Dados em Mídias Sociais - reflexos no self e no mercado

3,873 views

Published on

Slideshow de palestra realizada na UNISINOS São Leopoldo - maio de 2013.

Published in: Education

Dados em Mídias Sociais - reflexos no self e no mercado

  1. 1. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercadoDADOS EM MÍDIASSOCIAIS: REFLEXOSNO SELF E NOMERCADO
  2. 2. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| PERFIS E DADOS“databases have become a central node in a far-reaching surveillance apparatus as consumersprovide a wide range of personal information – bothknowingly and unknowingly – through their everydayroutine activities” (MANZEROLLE e SMELTZER, 2011,p.324)Necessário entender os dadosdigitais enquanto variáveisintervenientes em grande partedas atividades humanascontemporâneas.
  3. 3. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| PERFIS E DADOS"With users themselves constituting a key component ofonline behavioural advertising, based on their behaviour,ideological examination of texts and audiencepositioning is far less important than awareness ofdelivery systems and the power, privacy and profilingrelations that exist beneath hybridised behaviouraladvertising-machines." (MCSTAY, 2011, p.320)O próprio "empoderamento" dosindivíduos em suas capacidadescomunicativas expandidas, hoje,é visto também como uma rotinade produção cognitiva.
  4. 4. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| DADOS NAS MÍDIAS SOCIAISEm dois âmbitos as potencialidadesdos dados nas mídias sociais possuemum impacto particularmenteinteressante:1. Como as pessoas podem explorardados deixados por si e para os outrospara um maior auto-conhecimento ecompreensão do contexto socialatravés da análise das informaçõessociais.2. Como as atividades cotidianas deexpressão e consumo, nas mídiassociais, são reconfiguradas em ummercado no qual impera uma retóricada influência.O modo pelo qual os dados são manejadosem busca de uma suposta compreensãoexpandida do contexto social imediato.O modo pelo qual os dados sociais sãoanalisados e operacionalizados pororganizações em busca da influência.AAAAAAAAAA ?gAAAAAAAAA ?
  5. 5. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| O PERFIL PESSOALO "perfil pessoal" é o centro do que sechama de mídias sociais hoje. Atravésde uma página pessoal dentro de umsite de rede social / mídia social, ousuário geralmente tenta expressar asi mesmo através de características,valores e atividades que considerarelevante."four types of features […] playa salient role in constructingsocial network sites asnetworked publics—profiles,Friends lists, public commentingtools, and stream-basedupdates." (BOYD, 2011, p.43)
  6. 6. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| O PERFIL PESSOALTal relevância é socialmentecontextualizada: assim como nainteração presencial, o indivíduogeralmente tenta gerenciar asimpressões nos interlocutores epúblico imaginado."The profile is the aspect ofcontemporary culture thatenables „people‟s lives . . . [tobe] seen as singularities‟(Featherstone, 2006: 592).Profiles are the case-basedinstances in which data isaccumulated. (BEER, 2013, p.4)
  7. 7. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| O PERFIL PESSOAL
  8. 8. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| O PERFIL PESSOALO conceito de gerenciamento deimpressões, desenvolvido por ErvingGoffman é um dos referenciaisteóricos mais utilizados para analisaras interações sociais, atividadesexpressivas e construção identitárianas chamadas mídias sociais.Para Goffman, a realidade social ésempre contingente. A óticamicrossociológica do sociólogofocou-se nas atividades de criação,manutenção e colapso das regiõesde fachada e fundo na vidacotidiana."… devemos ter em mente queao falar de regiões de fachadae de fundo, falamos tomandocomo ponto de referência umadada representação e afunção para a qual aquelelugar é usado nomomento"(GOFFMAN, 1989)
  9. 9. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| DADOS DIGITAIS DISTRIBUÍDOS(MONTEIRO e AZARITE, 2012 a partirde SILVA, 2011)Os traços deixadosnas interações e auto-apresentação onlinesão registrados eoperacionalizados sobdiversas óticas,inclusivemercadológicas.
  10. 10. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| BUSCA DE INFORMAÇÕES SOCIAISA busca por informações sociais é aprática interacional que consistem embuscar informações sobre atoressociais significativos, através dediversas estratégias, para diminuir aincerteza e apoiar no rol de linhas deações possíveis: Estratégias Interativas Estratégias Ativas Estratégias Passivas Estratégias ExtrativasModelo Conceitual da Busca por Informações na CMC (RAMIREZet al., 2002).
