Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Georges Perec e o
Monitoramento de Mídias Sociais
Tarcízio Silva (IBPAD / UMESP)
Foto: Pierre Getzler
O Monitoramento de Mídias Sociais
“O controle de iniciativas de inteligência em mídias
sociais por funções do marketing, a...
Georges Perec: experimentação, sociologia e informação
Georges Perec (1936-1982) foi um escritor, ensaísta e
roteirista fr...
As Coisas
“E durante quatro anos, talvez mais, exploraram, entrevistaram,
analisaram. Por que os aspiradores de trenó se v...
A Arte e a Maneira de Abordar seu Chefe para Pedir um Aumento
• Percorre as conjecturas instáveis e
cambiantes de um funci...
A Arte e a Maneira de Abordar seu Chefe para Pedir um Aumento
• Percorre as conjecturas instáveis e
cambiantes de um funci...
Vida: Modo de Usar
Saul Steinberg, Art of Living
(1949)
Publicado originalmente em 1978
Vida: Modo de Usar
Publicado originalmente em 1978
O Sumiço
• Obra lipogramática de 1969,
toda escrita sem nenhuma
palavra com a letra “e”
• Constrições definidas como
objet...
Tentativa de Esgotamento de um Local Parisiense
Cafe de La Mairie
Foto via: https://soundlandscapes.wordpress.com
Tentativa de Esgotamento de um Local Parisiense
Esboço de inventário de algumas das coisas estritamente visíveis:
— Alguma...
Tentativa de Esgotamento de um Local Parisiense
“várias dezenas, várias centenas de ações simultâneas, de microacontecimen...
Aproximações do quê?
“Os trens só começam a existir quando
descarrilam, e quanto maior é o número de
viajantes mortos, mai...
Aproximações do quê?
“Os trens só começam a existir quando
descarrilam, e quanto maior é o número de
viajantes mortos, mai...
Georges Perec, experimentação e pesquisa
How to be an Explorer
of the World, de Kerri
Smith
Calle Real – Un modo de explor...
Georges Perec, experimentação e pesquisa
Life: a user's manual, de Michelle Teran
A artista desenvolveu um sistema móvel d...
Georges Perec, experimentação e pesquisa
An Attempt at Exhausting an Augmented Place
in Paris, de Christian Licoppe
Explor...
Georges Perec, experimentação e pesquisa
The Exceptional & The Everyday: 144 Hours in
Kiev, Manovich et al 2014
Delimitaçã...
Georges Perec, experimentação e pesquisa
The Exceptional & The Everyday: 144 Hours in Kiev, Manovich et
al 2014
Delimitaçã...
O endótico como objeto de olhar etnográfico
▪ “uma literatura como se fosse um modo de inventariar coisas de nosso dia-a-d...
Infraordinário e críticas aos modos de atenção
▪ “educar e adequar seu olhar a uma escrita ágil e econômica para que, no
p...
Possibilidades e próximos passos
➢ Métodos de exploração e observação
urbana
➢ Classificação, categorização e taxonomia
➢ ...
Possibilidades e próximos passos
➢ Métodos de exploração e observação
urbana
➢ Classificação, categorização e taxonomia
➢ ...
Artigo -
http://www.intercom.org.br/sis/eve
ntos/2017/resumos/R12-0651-1.pdf
Resumo
A obra de Georges Perec tem sido reapr...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Georges Perec e o Monitoramento de Midias sociais

1,807 views

Published on

Slideshow de apresentação do artigo "Georges Perec e o Monitoramento de Mídias Sociais: algumas aproximações e
possibilidades"

Link para o artigo completo: portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-0651-1.pdf

Published in: Science
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Georges Perec e o Monitoramento de Midias sociais

