SAÚDE INDIVIDUAL E COMUNITÁRIA COMO SE MEDE O ESTADO DE SAÚDE DE UMA POPULAÇÃO? Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2011/2012...
Estado de saúde de uma população <ul><li>Avalia-se através dos  Indicadores  - medidas simples que reflectem a saúde comun...
Indicadores do estado de saúde <ul><li>são  valores numéricos  (taxas ou percentagens), calculados em relação a uma determ...
Tipos de indicadores: Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
Indicadores de saúde referentes aos recursos humanos existentes. <ul><li>Número de médicos e enfermeiros nos centros de sa...
Indicadores do estado de saúde * Apenas aplicados em Países desenvolvidos, por estarem fortemente relacionados com o nível...
Taxa de mortalidade infantil (TMI) <ul><li>Relaciona o número de crianças que morrem no primeiro ano de vida com o número ...
Taxa de mortalidade infantil (TMI) <ul><li>Permite tirar conclusões quanto ao grau de desenvolvimento do país. </li></ul>P...
Taxa de mortalidade infantil (TMI) <ul><li>Factores que fazem diminuir a TMI: </li></ul><ul><ul><li>Acompanhamento médico;...
Taxa de mortalidade infantil (TMI)
Esperança de vida. <ul><li>É o número de anos, em média, que cada pessoa  à nascença pode esperar viver. </li></ul><ul><li...
Esperança de vida. Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009 Index Mundi
Esperança de vida Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
Esperança de vida Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
Esperança de vida / Esperança de vida saudável Idosos portugueses têm menos esperança de vida saudável que espanhóis
Esperança de vida. <ul><li>É influenciada positivamente pela(o)… </li></ul>
Esperança de vida. <ul><ul><li>Evolução das condições de vida. </li></ul></ul><ul><ul><li>Evolução tecnológica. </li></ul>...
Taxa de doenças infecciosas <ul><li>Doenças causadas por vírus, bactéria, parasitas e que são transmissíveis. </li></ul><u...
Taxa de doenças infecciosas <ul><ul><li>Evitar comportamentos de risco; </li></ul></ul><ul><ul><li>Melhorar a higiene; </l...
Taxa de doenças cardiovasculares <ul><li>Doenças cardiovasculares: </li></ul><ul><ul><li>Afectam o coração e os vasos sang...
Taxa de doenças cardiovasculares <ul><li>É influenciada por: </li></ul>
Taxa de obesidade <ul><li>A obesidade… </li></ul><ul><ul><li>Resulta de maus hábitos alimentares e falta de exercício físi...
Taxa de obesidade
Taxa de obesidade <ul><li>Indicador característico dos países desenvolvidos. </li></ul><ul><li>Dentro dos países desenvolv...
Taxa de obesidade <ul><li>Cerca de 31,5% das crianças e jovens portugueses entre os 9 e os 16 anos são obesos ou sofrem de...
Taxa de obesidade <ul><li>No Mundo o número de pessoas com fome está a aproximar-se do número de pessoas com peso excessiv...
Taxa de diabetes tipo 2 <ul><li>Vulgarmente designada de diabetes dos adultos. </li></ul><ul><li>Produzem insulina em quan...
Taxa de diabetes tipo 2 <ul><li>Está relacionada com. </li></ul><ul><ul><li>Alimentação desequilibrada. </li></ul></ul><ul...
Taxa de diabetes tipo 2 Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2011/2012
Países em desenvolvimento  / Indicadores do estado de saúde <ul><li>Carências alimentares </li></ul><ul><li>Falta de assis...
Países desenvolvidos / Indicadores do estado de saúde <ul><li>Excessos alimentares </li></ul><ul><li>Vida sedentária. </li...
 
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012

2,182 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,182
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
157
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Alguns indicadores de saúde, como as taxas de doenças cardiovasculares e de obesidade, a incidência de diabetes ou a gravidez na adolescência, apenas são aplicados em países desenvolvidos, por estarem fortemente relacionados com o nível socioeconómico das populações.
  • Nados-vivos
  • As TMI mais elevadas ocorrem na África e na Ásia A TMI em Portugal tem valores semelhantes aos verificados nos restantes países europeus.
