Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

2semiotica

6,834 views

Published on

Semiótica - dos clássicos aos modernos

Published in: Design, Technology, Spiritual
  • Be the first to comment

2semiotica

  1. 1. II. SEMIÓTICA e SEMIOLOGIA
  2. 2. 1. O que é semiótica e semiologia? <ul><li>A semiótica é uma filosofia cientifica da linguagem. Seu campo de estudo trata dos signos e dos processos significativos e da maneira como se relacionam na natureza e na cultura (semiose: criar e recriar significações). </li></ul><ul><ul><li>0 objeto de investigação são todas as linguagens possíveis. </li></ul></ul><ul><ul><li>Servem para a descrição, analise e interpretação da dimensão representativa dos objetos, processos e fenômenos. </li></ul></ul><ul><li>A semiologia é o estudo dos signos especificamente criados pelos homens, A lingüística é um ramo da semiologia. </li></ul>A semiologia faz parte da semiótica ou a semiótica faz parte da semiologia?
  3. 3. Criar e interpretar os signos é uma atividade que possibilita a linguagem e a linguagem possibilita a formação das sociedades. Pré - história e primeiras civilizações Pintura rupestre, Boca de Lapa do Sol, Brasil Máscaras &quot;Savi&quot;, Rio Sepik, Nova Guiné Livro dos mortos 2635 a 2154 a.C. Escultura suméria, Irak, Tell Asmar, 2,900 - 2,600 a.C.
  4. 4. A preocupação com a definição dos signos aparece nos Diálogos sobre a Linguagem de Platão. Semeion = signo Sema = sinal Grécia Clássica Cerâmica, Édipo, 470 a.C. Cerâmica, “A música “ 470 a.C . Atividade mito-poética = atividade semiótica Significar: revelar o escondido
  5. 5. A Idade Média se caracteriza por um esforço interpretativo do mundo que tem origem: - Na disposição para prolongar a atividade mito poética do homem clássico através de uma sensibilidade ao sobrenatural. - Na codificação secreta dos cristãos perseguidos pelos romanos que depois se converte em um sistema pedagógico e em política cultural. - Na fuga do real da condição endêmica de angustia e de insegurança. O repertório simbólico é uma reação imaginativa ao sentimento de crise. Idade Média Simbolismo aberto ao conhecimento popular
  6. 6. Aliud dicitur aliud demostratur O texto diz sempre alguma coisa diferente do que parece dizer Visão simbólico alegórica do universo: todo efeito é signo da própria causa Não se distingue símbolo de alegoria A alegoria transforma o fenômeno em conceito e o conceito em imagem.O particular vale como emblema universal. Dizer alguma coisa diferente do sentido literal. O símbolo transforma o fenômeno em idéia e a idéia em uma imagem por convenção ou regra. No símbolo não existe similaridade obvia entre o signo e o significado
  7. 7. Hermenêutica: interpretação dos textos bíblicos Sentido literal – enunciado – ensina os fatos Sentido alegórico – ensina o que deves crer Sentido moral - ensina o que deves fazer Sentido anagôgico – ensina ao que deves tender Santo Agostinho funda a teoria dos signos: “ O signo é toda coisa que faz vir à mente alguma coisa além da impressão que a própria coisa causa aos nossos sentidos”
  8. 8. Renascimento Nicolau de Cusa – conceito de forma formarum : pluralidade dos mundos. – conceito de contração : conciliação dos opostos Deus esta no universo inteiro e em cada coisa do universo contrai-se o universo inteiro (o centro em toda parte e a circunferência em lugar nenhum) Marsílio Ficino – Simpatia e semelhança : cosmos é uma rede de influencias em que o homem pode dominar por meio da astrologia, da simpatia e do talismã. Simbolismo hermético, permitido só aos iniciados Se o mundo é infinito e se todos os seres podem aparentar se segundo uma rede continuamente mutável de simpatias e semelhanças o simbolismo sempre permanecera aberto. Quanto mais aberto tanto mais misterioso e fechado aos não iniciados.
