Barbeiro Sonolento

5,844 views

Published on

Esse trabalho fiz em 2009 se eu não me engano! foi bem legal! Obtive nota maxima! =)

Published in: Technology
1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
  • Preciso descobrir o problema disso, e não uma solução! tbm é um trabalho.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
5,844
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
23
Actions
Shares
0
Downloads
159
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Barbeiro Sonolento

  1. 1. BARBEIRO SONOLENTO Acadêmicos Thiago Marinho e Lúcio Fábio Sistemas Operacionais
  2. 2. PROCESSO Em computação é um programa que está em execução.
  3. 3. THREAD Linha de Execução de um processo.
  4. 4. IPC Sigla Inglês: Inter-Process Communication Tradução: Comunicação Entre Processos.
  5. 5. IPC - IMPORTÂNCIA (exemplo sala de aula) - Estrutura e Ininterrupção - Transferência de informação entre os processos
  6. 6. CONDIÇÃO DE DISPUTA Acontece quando dois processos querem ter acesso a memória compartilhada.
  7. 7. CONDIÇÃO DE DISPUTA Acontece quando dois processos querem ter acesso a memória compartilhada.
  8. 8. REGIÃO CRÍTICA Parte do programa em que tem o acesso a memória ou outro recurso compartilhado, que não pode ser acessado por mais de um processo.
  9. 9. REGIÃO CRÍTICA Quatro condições a serem realizadas para chegar a uma boa solução: 1 – Nunca dois processo podem estar simultaneamente em suas regiões críticas. 2 – Nada pode ser afirmado sobre a velocidade ou sobre o número de CPUs.
  10. 10. REGIÃO CRÍTICA Quatro condições a serem obedecidas para chegar a uma boa solução: 3 – Nenhum processo executando fora de sua região crítica pode bloquear outros processos. 4 – Nenhum outro processo deve esperar eternamente para entrar em sua região crítica.
  11. 11. REGIÃO CRÍTICA Por quê Região Crítica??
  12. 12. SEMÁFAROS Variável Inteira criada em 1965 pelo finado E.W Diikastra. Serve para mostrar quantos processos estão esperando para acessar o recurso compartilhado.
  13. 13. SEMÁFAROS Operação DOWN ou P: Decrementa o valor do semáforo. Se o semáforo está com valor zerado, o processo é posto para dormir.
  14. 14. SEMÁFAROS Operação UP ou V: Se o semáforo estiver com o valor zero e existir algum processo adormecido, um processo será acordado. Caso contrário, o valor do semáforo é incrementado.
  15. 15. EXCLUSÃO MUTUA Acrônimo do termo inglês Mutual Exclusion (MUTEX), português Exclusão Mutua.
  16. 16. EXCLUSÃO MUTUA É um recurso de uma variável (Mutex) que impede que seja acessada a Região Crítica por mais de um Processo. Mutex = 0 desimpedida e Mutex = 1 impedida.
  17. 17. BARBEIRO SONOLENTO É uma problema clássico IPC, mesmo não se envolvendo com transferência de dados. Envolve-se com a sincronização entre múltiplos processos.
  18. 18. BARBEIRO SONOLENTO Como funciona uma Barbearia?
  19. 19. Para a solução do BD, utiliza-se três semafáros: custumers, barbers, mutex e uma variável inteira normal: waiting BARBEIRO SONOLENTO
  20. 20. Explicação passo a passo do Processo BARBERIA BARBEIRO SONOLENTO
  21. 22. Continua 
  22. 23. Fim Algoritmo
  23. 24. Livro Tanenbaum, Andrews. S Sistemas Operacionais Modernos (2ª Edição) BIBLIOGRAFIA
  24. 25. Wikipédia.com e Google.com BIBLIOGRAFIA
  25. 26. The End Barber’s THIAGO MARINHO DE OLIVEIRA 5º Semestre - FCG Ciências da Computação Sistemas Operacionais Modernos

×