevedo, M. A.; Guerra, V. N. A. Infância e Violência Fatal em famílias. SP: Iglu, 1998).
  12. 12. - Violência Fatal “Atos e/ou omissões praticados por pais, parentes ou responsáveis em relação a crianças e/ou adolescentes que – sendo capazes de causar-lhes dano físico, sexual e/ou psicológico – podem ser considerados condicionantes (únicos ou não) de sua morte.” (In: Azevedo, M. A.; Guerra, V. N. A. Infância e Violência Fatal em famílias. SP: Iglu, 1998).
  13. 13. Em relação à violência doméstica contra crianças e adolescentes podemos afirmar que se trata de:  uma violência intra-classes sociais;  um fenômeno relacionado, mas não determinado diretamente pela violência entre classes sociais;  uma violência interpessoal;  um abuso do poder parental exercido por pais ou responsáveis. (Azevedo, M. A.; Guerra, V. N. A. Apostilas da Pós-Graduação de Violência contra crianças e adolescentes, USP: 2007)
  14. 14.  um processo de vitimização em que a vítima se torna subjugada e objetificada;  uma forma de violação dos direitos de crianças e adolescentes enquanto direitos humanos;  um problema social, cuja ecologia privilegiada está na família;  um processo tóxico que pode prolongar-se por meses e anos, ao contrário da violência extra familiar.
  15. 15. - Síndrome de Munchausem por procuração “Ocorre quando pais ou responsáveis, na maioria das vezes a mãe, provocam ou simulam na criança, geralmente com idade inferior a seis anos, sinais e sintomas de várias doenças, com falsificação de exames laboratoriais, administração de medicamentos ou substâncias que causam sonolência ou convulsões. A partir destas simulações, a criança é submetida a sofrimento físico (ex. coleta de exames desnecessários, uso forçado de medicamentos) e psicológico (ex. inúmeras consultas, internações desnecessárias)...”
  16. 16. “(... ) O diagnóstico é clínico e há suspeita do problema quando o profissional da saúde não consegue avaliar a gravidade do quadro, uma vez que quase sempre a criança encontra- se em bom estado geral. A doença é persistente e recidivante, com sintomas raros, as queixas são dramáticas, permanecem as mesmas, sempre trazidas pelo mesmo responsável, que solicita a realização de vários exames complementares.” (Pires, A. L. D; Miyazaki, M. C. O. S, 2005).
  17. 17. - Síndrome do bebê sacudido “É o termo utilizado para denominar uma forma de violência freqüentemente praticada e que não deixa marcas. O agressor é geralmente o pai biológico, que se irrita com o choro da criança, habitualmente com idade inferior a um ano, na maioria das vezes menos de seis meses. Envolve sacudir ou chacoalhar fortemente a criança, principalmente no sentido ânteroposterior, podendo provocar graves lesões cerebrais, hemorragias oculares, causar atraso do desenvolvimento neuro-psicomotor e até a morte. O diagnóstico é feito pela identificação de uma combinação de hemorragias retinianas e subdural.” (Pires, A. L. D; Miyazaki, M. C. O. S, 2005).
  18. 18. - Bullying  Em português não há uma palavra que corresponda ao termo, que tem sua origem inglesa (Bully = tirano, brigão);  Compreende a todas as atitudes agressivas intencionais dirigidas a um indivíduo ou grupo, a partir de uma relação desigual de poder;  Aterrorizar, humilhar discriminar, colocar apelidos, usar violência física.
  19. 19. ESTERIÓTIPO ESTIGMA SOCIAL DO DIFERENTE PRECONCEITO DISCRIMAÇÃO
  20. 20. - Cyberbullying  É uma prática que envolve o uso de tecnologias da informação e comunicação para dar apoio a comportamentos deliberados, repetidos e hostis praticados por um indivíduo ou grupo com a intenção de prejudicar outra ou outras pessoas.
  21. 21. - Exploração Sexual Infantil “A exploração sexual comercial de crianças é uma violação fundamental dos direitos da criança. Esta violação abrange o abuso sexual por adultos e a remuneração em espécie ao menino ou menina e uma terceira pessoa ou várias. A exploração sexual comercial de crianças constitui uma forma de coerção e violência contra crianças, que pode implicar o trabalho forçado e as formas contemporâneas de escravidão.” (ECPAT end Child Prostitution, Child Pornography and Traffincking of Sexual Purpose, 2002: http: //www.ecpat.net/eng/CSEC/faq/faq1.asp).
