Gazeta da EBI da Maia - Pelos alunos do Clube de Jornalismo - Junho '11

1,980 views

Published on

Gazeta da EBI da Maia - Pelos alunos do Clube de Jornalismo - Junho '11

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,980
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
206
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Gazeta da EBI da Maia - Pelos alunos do Clube de Jornalismo - Junho '11

  1. 1. NÚMERO - 5 Junho 2011 gazetadamaia@ebimaia.net Velvet CarochinhaCoordenação: Helena Chrystello; Isabel Guedes; Mónica Santos; Telmo Nunes. Com a participação de: alunos do Clube de Jornalismo; Ebi da Maia . Impressão: Coingra Tiragem: 300 exemplares O Livro Pendurado À semelhança do ano lectivo transacto, a biblioteca escolar promoveu o concurso “O Livro Pendurado”. Como o próprio nome indicia, um Sucesso Nacional ____________ tratou-se de uma actividade que consistiu em pendurar um livro no Hall de Exposições da BE/ Página - 9 CRE para que depois os alunos o analisassem e, dessa forma, ficassem habilitados a um prémio. Página - 8 Página - 11 Estivemos à conversa com.. Professor Daniel de Sá Assistente Técnico Página - 2 Ilustre Escritor da Freguesia da Maia Página - 11 Artur Pacheco Actividades Desportivas Escolares Como vem sendo hábito, a nossa escola participou nas Actividades Desportivas Escolares No ano proclamado pela ONU (Organização das Nações Unidas) como sendo o Ano Internacional das Florestas, alunos e professores do Projecto Eco-Escolas organizaram diversas acções comemorativas do Dia Página - 8 Mundial da Árvore. Página - 8
  2. 2. 2 - Gazeta da EBI da Maia EDITORIAL Com mais um ano lectivo a chegar ao fim colo- O verdadeiro sistema deveria ter como único aprendizagens do aluno é um fracasso do sistema,ca-se uma questão que parece pertinente: será que ponto de convergência o aluno. Contudo, o currí- dado que o sistema é o próprio aluno.as medidas aplicadas foram as mais correctas ou culo foi concebido como instrumento de organi-tratou-se, apenas, de esforços inúteis? zação de saberes transmitidos pelos professores e Helena Chrystello A questão educacional, que seria a promoção do assimilados pelo aluno. O currículo deveria ser osucesso escolar, vê-se reduzida a um diagnóstico instrumento de organização de aprendizagens, logonegativo que tenta identificar causadores deste in- o aluno deveria ser o principal gestor deste, sen-sucesso e se vai esvaziando de conteúdo, dando do o professor um dos muitos meios que poderãolugar a um jogo de rivalidades entre os seus inter- ser disponibilizados, colocando-se os docentes navenientes. posição de orientadores, mediadores e indutores de O aluno, ao tornar-se no marginal da educação, aprendizagens. Neste sentido, é relevante a redefi-continuará a pagar a factura do insucesso. Sendo a nição do papel dos intervenientes do sistema e dasquestão do sucesso um problema educacional e não suas responsabilidades, reconduzindo o percursoadministrativo, o facto de se marginalizar o aluno e educacional do aluno ao exercício da aprendizagemnão o colocar no centro da questão, não só agrava como um processo pessoal e social do qual é parti-como não soluciona o problema do insucesso. cipante e responsável. O fracasso no processo das decorreram no ParqueUrbano de Ponta Delgada. Vários foram, também os 2ºsO Clube Desportivo Escolar da Maia e 3ºs lugares com que os atletas nos- CDEM - sediado na Escola Básica abrilhantaram ao longo desta épocaIntegrada da Maia, tem vindo a A RT U R desportiva 2010/2011.desenvolver, ao longo de vários anos,actividades desportivas e recreativas, Realizaram-se seis torneios deapostando na formação desportiva dos Badminton, ao longo do ano, na PA C H E C Onossos jovens alunos e desenvolvendo Escola Secundária da Ribeira Grande,o gosto e o hábito pela prática desportiva apurando-se para o Regional osregular. melhores oito atletas de cada escalão.Na modalidade do Atletismo, e com o No passado dia 21 de Maio de 2011, Momentos marcantes:1º lugar, distinguiu-se a atleta e aluna realizou-se o Regional de Badminton,Beatriz Tavares (escalão Benjamins na Escola Secundária das Laranjeiras, Falecimento do paiFemininas), no 11º Grande Prémio destacando-se a atleta e aluna Anada Fajã de Baixo, no 1º Corta Mato Filipa Vieira Melo que se consagrou Pessoas especiais:que decorreu no Pinhal da Paz, na 5ª CAMPEÃ REGIONAL no escalão dos MãeCorrida Terras do Priolo no Nordeste, Sub 17 Femininas. Também dignificaramna Corrida de Aniversário do Operário o CDEM e a EBI da Maia com uns Viagem de sonho:na Lagoa e na Corrida do Dia do brilhantes segundos e terceiros lugares, Nome completo:Trabalhador no Campo de S. Francisco os atletas e alunos Pedro Silva Rebelo, Brasilem Ponta Delgada. Também com o 1º no escalão dos Sub 13 Masculinos (3º Artur Jorge da Câmara Pacheco Mensagem aos leitores:lugar, destacamos o atleta e aluno Tiago lugar), as atletas Sub. 15 Femininas,Pimentel (escalão Infantis Masculinos) Joana Cristina Câmara (2º lugar), Ana Leiam muito! Data de nascimento:na 5ª Corrida Terras do Priolo no Cristina Pimentel e Maria Carolina MeloNordeste, o atleta e aluno João Sousa (3º lugar). 14/04/1974 O que o levou a escolher esta(escalão Benjamins Masculinos) na 12ª carreira? Pelas prestações destes nossos atletasCorrida de Natal da Câmara Municipal Clube favorito: e alunos o Clube Desportivo Escolar Gosto pela áreada Ribeira Grande, o atleta e aluno da Maia consagrou-se Vice-Campeão Benfica administrativaPedro António Amaral (escalão Infantis na modalidade de Badminton na épocaMasculinos) na Corrida de Aniversário desportiva 2010-2011. Prato favorito: Para passar o tempo livre nadado Operário na Lagoa e a atleta e aluna melhor do que…Anabela Calouro (escalão Infantis O CDEM orgulha-se de os ter como Bife com batatas fritasFemininas) nos 2º e 3º Corta-Matos que Atletas. Os nossos Parabéns! Facebook
