Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

País urbano e concelhio

14,409 views

Published on

Published in: Education

País urbano e concelhio

  1. 1. Prof. Susana Simões O país urbano e concelhio
  2. 2. 1. Contexto: Terminada a Reconquista e fortalecidas as fronteiras, para os reis torna-se prioritário o desenvolvimento interno. Áreas urbanas: São os grandes proprietários rurais (clero e nobreza) que asseguram o desenvolvimento e defesa dos senhorios As vilas e aldeias organizam-se autonomamente para se defenderem dos agressores e regulamentarem o uso comum das terras, água e pastos; (Durante a Reconquista Cristã, algumas foram absorvidas pelos senhorios, outras negociaram a sua liberdade e conseguiram que os reis e senhores lhes reconhecessem o direito de se autogovernarem) CARTAS DE FORAL MULTIPLICAM-SE AS VILAS E CIDADES CONCELHIAS Prof. Susana Simões Áreas rurais:
  3. 3. 2. O país urbano e concelhio: Para o desenvolvimento e afirmação as cidades e vilas portuguesas no séc. XII e XIII, contribuíram: - A itinerância da corte régia e das sés episcopais: as cidades desenvolviam-se no espaço que a corte ou sés episcopais escolhiam para se para se fixarem; - O ressurgimento comercial (sécs. XII-XIII): importante para o surto urbano, particularmente de Lisboa e Porto (que utilizavam o Atlântico para o comércio ), Guimarães, Coimbra, Santarém e Évora; Prof. Susana Simões - O avanço da Reconquista: integração dos territórios muçulmanos e herança das suas características urbanas (particularmente no Centro e Sul do país);
  4. 4. 3. Os concelhos Documento atribuído pelo Rei ou pelo senhor, que dava origem à formação de um concelho e que definia as relações, direitos e obrigações entre os habitantes do concelho e entre estes e o outorgante (rei ou senhores); Comunidades rurais ou urbanas, com autonomia administrativa (elegiam os magistrados, tinham o seu próprio regime fiscal e judicial, podiam explorar as terras e exercer atividades económicas); Prof. Susana Simões Secs. XII-XIII: concessão das Cartas de Foral que dão origem aos concelhos.
  5. 5. Cartas de Foral - Deveres - Pagamento de tributo ao rei ou senhor; - Pagamento de portagens pela circulação e transação de mercadorias. Prof. Susana Simões Originam os concelhos e determinam os: - Direitos - Possibilidade de determinar a exploração económica da região; - Possibilidade de escolherem os seus magistrados para aplicarem o direito próprio; - Reconhecimento da autonomia no âmbito da administração, fiscalidade e jurisdição; - Garantia de posse de terras; - Isenção da aplicação dos direitos senhoriais. Foral Manuelino (Almada)
  6. 6. • concelhos rurais • concelhos urbanos Prof. Susana Simões Concelhos portugueses
  7. 7. 4. A organização do território e do espaço citadino Os concelhos eram espaços comunitários compostos pela vila, arrabalde e termo e habitados por homens livres, pequenos proprietários e escravos. Foram fundamentais para a urbanidade do território português. Prof. Susana Simões Compreendiam a cidade ou vila, as aldeias e o respetivo termo.
  8. 8. Vila/ núcleo central - Local central e de encontro entre habitantes; - Na vila localizavam-se: - Edifícios administrativos; - Habitações dos mercadores e mesteirais; - A administração pública; - O castelo, a torre de menagem, a sé ou a igreja, os paços do concelho, o mercado principal (numa praça ou rossio) e os mercados especializados (carne, peixe…); Prof. Susana Simões - Nos concelhos urbanos, estava envolta numa cintura de muralhas que delimitava o espaço urbano;
  9. 9. Arrabaldes: - Burgos de fora (muitas vezes rodeados por novas muralhas); - Local privilegiado de contacto com as populações; - Frequentado por pedintes e leprosos (o que justifica a presença de ordens mendicantes que prestavam auxílio aos doentes e excluídos da sociedade); Termo: – Espaço que complementava as atividades económicas composto por campos, hortas, florestas e baldios; Prof. Susana Simões - Local dos vários mesteres como sapateiros, ferreiros, carpinteiros, entre outros;
  10. 10. Nas cidades, os espaços destinados às minorias étnico-religiosas eram as : Mourarias: - Bairros localizados nos arrabaldes, regidos por um alcaide próprio; - Organizavam a sua vida em torno da mesquita; Prof. Susana Simões Judiarias: - Bairros destinados à comunidade judaica e fechados com portas. Tinham os seus funcionários, juízes e uma hierarquia religiosa própria; ( o rei D. Pedro I obriga os habitantes a usar sinais distintivos)
  11. 11. A presença muçulmana e o longo período de Reconquista Cristã permitem identificar dois espaços de influência no urbanismo medieval português: Urbanismo muçulmano (sul): Distribui-se por dois centros: a alcáçova (reservada aos dirigentes) e a almedina (zona popular); Influências muçulmanas e cristãs: Almedina : - Polo de importância política e religiosa; - Área mais importante da cidade: os mercados e a mesquita faziam a ligação entre a população; - Zona desorganizada, que crescia sem planeamento; Alcáçova: - Zona fortificada destinada aos governantes; Catedral Prof. Susana Simões Urbanismo cristão (norte): Ruas tortuosas, becos sem saída, uma ou mais praças (rossio) irradiando de um centro;
  12. 12. 5. O exercício comunitário de poderes concelhios Concelhos Comunidade de vizinhos (homens livres, maiores de 18 anos) (livres, maiores de 18 anos) Administração comunitária •Magistrados: Alcaides ou juízes – representantes da autoridade do rei encarregues da administração da justiça (viviam na Torre de Menagem); Almotacés – vigilância dos mercados, da sanidade, higiene e obras públicas; Almoxarife – cobrança dos direitos régios; Procurador – tesoureiro e representante do concelho no exterior; Chanceler – responsável pelo selo e bandeira do concelho; Vereadores – funções legislativas e executivas (escolhidos pelo rei e vão representar uma limitação à autonomia concelhia); Prof. Susana Simões • Assembleia de vizinhos ou homens-bons(elite social) - Órgão deliberativo que regulamentava as questões económicas e elegia os magistrados;
  13. 13. 6. A afirmação das elites urbanas Os homens-bons tinham destacada importância política: monopolizavam as magistraturas municipais, evitando que os mesteirais as ocupassem. Depois da Reconquista, a sociedade portuguesa sofreu algumas alterações, na sequência da passagem de uma matriz guerreira para uma matriz económica. Prof. Susana Simões Todos os magistrados pertenciam à elite social do concelho (homensbons), constituída por proprietários rurais (nos concelhos rurais) e homens do comércio (nas cidades do litoral). O papel que desempenharam na reconquista e defesa do território (a sul do Mondego) fez com que fossem promovidos a cavaleiros-vilãos, merecendo por isso, tratamento judicial igual ao dos infanções, bem como isenção do pagamento de alguns impostos.
  14. 14. O cavaleiro foi ultrapassado pelo mercador, que se destacou no seio dos concelhos e cuja importância leva à criação de associações destinadas a proteger os seus interesses; A partir do séc. XIV, as elites urbanas com poder nos concelhos virão o seu raio de ação mais limitado, na sequência da crescente afirmação e centralização do poder régio. Prof. Susana Simões Os juristas assumiram um papel de relevo em atos públicos (ao serviço do rei) e em atos privados (testamentos, doações,…);

×