Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO

Artigo escrito pelo Professor Sebastião Guimarães da Empresa T&G Treinamento.
É permitida a distribuição e a reprodução, desde que citada a fonte: Professor Sebastião Guimarães - T&G Treinamento - www.tgtreinamento.com.br

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO

  1. 1. Professor Sebastião Guimarães
  2. 2. Página 2 Página 2 E.book gratuito: NORMA ISO 10015 Disponibilizamos para os profissionais de RH e de T&D, o e.book: Norma ISO 10015— Gestão da qualidade Diretrizes para treinamento. Em Busca da Eficácia em Sebastião Guimarães: Treinamento Consultor com cursos de especialização em Qualidade Total pela The George Washington University. É professor do curso de pós-graduação da Universidade São Judas - "Gestão pela Qualidade em Alimentos" e professor convidado da Fea/Unicamp. Foi chefe de treinamento da Mercedes Benz e gerente do programa - Qualidade Total do Sebrae/SP E-mail: guimaraes@tgtreinamento.com.br É permitida a reprodução e distribuição gratuita, desde que previamente autorizada e citada a fonte: Professor Sebastião Guimarães— T&G Treinamento— www.tgtreinamento.com.br www.academiadotempo.com.br T&G Treinamento
  3. 3. Levantamento das Necessidades de Treinamento Rabelo & Oliveira (1995) relataram que de 19 empresas consultadas somente uma levantava necessidades de treinamento com base em análise de planos de negócios (equivalente ao nível de diagnóstico organizacio- nal) e somente cinco com base em avaliação de desempenho (equivalente ao nível de análise de tarefas). Segundo esses autores, proliferam os procedimentos informais nitidamente reativos, baseados em solicitações de funcionários e gerentes de linha. A situação acima relatada não mudou muito. Somente após 1999, quando foi editada a Norma ISO 10015: Diretrizes para treinamento – é que surgiu um novo processo denominado Definição das Necessidades de Treinamento – DNT, que passou a ser implementado pelas organizações, principalmente pelas de grande porte. A DNT substitui, com vantagem, o tradicional Levantamento das Necessidades de Treinamento – LNT. A Definição das Necessidades de Treinamento - DNT, é o primeiro estágio do ciclo de treinamento, conforme apresentado abaixo. CICLO DO TREINAMENTO Fig.2 da Norma ISO 10015 A DNT, de acordo com a Norma ISO 10015, tem como objetivo “[...] assegurar que o treinamento requerido seja orientado para satisfazer as necessidades da organização”. Veja, a seguir, as seis etapas da DNT: Página 3 Professor Sebastião Guimarães
  4. 4. 1ª Etapa DEFINIÇÃO DAS NECESSIDADES DA ORGANIZAÇÃO O treinamento deve ser orientado para atingir resultados estratégicos: aumentar o lucro, aumentar a satisfação dos clientes, aumentar a produção, aumentar as vendas, reduzir custos, reduzir acidentes, reduzir a rotatividade de pessoal, melhorar a qualidade e implementar outras melhorias para assegurar a sobrevivência e o desenvolvimento da organização. Para a Definição das necessidades da organização é recomendável considerar, entre outros insumos, a política da organização, sua visão, missão e valores. Nesta etapa, deve-se fazer um diagnóstico pra definir as necessidades de treinamento em termos de competências. Inicialmente deve-se considerar as competências essenciais. Competências essenciais ou “Core Competence” são aquelas que estão relacionadas com o que, de melhor, a empresa faz ou deveria fazer. O americano Hamel e o indiano Prahalad (1997, p.231) deixam bem claro os aspectos práticos do processo de definição das competências essenciais, ao afirmarem o seguinte: Em termos práticos, se, durante o processo de definição das competências específicas de uma empresa ou unidade de negócios de médio