  1. 1. Georges Perec e o Monitoramento de Mídias Sociais Tarcízio Silva (IBPAD / UMESP) Foto: Pierre Getzler
  2. 2. O Monitoramento de Mídias Sociais “O controle de iniciativas de inteligência em mídias sociais por funções do marketing, a necessidade do foco da mensuração em resultados de marketing e engajamento e a ênfase em ferramentas de monitoramento na busca pelos públicos-alvo levou a profissionais intérprtes de dados que são inexperientes em desenvolver insights sobre mercados ou consumidores“ (NEY, 2016, p.3) Scolari (2008); Fragoso, Recuero e Amaral (2011); Rogers (2013) – estado do pensamento sobre digital/mídias sociais Redistribuição dos métodos (MARRES, 2012)
  3. 3. Georges Perec: experimentação, sociologia e informação Georges Perec (1936-1982) foi um escritor, ensaísta e roteirista francês, autor de obras como As Coisas (1967) e Vida: Modo de Usar (1978). Entre 1941 (aos 5 anos) e 1945 viveu refugiado em cidade no interior do país, devido à Segunda Guerra. O pai morreu em batalha, a mãe em campo de concentração. Em 1962, mesmo sem educação formal, tornou-se documentalista/arquivista em importante centro de neurofisiologia no CNRS. Autodidata, criou novo sistema de classificação e documentação bibliográfica que foi adotado, durante anos, por outros centros de pesquisa. Em 1967 entrou no OuLiPo – Oficina de Literatura Potencial –que incluía membros como Raymond Queneau, Ítalo Calvino e Marcel Duchamp.
  4. 4. As Coisas “E durante quatro anos, talvez mais, exploraram, entrevistaram, analisaram. Por que os aspiradores de trenó se vendem tão mal? O que pensam, nos meios de extração mais modesta, da bebida preparada com chicória? [...] Quanto imagina que custa um isqueiro como este? Quais são as qualidades que exige de um colchão? Pode me descrever um homem que gosta de massas? [...] E houve o sabão em pó, a roupa que seca, a roupa que é passada. O gás, a eletricidade, o telefone. As crianças. As roupas e as roupas de baixo. A mostarda. As sopas em pacote, as sopas em lata. [...] Os estudantes, as unhas, os xaropes para a tosse, as máquinas de escrever, os adubos, os tratores, as diversões, os presentes, a papelaria, a linha branca, a política, as autoestradas, as bebidas alcóolicas, as águas minerais, os queijos e as conservas, as lâmpadas e as cortinas, os seguros, as jardinam. Nada do que era humano lhe foi alheio.” (PEREC, 2012 (1965), p.26-27)
  5. 5. A Arte e a Maneira de Abordar seu Chefe para Pedir um Aumento • Percorre as conjecturas instáveis e cambiantes de um funcionário ao planejar sair de sua sala e bater à porta do chefe do departamento para pedir um aumento • Variáveis afetivas, burocráticas, familiares, sazonais e até culinárias cogitadas para decidir o “melhor momento” • Racionalização e precarização das relações de trabalho sob o olhar “vernacular” do trabalhador
  6. 6. A Arte e a Maneira de Abordar seu Chefe para Pedir um Aumento • Percorre as conjecturas instáveis e cambiantes de um funcionário ao planejar sair de sua sala e bater à porta do chefe do departamento para pedir um aumento • Variáveis afetivas, burocráticas, familiares, sazonais e até culinárias cogitadas para decidir o “melhor momento” • Racionalização e precarização das relações de trabalho sob o olhar “vernacular” do trabalhador • Inspirado em organograma/fluxograma de decisões
  7. 7. Vida: Modo de Usar Saul Steinberg, Art of Living (1949) Publicado originalmente em 1978
  8. 8. Vida: Modo de Usar Publicado originalmente em 1978
  9. 9. O Sumiço • Obra lipogramática de 1969, toda escrita sem nenhuma palavra com a letra “e” • Constrições definidas como objetivo no OuLiPo (Workshop de Literatura Potencial) • Referências a perdas e ausências decorrentes do Holocausto • Traduzida para inglês em 1995 e português apenas em 2016
  10. 10. Tentativa de Esgotamento de um Local Parisiense Cafe de La Mairie Foto via: https://soundlandscapes.wordpress.com