  3. 3. Gazeta da EBI da Maia - 3 O que acontece por lá... OutrasESCOLA BÁSICA2, 3 RUI GALVÃO DE CARVALHO Actividades TAÇA ANIMA DE ESCALADA Organizada pelo Clube Desportivo Escolar Resultados obtidos pelos alunos da EscolaRoberto Ivens, com o apoio do ANIMA-Cultura, Básica 2, 3 Rui Galvão de Carvalho na últimaa Taça ANIMA de Escalada 2010/2011 contou Prova da Taça ANIMA de Escalada:com participação de 70 alunos das escolas dosconcelhos de Ponta Delgada, Ribeira Grande e Infantis B MascLagoa. 2º - João Vieira – Atlético Rabo De Peixe O grande objectivo deste evento foi a 3º - Paulo Vieira – Atlético Rabo de Peixedinamização dos muros da Escalada existentes Infantis A Masc.no concelho de Ponta Delgada e a difusão da 2º - Ricardo Andrade – Atlético Rabo de Peixemodalidade junto das camadas mais jovens. Infantis B Masc. 1º - João Vieira – Atlético Rabo de Peixe É de salientar que mais de 50% dos alunos 2º - Cristopher Aguiar – Atlético Rabo de Peixeparticipantes nesta taça escolar têm idadesinferiores a 12 anos e o mais novo, apenas 5 Iniciados Masc.anos. 3º - Marco Benevides – Atlético Rabo de Peixe Juvenis Masc. Para o próximo ano lectivo, dado o interesse 3º - Telmo Andrade – Atlético Rabo de Peixedemonstrado por várias escolas, está confirmadaa continuidade desta Taça ANIMA de Escalada. Júnior Masc. 3º - Marco Benevides – Atlético Rabo de Peixe ESCOLA BÁSICA 2, 3 GASPAR FRUTUOSO da individualidade de cadaO porquê da escolha: um, há que partilhar opiniões, sagem circundante é imensa,ser professor… pensamentos, maneiras de ser e de estar perante o mun- deslumbrante, fabulosa, con- do e mesmo segredos profis- vidativa, mas ao mesmo tem-Num contexto de crescente in- sionais, do género «Olha, eu po aterradora. Embora muitascerteza salarial, muitas vezes tenho uma turma muito com- vezes os nossos alunos apa-somos assolados pelo porquê plicada e tenho feito isto ou rentem ser fortes e bastanteda escolha da docência no aquilo com eles»; «Eu também determinados, são variadasmundo laboral. São cada vez adoptei este ou aquele tipo vezes assolados pela dúvida emais os docentes (principal- de procedimento». É bom ter incerteza (Serei capaz?; Serámente os com contrato de tra- a hipótese de poder vivenciar que vão perceber que sou in-balho provisório) que se ques- e partilhar momentos ora jun- defeso e frágil?; Serei sociá-tionam se vale ou não a pena tos, ora em caminhos distin- vel?; Terei sucesso?; Serei al-continuar a remar, numa luta tos, que nos transportam para guém?…). O que me leva aindacada vez mais contra a maré. etapas e ciclos de reflexão. As a creditar nesta profissão é o dúvidas e incertezas existem, facto de fornecermos as «pe-Um professor que se sinta mas a vontade de ir em frente nas» das pequenas asas parasatisfeito com a escolha pro- é maior e nada, nem ninguém, aqueles que ambicionam voar.fissional, que tenha ânsia em pode ou consegue obstruir a Que bom é saber que aindatransmitir a felicidade que é a passagem. Os bons ambientes existe quem deseje voar. Que,de ser conhecedor de tudo e escolares entre profissionais embora não saiba quando seráao mesmo tempo de nada, já muitas vezes operam verda- capaz de se libertar totalmenteaprendeu que, nos dias de hoje, deiros milagres. da segurança do seu pequenohá cada vez mais a urgência e ninho, sabe que um dia conse-a emergência de mudarmos anossa postura perante os alu- Ao terminar esta pequena re- guirá…nos. Num mundo de stresse, flexão gostaria de evocar ade angústia, em que uns atro- imagem de um pequeno pas- Florbela Ferreira dos Santospelam os outros, apesar sarinho que está no ninho, no cimo de uma colina, cuja pai-
  4. 4. 4 - Gazeta da EBI da Maia As Aventuras e Desventuras de Tiago, o Rapaz Verde - Meu caro senhor, já vi gente vermelha de rai- Seria ele uma aberração, uma atracção do circo Estava Tiago, o rapaz verde, a caminhar pelas va, azul de frio e verde de inveja, mas nunca vi naquela cidade? ruas da cidade das Coisas Perdidas, quando ninguém verde o tempo inteiro! encontrou um pato. Bem, na verdade era um Tiago acabou a pensar para si mesmo que, Pato, com P maiúsculo, com fato, gravata e ar - E eu nunca vi um pato que fala, mas não ando numa cidade onde há animais que falam e ho- de presunçoso. Deixem-me explicar-vos a dife- por aí a gritar “Olhem o pato que fala!” mens com cabelos roxos espetados, seria ele o rença entre Patos, com maiúscula, e patos, com único ser estranho que fazia os outros olharem minúscula: os Patos, com maiúscula, falam, os - Meu caro senhor, não é pato, é Pato! E os pa- para trás? Rita Silva, 9º A patos, com minúscula, não. Os Patos, com mai- tos são normais, homens verdes não… úscula, pensam, os patos, com minúscula, limi- tam-se a seguir os seus instintos. Por isso, não Nesta altura, Tiago teria ficado vermelho de se admirem de ver o Pato, com P maiúsculo, a raiva, se não fosse verde. Mas era. A sua pele E SE DE REPENTE AS adquiriu um verde ainda mais escuro, parecido abrir o bico e a falar. com o