  22. 22. - Exploração do Trabalho Infantil  É toda forma de trabalho exercido por crianças e adolescentes, abaixo da idade mínima legal permitida para o trabalho, conforme a legislação de cada país.  O trabalho infantil, em geral, é proibido por lei. Especificamente, as formas mais nocivas ou cruéis de trabalho infantil não apenas são proibidas, mas também constituem crime.
  23. 23.  A exploração do trabalho infantil é comum em países subdesenvolvidos. Um exemplo de um destes países é o Brasil, em que nas regiões mais pobres este trabalho é bastante comum. A maioria das vezes ocorre devido à necessidade de ajudar financeiramente a família. Muitas destas famílias são geralmente de pessoas pobres que possuem muitos filhos
  24. 24.  O aparato jurídico brasileiro, de um modo geral, está adequado aos padrões internacionais definidos na Convenção Internacional dos Direitos da Infância e nas Convenções da Organização Internacional do Trabalho.  Os direitos relativos ao trabalho infanto-juvenil são regulamentados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, pela Constituição Federal e pela Consolidação das Leis do Trabalho.
  25. 25. - Lei do Menor Aprendiz -  A Emenda Constitucional nº 20, aprovada em dezembro de 1998, elevou a idade mínima de admissão ao trabalho de 14 para 16 anos, admitindo porém a possibilidade do adolescente trabalhar, como aprendiz, a partir dos 14 anos de idade.  Para os aprendizes, o Estatuto define como aprendizagem a formação técnica profissional ministrada de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Art. 62), em que os aspectos produtivos estão subordinados ao processo pedagógico (Art. 68).
  26. 26.  Para os adolescentes em idade legal de trabalhar, o Estatuto assegura os direitos trabalhistas e previdenciários (Art. 65) e proíbe o trabalho noturno, perigoso, insalubre, penoso ou em locais que tragam prejuízo aos desenvolvimentos físico, psíquico, moral e social, ou ainda, em horários que prejudiquem a freqüência à escola. (Art. 67)
  27. 27.  No Artigo 69 do Estatuto, é afirmado o direito do adolescente à profissionalização, respeitada a sua “condição peculiar de pessoa em desenvolvimento” e recebendo “capacitação profissional adequada ao mercado de trabalho”.
  28. 28. ABUSO SEXUAL, PEDOFILIA e INCESTO  Abuso Sexual contra crianças e adolescentes sem contato físico: - Assédio sexual: Proposta de relações sexuais; - Abuso sexual verbal: Conversas abertas sobre atividades sexuais destinadas a despertar o interesse ou chocá-las;
  29. 29. - Telefonemas obscenos: Feitos por adultos, gerando ansiedade na criança, no adolescente e na família; - Apresentação forçada de imagens pornográficas: Exibição forçada de imagens de cunho pornográfico; - Exibicionismo: É o ato de mostrar os órgãos genitais ou se masturbar em frente a crianças e adolescentes; - Voyeurismo: É a excitação sexual conseguida mediante a visualização dos órgãos genitais.
  30. 30.  Abuso sexual contra crianças e adolescentes com contato físico: - Atentado violento ao pudor: Constranger alguém a praticar atos libidinosos, utilizando violência grave ou ameaça; - Estupro: Prática sexual em que ocorre penetração vaginal ou anal com uso de violência ou grave ameaça;
  31. 31. - Corrupção: É um ato de abuso sexual considerado crime hediondo quando um indivíduo corrompe ou facilita a corrupção de um adolescente maior de 14 anos e menor de 18 anos; - Pedofilia: Desejo sexual compulsivo por crianças e adolescentes.
  32. 32.  Pedofilia: - É um transtorno de personalidade e faz parte dos grupos das parafilias; - DSM IV (Associação Americana de Psiquiatria, 2002), a ocorrência de abuso sexual por pelo menos 6 meses; - Pedófilo deve pelo menos 16 anos e no mínimo 5 a mais que a vítima.
  33. 33. • Incesto: “É a atividade sexual praticada contra uma criança ou adolescente por pessoas que tenham com ele uma relação de consanguinidade, podendo-se ampliar o conceito considerando também relações de afinidade ou de responsabilidade”. -Síndrome de Segredo. -Síndrome de Adição.
  34. 34. PERFIL DOS VIOLENTADORES  Pedófilos: (não é regra, mas são fatores que predispõe à pedofilia) - O transtorno costuma se manifestar na adolescência; - Desintegração familiar; - Violência familiar; - Institucionalização; - Carência afetiva;
  35. 35. - Abuso de substâncias química; - Deficiência na educação sexual; - Experiências sexuais inadaptadas; - Sentimento de inadaptação; - Depressão; - Pouco controle de seus impulsos sexuais; - Baixa auto-estima; - Dificuldades para enfrentar desafios.