  • Factores que fazem diminuir a TMI: acompanhamento médico (partos medicamente assistidos; acompanhamento durante a gravidez, no parto e após o parto) programas de imunização das crianças contra certas doenças infecciosas (sarampo, rubéola, poliomielite…); Aleitamento materno; Alimentação das mães; Acesso à água potável; Condições de higiene e de habitabilidade; Melhoria das condições de vida
  • Factores que fazem diminuir a TMI: acompanhamento médico (partos medicamente assistidos; acompanhamento durante a gravidez, no parto e após o parto) programas de imunização das crianças contra certas doenças infecciosas (sarampo, rubéola, poliomielite…); Aleitamento materno; Alimentação das mães; Condições de higiene e de habitabilidade; Melhoria das condições de vida
  • É calculada tendo como base, além dos nascimentos e óbitos, o acesso à saúde, à educação, à cultura e ao lazer, bem como a violência, criminalidade, poluição e situação económica do lugar em questão. As mulheres têm, em geral, maior esperança de vida do que os homens. Antes da revolução industrial a esperança de vida da população mundial era de 30 anos. Em 1920, a população portuguesa tinha uma esperança média de vida à nascença de cerca de 37,54 anos, valor que subiu vertiginosamente para os 77,5 anos em 2002. A redução da taxa de mortalidade infantil terá constituído um dos factores que mais contribuiram para o aumento da esperança média de vida à nascença em Portugal.
  • A destruição provocada pela guerra leva à falta de alimentos e à deterioração das condições de higiene, o que favorece a ocorrência de situações de subnutrição e de epidemias, levando ao aumento da mortalidade.
  • Existem, aproximadamente, 28 mil japoneses com mais de 100 anos.
  • Existem, aproximadamente, 28 mil japoneses com mais de 100 anos.
  • Evolução da tecnologia (a evolução da tecnologia permite detectar doenças precocemente, aumentando assim as possibilidades de cura) Evolução da farmacologia (desenvolvimento de medicamentos cada vez mais eficazes para combater e prevenir enfermidades) Aumento do número de hospitais e centros de saúde (prestam serviços melhores e mais rápidos, pois são tecnologicamente bem apetrechados e possuem uma variedade de profissionais de saúde qualificados) Aumento da educação (literacia)
  • Evolução da tecnologia (a evolução da tecnologia permite detectar doenças precocemente, aumentando assim as possibilidades de cura) Evolução da farmacologia (desenvolvimento de medicamentos cada vez mais eficazes para combater e prevenir enfermidades) Aumento do número de hospitais e centros de saúde (prestam serviços melhores e mais rápidos, pois são tecnologicamente bem apetrechados e possuem uma variedade de profissionais de saúde qualificados) Aumento da educação (literacia)
  • A malária, também designada por paludismo é uma doença infecciosa provocada por protozoários parasitas do género Plasmodium. Transmite-se pela picada das fêmeas do mosquito do género Anopheles. No corpo humano, os parasitas multiplicam-se no fígado, infectando depois os glóbulos vermelhos. O ex-presidente da República, Jorge Sampaio, foi nomeado em 2006 pela ONU, como o responsável por acabar com a Tuberculose. Este plano prevê tratar 50 milhões de doentes e salvar 14 milhões de vidas. Malária; Dengue; Febre amarela; Hepatite A; Hepatite E; Febre tifóide; Cólera; Poliomielite; Sarampo; Rubéola; Tétano; Difteria; Antraz; Varicela; Tuberculose; Doença meningocócica; Gripe;AiDS (HIV)…
  • Todos os anos morrem no planeta milhões de seres humanos vítimas de doenças infecciosas. O desenvolvimento dos meios de transporte, o aumento populacional em certas as cidades e uma higiene insuficiente favorecem a transmissão de numerosas doenças.
  • As doenças cardiovasculares estão muito relacionadas com estilos de vida, nomeadamente o sedentarismo, o tabagismo, o stresse ou os maus hábitos alimentares.
  • O peso, só por si não constitui um bom indicador de obesidade, uma vez que esta depende de alguns factores como o sexo, a idade e a altura do indivíduo. Dia Mundial da Alimentação - No dia 16 de Outubro poder-se-á desenvolver na escola uma campanha de sensibilização relativa à alimentação.
  • O peso, só por si não constitui um bom indicador de obesidade, uma vez que esta depende de alguns factores como o sexo, a idade e a altura do indivíduo. Dia Mundial da Alimentação - No dia 16 de Outubro poder-se-á desenvolver na escola uma campanha de sensibilização relativa à alimentação.
  • O peso, só por si não constitui um bom indicador de obesidade, uma vez que esta depende de alguns factores como o sexo, a idade e a altura do indivíduo. Dia Mundial da Alimentação - No dia 16 de Outubro poder-se-á desenvolver na escola uma campanha de sensibilização relativa à alimentação.