verde do espargo ou verde como o caldo- PALAVRAS - Ó meu Deus! Um rapaz verde?! – foi só isso que ele disse. verde. DESAPARECESSEM? Uma pequena multidão reuniu-se à volta de Tia- Estava um lindo dia de sol quando a Sara Tiago, o rapaz verde, ficou a olhar para ele. O go. Gatos, bois e cavalos olhavam especados regressou a casa naquele dia. Pato não devia estar bom da cabeça. para ele. Homens pequeninos, uma espécie de anões, com cabelos roxos espetados, trocavam Habitualmente chegava a casa da escola e - Até parece que nunca viste alguém verde de comentários entre si e apontavam para Tiago, atirava o seu caderno, com muita força, para inveja. que começou a sentir-se mal consigo mesmo. cima da secretária. A seguir, ia para a cozinha Recuperado do choque inicial, o Pato tinha re- preparar o seu lanche, um copo de leite com tomado o seu ar de “sou melhor do que toda a Será que ninguém naquela cidade sabia boas alguns biscoitos. Sentava-se à frente da gente” e, com uma pronúncia inglesa totalmente maneiras? Não sabiam que era feio apontar? televisão a ver os “Morangos com Açúcar” falsa, respondeu: enquanto comia. Quando se dirigiu ao quarto para fazer os trabalhos da escola, abriu o caderno e, As alunas do Clube de Jornalismo espantada, reparou que as letras tinham desaparecido. sugerem-vos um desafio: - Para onde é que elas foram? – pensou, continuar esta bela história! muito admirada. Terá sido por causa da minha caligrafia? A professora Helena tinha-a avisado de que teria de melhorar a sua caligrafia, pois, era A melhor proposta apresentada será premiada com a publicação na ilegível, ninguém percebia o que escrevia. próxima edição da Gazeta da EBI da Maia. Sara começou a ficar preocupada, não sabia como explicar o que tinha acontecido. Sentado numa pedra, observando o mar que que queres, ofereço-te o meu cavalo mais ve- Um caderno sem palavras não lhe servia de castigava as rochas e ouvindo as melódicas loz para que vás a França e esclareças tudo nada. Como é que poderia estudar sem os gaivotas esvoaçando por cima da sua cabe- com os pais de Filipa. apontamentos da aula? Ficou, por momentos, ça, Salomão pensava na sua amada. parada a olhar para aquele caderno branco, só Assim fez. com linhas que pareciam não ter fim. Sentia em demasia a sua ausência. Desde Dias depois, após todos os preparativos ne- De repente, Sara pegou na caneta e verificou que partira para França, não mais deixara de cessários, partiu. Mas a viagem não se reve- que estava cheia de tinta, com tanta tinta que pensar nela. lou um “mar de rosas” […] parecia que iria rebentar a qualquer momento. Salomão segredara ao seu pai que gostaria Tentou, então, escrever com muito cuidado, o de casar com Filipa - este era seu nome. Que melhor que sabia, e as palavras desataram a estaria disposto a fazer tudo o que fosse ne- sair pela caneta fora. Aos poucos, o caderno cessário. Filipa esperava ansiosamente pelo Escreve o final deste texto encheu-se, de novo, de palavras que pareciam pedido de casamento, mas sabia que os pais e entrega-o à tua professora dançar, rebolar de contentes. não a deixavam casar, porque ela tinha vinte anos e o Salomão vinte e sete anos. de Língua Portuguesa. A partir daí, Sara passou a ter uma Quem sabe não serás tu o letra bem legível, não fossem as O pai encorajou-o: vencedor deste desafio? palavras fugir, novamente, do caderno. Alunos do 6º A - Muito bem, Salomão. Se realmente é isso
  5. 5. Gazeta da EBI da Maia - 5 Os nossos professores Quadras ao Gosto de... … Ciências Físico-Químicas Popular … Língua Portuguesa Em Ciências Físico-Químicas, A nossa professora Mónica Vimos muitas e belas estrelas. Tem imensa alegria E contaram-se várias histórias E fala da Língua Portuguesa Sobre muitos e belos planetas. Com muita sabedoria.A propósito do estudo da poesia, os Brenda Barbosa, Felipe Daniel, Fábio Silva, Miguel Pacheco, Rogério Moniz, 7º Bdiscentes das turmas A, B e D do 7º ano de Rodrigo Lima, 7º Aescolaridade realizaram, na aula de Língua … Educação VisualPortuguesa, várias quadras ao gosto popular.Os encarregados de educação foram … Inglês O nosso professor de E.V.convidados a participar nesta actividade e Dá-nos sempre que fazer.também mostraram os seus dotes poéticos. Teacher Sílvia Cavaco Tira-nos as dúvidas,Aos alunos, muitos parabéns, aos pais, Gosta de nos ajudar O que nos faz aprender. muito obrigado! E quando temos dúvidas Pede para a consultar. Daniel Bulhões, Raquel Furtado, Sara Medeiros, 7º A Brenda Barbosa, Felipe Daniel, Rogério Moniz, 7º B … Educação Física Nunca fui à escola, … Francês Agora está doente. Pois às vezes nem tinha comida. Sentimos a sua falta. Falamos muito Francês, Em breve estará presente. Ficava trabalhando Cumprimentamos a professora. Estamos aqui com a malta! Muitos bonjours se ouvem Para ganhar o pão da vida. Na escola da Directora. Marli Silva, Nicole Ferreira, Sara Rebelo, Teresa Alexandre, 7º A Avó da Maria Pimentel, 7º A Cristiano Vicente, Nuno Aguiar, Pedro Rodrigues, 7º B … Educação Tecnológica A escola é para formar, … História A nossa professora, De seu nome Isabel A escola é para aprender. A nossa professora de história É muito trabalhadora Aproveita para estudar Ensina-nos muito bem. E doce como o mel. Abre-nos sempre a memória Porque um dia irás vencer! Para o que aí vem. André Câmara, Diana Fróes, Diana Silva e Francisco Oliveira, 7º B Pai da Raquel Furtado, 7º A Flávio Moniz, Rodrigo Furtado, Rui