  11. 11. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| APLICATIVOS SOCIAISOs aplicativos sociais seriam um tipo demecanismo de "Mass InterpersonalPersuasion" (FOGG, 2008): Experiência Persuasiva Estrutura Automatizada Distribuição Social Ciclo Rápido Grafo Social Gigante Impacto Mensurável
  12. 12. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| APLICATIVOS DE ANÁLISE DEINFORMAÇÕES SOCIAISAplicativos de análise de informaçõessociais são programas que utilizam,através de buscas e APIs, os dadosanteriormente fornecidos aos sites deredes sociais para oferecer ao usuárioum novo tipo de configuração einterpretação socialmente direcionadadaqueles dados.
  13. 13. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| O PERFIL PESSOAL
  14. 14. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| APLICATIVOS DE ANÁLISE DEINFORMAÇÕES SOCIAISPráticas Prescritas: Auto-conhecimento Exploração Comparação Publicação Retórica da Influência
  15. 15. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| APLICATIVOS DE ANÁLISE DEINFORMAÇÕES SOCIAISAuto-conhecimentoExploração Retórica daInfluênciaComparação Publicação Retórica daInfluência
  16. 16. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| O PERFIL PESSOALExpressões Controladas(Ações expressivas deauto-apresentação egerenciamento deimpressões)NomeIdadeLocalizaçãoAuto-descriçãoPreferências MusicaisLista de AmigosPostagensComentáriosLikes / Subscrições...Informações Sociais ->Ego(Informações do entornosocial referentes ao atorsocial)Comentários da RedeMétricas de"Popularidade"Métricas de"Engajamento"Marcações e TaggingMenções e InteraçõesMicro-Ações Sociais (likes,compartilhamentos,retweets...)Dados "Invisíveis"(Agrega expressões,padrões de uso,informações sociais demodo quantificado)CliquesTempo/Padrão de AcessoEdgerankMétricas de Rede: graupodenrado, centralidade,intermediaridade,PageRank...Preferências da RedeClassificações deMercadoApenas uma parte dos dados e informações nas plataformas sociaissão, ao mesmo tempo, controláveis e explícitas.
  17. 17. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| APLICATIVOS DE ANÁLISE DEINFORMAÇÕES SOCIAIS(RIBEIRO & SILVA, 2012)
  18. 18. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| MANEJO DOS DADOS• Produção afetiva da internet(TERRANOVA, 2000)•Culturas do Arquivamento(FEATHERSTONE, 2000)•Memória enquanto padrão(MAYER-SCHONBERGER, 2009)Registro• Dataveillance (CLARKE, 1988)• Sousveillance (MANN et al,2003)• Vigilância performativa(READING, 2008)• Catopticon (GANASCIA, 2009)Resgate • Quantified Self (WOLF, 2010)• Capital Cultural metrificado(BEER. 2013)Processamento• Classificação Ubíqua (BOWKERe STAR, 1999)• Economia da reputação digital(HEARN, 2010)• Imaginação Classificatória(BEER, 2013)Classificação O armazenamento é realizado de formaautomática; É preciso realizar esforços adicionais paradeletar algo; Nem sempre isto é possível, e diversasconsequências (positivas e nefastas) provêmdaí.
  19. 19. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado Diversos aplicativos promovem o resgatefacilitado de informações; De aplicativos pessoais a ferramentas demonitoramento, resgatar dados relevantesentre e excesso dos dados criou negócios enovas demandas de informação social.| MANEJO DOS DADOS• Produção afetiva da internet(TERRANOVA, 2000)•Culturas do Arquivamento(FEATHERSTONE, 2000)•Memória enquanto padrão(MAYER-SCHONBERGER, 2009)Registro• Dataveillance (CLARKE, 1988)• Sousveillance (MANN et al,2003)• Vigilância performativa(READING, 2008)• Catopticon (GANASCIA, 2009)Resgate • Quantified Self (WOLF, 2010)• Capital Cultural metrificado(BEER. 2013)Processamento• Classificação Ubíqua (BOWKERe STAR, 1999)• Economia da reputação digital(HEARN, 2010)• Imaginação Classificatória(BEER, 2013)Classificação
  20. 20. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado O Processamento adiciona camadasquantitativas e temporais aos dados; Metrificação e quantificação dos dados sociais,permitindo a comparação social direta; Práticas de competição e hierarquias sãoinscritas nos números/indicadores sociais.| MANEJO DOS DADOS• Produção afetiva da internet(TERRANOVA, 2000)•Culturas do Arquivamento(FEATHERSTONE, 2000)•Memória enquanto padrão(MAYER-SCHONBERGER, 2009)Registro• Dataveillance (CLARKE, 1988)• Sousveillance (MANN et al,2003)• Vigilância performativa(READING, 2008)• Catopticon (GANASCIA, 2009)Resgate • Quantified Self (WOLF, 2010)• Capital Cultural metrificado(BEER. 2013)Processamento• Classificação Ubíqua (BOWKERe STAR, 1999)• Economia da reputação digital(HEARN, 2010)• Imaginação Classificatória(BEER, 2013)Classificação
