Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Dosimetria Interna - Highlights aula 28/08/2018

386 views

Published on

Aula de dosimetria interna - Highlights da aula - 28/08/2018 - Hospital Pró-Cardíaco

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Dosimetria Interna - Highlights aula 28/08/2018

  1. 1. Terapia personalizada com I-131- Dosimetria Interna Fís. Tadeu Takao Almodovar Kubo Especialista em Medicina Nuclear ABFM Supervisor de Proteção Radiológica CNEN Dia 28/08/2018 - Hospital Pró-Cardíaco Coordenação: Dr. Claudio Tinoco Mesquita
  2. 2. Por que estamos falando de dosimetria? T.T.A., Kubo
  3. 3. Dois elétrons… T.T.A., Kubo - Conceito apresentado pelo Prof. Michael Ljungberg Elétron devido ao decaimento Elétron devido à interação compton DosimetriaDosimetria Elétrons
  4. 4. Por que a dosimetria com radionuclídeos é difícil? • Radioterapia (terapia com feixe externo) • A fonte de radiação e intensidades são bem definidas • Chave: liga e desliga • Energia normalmente uniformemente distribuída • Alta taxa de dose • Terapia com radionuclídeos • A “fonte" é administrada ao paciente • Não podemos desligar e ligar • Precisamos medir a atividade no tempo e no espaço • Os sistemas de aquisições têm suas limitações (resolução espacial, ruído, atenuação, …) • A fonte fica distribuída nos tecidos e células de maneira heterogênea • A biocinética pode variar de paciente para paciente • Baixa taxa de dose T.T.A., Kubo - Conceito apresentado pelo Prof. Michael Ljungberg
  5. 5. Dosimetria T.T.A., Kubo
  6. 6. Dosimetria T.T.A., Kubo
  7. 7. Nomenclatura T.T.A., Kubo Limite de BED < 27 Gy
  8. 8. Nomenclatura para dosimetria interna RBE - Weighted Dose Relative Biological effectiveness - weighted dose (efeitos determinísticos e ponderados wR) Dose absorvida (Absorbed dose) (entrega de energia/unidade de massa) BED - Biological Effective Dose (total de dose para um específico efeito biológico) EUD - Equivalent Uniform Dose (distribuição espacial de dose dentro de um volume) ISOEFFECTIVE DOSE (ICRU - Alto LET - wIsoE)
  9. 9. Aplicações da dosimetria em Medicina Nuclear Dose RBE - Weighted Dose Relative Biological effectiveness - weighted dose Dose absorvida (Absorbed dose) BED Biological Effective Dose EUD Equivalent Uniform Dose ISOEFFECTIVE DOSE DOSE
  10. 10. Aplicações da dosimetria em Medicina Nuclear Dose DOSE Tecido alvo (ex. medula óssea e rins) Órgão/Tecido Dose (Gy) Rins 27 Medula óssea 2 “No tratamento com micro esferas de ítrio o pulmão pode receber até 30 Gy para um único evento ou 50 Gy para múltiplos"
  11. 11. Aplicações da dosimetria em Medicina Nuclear Atividade Atividade I-131 (250 mCi) ? 1º tratamento 2º Tratamento Dose MTA - Maximum tolerated (tolerable) dose AHASA - As high as safely achievable ~
  12. 12. Aplicações da dosimetria em Medicina Nuclear Método Aquisições de dados (MIRD 16): 1. Imagens planas, SPECT ou PET 2. Monitoração externa com um detector de NaI ou GM 3. Contagens de amostras de tecido, sangue e/ou biópsia 4. Contagem de excretas
  13. 13. T.T.A., Kubo Amostras de sangue : 1-3 ml Intervalos: inicial = “tempo de biodistribuição” (2-4 h), minutos, aquisições de imagem Aplicações da dosimetria em Medicina Nuclear Método
  14. 14. T.T.A., Kubo Aplicações da dosimetria em Medicina Nuclear Método
  15. 15. Aplicações da dosimetria em Medicina Nuclear Método
  16. 16. Aplicações da dosimetria em Medicina Nuclear Método Método Hybrid planar-SPECT
  17. 17. Aplicações da dosimetria em Medicina Nuclear Resultados Resultados
  18. 18. Report de dosimetria Dose Atividade Método Resultados
  19. 19. T.T.A., Kubo Controles de qualidade Aquisições de dados (MIRD 16): 1. Imagens planas, SPECT ou PET 2. Monitoração externa com um detector de NaI ou GM 3. Contagens de amostras de tecido, sangue e/ou biópsia 4. Contagem de excretas
  20. 20. A) Sem paciente *mesmo protocolo de aquisição utilizado para a terapia do paciente Imagem de varredura do flood Média geométrica (dosimetria) MIRD 16 T.T.A., Kubo Medicina Nuclear - Terapia
  21. 21. B) Com paciente (antes da dose terapêutica) *mesmo protocolo de aquisição utilizado para a terapia do paciente Imagem de varredura do flood sob o paciente T.T.A., Kubo Medicina Nuclear - Terapia Média geométrica (dosimetria) MIRD 16
  22. 22. C) Com paciente (após a dose terapêutica) *mesmo protocolo de aquisição utilizado para a terapia do paciente Imagem de varredura do paciente ttj T.T.A., Kubo Medicina Nuclear - Terapia Média geométrica (dosimetria) MIRD 16
  23. 23. Média geométrica Transmissão Atividade ttj Método de vistas conjugadas Média geométrica (dosimetria) MIRD 16 T.T.A., Kubo Medicina Nuclear - Terapia
  24. 24. D) Sem paciente *mesmo protocolo de aquisição utilizado para a terapia do paciente Imagem de varredura da fonte de referência “fj não varia significativamente de 1, desde que a densidade de onde está a fonte ou a profundidade no corpo sejam grandes” (MIRD 16) T.T.A., Kubo Medicina Nuclear - Terapia Média geométrica (dosimetria) MIRD 16
  25. 25. T.T.A., Kubo Calibrações
  26. 26. T.T.A., Kubo Calibrações
  27. 27. T.T.A., Kubo Distribuição ao longo do tempo http://astronuklfyzika.cz/MIRD.gif
  28. 28. ImageJ T.T.A., Kubo
  29. 29. Planilha T.T.A., Kubo
  30. 30. T.T.A., Kubo Amostras de sangue Amostras de sangue : 1-3 ml Intervalos: inicial = “tempo de biodistribuição” (2-4 h), minutos, aquisições de imagem
  31. 31. Planilha T.T.A., Kubo
  32. 32. OLINDA T.T.A., Kubo
  33. 33. Olinda T.T.A., Kubo
  34. 34. Obrigado! tadeu@physrad.com.br

×