Doença Celíaca

5,660 views

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,660
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
173
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Doença Celíaca

  1. 1. Faculdade Pitágoras - Belo Horizonte Graduação de Enfermagem DOENÇA CELÍACA Luziene Gomes, Thaís Roberta, Marta Regina, Daiane Marques, Pollyanna Rodrigues, Marcelo Freitas, Igor Azevedo, Carolina Fernandes Irani Marcia
  2. 2. Introdução A doença celíaca (enteropatia glúteninduzida) é uma patologia autoimune que afeta o intestino delgado de adultos e crianças geneticamente predispostos, precipitada pela ingestão de alimentos que contêm glúten. A doença causa atrofia das vilosidades da mucosa do intestino delgado, causando prejuízo na absorção dos nutrientes,
  3. 3. O que é Glúten ? É uma proteína presente no TRIGO, na AVEIA, na CEVADA e em todos os alimentos e produtos preparados com esses cereais. EX: pães, bolos, cereais, massas, lácticos comerciais e bebidas alcoólicas.
  4. 4. As vilosidades intestinais (microvilosidades) têm a função de aumentar a absorção dos nutrientes após a digestão. São dobras da mucosa do Intestino. Sede de células com funções especializadas na digestão.
  5. 5. Patogenia O contato do glúten com a mucosa determina inflamação e um encurtamento das dobras intestinais, consequente afetando a digestão e a absorção de nutrientes. Também causam alterações nos mecanismos de transporte, com isso há espoliação (privação) de nutrientes, presença de proteínas e oligoelementos (elementos químicos no organismo para a formação de enzimas vitais para processos bioquímicos como a digestão.) na luz intestinal.
  6. 6. Ingestão de Gliadina ↓ Lesões inflamatórias ↓ Perda das células vilosas epiteliais ↓ A inflamação atinge um estágio destrutivo ↓ Inflamação prolongada
  7. 7. Nas figuras 1 e 2 podemos observar a imagem do intestino de uma pessoa normal, enquanto que nas figuras 3 e 4 observamos a imagem do intestino de uma pessoa com doença celíaca,
  8. 8. Fisiopatologia Acredita-se que a doença celíaca seja causada pela ativação da resposta imune celular (células-T) e humoral (células-B) em resposta à exposição ao glúten em pessoa geneticamente susceptível. Apesar de ser frequentemente chamada de alergia ao glúten, a doença celíaca não é causada por processo alérgico, mas autoimune.
  9. 9. As mudanças patológicas clássicas do intestino delgado são categorizadas através da "classificação Marsh":      Estágio Marsh 0: mucosa normal. Estágio Marsh 1: número aumentado de linfócitos intraepiteliais. Estágio Marsh 2: proliferação das criptas de Lieberkuhn. (glândulas que secretam diversas enzimas, como sucrase e maltase, e possuem células especializadas na produção de hormônios e enzimas de defesa.) Estágio Marsh 3: atrofia completa ou parcial das vilosidades. Estágio Marsh 4: hipoplasia da arquitetura do intestino delgado.
  10. 10. As mudanças geralmente melhoram ou são revertidas após o glúten ser removido da dieta.
  11. 11. Sinais & Sintomas
  12. 12. Diagnóstico A doença celíaca pode levar anos para ser diagnosticada. Diversos exames podem ser realizados para auxiliar o diagnóstico. O nível dos sintomas pode determinar quais testes devem ser realizados.
  13. 13. Exames de Sangue → Sorológico. Auxiliam o diagnóstico como o teste antiendomísio (IgA) e o teste ELISA que pode detectar a presença de anticorpos anti-transglutaminase (tTG).
  14. 14. Endoscopia → O diagnóstico é realizado através de biópsia da mucosa intestinal na sequência de uma endoscopia digestiva. Só a endoscopia e a biópsia irão dizer o nível de comprometimento intestinal.
  15. 15. Tratamento e Prevenção EXCLUSÃO DE GLUTÉN A suspensão do glúten é fundamental para o controle da doença celíaca. O tratamento consiste em evitar por toda a vida alimentos que contenham glúten (tais como pães, cereais, bolos, pizzas, e outros produtos alimentícios, ou aditivos, que contenham trigo, centeio, aveia e cevada).
  16. 16. Cuidado Nutricional Exclusão da dieta Inclusão na dieta trigo, centeio, cevada e aveias; batata, arroz, feijão de soja e tapioca;
  17. 17. É OBRIGATÓRIO por lei federal (Lei nº 10.674, de 16/05/2003) que todos os alimentos industrializados informem em seus rótulos a presença ou não de glúten para resguardar o direito à saúde dos portadores de doença celíaca.
  18. 18. ARTIGO  DISCORDÂNCIA DE APRESENTAÇÃO DA DOENÇA CELÍACA EM GÊMEOS MONOZIGÓTICOS A doença celíaca é uma enteropatia autoimune causada pela sensibilidade ao glúten em indivíduos geneticamente predispostos. Apesar da característica genética da doença, estudos demonstram discordância de 30% na sua apresentação em gêmeos monozigóticos. Objetivo - Apresentar dois pares de gêmeos monozigóticos, comprovados por estudos genéticos, discordantes para apresentação da doença celíaca.  Francisco José PENNA1, Dora Mendez Del CASTILLO2, Marina Guimarães Corrêa HASSEGAWA3, Aline Cristina VIEIRA3, e Vanessa Ribeiro ORLANDO3
  19. 19. Conclusão Contundo, dar ao paciente uma melhor qualidade de vida através do tratamento dietoterápico pode fazer com que viva uma vida normal e saudável.
  20. 20.  BIBLIOGRAFIA - SlideShare – Doença Celíaca por Aline Maria Sá Nascimento, 2012; - EBAH Doença Celíaca, por Danilo Coronel; - Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Doença Celíaca - Portaria SAS/MS no 307, de 17 de setembro de 2009. (Republicada em 26.05.10);
  21. 21. OBRIGADA !

×