  21. 21. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado A Classificação adiciona camadas e valoraçõesaos dados e performances metrificadas; Categorias definidas de acordo comparâmetros arbitrários de avaliação, geralmenteligados a um ou mais índices valorizados pordeterminado grupo.| MANEJO DOS DADOS• Produção afetiva da internet(TERRANOVA, 2000)•Culturas do Arquivamento(FEATHERSTONE, 2000)•Memória enquanto padrão(MAYER-SCHONBERGER, 2009)Registro• Dataveillance (CLARKE, 1988)• Sousveillance (MANN et al,2003)• Vigilância performativa(READING, 2008)• Catopticon (GANASCIA, 2009)Resgate • Quantified Self (WOLF, 2010)• Capital Cultural metrificado(BEER. 2013)Processamento• Classificação Ubíqua (BOWKERe STAR, 1999)• Economia da reputação digital(HEARN, 2010)• Imaginação Classificatória(BEER, 2013)Classificação
  22. 22. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| ARQUIVOS DE DADOS SOCIAISDavid Beer lista os principais tipos dearquivos baseados em dados sociais: Arquivos Transacionais Arquivos do Cotidiano Arquivos de Opinião Arquivos Crowdsouced
  23. 23. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| ARQUIVOS DE DADOS SOCIAIS
  24. 24. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| PODER PREDITIVO?Dados digitais sociais são, no final das contas, nada mais que reduçõesmanejáveis de traços sociais:"We show that a wide variety of people’spersonal attributes, ranging from sexualorientation to intelligence, can beautomatically and accurately inferredusing their Facebook Likes." (KOSINSKI,STILLWELL & GRAEPEL, 2013)
  25. 25. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| RETÓRICA DA INFLUÊNCIANo mercado da comunicação digital, porsua vez, existe uma retórica da influênciaque perpassa o mercado e é explícita emaplicativos de mensuração como Klout,PeerIndex e Empire Avenue.
  26. 26. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| RETÓRICA DA INFLUÊNCIARelacionamento com "Influenciadores":blogueiros, "tuiteiros" e usuários de mídiassociais que seriam influentes em suas redes"Control Rooms": observaçãoe análise em tempo real demétricas e dados opinativos
  27. 27. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| RETÓRICA DA INFLUÊNCIARed Bull lança página no Klout voltada a"usuários influentes"Consultoria publica estudo sobre influentessobre política no Twitter."Perks" monetizam osserviços do Klout ePeerIndex
  28. 28. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| RETÓRICA DA INFLUÊNCIA
  29. 29. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| RETÓRICA DA INFLUÊNCIA
  30. 30. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| INFLUÊNCIA ENQUANTO INFORMAÇÃOSOCIAL QUANTIFICÁVELAplicativos de análise deinformações sociais são exploradoscomercialmente em váriasmodalidades:
  31. 31. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| INFLUÊNCIA ENQUANTO INFORMAÇÃOSOCIAL Função recursiva de aplicativos deanálise de informações sociais; A inclusão do conceito de influênciaentre os valores buscados nos SRSreforça a lógica de mercado nasrelações; Play labour torna-se uma modalidadebraço importante do capitalismocognitivo.
  32. 32. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| DISRUPÇÕES OU INTENSIFICAÇÕES?A possibilidade de manejo dos dadossociais, em vários níveis, traz algunsaspectos particulares escala, velocidadee fonte de dados.Como muito do que acontece quando setrata de tecnologias digitais, é umadisrupção referente à intensidade.Registro, resgate, processamento eclassificação dos dados sociais sãorecursos sociotécnicos essenciais para seentender tanto a auto-apresentação nosambientes digitais quanto a retórica dainfluência no mercado da comunicaçãodigital.ManejodeDadosRegistroResgateProcessamentoClassificação
  33. 33. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| METRIFICAÇÃO DAS INTERAÇÕESVisibilidade e o desejo de gerenciamentode impressões sempre foram explorados.Sempre estiveram subjacentes nacomunicação corporativa,especialmente publicidade.Hoje, porém, torna-se um valor explícitopor estar metrificado nas representaçõesdos indivíduos na web.Camadas simbólicas, complexificaçãodos índices e dinâmicas de gamificaçãotornam os aplicativos mensuradorespalatáveis e persuasivos aos usuários.