Medeiros, 7º A … Educação Musical A caminho da escola Como costuma dizer … Geografia “P´ra mais tarde recordar”… Levava muita alegria. Por agora não esquecer A nossa professora Ana profe Que música é preciso estudar. Tinha um sonho na sacola, É muito rigorosa. Construído na sabedoria. Não larga a Mariana Marli Silva, Nicole Ferreira, Que é muito preguiçosa. Sara Rebelo, Teresa Alexandre, 7º A Pai do Gil Leite, 7º A André Vieira, Gil Leite, Pedro Câmara, Tiago Pimentel, 7º A … Educação Moral Religiosa e Católica A escola é um dever … Matemática Que nos garante um futuro. Na disciplina de Moral, Ela é boa na álgebra Falamos de sentimentos Todos temos de aprender Nas equações, tanto faz. E, em cada aula semanal, No que toca a matemática, Descobrimos sofrimentos. A jogar pelo seguro. Ela é mesmo um ás. Fábio Silva, Miguel Pacheco, Mãe da Diana Silva, 7º B Ana Oliveira, Pedro Rebelo, Rodrigo Lima, 7º A Roberto Cordeiro, 7º B … Cidadania Com o meu lápis pequenino … Ciências Naturais O nosso professor Arnaldo Escrevia sem parar. Dá-nos Cidadania. Ele dava-me jeitinho A professora de Ciências Chama “tina” a um balde Não é o que parece. E gosta da nossa companhia. Para na escola trabalhar. Gosta muito de ensinar E dá o que cada um merece. Débora Cordeiro, Maria Pimentel, Mãe da Débora Amaral, 7º D Mariana Araújo, Teresa Gonçalves, 7º A Daniel Bulhões, Raquel Furtado, Sara Medeiros, 7º A
  6. 6. 6 - Gazeta da EBI da Maia O Milagre Escola Básica 2, 3 da Maia Our schooltrip work de about: Vera 1º Ciclo Qual a tua opinião sobre a A P.A.S.E. é mais um instru- utilidade das P.A.S.E. (Pro- mento de avaliação no percur-Nowadays, TV is one of the most vas de Avaliação Sumativa so escolar dos alunos.important Mass Media because it gives Era uma vez uma menina Externa)?us all types of information and it’s a great que se chamava Vera. Ela nasceu Qual a postura dos alunosmedium for cultural awareness. numa altura em que ninguém a A P.A.S.E. é muito útil para face a esta prova? desejava: o senhor Fernandes, sabermos como estamos naRTP is huge and very welcoming. People A maioria dos alunos encara o seu pai, não a queria porque escola.who work there, including the guide of não tinha condições para a criar; esta prova com naturalidade.the schooltrip, were very friendly and a mãe, a senhora Helena, não a Para ti estas provas foram difíceis? Professora Helena Chrystelloexplained everything to us about the queria porque estava a trabalhar e não tinha tempo para cuidar dabuilding and the way programmes are Não, eu acho que as provas filha.made. foram fáceis. 3º CicloThey need a lot of equipment to put A Vera foi então adoptada Diana Braga – 4º anoprogrammes in the air such as: cameras, por uma senhora, a Dona Elisa. Qual a tua opinião sobre a Com o passar do tempo, utilidade das P.A.S.E. (Pro-microphones, spotlights, loudspeakers, Acha que a P.A.S.E. (Pro- descobriu-se que a Vera era vas de Avaliação Sumativastereos… When the programme is in the va de Avaliação Sumativa uma menina muito doente: Externa)? Externa) é um instrumentoair, the journalist can choose to memorize tinha os pulmões atrofiados. válido no percurso escolarthe lines or use the teleprompter. Pedro Essa descoberta deu-se depois Na minha opinião, as P.A.S.E. de dona Elisa procurar muitos dos discentes?Moura is an example of a journalist who servem para avaliar os conhe- médicos. É claro que a sua mãe cimentos dos alunos sem ne-prefers to know everything by heart. Sim, quando considerado adoptiva ficou muito triste, muito nhum tipo de ajuda ou impe- como mais um entre muitos eHowever, comparing RTP Azores with abalada com a notícia. dimentos. Dessa forma, a Di- desde que não tenha impactoBritish channels there is a big difference na transição ou retenção dos recção Regional de Educação A Vera estava proibida debetween them. BBC International is an alunos. e Formação pode saber se o fazer esforços, mal podia andar,example of a channel watched by millions método de ensino actual está sob pena de não conseguir Qual a postura dos alunos a funcionar.of people for being of great quality andrespirar, mas a dona Elisa queria face a esta prova?having an extensive list of programmes que ela fosse para a escola. A Para ti estas provas foram Vera não podia andar muito, por No 1º Ciclo, os alunos, de difíceis?broadcast daily. isso, a dona Elisa mandou vir um uma forma geral, sentemBBC’s International Commercial TV professor dar-lhe aulas em casa, que é uma prova para a qual Para mim, estas provas fo-Channels are: Animal Planet, People + um professor particular. se devem preparar pelo que ram fáceis, embora as do anoArts, BBC Lifestyle, BBC World News, mostram empenho e respon- passado tenham sido mais. A Vera andava super Mesmo tendo sido acessíveis,BBC Entertainment, BBC kids, among entusiasmada sabilidade nos estudos. enquanto o elas possuíam algumas «ras-others... professor lhe dava aulas, mas, Professora Ana Rita Remígio teiras» que dificultaram a sua quando chegou a altura de pagar, realização.To conclude, our schooltrip was very dona Elisa verificou que não podiainteresting to increase our knowledge suportar aquelas aulas por muito 2º Ciclo Rita Silva - 9º A mais tempo. Eram demasiadoand to raise our expectations about our caras! Acha que a P.A.S.E. (Pro-possible future careers. Who knows? Qual a tua opinião sobre a va de Avaliação SumativaPerhaps we can follow the same steps A Vera ficou