  11. 11. Tentativa de Esgotamento de um Local Parisiense Esboço de inventário de algumas das coisas estritamente visíveis: — Algumas letras do alfabeto, palavras: “KLM” (na mochila de um passante), um “P” maiúsculo que significa “parking”; “Hotel Récamier”, “St-Raphaël”, “economia sem rumo”, “Táxi – início do ponto”, “Rua do Vieux-Colombier”, “Bar-restaurante La Fontaine Saint-Sulpice”, “P ELF”, “Parque Saint Sulpice”. — Alguns símbolos convencionais: setas, sob o “P” dos parkings, uma ligeiramente apontada para baixo, outra orientada em direção da rua Bonaparte (lado Luxemburgo), pelo menos quatro placas de contramão (uma quinta refletida num dos espelhos do café). — Algumas cifras: 86 (no alto de um ônibus da linha no 86, sobrepondo-se à indicação do local a que se destina: Saint-Germain-des-Prés), 1 (placa do no — Slogans que passam: “Eu vejo Paris de ônibus” — Vejo o chão: pedra britada e areia. — Vejo as pedras: o meio-fio das calçadas, um chafariz, uma igreja, casas... — O asfalto — Árvores (frondosas, com folhas ressequidas) — Um trecho considerável do céu (talvez 1/6 de meu campo visual) — Um bando de pombas que se lança de súbito sobre a praça central, entre a igreja e o chafariz (PEREC, 2016 (1975), pos.184)
  12. 12. Tentativa de Esgotamento de um Local Parisiense “várias dezenas, várias centenas de ações simultâneas, de microacontecimentos, cada um dos quais implicando posturas, atos motores, dispêndio de energia específicos: discussões de dois, discussões de três, discussões de vários: o movimento dos lábios, os gestos, as mímicas expressivas modos de locomoção: caminhando, em veículos de duas rodas (sem motor, a motor), automóveis (carros particulares, carros empresariais, carros de aluguel, autoescolas), veículos utilitários, do serviço público, transporte comunitário, ônibus de turismo maneiras de carregar (na mão, embaixo do braço, às costas) modos de traço (carrinho de compras) graus de determinação ou de motivação: esperar, passear, arrastar, errar, ir, correr para, precipitar-se (em direção a um táxi livre, por exemplo), procurar, zanzar, hesitar, caminhar com passo decidido posições do corpo: sentado (nos ônibus, nos carros, nos cafés, nos bancos), de pé (nas paradas de ônibus, diante de uma vitrina (Laffont, casa funerária), ao lado de um táxi (pagando) “ (PEREC, 2016 (1975), pos.184, grifos nossos)
  13. 13. Aproximações do quê? “Os trens só começam a existir quando descarrilam, e quanto maior é o número de viajantes mortos, mais eles existem; os aviões só ganham existência quando se perdem; os carros têm por único destino chocar-se contra os plátanos: cinquenta e dois finais de semana por ano, cinquenta e duas estatísticas: muitos mortos, e tanto melhor para a informação se os números não param de crescer!” “O que acontece realmente, o que vivemos, o resto, todo o resto, onde ele está? O que acontece a cada dia e que sempre retorna, o banal, o cotidiano, o evidente, o comum, o ordinário, o infraordinário, o ruído de fundo, o habitual, como dar conta disso, como interrogá-lo, como descrevê-lo?” (PEREC, 2010 (1973), p.179)
  14. 14. Aproximações do quê? “Os trens só começam a existir quando descarrilam, e quanto maior é o número de viajantes mortos, mais eles existem; os aviões só ganham existência quando se perdem; os carros têm por único destino chocar-se contra os plátanos: cinquenta e dois finais de semana por ano, cinquenta e duas estatísticas: muitos mortos, e tanto melhor para a informação se os números não param de crescer!” “O que acontece realmente, o que vivemos, o resto, todo o resto, onde ele está? O que acontece a cada dia e que sempre retorna, o banal, o cotidiano, o evidente, o comum, o ordinário, o infraordinário, o ruído de fundo, o habitual, como dar conta disso, como interrogá-lo, como descrevê-lo?” (PEREC, 2010 (1973), p.179) O que é preciso interrogar é o tijolo, o concreto, o copo, nosso comportamento à mesa, nossas ferramentas, a organização de nossas ocupações, nossos ritmos. Interrogar o que parece ter cessado para sempre de nos espantar. É claro que vivemos, que respiramos; nós andamos, abrimos portas, descemos escadas, sentamo-nos à mesa para comer, deitamos em uma cama para dormir. Como? Quando? Por quê? Descreva a sua rua. Descreva uma outra. Compare. Faça o inventário de seu bolso, de sua bolsa. Interrogue-se sobre a procedência, o uso e o devir de cada um dos objetos que você retirar daí. Questione suas colheres. (PEREC, 2010 (1973), p.179)
  15. 15. Georges Perec, experimentação e pesquisa How to be an Explorer of the World, de Kerri Smith Calle Real – Un modo de explorar la riqueza urbana de Santiago Bautista ▪ Meu Ponto de Vista (ROTTER, 2008) ▪ O Inventário como Tática: a fotografia e a poética das coleções (ABREU, 2011) ▪ Calle Real – Un modo de explorar la riqueza urbana (BAUTISTA, 2014) ▪ Modo de Usar: Dissertação (SANTOS, 2014) ▪ An agorology of everyday life (KARRHOLM, 2015) ▪ Espécies de Espaços (Tramontano, 2016) ▪ Writing Place after Conflitct: Exhausting a Square in Sarajevo (RIDING, 2017)