  36. 36. Características dos abusadores sexuais: Azevedo e Guerra (1999): Agressor sexual Agressor sexual situacional preferencial - Regredido - Sedutor - Moralmente indiscriminado - Introvertido - Sexualmente indiscriminado - Sádico - Inadequado
  37. 37. INDICADORES DE VIOLÊNCIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES  Excessivo interesse ou incomodo fora do normal por assuntos de natureza sexual;  Problemas em dormir, pesadelos;  Depressão e incômodo em contatos físicos;  Comentário de que seu corpo está sujo;
  38. 38.  Manifestação de medo que haja algo errado com seus órgãos genitais;  Dificuldade em ir para escola;  Mudança súbita na conduta de comportamento;  Agressividade;  Desenhos, jogos ou fantasias de atos de abuso sexual;  Comportamento suicida;  Medo fora do normal de uma determinada pessoa ou de certos lugares que já freqüentou;
  39. 39.  Tentativas de fazer com outra criança atos de natureza sexual;  Revelar conhecimento específico de atos sexuais;  Brincar de forma inapropriada com os brinquedos;  Masturbação excessiva;  Desenhos assustadores, ou em que são utilizados excessivamente cores preta e vermelha;  Sono excessivo;  Pesadelos;
  40. 40.  Falta de controle dos esfíncteres;  Feridas na região anal ou genital;  Irritação ou infecção;  Aparecimento de alguma doença sexualmente transmissível;  Coceira fora do normal na região anal ou genital;  Hemorragia perto da região genital;
  41. 41. CONSEQUÊNCIAS DA VIOLÊNCIA  Quadros depressivos;  Propensão a abusos de álcool e drogas;  Danos na estrutura e função do cérebro (como memória, cognição e nas emoções);  Transtornos de ansiedade, alimentares e dissociativos;  Hiperatividade e déficit de atenção;  Transtorno borderline;  Transtorno de Estresse pós-traumático (TEPT).
  42. 42.  Infância: Insucesso escolar, com perturbações do comportamento, fobias em relação a sexualidade;  Adolescência: dificuldade na identidade feminina, rejeição a imagem corporal, estados depressivos graves, perturbações, delinqüência e prostituição;  Fase Adulta: crise afetiva freqüente, depressão, disfunções sexuais na relação conjugal e projeção das próprias fantasias incestuosas na vida dos filhos;  Velhice: surtos de angústia e depressão secundária, sobretudo no início da menopausa.
  43. 43. - Cuidado com a Síndrome de Alienação Parental (SAP) - “ ... Transtorno caracterizado pelo conjunto de sintomas que resulta no processo pelo qual o progenitor transforma a consciência de seus filhos, mediante diferentes estratégias, com o objetivo de impedir, obstruir ou destruir seus vínculos com o outro progenitor, até torná-la contraditória”. (In: Gardner, R. The parental alienation syndrome and the differentiation between fabricated and genuine child sex abuse).
  44. 44. - Produção de Falsas Memórias -  As memórias falsas dizem respeito à recordação alterada de acontecimentos reais ou à recuperação de acontecimentos que nunca ocorreram;  Pode ocorrer de forma induzida ou espontânea;  A memória é afetada pela emoção;  Conforme Loftus, “as falsas lembranças são elaboradas pela combinação de lembranças verdadeiras e de sugestões vindas de outras pessoas”.
  45. 45. “Lei da Palmada”  Em comemoração aos 20 anos do Estatuto da criança e do adolescente (ECA), o Presidente Lula assinou o projeto de lei proíbe a prática de castigos físicos.  O projeto acrescenta ao ECA, entre outros, o Artigo 17- A que concede as crianças e adolescentes o direito de serem cuidados e educados pelos pais ou responsáveis sem o uso de castigo corporal, a "palmada", ou de tratamento cruel ou degradante.  O texto define como tratamento cruel ou degradante qualquer tipo de conduta que humilhe, ameace gravemente ou ridicularize a criança ou adolescente
  46. 46. - RECURSO: “Castração Química” - O que é “Castração química”?  Utilização de hormônios como Acetato de Medroxiprogesterona, na forma de comprimidos ou injeções, que tem a finalidade de diminuir drasticamente o nível de testosterona – diminui o desejo e provocando impotência temporária. A impotência temporária é até o momento em que esta se fazendo uso da medicação.
  47. 47. FIM MUITO OBRIGADA!

×