desolada, muito utilidade das P.A.S.E. (Pro- Externa) é um instrumentoof our journalists and reporters of RTP triste! vas de Avaliação Sumativa válido no percurso escolar Externa)? dos discentes?Azores. Aos domingos, e não podendo deslocar-se à igreja da sua As P.A.S.E. são úteis porque Sim. A P.A.S.E. é, sobretudo, freguesia, Vera rezava em casa. servem como revisão da ma- um instrumento regulador das Nesse dia, decidiu pedir um téria dada durante o ciclo. aprendizagens e poderá fo- milagre: desejava ficar boa para mentar a consciencialização poder frequentar a escola como Para ti estas provas foram de saberes, assim como a re- todos os outros meninos. difíceis? flexão crítica sobre o sucesso Acho que não eram difíceis, ou insucesso escolar. Uma semana depois, aconteceu o milagre – ela ficou mas houve algumas pergun- Qual a postura dos alunos completamente boa. tas um pouco complicadas. face a esta prova? Rita Bulhões – 6º A Desde esse dia, nunca mais A maioria dos discentes rea- deixou de rezar, e sempre que ge com apreensão. Mas creio Acha que a P.A.S.E. (Pro- podia, passava pela igreja para que os alunos se preocupam va de Avaliação Sumativa agradecer a Deus a maravilha com o seu desempenho e re- Externa) é um instrumento que lhe acontecera. sultados, atendendo ao peso válido no percurso escolar dos discentes? desta prova na sua avaliação. Tâmara Braga, 6º C Matilde Vieira, Vânia Leite, 8º A Professora Joana Melo
  7. 7. Promoção para a Saúde Gazeta da EBI da Maia - 7 em Meio Escolar________________ Ao longo deste ano, muitas foram as Actividades realizadas:  Realização de “Filmes sobre Substânciasacções promovidas pela equipa de Promoçãoda Saúde Escolar no âmbito do Programa  “Vida Saudável – Actividade física e Lícitas”, dados a conhecer no Anfiteatro daRegional de Saúde Escolar e de Saúde Infanto- alimentação”, apresentada na comemoraçãoJuvenil do Concelho da Ribeira Grande. dos 10 anos da EBI da Maia, no ginásio da escola (3º período); Ap Após levantamento, no início do ano escola (1º período);lectivo, das necessidades mais prementes dos  Criação e manutenção de uma “Quinta Biológica” (2º e 3º períodos).alunos ao nível da saúde, foram identificados  “Decoração da Escola” (ao longo do anoos temas da “Alimentação Saudável”, no 2º lectivo); As alunas do Clube de Jornalismociclo, e das “Substâncias Lícitas”, no 3º ciclo,como os que careciam de maior atenção por  “Teatro e Músicas sobre Alimentação”,parte da referida equipa. Deste modo, alunos, apresentadas no Anfiteatro da escola e nopais e encarregados de educação, docentes Teatro Ribeiragrandense (2º e 3º períodos);e funcionários não docentes, todos foramconvidados a participar em várias actividades  Compilação de “Receitas Saudáveis” eque visaram, em particular, a sensibilização respectivas ilustrações (2º e 3º períodos);da comunidade educativa para os benefíciosda saúde no bem-estar e, consequentemente,  “Concurso de Sopas Saudáveis”, aquandono sucesso educativo das crianças e jovens da Expo-Escola (3º período);da nossa escola. Letras de Músicas Realizadas pelos Alunos do 2º Ciclo sobre a As alunas do Clube de Jornalismo quiseram saber como é ser Encarregada de Educação de um aluno “Alimentação Saudável” com Necessidades Educativas Especiais e, por isso, foram falar com Sofia Cabral que acompanha diariamente o seu educando, Luís Braga. “A Roda dos Alimentos” “Sou Menino” 1. Sabemos que é uma encarregada de educação especial com funções Da roda dos alimentos distintas. Quais são as principais diferenças? De tudo vou comer! Eu sou pequenino Sabemos que toda a criança com dificuldades e limitações requer muitos E antes da refeição, Mas já sei escolher (bis) cuidados e exige uma entrega total. Boa água vou beber! Os bons alimentos Eu, como encarregada de educação do Luís Braga, tenho por objectivo Para bem viver. (bis) proporcionar-lhe tudo aquilo a ele tem direito e, principalmente, estar ao Gosto muito de legumes, seu lado em todos os seus momentos bons, aplaudindo os seus progressos De arroz, massa e feijão. Eu quero crescer, Ser um valentão. (bis) e vitórias, bem como nos seus momentos difíceis, ajudando a ultrapassar ceis, Das gorduras e do açúcar todos os obstáculos. Não abuso, isso não. Como hortaliças, Fruta, queijo e pão. (bis) O Luís Braga é uma criança que se encontra institucionalizada, não tem um acompanhamento assíduo com a família. Cabe-me, enquanto encarregada Eu como frutos maduros, Leite, carne, peixe e pão. Para ter saúde de educação, dar-lhe toda a felicidade do mundo e proporcionar-lhe todo o Como bem, não como Eu quero comer (bis) seu bem-estar. muito. Carne, peixe e ovos 2. Que preocupações sente relativamente ao futuro do seu educando? es Vario a alimentação. E leite beber. (bis) A principal preocupação é a inserção numa sociedade que, infelizmente, é limitada em relação a este tipo de crianças que apresentam dificuldades Não posso esquecer Antes de comer tanto a nível motor como intelectual. A inserção do Luís na escola só é De exercício fazer, As mãos vou lavar (bis) possível até aos quinze anos, logo, este é o último ano lectivo em que ele a Ajuda-me a ter saúde e E os meus dentinhos pode frequentar. A meu ver, deveriam alargar a frequência escolar a estas Ajuda-me a crescer. Antes de deitar. (bis) crianças até aos dezoito anos, visto ser uma experiência única para eles o facto de estarem em socialização com todos os outros alunos da escola.