  • Diabetes: tipo 1 – o organismo não produz insulina, por isso depende dela. tipo 2 - o organismo ainda produz insulina mas ineficaz ou em quantidades não suficientes. Está directamente relacionada com a alimentação (obesidade) – (pré-diabetes ou diabetes dos adultos). Doença associada às pessoas ricas nos países subdesenvolvidos e às pessoas pobres nos países desenvolvidos.
  • 02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012

    1. 1. SAÚDE INDIVIDUAL E COMUNITÁRIA COMO SE MEDE O ESTADO DE SAÚDE DE UMA POPULAÇÃO? Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2011/2012 ESCOLA CIDADE DE CASTELO BRANCO CIÊNCIAS NATURAIS 9º ANO
    2. 2. Estado de saúde de uma população <ul><li>Avalia-se através dos Indicadores - medidas simples que reflectem a saúde comunitária. </li></ul>Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
    3. 3. Indicadores do estado de saúde <ul><li>são valores numéricos (taxas ou percentagens), calculados em relação a uma determinada população, e que permitem fazer uma avaliação estatística sobre o estado de saúde da população em estudo. </li></ul>Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
    4. 4. Tipos de indicadores: Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
    5. 5. Indicadores de saúde referentes aos recursos humanos existentes. <ul><li>Número de médicos e enfermeiros nos centros de saúde, por 100 mil habitantes em 2001 </li></ul>
    6. 6. Indicadores do estado de saúde * Apenas aplicados em Países desenvolvidos, por estarem fortemente relacionados com o nível socioeconómico das populações. * * * *
    7. 7. Taxa de mortalidade infantil (TMI) <ul><li>Relaciona o número de crianças que morrem no primeiro ano de vida com o número de nascimentos ocorridos no mesmo período. </li></ul><ul><li>Expressa-se normalmente em permilagem, ou seja, indica o número de óbitos de crianças com menos de 1 ano por 1000 </li></ul>Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2011/2012
    8. 8. Taxa de mortalidade infantil (TMI) <ul><li>Permite tirar conclusões quanto ao grau de desenvolvimento do país. </li></ul>Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009 TMI em 2006; esta taxa é maior nos países subdesenvolvidos ou em guerra. Index Mundi
    9. 9. Taxa de mortalidade infantil (TMI) <ul><li>Factores que fazem diminuir a TMI: </li></ul><ul><ul><li>Acompanhamento médico; </li></ul></ul><ul><ul><li>Vacinação; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aleitamento materno; </li></ul></ul><ul><ul><li>Alimentação das mães; </li></ul></ul><ul><ul><li>Melhoria das condições de vida. </li></ul></ul>
    10. 10. Taxa de mortalidade infantil (TMI)
    11. 11. Esperança de vida. <ul><li>É o número de anos, em média, que cada pessoa à nascença pode esperar viver. </li></ul><ul><li>A esperança média de vida reflecte o grau de desenvolvimento socioeconómico das populações. </li></ul><ul><li>Antes da revolução industrial a esperança de vida á nascença era de 30 anos. </li></ul>Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009 http://www.acs.min-saude.pt/pns/pt/nascer-com-saude/esperanca-de-vida-a-nascenca/
    12. 12. Esperança de vida. Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009 Index Mundi
    13. 13. Esperança de vida Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
    14. 14. Esperança de vida Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2008/2009
    15. 15. Esperança de vida / Esperança de vida saudável Idosos portugueses têm menos esperança de vida saudável que espanhóis
    16. 16. Esperança de vida. <ul><li>É influenciada positivamente pela(o)… </li></ul>
    17. 17. Esperança de vida. <ul><ul><li>Evolução das condições de vida. </li></ul></ul><ul><ul><li>Evolução tecnológica. </li></ul></ul><ul><ul><li>Evolução das ciências médicas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Evolução farmacológica. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento do número de hospitais e centros de saúde. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento da educação. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento do nível económico. </li></ul></ul><ul><ul><li>Diminuição da TMI. </li></ul></ul><ul><li>É influenciada positivamente pela(o)… </li></ul>
