Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Desenvolvimento infantil jerusalinky

  • Login to see the comments

Desenvolvimento infantil jerusalinky

  1. 1.  Desenvolvimento infantil na visão psicanalítica Aspectos estruturais e instrumentais do desenvolvimento O Outro na constituição do sujeito
  2. 2.  Falar sobre o desenvolvimento infantil é necessariamente um grande desafio pois há uma totalidade crescente de múltiplos elementos que, ao longo do tempo, vão se constituindo, se modificando e se transformando A complexidade e abrangência do desenvolvimento contempla vários conceitos que tentam entender a trama que envolve o conhecimento do homem sobre si mesmo. Portanto, Jerusalinsky (1989) está certo quando afirma ser o desenvolvimento infantil um verdadeiro caos conceitual
  3. 3.  Os profissionais das área do conhecimento trarão um enfoque ou darão ênfase a um processo do desenvolvimento Um neurologista afirmará ser a maturação do sistema nervoso central o responsável pelas conquistas da criança O psicanalista será pela constituição do sujeito na relação primordial com um Outro que se desdobrarão estas conquistas O psicólogo falará das adaptações, equilibrações e acomodações
  4. 4.  Mas, para entender o processo de desenvolvimento, é necessário fazer a distinção entre o que é estrutura do desenvolvimento e quais são os meios e as ferramentas utilizadas para se tecer este processo
  5. 5.  Coriat e Jerusalinsky(1989 e 1996) afirmam que o desenvolvimento passa por três elementos essenciais às conquistas humanas:1. O biológico;2. O sujeito psíquico;3. O sujeito cognitivo.
  6. 6. 1. O elemento biológico O elemento biológico nada mais é que a maturação do sistema nervoso A organização, a interação internuncial com as conexões nervosas são o que possibilitam as experimentações com captação de efeitos e transformações neuroevolutivas para poderem acontecer e fazer a diferenciação dos padrões e comportamentos
  7. 7.  Porém, segundo Jerusalinsky (1999, p. 28) “o desenvolvimento de um bebê humano não opera por simples automatismos biológicos”, uma vez que “os estímulos externos não são o motor de seu desenvolvimento (...) seu corpo não se organiza por suas funções musculares ou fisiológicas, mas sim pelas marcas simbólicas que o afetam”
  8. 8. 2. O sujeito psíquico Daí vem a importância do 2º elemento, o sujeito psíquico, que tem uma dependência externa muito significativa porque é representada pela família e como esta vê e investe no filho A dependência do lugar em que os pais colocam este filho será preponderante para sua constituição subjetiva na qual definirá seu lugar no mundo do desejo, de se diferenciar do Outro e marcar seu caminho na vida e no mundo É nesta definição de lugar do filho no contexto familiar é que se permite a criança ser sujeito inscrito no sistema nervoso central do primeiro elemento que o possibilita por gestos, atos e linguagem
  9. 9.  A palavra sujeito aqui deve ser compreendida como a psicanálise apresenta: o sujeito é aquele que suporta o desejo e, no caso do bebê, é o que suporta o desejo materno pois como ainda não está constituído, está sob o desejo materno representado no Outro (grafado desta forma para indicar um grande outro, um outro primordial e não qualquer outro). O fato de este elemento ser subjetivo traz a influencia do externo sob o interno de maneira sincronizada, organizada e interdependente.
  10. 10. Segundo Jerusalinsky (1999, p. 37),“para que um sujeito se constitua, não é necessárioesperar que uma criança caminhe, ou que manejehabilidosamente sua preensão, que chute uma bolaou que possa manter sua cabeça bem alinhada emrelação a sua visão. Não é necessário, pois hácrianças paralíticas cerebrais que nunca manejarãobem a pinça manual, nem caminharão; oumielomelingocélicos que nunca chutarão uma bola,ou cegos que nunca alinharão a cabeça com suavisão inexistente, e nem por isso serão menossujeitos de desejo que outras crianças que gozam detodas as habilidades corporais. (...) é certo que não édo corpo, mas da simbolização que nele se opere (apartir mesmo de suas primeiras falhas) que dependeesta estruturação psíquica.”
  11. 11. 3. Sujeito cognitivo O terceiro elemento é o sujeito cognitivo, o sujeito do conhecimento dado pela percepção dos esquemas de comportamento baseados nas reações aos objetos do entorno O meio, enquanto coisas e pessoas, tornam-se objeto de interrogação, de experimentação e de intercâmbio da criança em desenvolvimento Cada fase, etapa vivenciada e passada no processo do desenvolvimento utilizá-se destes três elementos com ação sincronizada principalmente nos dois primeiros anos de vida e gradativamente eles vão se diferenciando com o aprimoramento das habilidades
  12. 12. Desenvolvimento: aspectosestruturais e instrumentais Coriat e Jerusalinsky (1999, p. 193) afirmam que “ao falar de desenvolvimento é preciso distinguir entre as articulações que constituem o sujeito e os instrumentos de que esse se vale para realizar seus intercâmbios com o meio ambiente. Falamos, então, de aspectos estruturais e instrumentais do desenvolvimento”.