  8. 8. 8 - Gazeta da EBI da Maia Actividades Desportivas Escolares No que diz respeito aos Jogos Desportivos Escolares do 3º Ciclo, a equipa da nossa escola foi colocada na fase zonal Eco-Escolas A, que decorreu na E.B.S.I. de Vila Franca do Campo, conjuntamente com as equipas das escolas E.B.S. da Projecto Povoação, E.S. da Lagoa e E.S. da Ribeira Grande. Estes jogos decorreram em ambiente de camaradagem, das diversas plantas. Esta acção pre- tendo os objectivos a que nos tínhamos proposto sido No ano proclamado pela ONU alcançados, ou seja, o convívio com alunos de outras tendia ainda promover o convívio com(Organização das Nações Unidas) escolas, o fair-play durante as actividades desportivas e o os utentes do Centro de Dia da Maia,como sendo o Ano Internacional das saber estar durante o período dos jogos. mas, devido às condições atmosféricasFlorestas, alunos e professores do Pro- desfavoráveis, não foi possível a deslo- Nesta fase da competição, a nossa escola alcançou ojecto Eco-Escolas organizaram diversas 1º Lugar no Futebol e o 3º Lugar na classificação geral. cação dos idosos.acções comemorativas do Dia Mundial Para além destes prémios, a escola também ficou bem No dia 8 de Abril, deu-se continui-da Árvore. classificada na modalidade de Ginástica e em algumas dade à comemoração do Dia Mundial da Com vista à sensibilização da co- modalidades do atletismo, nomeadamente na corrida de Árvore com outra plantação, desta vez a resistência e no lançamento do peso.munidade escolar para a importância da colocação de oito espécies endémicasfloresta no planeta Terra, os alunos ins- Quanto aos Jogos Desportivos Escolares do 2º Ciclo, es- nos espaços verdes da nossa escola,critos no Projecto Eco-Escolas, no Clu- tes realizaram-se na E.B.I. dos Ginetes, tendo a nossa es- realizada por diversos alunos, nova- cola ficado colocada na fase zonal A, conjuntamente combe do Ambiente e no Clube de Jornalis- mente coadjuvados pelos profissionais a E.B.I. Roberto Ivens (equipa A), a E.B.I. dos Ginetes, amo da E.B. 2, 3 da Maia participaram na da reserva florestal do Nordeste. E.B.I. da Ribeira Grande e a E.B.S. de Velas.plantação de espécies endémicas dos Neste segundo dia, foi tambémAçores, num espaço próximo da esco- Também aqui os objectivos delineados foram conseguidos, hasteada a bandeira Eco-Escolas rela- tendo em conta as experiências vividas pelos alunos, taisla, cedido pela Junta de Freguesia da tiva ao ano lectivo 2009/2010. como o convívio com discentes de outras escolas e aMaia. Esta actividade teve lugar no dia competição entre pares.23 de Março e contou com a participa-ção de técnicos dos Serviços Florestais Nos Ginetes, a nossa escola alcançou o 1º Lugar no As alunas do Clube de Jornalismo Futebol e ainda nos foram atribuídos os prémios de “Melhordo Nordeste que esclareceram os alu- Camarata”, “Melhor Organização” e “Espírito Desportivo”.nos sobre as características específicas sticas espec vel e motivador da leitura e pela necessida- Concurso de de consolidar e até ampliar o papel da Biblioteca Escolar no desenvolvimento de “Livro Pendurado” hábitos de leitura em todos os discentes da EBI da Maia. Tal como no ano lectivo transacto, a biblio- No dia 20 de Maio, procedeu-se à entregateca escolar promoveu o concurso “O Livro do respectivo prémio ao aluno Tiago Pimen-Pendurado”. tel do 7º A. Como o próprio nome indicia, tratou-se de A entrega foi efectuada pela professorauma actividade que consistiu em pendurar Luzia Mota, coordenadora da nossa Biblio-um livro no Hall de Exposições da BE/CRE teca Escolar, e estiveram lá não apenas ospara que depois os alunos o analisassem e colegas do Tiago, como alguns dos seuspreenchessem a sua ficha de participação professores. Presentes estiveram, também,referente, exclusivamente, aos elementos a restante equipa de coordenação da BE/paratextuais da obra exposta e para, pos- CRE, a senhora Presidente do Conselhoteriormente, a introduzirem na tômbola ela- Executivo, professora Suzete Câmara, e aborada para o efeito, ficando, dessa forma, senhora Directora Regional da Educação ehabilitados a um prémio. Formação, professora Graça Teixeira. Os objectivos deste sorteio passaram pela Ao Tiago e a todos os participantes em ge-difusão do gosto pela leitura, pela propaga- ral, parabéns e BOAS LEITURAS!ção de obras de autores portugueses, pelo As alunas do Clube de Jornalismoincentivo à participação em projectos esco-lares, pela criação de um ambiente favorá-
  9. 9. Gazeta da EBI da Maia - 9 GRUPO VOCAL DA ESCOLA Escola Básica 2, 3 da Maia nas “4ªs Olimpíadas BÁSICA 2, 3 DA MAIA de Língua Portuguesa” VELVET CAROCHINHA Decorreu no dia 24 de Maio, respondendo a várias questões no Teatro Ribeiragrandense, alusivas ao funcionamento daO Grupo Vocal da Escola Básica 2, 3 da Maia iniciou-se em Setembro de língua e à cultura e literatura a segunda fase do concurso2010 com o intuito de aumentar a oferta de vivências musicais nesta mes- portuguesas. “4ªs Olimpíadas de Línguama escola. Actualmente, é constituído por 18 elementos com idades entre Portuguesa”. A Escola Básicaos 10 e 13 anos. Neste ano lectivo, a principal actividade foi a criação do Para além dos alunos 2, 3 da Maia foi uma dasespectáculo “Velvet Carochinha”, no qual as tradicionais músicas infantis concorrentes, participaram participantes, conjuntamentereceberam uma nova “roupagem” com base nos grandes hits da música ainda “nesta festa” outros