  16. 16. Georges Perec, experimentação e pesquisa Life: a user's manual, de Michelle Teran A artista desenvolveu um sistema móvel de captação de ondas de 2.4Ghz usadas em sistemas privados de segurança. A referência ao título e olhar de “Vida: Modo de Usar” se dá através da abertura de “janelas” para dentro dos prédios, invertendo o olhar dos dispositivos CCTV que vigiam o espaço urbano público. https://transmediale.de/content/life- a-users-manual-berlin-walk
  17. 17. Georges Perec, experimentação e pesquisa An Attempt at Exhausting an Augmented Place in Paris, de Christian Licoppe Exploração dos mesmos pontos de vista na Saint-Sulpice, mas aumentado por camadas de informação georreferenciadas em plataformas como Foursquare. Em aspectos e medidas como anonimidade x visibilidade; características técnicas de mediação; instâncias participativas do público no entorno.
  18. 18. Georges Perec, experimentação e pesquisa The Exceptional & The Everyday: 144 Hours in Kiev, Manovich et al 2014 Delimitação de uma praça para observação de “tudo” o que é visto, mas de forma colaborativa. Ao contrário de Perec, entretanto, foca no excepcional que acontece durante as 144 horas.
  19. 19. Georges Perec, experimentação e pesquisa The Exceptional & The Everyday: 144 Hours in Kiev, Manovich et al 2014 Delimitação de uma praça para observação de “tudo” o que é visto, mas de forma colaborativa. Ao contrário de Perec, entretanto, foca no excepcional que acontece durante as 144 horas.
  20. 20. O endótico como objeto de olhar etnográfico ▪ “uma literatura como se fosse um modo de inventariar coisas de nosso dia-a-dia” (ADÓ & CORAZZA, 2014, p.3) ▪ “a etnografia traduz-se por uma antropologia do endótico, por um resgate das coisas simples e vulgares como objectos de legítima análise. [...] e essa antropologia do endótico, dedicada à análise da banalidade quotidiana, pode tornar significantes as práticas habituais” (MATEUS, 2015, p.85) ▪ “cobrindo cultura material, parentesco e outras relações sociais, trabalho e tecnologia, crenças e valores, carreiras e trajetórias de vidas típicas; e todas as outras coisas etnógrafos são ordenados a incluir em uma descrição ‘completa’ de uma cultura” (BECKER, 2001, 66).
  21. 21. Infraordinário e críticas aos modos de atenção ▪ “educar e adequar seu olhar a uma escrita ágil e econômica para que, no plano das ações simultâneas que tinha à sua frente, conseguir esquadrinhar, apreender, selecionar e registrar apenas o essencial: o infraordinário“ (SPERANZINI, 2011, p.179) ▪ “Críticas aos modos de atenção” (PINO, 2011; LEE, 2017) comumente aplicados na interpretação da realidade social ▪ “uma nova antropologia do infra-ordinário é uma reavaliação da banalidade em si ou esferas mundanas da vida que podem ser descartadas ou subestimadas na busca por big social data e suas potências”” (MCCOSKEN & WILKEN, 2017, pos.3755)
  22. 22. Possibilidades e próximos passos ➢ Métodos de exploração e observação urbana ➢ Classificação, categorização e taxonomia ➢ Inventários espaciais, listas e índices ➢ Descrição geográfica e etnográfica ➢ Observação sustentada em “locais” mesclada com estilo, meio e forma expressiva (BECKER, 2001,2009; MCCOSKER & WILKEN, 2017; LEE, 2017)
  23. 23. Possibilidades e próximos passos ➢ Métodos de exploração e observação urbana ➢ Classificação, categorização e taxonomia ➢ Inventários espaciais, listas e índices ➢ Descrição geográfica e etnográfica ➢ Observação sustentada em “locais” mesclada com estilo, meio e forma expressiva (BECKER, 2001,2009; MCCOSKER & WILKEN, 2017; LEE, 2017) ➢ Tentativa de esgotamento a partir de diferentes pontos de observação ➢ Produção de listas como recurso de planejamento de pesquisa ➢ Descrição plana independente ➢ Engajamento com tema/objeto de pesquisa ➢ Aproximações a descrição densa (FRAGOSO, AMARAL, RECUERO, 2011); abordagens da grounded theory (BITTENCOURT, 2017); métodos ágeis de observação online (LATZKO-TOTH, BONNEAU & MILLETTE, 2017)
  24. 24. Artigo - http://www.intercom.org.br/sis/eve ntos/2017/resumos/R12-0651-1.pdf Resumo A obra de Georges Perec tem sido reapropriada para diversos outros fins em disciplinas como sociologia, psicologia e geografia. O presente artigo oferece uma revisão de algumas dessas reapropriações, com ênfase na pesquisa de viés sociológico e comunicacional ressignificada com potencialidades e restrições próprias do registro e resgate do cotidiano nas mídias sociais, incluindo leitura crítica de um estudo de caso. Georges Perec e o Monitoramento de Mídias Sociais OBRIGADO

×