  13. 13. Aspectos estruturais Quando um bebê quer mamar você não consegue separar qual o elemento do desenvolvimento está regendo esta necessidade, se o sistema nervoso pela ação neurovegetativa, ou o sistema psíquico- afetivo pela relação mãe bebê ou mesmo pelo sistema psíquico-cognitivo pela experiência da estruturação proprioceptiva sensório-motora do ato de mamar. Com o passar dos anos, ao virmos uma criança andando de bicicleta, podemos afirmar qual estrutura essencialmente operou e/ou está operando para que esta atividade se dê.
  14. 14. Aspectos instrumentais O aspecto instrumental é representado, efetivamente, pelos hábitos e rotinas de vida diária das crianças, do brincar, da linguagem, das atividades psicomotoras, da aprendizagem e da socialização, pois permitem a experiência, o intercambio, a regulação, a averiguação, o ajuste e adequação, e compreensão dentre outros para oportunizar as transformações do vivido. Estes instrumentos são marcantes para a eficácia da evolução neuropsicomotora pela sua proximidade de ação nos primeiros anos de vida da criança que junto aos aspectos estruturais fazem a diferenciação de si em relação ao outro.
  15. 15.  Para Jerusalinsky (1999, p. 76), “nesse processo não é a cronologia o que caracteriza, nem uma progressão uniforme, tampouco um ritmo de saltos. O psíquico não tem ritmo, no que se diferencia do biológico que, ao contrário, o tem. (...) O que se desenvolve são as funções articuladas em torno do objeto faltante, como cadeias significantes que lhe dão seu contorno.”
  16. 16.  Esta definição de desenvolvimento afirma que os aspectos estruturais e instrumentais quando se articulam processam sua evolução O aspecto estrutural é representado pelo biológico através do sistema nervoso central, o sujeito psíquico pelo sistema psíquico-afetivo e o sujeito cognitivo pelo sistema psíquico-cognitivo. O aspecto instrumental pelas diversas áreas de experimentação ativa do corpo em relação com o meio de coisas e pessoas.
  17. 17.  Quando um bebê nasce, este faz diferentes movimentos que são denominados “naturais”: os movimentos reflexos arcaicos, movimentos espásticos, movimentos espontâneos e movimentos automáticos À medida que ocorre o desenvolvimento psicomotor da criança, os movimentos reflexos e os automáticos arcaicos vão desaparecendo, o que, para Levin (2002, p. 43), pode ser explicado assim: os movimentos arcaicos desaparecem ou silenciam e retornam diferentes, como intencionais ou voluntários, é que entre “o arcaico” e “o voluntário” se produz uma inscrição, uma marca ou traço (uma letra).
  18. 18.  O desenvolvimento infantil é um lugar de encontros entre estrutura e instrumento como caminho de base para se tecer o enquadrinhamento progressivo que acontece de maneira singular e própria para cada um de nós Os aspectos servem como fonte inicial de compreensão de algo que está sempre em movimento, como o desenvolvimento humano Após os primeiros anos vamos aperfeiçoando o aprendido e acrescentando elementos a eles, mas potencialmente o novo será a qualificação do vivido com estruturas mais complexas de ação em um jogo dinâmico de equilíbrio e desequilíbrio progressivos
  19. 19. Em síntese: ASPECTOS ESTRUTURAIS: são as articulações que compõe o sujeito, Condicionam, marcam, definem o lugar e a modalidade desde o qual o sujeito se coloca- orgânicos e psíquicos, subjetividade e cognição ASPECTOS INSTRUMENTAIS:são os instrumentos para realizar o intercâmbio. Também, essas ferramentas levam a facilitar a construção do mundo e de si- linguagem, psicomotricidade, aprendizagem, hábitos da vida diária, jogos e socialização
  20. 20. O Outro na constituição dosujeito Quando falamos em estrutura psicomotora, falamos dos aspectos neurológicos e psíquicos do sujeito e de suas articulações Para Jerusalinsky (1999, p. 193), por exemplo: estes processos se assentam e transcorrem num corpo. Por isto, quando falamos de estrutura psicomotora, nos referimos centralmente ao corpo e suas produções. (...) Essas produções abarcam um sem número de atividades: o movimento, o tônus, os gestos, as posturas, os jogos, a palavra etc., desenvolvidas em um espaço e em um tempo e basicamente em uma relação com um Outro e com o que este Outro produz manifestando nesta produção seu desejo
  21. 21.  O corpo humano depende, portanto, para sua subsistência, de um Outro , já que a criança quando nasce é imatura, e sem o Outro não conseguirá constituir um corpo subjetivado. O Outro vai criando nesse puro corpo “coisa”: buracos, bordas, protuberâncias tatuando deste modo um mapa corporal produto do desejo do Outro, que o erogeiniza, pulsionaliza, ou seja, cria- lhe uma falta no corpo, uma maneira, uma forma de que lhe falte algo. Estas faltas primordiais geram uma queda deste corpo “coisa”, “carne” puro real, que ao cair reencontra-se sujeito ao Outro. Estas marcas, estes modos de que falte algo no corpo, transformam-no num corpo erógeno e simbólico.
  22. 22. Fontes JERUSALINSKY, A. Psicanálise e Desenvolvimento Infantil. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989 http://www.incorcrianca.com.br/fami_de s_infantil.asp

×