    18. 18. Taxa de doenças infecciosas <ul><li>Doenças causadas por vírus, bactéria, parasitas e que são transmissíveis. </li></ul><ul><li>As doenças infecto-contagiosas podem ser: </li></ul><ul><ul><li>Doenças que se podem prevenir através da vacinação (sarampo, hepatite…) </li></ul></ul><ul><ul><li>Doenças para as quais não existe vacina (malária, SIDA …) </li></ul></ul>http://www.acs.min-saude.pt/pns/doencas-infecciosas/mortalidade-por-sida-antes-dos-65-anos/
    19. 19. Taxa de doenças infecciosas <ul><ul><li>Evitar comportamentos de risco; </li></ul></ul><ul><ul><li>Melhorar a higiene; </li></ul></ul><ul><ul><li>Promover programas de rastreio e de vacinação (quando existe vacina); </li></ul></ul><ul><ul><li>Promover campanhas de informação. </li></ul></ul>Filtro de água <ul><li>Na prevenção destas doenças é importante: </li></ul>
    20. 20. Taxa de doenças cardiovasculares <ul><li>Doenças cardiovasculares: </li></ul><ul><ul><li>Afectam o coração e os vasos sanguíneos. </li></ul></ul><ul><ul><li>São a primeira causa de morte nos países desenvolvidos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Em Portugal são responsáveis por cerca de 35% dos óbitos. </li></ul></ul>Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2011/2012 http://www.acs.min-saude.pt/pns/doencas-cardiovasculares/
    21. 21. Taxa de doenças cardiovasculares <ul><li>É influenciada por: </li></ul>
    22. 22. Taxa de obesidade <ul><li>A obesidade… </li></ul><ul><ul><li>Resulta de maus hábitos alimentares e falta de exercício físico. </li></ul></ul><ul><ul><li>Contribui para o aparecimento de diabetes, diversos tipos de cancro, doenças cardiovasculares, respiratórias e psicológicas. </li></ul></ul>
    23. 23. Taxa de obesidade
    24. 24. Taxa de obesidade <ul><li>Indicador característico dos países desenvolvidos. </li></ul><ul><li>Dentro dos países desenvolvidos, é um indicador de pobreza (alimentos pobres em vitaminas, sais minerais, e fibras, mas ricos em sal, gorduras e açúcar são baratos). </li></ul><ul><li>Obesidade, segundo a OMS, é a epidemia do séc. XXI . </li></ul>
    25. 25. Taxa de obesidade <ul><li>Cerca de 31,5% das crianças e jovens portugueses entre os 9 e os 16 anos são obesos ou sofrem de excesso de peso. </li></ul>
    26. 26. Taxa de obesidade <ul><li>No Mundo o número de pessoas com fome está a aproximar-se do número de pessoas com peso excessivo. </li></ul>Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2011/2012 Há, pela primeira vez, um número equivalente de pessoas sobrenutridas e subnutridas, como resultado de um estilo de vida com abundância de alimentos, trabalho automatizado e prazer sem esforço.
    27. 27. Taxa de diabetes tipo 2 <ul><li>Vulgarmente designada de diabetes dos adultos. </li></ul><ul><li>Produzem insulina em quantidade insuficiente, ou então a insulina não é eficaz. </li></ul>A quantidade de glicose no sangue (Glicémia) aumenta.
    28. 28. Taxa de diabetes tipo 2 <ul><li>Está relacionada com. </li></ul><ul><ul><li>Alimentação desequilibrada. </li></ul></ul><ul><ul><li>Estilo de vida sedentária. </li></ul></ul><ul><ul><li>Tendência familiar. </li></ul></ul>Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2011/2012
    29. 29. Taxa de diabetes tipo 2 Prof. Teresa Condeixa Monteiro – 2011/2012
    30. 30. Países em desenvolvimento / Indicadores do estado de saúde <ul><li>Carências alimentares </li></ul><ul><li>Falta de assistência médica. </li></ul><ul><li>Más condições de higiene. </li></ul><ul><li>Falta de informação / educação. </li></ul><ul><li>Grande incidência de doenças infecto contagiosas (tuberculose, malária e SIDA) </li></ul><ul><li>Elevada taxa de mortalidade infantil </li></ul><ul><li>Baixa esperança de vida </li></ul>In Prof. Helena Rego
    31. 31. Países desenvolvidos / Indicadores do estado de saúde <ul><li>Excessos alimentares </li></ul><ul><li>Vida sedentária. </li></ul><ul><li>Stress </li></ul><ul><li>Poluição </li></ul><ul><li>Grande incidência de doenças cardiovasculares. </li></ul><ul><li>Obesidade. </li></ul><ul><li>Diabetes </li></ul><ul><li>Cancro </li></ul>In Prof. Helena Rego

    ×