que com a Escola Secundária darock. AC/DC, Queen, Nirvana e Led Zeppelin, entre outros, conheceram as desempenharam o papel de Ribeira Grande e a Escola Básicafantásticas personagens do imaginário infantil português, dando origem a apresentadores, de júri e de 2, 3 Rui Galvão de Carvalho.um programa de recordações únicas. claque.ALUNOS DO GRUPO VOCAL: A primeira fase deste concurso Equipas conc concorrentes: aconteceu a nível escola, tendo sido apurado o melhor - 7º ano: “As Ponto e Vírgula” –Andreia Silva, Carina Custódio, Carlos Melo, Daniela Silva, David Cardoso, grupo do 7º, do 8º e do 9º anos Raquel Furtado, Sara Medeiros,Débora Cordeiro, Débora Pacheco, Jéssica Sousa, Maria Pimentel, de escolaridade. “As Ponto e Sara RebeloMariana Araújo, Marli Silva, Nicole Ferreira, Pedro Rebelo, Pedro Silva,Raquel Furtado, Sara Rebelo, Teresa Alexandre e Teresa Gonçalves. Vírgula”, “Os Atributos” e “Os - 8º ano: “Os Atributos” – Bárbara Melhores da L.P.” foram as Moniz, Henrique Moniz, VâniaSOLISTAS: equipas que se juntaram às das Leite outras escolas do concelho daCarina Custódio (“A Saia da Carolina”) Ribeira Grande e disputaram, no - 9º ano: “Os Melhores da L.P.” – teatro desta cidade, a segunda João Melo, Manuel Feleja, PedroMariana Araújo (“O Nosso Galo”) eliminatória da actividade, MaurícioPedro Rebelo (“O Cowboy”)Teresa Gonçalves (“Eu Vi um Sapo”)LETRAS (ARRANJOS E ORIGINAIS):Joana Costa e Pedro TeixeiraFICHA TÉCNICA:Gravado entre Fevereiro e Março de 2011Mistura – Março de 2011: Pedro TeixeiraDirecção Musical/Produção: Pedro Teixeira Comemoração dos Cinco Séculos da Maia Foto: Laudalino Pacheco “Reconstituição Histórica” No âmbito das comemorações dos Cinco Séculos da Maia, a nossa Escola associa-se à Junta de Freguesia da Maia, assinalando a efeméride com a actividade “Reconstituição Histórica”. Esta actividade realizar-se-á no próximo dia 22 de Junho, com início pelas 9 horas e 30 minutos, na E. B. 2,3 da Maia e contará com um cortejo histórico até à Igreja do Divino Espírito Santo da Maia, onde decorrerá uma celebração religiosa, seguida de um mercado com as actividades económicas da época, no Jardim Público da freguesia. Contamos que embarque connosco nesta viagem ao tempo dos nossos antepassados! Professoras Dora Silva e Luzia Mota
  10. 10. 10 - Gazeta da EBI da Maia gem, alargando o seu vocabulário, aprendizagem “…na exploração Maia por todas as educadoras de Pré - Escolar construindo frases mais correctas do carácter lúdico da linguagem, infância, com diferentes cenários e e complexas, adquirindo um maior prazer em lidar com as palavras, personagens, os quais foram per- domínio da expressão e da comu- inventar sons e descobrir as rela- corridos por todas as crianças, que O Plano Anual de Actividades nicação que lhe permitem formas ções.” (Orientações Curriculares terão a oportunidade de usufruir de do Departamento de Educação mais elaboradas de representa- da Educação Pré - Escolar, p.67). Escolar todas essas actividades. Pré-Escolar deste ano lectivo de ção” (Orientações Curriculares da 2010/2011 decorre das efectivas No dia 7 de Junho, concentraram- Educação Pré - Escolar, p.67), Escolar dificuldades das crianças que fre- se na E.B. 2, 3 da Maia todas as todas as educadoras de Infância quentam todos os jardins-de-in- crianças dos jardins-de-infância da implementaram o projecto intitu- fância da EBI da Maia, aferidas EBI da Maia e os alunos da turma lado: “No Mundo das Palavras”, por todas as educadoras, e que A-UNECA Ocupacional e Sócio- desenvolvendo diferentes activi- incidem na área de Expressão e Educativa para o culminar do pro- dades junto dos vários grupos de Comunicação, nomeadamente no jecto. Foram dinamizadas várias crianças, de forma a potenciar os domínio da Linguagem Oral. Sa- actividades: um conto, uma can- diferentes domínios da linguagem: bendo-se que “é no clima de comu- ção, uma lengalenga, adivinhas, fonológico, semântico, morfo-sin- nicação criado pelo educador que uma dança de roda e uma rima em táctico e pragmático, baseando a a criança irá dominando a lingua- diferentes espaços da E.B. 2, 3 da PORTO FORMOSO MAIA RIBEIRA FUNDA A EB1/JI Padre Dr. Laudalino da Câmara Moniz de Os alunos da EB1/JI Pro- Sá participou no desafio “À procura das Árvores No- fessor Manuel Jacinto da táveis dos Açores”, organizado pela Direcção Regio- Ponte e as duas turmas nal dos Recursos Florestais (DRRF) e integrado nas da UNECA envolveram- A actividade “Mar de Letras”, comemorações do Ano Internacional das Florestas se numa pesquisa e trata- constante do PAA da nossa 2011. Esta iniciativa abrangeu todas as escolas do 1º mento de informação so- escola, está a ser enrique- Ciclo/Jardim de Infância com o intuito de identificar bre a forma como as crian- cida pela leitura de histó- uma árvore notável da sua localidade. ças olham para a freguesia rias por parte dos alunos do 4º ano aos meninos da pré. da Maia. Este trabalho de Visita de estudo que reali- Esta actividade teve como objectivos sensibilizar Esta actividade tem potencia- alguns meses teve como zada ao Solmar no âmbito os alunos para a importância da preservação des- do nas crianças um aumento objectivo a realização de do PAA que tem como ob- tas Árvores Notáveis; facilitar-lhes o conhecimento do interesse pelos livros. um livro intitulado “A mi- jectivo alargar o leque de da riqueza botânica da sua localidade, despertando nha terra – Maia”, editado experiências