Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Teoria tridimensional do direito

1,033 views

Published on

Trabalho de Direito Financeiro e Econômico - Professor Jão Costa

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Teoria tridimensional do direito

  1. 1. TEORIA TRIDIMENSIONAL DO DIREITO – Miguel Reale Centro Universitário do Leste de Minas Gerais – Unileste Curso: Direito Aluno(a): Thays Eduarda M. Oliveira
  2. 2. CONCEITO – Teoria Tridimensional A Teoria Tridimensional de Miguel Reale, é uma teoria onto-axio-gnosiológica do ser jurídico,onde demonstra que a essência desse fenômeno é sempre e necessariamente valorativa e, portanto, interpretativa. Há uma dimensão gnosiológica, que representa a esfera normativa, isto é, a forma própria de conhecimento do ser jurídico, que é a realidade normativa.
  3. 3. O termo “tridimensional” só pode ser compreendido, rigorosamente como traduzindo um processo dialético, onde o elemento normativo integra em si e supera a correlação fático-axiológica, podendo a norma converter-se em fato, consubstanciando-se nas regras de direito toda a gama de valores, interesses e motivos que se compõem a vida humana.
  4. 4. Ordem Econômica Constitucional Brasileira Art. 170 – CF/88 No art. 170 da Constituição Federal, a coexistência dos princípios da ordem econômica da propriedade privada e da função social da propriedade, representa o reconhecimento concomitante dos direitos humanos de primeira (liberdades) e segunda dimensão (igualdades).
  5. 5. O direito econômico brasileiro não se limita a reger as atividades privadas dos agentes econômicos, ainda que seja ele o Estado, uma vez que não é esse o preceito fundamental do art. 170 da Constituição Federal.
  6. 6. O referido artigo da Constituição Federal não dispõe que a ordem econômica seja o liberalismo, fundado na livre iniciativa e na propriedade privada, segundo seus princípios, para sermos um capitalismo liberal.
  7. 7. Na análise do art. 170 da Constituição Federal, que é a matriz constitucional da ordem econômica, o que se pode extrair do conceito do direito econômico brasileiro atual é sua vocação de capitalismo humanista fundado no acúmulo da liberdade, igualdade e fraternidade/solidariedade, que estabelece a medida da proporcionalidade, que produz o resultado do mínimo existencial, via de conseqüência, uma economia social de mercado, tal como a União Européia se autoproclama.
  8. 8. Correlacionam-se três estruturas jurídicas fundamentais: -Direito Natural, como esquema normativo de exigências transcendentais; -Direito Positivo, como ordenamento normativo de fatos e valores no plano experimental; -Hermenêutica Jurídica, que esclarece o significado das regras positivas e assegura-lhes continua atualização e operabilidade.
  9. 9. CONCLUSÃO Conclui-se, portanto, que o direito econômico brasileiro tem como regra o art. 170 da Constituição Federal, que estabelece disciplina jurídica tridimensional de direitos humanos. Assim, o direito fundamental, visa proporcionar à população, no contexto nacional, a existência digna conforme os ditames da justiça social impondo um capitalismo humanista tridimensional estruturador de uma economia social de mercado.
  10. 10. CONCLUSÃO Conclui-se, portanto, que o direito econômico brasileiro tem como regra o art. 170 da Constituição Federal, que estabelece disciplina jurídica tridimensional de direitos humanos. Assim, o direito fundamental, visa proporcionar à população, no contexto nacional, a existência digna conforme os ditames da justiça social impondo um capitalismo humanista tridimensional estruturador de uma economia social de mercado.

×