  34. 34. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| DESVELANDO RELAÇÕESLutar contra o uso acrítico envolvedesfraldar as premissas e dinâmicassociais incorporadas nas diversas fases demanejo dos dados.Uma importante linha de atuação dopensador em cultura digital é promoverconceitualmente/tecnologicamente apercepção das minúcias envolvidas nouso destas tecnologias.
  35. 35. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| REFERÊNCIASBEER, D; BURROWS, R. Popular Culture, Digital Archives and the New Social Life of Data. Theory Culture Society. Theory, Culture &Society April 16, 2013 0263276413476542BOWKER, G., & STAR, S. L. How things (actornet) work: Classification, magic and the ubiquity of standards. Philosophia, 25(3–4), 195–220,1997.boyd, danah. Social Network Sites as Networked Publics: Affordances, Dynamics, and Implications. In: PAPACHARISSI, Zizi (ed.). ANetworked Self: Identity, community, and culture on Social Network Sites. New York (Estados Unidos): Routledge, 2011.CLARKE, Roger. Information Technology and Dataveillance. Communications of the ACM, 31,5, pp.498-512, 1998.FEATHERSTONE, Mike. Archiving cultures. British Journal of Sociology Vol. No. 51 Issue No. 1, 2000. pp. 161–184.FOGG, B. J. Mass Interpersonal Persuasion: An Early View of a New Phenomenon. Third International Conference on PersuasiveTechnology, Persuasive 2008. Berlin: Springer, 2008.GANASCIA, Jean-Gabriel. The Great Catopticon. Proceedings of the 8th International Conference of Computer Ethics Philosophical Enquiry(CEPE), 26-28 June 2009, Corfu, Grécia, 2009.KOSINSKI, M.; STILLWELL, D.; GRAEPEL, T. Private traits and attributes are predictable from digital records of human behavior. PNAS,March 11, 2013. doi: 10.1073/pnas.1218772110.GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1989.HEARN, Alison. Structuring feeling: Web 2.0, online ranking and rating, and the digital ‘reputation’ economy. Ephemera, v. 10(3/4),2010. 421-438.MANN, Steve; NOLAN; Jason; WELLMAN, Barry. Sousveillance: Inventing and Using Wearable Computing Devices for Data Collection inSurveillance Environments. Surveillance & Society, n 1, pp.331-355, 2003.
  36. 36. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercado| REFERÊNCIASMANZEROLLE, Vincent; SMELTZER, Sandra. Consumer Databases and the Commercial Mediation of Identity: a medium theoryanalysis. Surveillance & Society, v. 8, n.33, pp 323-337, 2011. >MAYER-SCHONBERGER, Viktor. Delete: the virtue of forgetting in the digital age. Princeton, Princeton University Press: 2009.MONTEIRO, Diego; AZARITE, Ricardo. Monitoramento e Métricas de Mídias Sociais: do estagiário ao CEO. São Paulo: DVS Editora,2012McStay, Andrew. 2011. Profiling Phorm: an autopoietic approach to the audience-as-commodity. Surveillance & Society 8(3): 310-322.RAMIREZ, Artemio; WALTHER, Joseph; BURGOON, Judee; SUNNAFRANK, Michael. Information-Seeking Strategies, Uncertainty, andComputer-Mediated Communication: Toward a Conceptual Model. Human Communication Research, 28, 213–228, 2002.READING, Anna. The Playful Panopticon? - Ethics and the Coded Self in Social Networking Sites. In: NYÍRI, Kristóf. Mobile Communicationand the Ethics of Social Networking. Communication in the 21st Century - The Mobile Information Society, 2008.RIBEIRO, José Carlos; SILVA, Tarcízio. Self, Self-Presentation, and the Use of Social Applications in Digital Environments. In:LUPPICINI, Rocci. Handbook of Research on Technoself: Identity in a Technological Society. Idea Group,U.S., 2012. [compre]SILVA, Tarcízio. Aplicativos de Análise de Informações Sociais: mapeamento e dinâmicas interacionais. Dissertação de Mestrado.Programa de Pós-Graduação em Comunicaçação e Cultura Contemporâneas. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.Terranova, T. (2000) ‘Free labor: Producing culture for the digital economy’,Social Text 18(2): 33–58.WOLF, Gary. The Data-Driven Life. Disponível em < http://www.nytimes.com/2010/05/02/magazine/02self-measurement-t.html
  37. 37. Dados em Mídias Sociais: reflexos no self e no mercadoTARCÍZIO SILVA |Mestre em Comunicação e CulturaContemporâneas, professor, pesquisador econsultor em métodos de pesquisa digitais,monitoramento e mensuração.Investiga os impactos das tecnologias digitaissociais nas produções vernaculares eorganizacionais de conhecimento social. Artigosrecentes: Self, Self-Presentation, and the Use ofSocial Applications in Digital Environments (c/ JoséCarlos Ribeiro) e Comunicação Publicitária emAplicativos de Análise de Informações Sociais:Persuasão Sociotécnica em Sites de RedesSociais.tarciziosilva.com.br <slideshare.net/tarushijio <

×