  9. 9. Barroco - Iluminismo S. XVII Francis Bacon – código binário John Locke – Doutrina dos signos “Semeiotike”: distingue as idéias (signos que representam as coisas) e as palavras (signos que representam idéias) Thomas Hobbes – signos: rede de tramas mentais S. XVIII Johann Lambert Tratado “Semiotik” Limiar semiótico: Abaixo: sensações involuntárias, Acima: signos com cognição simbólica Diderot : linguagem distorção da realidade (linguagem não verbal superior) Iconicidade : correspondência entre signo e mundo J.L. David, “O juramento dos Horatii”, 1784 Leonardo Flores, Santa Margarita, S.XVIII, Bolívia
  10. 10. Símbolo: pluralidade inaferrável dos sentidos, continua levitação do significado Revalorização da metáfora como meio do conhecimento O discurso artístico vai se diferenciando do discurso filosófico Estética do idealismo: autonomia Eugene Delacroix, “A liberdade guiando o povo” 1830
  11. 11. 2. Semiótica e semiologia modernas 1857-1913 1839-1914 A semiótica moderna Ferdinand de Saussure Semiologia Charles Sanders Peirce Semiótica Sistema binário Sistema triádico Significado – Significante Representamen – Objeto - Interpretante
  12. 12. a) Sistema binário Significado – significante CADEIRA Semiologia : o estudo do sistema de signos na vida social
  13. 13. Relações sintagmáticas Horizontal – o signo mantém associação com o signo que esta antes e com aquele que vem depois. Elementos explícitos: in presentia Hoje faz calor Relações paradigmáticas Vertical – se reporta à língua que é um registro semântico estável. Elementos implícitos: in absentia Ontem fez frio : o oposto ausente <ul><li>Dicotomia dos tipos de relações no signo </li></ul><ul><li>Relações sintagmáticas </li></ul><ul><li>Relações paradigmáticas </li></ul>
  14. 14. Dicotomia entre língua e fala : o primeiro o uso social (o sistema) e o segundo o uso individual (a norma) Dicotomia entre sincronia (atual) e diacronia (anterior) Dicotomia entre tipos de normas, diatópicas (variantes regionais) e diastráticas (variantes culturais) Estou estudando - Estou a estudar To estudando Romaria Tu podes Você pode
  15. 15. Primeira tricotomia: a tricotomia do signo Signo (representamen) – objeto – interpretante I Quali-signo, sin-signo, legi-signo Quali – signo Qualidade sígnica imediata Sin - signo Qualidade sígnica singularizada Legi – signo Convenção substitutiva, normas, padrões a) Sistema triádico
  16. 16. Signo (representamen) – objeto – interpretante I ícone – índice - símbolo Ícone – semelhança Índice – relação direta sem ser semelhante Símbolo – arbitrário e convencional $ Segunda tricotomia: a tricotomia do signo - objeto
  17. 17. Signo (representamen) – objeto – interpretante I rema, dicente, argumento Terceira tricotomia: a tricotomia do signo - interpretante Rema - termo Não informa nem justifica Vestido Dicente – informa Mas não justifica Vestido de grife cara <ul><li>Argumento – persuasivo </li></ul><ul><li>Justifica </li></ul><ul><li>Dedutivo </li></ul><ul><li>Indutivo </li></ul><ul><li>Abdutivo </li></ul><ul><li>Vestido de grife cara, por tanto para festa especial </li></ul>
  18. 18. Signo Quali-signo Transparente, líquido preto, vidro, liso Sin-signo Forma curvilínea 25cm de altura por 8 de diâmetro maior Legi-signo Manual de fabricação Objeto Ícone Ilustração da Garrafa Índice Consumismo Símbolo Jovialidade Interpretante Rema O que é? Bebida Para que serve? Matar a sede O que é para mim? Bebida gaseificada doce Dícente “ Essa porcaria é gostosa” Argumento Sucesso de Marketing e vendas no mundo SIGNO Diagrama sintético do signo
  19. 19. WEBTECA <ul><li>Panorama da Semiótica: de Platão a Pierce, por Winfried Noth googlebooks </li></ul><ul><li>O que é Semiótica, por Lucia Santaella , ISSUU </li></ul><ul><li>Semiótica, perguntas e respostas, Centro de Estudos Peirceanos </li></ul><ul><li>Iconicidade e Verossimilhança, semiótica aplicada ao texto verbal, por Darcilia Simões </li></ul>

×