Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Orações coordenadas e orações subordinadas

Orações coordenadas e orações subordinadas

  1. 2. Orações coordenadas. <ul><li>As orações coordenadas se dividem em: coordenadas sindéticas (quando há presença de conjunções coordenativas) e assindéticas (quando não há ocorrência de conjunção). As coordenadas sindéticas são reconhecidas e classificadas através das conjunções coordenativas: aditiva, alternativa, adversativa, conclusiva e explicativa. </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Para se saber se uma oração coordenada é sindética (OCS) ou assindética (OCAss) é só utilizar-se da exclusão. </li></ul><ul><li>Observação importante. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>É possível que se confunda oração subordinada adverbial com oração coordenada sindética. Para que não haja equívoco segue uma regrinha muito útil: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Para se saber se uma oração é subordinada adverbial ou coordenada sindética, depois de se ter feito os testes da subord. Substantiva e subord. Adjetiva (que está explicado na sequência deste estudo) utilize o teste da inversão . </li></ul>1. Oração subordinada adverbial. 2. Oração coordenada sindética.   Teste da inversão   1. Mesmo sentido – subordinada adverbial. 2. Sem sentido – coordenada sindética.
  3. 4. <ul><li>Ex. </li></ul><ul><li>Jogamos bem, mas perdemos. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Inversão: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Mas perdemos, jogamos bem. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>(sem sentido, portanto, oração coordenada sindética - OCS). </li></ul><ul><li>Nesse caso coordenada sindética adversativa. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  Agora, se a frase fosse essa: </li></ul><ul><li>   </li></ul><ul><li>Perdemos, embora tenhamos jogado bem. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Inversão: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Embora tenhamos jogado bem, perdemos. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>(há sentido, portanto, oração subordinada adverbial – OSAdv.). </li></ul><ul><li>Nesse caso adverbial concessiva. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Finalizando, é a vez da oração coordenada assindética (OCAss). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Para se saber que a oração é uma coordenada assindética submeta-a ao teste da exclusão . </li></ul><ul><li>Antes, porém faça todos os testes possíveis (que serão explicitados na sequência desse estudo). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Se quando a oração for submetida a todos os testes aqui apresentados, e não for nenhum dos casos de subordinada, nem o de coordenada sindética, então só poderá ser uma coordenada assindética. </li></ul>
  5. 6. Oração subordinada <ul><li>A oração subordinada (termo sintático) é a parte de um enunciado que não tem sentido próprio, mas precisa de uma oração que a subordine, que seja a principal. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Três são os tipos de orações subordinadas: substantivas, adjetivas e adverbiais. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Para se saber quando há ocorrência de uma ou de outra, pode-se fazer o teste da substituição. Troca-se a oração subordinada por uma palavra (subst. ISSO – adj. UM ADJETIVO – adv. UM ADVÉRBIO). Obs: caso após esse teste não surja nenhuma oração subordinada, especialmente adverbial é porque muito provavelmente será uma coordenada sindética. (Se mesmo assim não der certo é porque a oração é coordenada assindética). </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  6. 7. Oração Subordinada Substantiva (OSS) <ul><li>As orações subordinadas substantivas podem ser:  </li></ul><ul><li>- subjetiva: funciona como sujeito do verbo da oração principal. O verbo da oração principal se apresenta sempre na terceira pessoa do singular e nessa não há sujeito, o sujeito é a oração subordinada.  </li></ul><ul><li>Ex: É necessário que se estabeleça regras nesta empresa.  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>- objetiva direta: exerce a função de objeto direto do verbo da oração principal. Está sempre ligada a um verbo da oração principal, sem auxílio de preposição, indicando o alvo sobre o qual recai a ação desse verbo.  </li></ul><ul><li>Ex: Quero saber como você chegou aqui.  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>- objetiva indireta: funciona como objeto indireto do verbo da oração principal. Está sempre ligada a um verbo da oração principal, com auxílio de preposição, indicando o alvo do processo verbal.  </li></ul><ul><li>Ex: Mariana lembrou-se de que Manoel chegaria mais tarde.  </li></ul>
  7. 8. <ul><li>- completiva nominal: funciona como complemento nominal de um nome da oração principal. Está sempre ligada a um nome da oração principal através de preposição.  </li></ul><ul><li>Ex: Tenho certeza de que não há esperanças.  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>- predicativa: funciona como predicado do sujeito da oração principal. Está sempre ligada ao sujeito da oração principal através de verbo de ligação.  </li></ul><ul><li>Ex: Minha vontade é que encontres o teu caminho.  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>- apositiva: funciona como aposto de um nome da oração principal. Está sempre ligada a um nome da oração principal, sem o uso de preposição e sem mediação de verbo de ligação.  </li></ul><ul><li>Ex: Faço apenas um pedido: que você nunca abandone os seus princípios. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Subjetiva (O.S.S.S.): exercem função de  sujeito  do  verbo  da oração principal.  