porte, uma equipe de gerentes identifica quarenta, cinqüenta ou mais “competências”, provavelmente está descrevendo habilidades e tecnologias, e não as competências essenciais. Por outro lado, se listar apenas uma ou duas competências, provavelmente está usando um nível de agregação demasiadamente amplo para gerar insights significativos. Normalmente o nível de 2ª Etapa DEFINIÇÃO E ANÁLISE DOS REQUISITOS DE COMPETÊNCIA A Norma ISO 10015, em 4.2.3, dá a seguinte diretriz: A definição das demandas futuras da organização, relacionadas às suas metas estratégicas e objeti- vos da qualidade, incluindo a competência requerida de seu pessoal, podem se originar de fontes internas e externas de natureza distintas, tais como:  Natureza dos produtos fornecidos pela organização;  Registros dos processos de treinamento passados e presentes;  Avaliação por parte da organização e competência do seu pessoal na realização de tarefas es- pecíficas  Rotatividade de pessoal ou flutuações sazonais de pessoal temporário  Certificação interna e externa necessária para a realização de tarefas específicas  Solicitações dos empregados que identifiquem oportunidades de desenvolvimento pessoal que contribuam para os objetivos da organização;  Resultado de análise dos processos e ações corretivas decorrentes de reclamações de clientes ou registros de não-conformidades;  Legislação, regulamentos, normas e diretrizes que afetam a organização, suas atividades e recursos; e  Pesquisa de mercado que identifique novos requisitos de clientes. Página 4 T&G Treinamento
  5. 5. 3ª Etapa: ANÁLISE CRÍTICA DAS COMPETÊNCIAS A análise crítica deve ser feita com base nos requisitos das tarefas e no desempenho profissional daqueles que desenvolvem essas tarefas. Um problema relacionado por Mellander (2005 p.235) é que “o treinamento freqüentemente tende a ser mais „orientado aos sintomas‟ do que „orientado às causas’ (os grifos são do autor). É necessário proceder a uma análise criativa das relações de causa e efeito para [...] evitar ensinar coisas erradas, da forma errada.” De acordo com 4.2.4 da Norma ISO 10015, os métodos usados para essa análise crítica devem incluir o seguinte: ENTREVISTA/QUESTIONÁRIOS DIRIGIDOS A EMPREGADOS, SUPERVISORES E GERENTES A entrevista permite o levantamento de informações e dados bem próximos da realidade. Possibilita, tam- bém, a obtenção de informações mais complexas sem exigir que o respondente tenha que escrever. O entrevistador, sabendo ouvir, observar, perguntar e interpretar consegue analisar, com grande precisão, as falhas e os resultados de um profissional e de seu processo. Schaan (2001, p.40), descreve os dois tipos de entrevista de acordo com os procedimentos do entrevista- dor, no que se refere à forma de conduzi-la: Diretiva é a entrevista dirigida pelo entrevistador, baseada num roteiro ou questionário, visando obter dados objetivos, relacionados a fatos ou temas específicos. Não-diretiva é a entrevista que não obedece a um roteiro rígido. Ao entrevistador cabe apenas orientar discretamente o rumo da conversa, lançando temas ou perguntas amplas como estímulo. É recomendada na sondagem de aspectos subjetivos do comportamento, tais como opiniões, atitudes, sentimentos. O uso de questionários, é um procedimento rápido e de fácil tabulação. As perguntas devem ser curtas e objetivas. OBSERVAÇÕES É o procedimento que garante maior confiabilidade às informações obtidas. A observação, como método de análise crítica, somente deve ser utilizada por observador bastante familiarizado com os procedimentos a serem analisados. DISCUSSÕES EM GRUPO É um procedimento que vem sendo bastante utilizado. Permite a obtenção de dados em profundidade, num curto espaço de tempo. PARECERES DE ESPECIALISTAS NO ASSUNTO São sempre valiosos, desde que o especialista esteja, realmente, a par de todo o processo de DNT. Para obter maior eficiência e eficácia, nesta etapa, convém mesclar o emprego dos métodos anteriormente mencionados. Página 5 Professor Sebastião Guimarães