em contexto neles diferentes sensibilidades, que os tornem mais Refira-se também que a cria- a 17 de Junho, durante a urbano atentos para a importância da floresta nos Açores; ção da biblioteca na EB1/JI actividade da Assembleia permitir à DRRF a identificação de alguns exempla- de Ribeira Funda foi um su- de Escola “Expo-escola”, res de interesse público para um eventual processo cesso, tendo em conta a como forma de nobilitar as de classificação. grande vontade que os alu- comemorações dos 5 sé- nos manifestam em frequen- culos da freguesia da Maia tar este espaço. que se vêm comemorando ao longo deste ano. Este livro, digno de “escritores” tão pequenos, reflecte a SÃO BRÁS visão singela de quem vê a sua terra como algo ini- gualável e que marcará, No âmbito da exploração todos aqueles que nos vi- com certeza, a comunida- dos costumes e tradições sitam com criatividade, es- de educativa da freguesia locais, surgiu a possibilida- forço e empenho que tanto da Maia. de de serem criados terços caracterizam a nossa co- como símbolo das singula- munidade. LOMBA DE SÃO res romarias das nossas PEDRO gentes. Assim, “nasceu” A todos, o nosso muito Reflexão sobre a visita de a exposição de terços na obrigado. estudo EB1/JI de São Brás. No passado dia 04 de Maio, as turmas do Jardim de Infân- Inf Com a total colaboração cia da E.B.1/J.I. dos Fenais dos nossos alunos e dos d´Ájuda e as duas turmas da ´Á ´Ájuda seus pais e encarregados E.B.1/J.I. da Lomba de São de educação, foi possível Pedro, realizaram uma visita de estudo, sendo esta ao Obser- brindar a nossa escola e vatório Astronómico de Santa- na. Foi uma visita de estudo LOMBA DA MAIA muito didáctica, uma vez que se promoveu o conhecimento realização de um Convívio das Ciências e da Tecnologia. Desportivo. Neste conví- Esta decorreu com muito entu- Dia Mundial da vio, todos os alunos da es- siasmo. Criança cola realizaram percursos na natureza, puseram em Na EB1/JI Professor prática alguns conheci- Amâncio da Câmara Lei- mentos e puderam desfru- te, comemorou-se o Dia tar das bonitas paisagens. Mundial da Criança com a
  11. 11. Gazeta da EBI da Maia - 11 Concurso“A Minha Selecção À conversa com o Professor Literária” Daniel de Sá 1º CicloPrograma Oportunidade I Ilustre Escritor da Freguesia da Maia livro perfeito que todos os escritores desejam 1 - Considera relevante a existência de auto- escrever ainda não existe. Possivelmente res açorianos no Currículo Regional do En- será melhor assim. Porque tenho mais esse sino Básico? motivo para continuar escrevendo, para aper- feiçoar o que faço porque nunca me sinto to- Penso que é tão importante que se leiam au- talmente satisfeito. tores açorianos como não açorianos. Os de cá sentem a vida de uma maneira semelhante à 6 - Nunca teve vontade de escrever para nossa; os outros mostram-nos maneiras talvez crianças e jovens? diferentes de interpretar o Mundo. Claro que tive e tenho. Mas antes era difícil 2 - Poderá falar-se de uma literatura açoria- arranjar editora, porque normalmente nesse na? campo todas trabalham com os seus escri- tores mais ou menos habituais. E agora, que Isso é uma pergunta que precisa ela mesma tenho a minha editora interessada em livros de ser explicada. Que é que se entende por “li- do género, não consigo arranjar tempo para teratura açoriana”? Uma sensibilidade própria, o fazer. No entanto, tenho alguns contos de uma forma de pensar a humanidade longe dos Natal que servem para todas as idades. grandes conflitos e no limite das ilhas, afinal ilimitado porque o nosso horizonte é o mar?... 7 - Acredita mesmo que “Sair da ilha é a Sob esse ponto de vista, direi que sim. pior maneira de ficar nela”? 3 - Quando e como desenvolveu o gosto Acredito, sinceramente. Sei-o por experiên- pela escrita? cia própria. Quando vivi longe da ilha estava sempre a imaginar-me cá, a ver ruas e caras Pode ser difícil de acreditar, mas ainda antes conhecidas, a descer ao calhau ou a entrar de saber escrever já sonhava vir a ser escritor. na igreja. Até dava saudades de lapas e vi- Embora só tenha começado a editar muito tar- nho de cheiro. No entanto, sou capaz de pas- de, em criança gostava de inventar histórias e sar meses e meses sem comer lapas e nem cheguei a começar a escrever um romance com sequer gosto de vinho de cheiro. índios e vaqueiros do Oeste. 8 - Para quando a publicação de uma 4 - Qual é a sua maior fonte de inspiração? nova obra? O sofrimento e a esperança, a paz e a guerra, Provavelmente ainda este ano. Trata-se de a minha vida, enfim, a própria vida. um conjunto de contos que fui escrevendo e publicando em revistas. São todos histórias 5 - De entre a sua bibliografia, qual o livro de poetas que criei, e que teriam vivido em que considera a sua obra-prima? Porquê? séculos diferentes, desde o princípio da inde- pendência de Portugal, no tempo de D. San- Ainda não consegui uma obra-prima. Aquele cho I.
  12. 12. A EBI da Maia Deseja a Todos umas Óptimas Férias de Verão Colorir Anedota Em plena campanha eleitoral, um candidato promete que, se for eleito, só se trabalhará 30 dias por ano. Do meio da assistência, há um alentejano que diz: - Sim senhori, é assim mesmo! 30 dias! Olhe lá, e desses 30 dias, quantos é que vamos poder tirar de férias? SudokuDiferenças Webpage da Escola Blogue da BE/CREwww.bibliotecaebimaia.blogspot.com www.ebimaia.netBlogue do Projecto Afectivo-Sexualwww.darosalto-ebimaia.blogspot.com

×