É provável  que ele chegue ainda hoje. (O que é provável?); </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Objetiva Direta (O.S.S.O.D.): exercem função de  objeto direto  (não possui  preposição ). Desejo  que todos venham . (Quem deseja, deseja algo, alguma coisa); </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Objetiva Indireta (O.S.S.O.I.): exercem função de  objeto indireto  (possui  preposição  obrigatória, que vem depois de um VERBO). Necessitamos  de  que todos nos ajudem; (Quem necessita,necessita  DE  algo,  DE  alguma coisa ou  DE  alguem) </li></ul><ul><li>Predicativas (O.S.S.P.): exercem função de  predicativo . Meu desejo  era [verbo de ligação] que me dessem uma camisa; </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Completivas Nominais (O.S.S.C.N.): exercem função de  complemento nominal  de um nome da oração principal. Tenho  esperança  de que ela ainda volte; </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Apositivas (O.S.S.A.): todas as apositivas têm dois pontos (:)ou ponto e virgula (;) no meio da oração.exercem função de  aposto . Desejo-te uma coisa:  que sejas muito feliz . </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Ou seja, todas as orações subordinadas substantivas podem ser trocadas por isso, disso ou nisso. Veja os exemplos: </li></ul><ul><li>Precisamos  de que venha para a aula . = Precisamos  disso . (Disso: completiva nominal ou objetiva indireta) </li></ul><ul><li>Quero  que venha para a guerra . = Quero  isso . (Isso: subjetiva, objetiva direta, predicativa) </li></ul><ul><li>Fiquei pensando  que valia a pena . = Fiquei pensando  nisso . (Nisso: completiva nominal ou objetiva indireta). </li></ul>
  10. 11. 4. Oração Subordinada Adjetiva (OSAdj.) <ul><li>Muito parecida com O.S.S, mas você deve fazer a regra da substituição agora trocando a subordinada por um adjetivo. (achar o pronome relativo e trocar por adjetivo). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>A subordinada adjetiva sempre vem com pronome relativo. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li> Que (qual, o qual, qual, as quais, os quais), cujo, onde (aonde). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Ex. </li></ul><ul><li>  Procurávamos um exemplo que esclarecesse nossa dúvida. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>A oração iniciada pelo pronome relativo que indica a subordinada. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Então, </li></ul><ul><li>  Procurávamos um exemplo esclarecedor . (Adjetivo – esclarecedor ). </li></ul><ul><li>Deu certo. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Essa, portanto, é uma oração subordinada adjetiva. Resta agora saber se restritiva ou explicativa. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Classificação das OSAdj. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Restritivas – sempre sem vírgula </li></ul><ul><li>Explicativa – sempre com vírgula </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Assim, o exemplo acima classifica-se como oração subordinada adjetiva restritiva. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Outro exemplo, agora com explicativa. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Durante a noite, na qual me faltou sono, pensei nela </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Regra da substituição. </li></ul><ul><li>Durante a noite, insone, pensou nela. (Nesse caso se trocarmos por isso não dá certo) </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Nesse exemplo não se restringe a “noite”, mas explica-se a “noite”. </li></ul>
  12. 13. 5. Orações Subordinadas Adverbiais (OSAdv.) <ul><li>São as orações ligadas ao verbo da oração principal (OP). </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Ex. </li></ul><ul><li>Priscila chegou em casa quando amanheceu. (verbos: chegou e amanheceu) </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>A oração subordinada é: quando amanheceu. Isso porque esta oração é que está ligada à oração principal. Assim: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Priscila chegou / quando amanheceu. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Para ficar mais fácil use a dica da exclusão, ou seja, se não for subordinada substantiva e nem adjetiva, só pode ser adverbial. Ou seja: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Quando conseguimos trocar uma subordinada por ISSO estamos diante de uma subord. Substantiva (OSS); </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Quando conseguimos trocar uma subordinada por um adjetivo estamos diante de uma subord. Adjetiva (OSAdj). </li></ul>
  13. 14. <ul><li>Portanto, se quando fizermos a regra da substituição e a oração não for substantiva nem adjetiva, só poderá ser uma Subord. Adverbial. (ou uma oração coordenada sindética, como você já viu no tópico das coordenadas) </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Tire a prova usando o exemplo acima; primeiro substituindo a subordinada por ISSO e depois por um ADJETIVO. Não vai dar certo. Entretanto, se trocarmos a subordinada por um advérbio, por exemplo, “Priscila chegou em casa cedo ” ou Priscila chegou em casa rápido ” tudo se encaixa. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Feito isso, só resta classificar a oração adverbial. Lembrando que há nove tipos dela. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Apesar de muitos é mais fácil, uma vez que é só verificar a presença do advérbio na oração subordinada e conferir sua classificação. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Os advérbios são: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>- causais: Impedido de entrar, ficou irado.  </li></ul><ul><li>- concessivas: Ministrou duas aulas, mesmo estando doente.  </li></ul><ul><li>- condicionais: Não faça o exercício sem reler a proposta.  </li></ul><ul><li>- consecutivas: Não podia olhar a foto sem chorar.  </li></ul><ul><li>- finais: Vestiu-se de preto para chamar a minha atenção. </li></ul><ul><li>- temporais: Terminando a leitura, passe-me o texto. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>No exemplo acima a oração subordinada classifica-se como temporal uma vez que seu advérbio indica tempo (chegou quando amanheceu) OSAdv. </li></ul>

×