  6. 6. 4ª Etapa DEFINIÇÃO DAS LACUNAS DA COMPETÊNCIA Nesta etapa, de acordo com 4.2.5 da Norma ISO 10015, deve-se definir os “gap’s” – “as lacunas de competências.” Para definir as lacunas, convém comparar as competências existente com as requeridas. Um recurso bastante eficaz para definir, com precisão, os “Gap’s” é a graduação das competências. Veja, a seguir, um modelo de graduação citado por Trevisan (2001, p.202 e 203). O modelo refere-se ao “Sistema de competências” desenvolvido pelo governo britânico. 5ª Etapa IDENTIFICAÇÃO DE SOLUÇÕES PARA ELIMINAR AS LACUNAS DE COMPETÊNCIA Em 4.2.6 a Norma ISO 10015 dá a seguinte diretriz: As soluções propostas para eliminar as lacunas de competência podem ser os treinamentos ou outras ações da organização, tais como: a reformulação dos processos, recrutamento de pessoal treinado, terceirização, melhoria de outros recursos, redução da rotatividade e modificação dos procedimentos de trabalho. É bom deixar bem claro que existem muitas outras soluções para eliminar as lacunas de competência. O treinamento é apenas uma delas. Desenvolver programas de treinamento, muitas vezes é a pior alternativa. Na área de RH da GE para alertar seus profissionais, há uma grande faixa com o texto: NÃO TREINAR, SE POSSÍVEL. Página 6 T&G Treinamento
  7. 7. 6ª Etapa DEFINIÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO A Norma ISO 10015, em 4.2.7 dá a seguinte diretriz: Os insumos para a especificação das necessidades de treinamento devem ser extraídos do documento que contém a lista dos requisitos de competência, encontrados em 4.2.3, dos resultados de treinamentos anteriores, das lacunas atuais de competência e das solicitações de ações corretivas. Recomenda-se que a especificação das necessidades de treinamento inclua os objetivos e resultados esperados do treinamento. Portanto, o grande segredo da DNT está em especificar com precisão e clareza o objetivo e o resultado esperados do treinamento. Dada a importância da DNT e dos demais passos do Ciclo do Treinamento, muitas ferramentas são utilizadas para implementá-los. Uma das principais é o Assessement (termo original do inglês que significa “Avaliação”),utilizada para identificar o nível de instalação das competências, priorizar aquelas que devem ser desenvolvidas e maximizar o investimento nas ações de RH/T&D. Referências bibliográficas RABELO, F.M.; BRESCIANI FILHO, E.; OLIVEIRA, LAB. Treinamento e gestão da qualidade. Revista de Administração de Empresas, v.35, n.3, p.13-19. maio/jun. 1995. HAMEL,Gary; PRAHALAD, C.K. Competindo pelo Futuro. 21. Ed. Campus. Rio de Janeiro, 1997 MELLANDER, Klas. O poder da aprendizagem. São Paulo: Editora Cultrix, 2005. NBR ISO 10015 - Diretrizes para treinamento. ABNT_Rio de Janeiro_Abril de 2001 SCHAAN, Maria Helena. Avaliação sistemática de treinamento: guia prático – LTr, 2001 TREVISAN, Leonardo - Educação e Trabalho – Editora Senac - São Paulo, 2001 Para acessar a agenda de cursos e palestras: www.tgtreinamento.com.br treinamento@tgtreinamento.com.br Para falar com o Professor Sebastião Guimarães: guimaraes@tgtreinamento.com.br Informações: 11 9952-0803 Solicitar artigos e fotos na Assessoria de Imprensa: Fada Celeste Produções—www.fadaceleste.com.br www.fadaceleste.com.br/saladeimprensa.htm Jornalista Responsável: Claudia Souza— MTB 50644/SP Tels: 11 6218-9688 / 9803-3384—tgtreinamento@hotmail.com Página 7 Professor Sebastião Guimarães

×