Volta ao mundo em 18 bebidas nacionais

1,240 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,240
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
42
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Volta ao mundo em 18 bebidas nacionais

  1. 1. Volta ao mundo em 18 bebidas nacionais Do mojito cubano à ginjinha portuguesa, conheça uma seleção de drinks e bebidas para brindar ao redor do planeta No mapa do consumo etílico, algumas bebidas estão fortemente associadas ao país de origem – a tequila remete ao México, a caipirinha lembra o Brasil, enquanto a vodka é relacionada imediatamente à Rússia. Em outros países, as bebidas nacionais mais emblemáticas não levam álcool na mistura – como o mate argentino e uruguaio – ou são completamente desconhecidas pelos não-moradores, tornando-se um motivo a mais para viajar e experimentar um universo de misturas e possibilidades. Do saquê japonês à ginjinha portuguesa, passando pelo tradicional uísque escocês, conheça a seguir uma seleção de 18 bebidas para brindar ao redor do mundo:
  2. 2. Mojito | Cuba A bebida nacional de Cuba tem uma história contestada. Alguns dizem que ela foi desenvolvida na década de 1500, quando o explorador Sir Francis Drake desembarcou na cidade de Havana e criou uma versão inicial chamada de “El Draque” - feito com rum, açúcar, limão e hortelã. Outros defendem a ideia de que a bebida foi inventada por escravos africanos que trabalhavam nos campos de cana-de-açúcar. Seja qual for a origem, a verdade é que a mistura conquistou fãs declarados pelo mundo, como o renomado escritor Ernest Hemingway. O bar em que ele experimentou a bebida, o "La Bodeguita del Médio”, tornou-se um ponto turístico importante na capital cubana.
  3. 3. Pisco | Chile e Peru Convidar um peruano e um chileno para tomar uma dose de pisco juntos pode acabar em confusão. É que os dois países brigam pelos créditos de inventor do destilado feito à base do sumo de uvas. Diferenças etílicas à parte, o fato é que a bebida faz o maior sucesso em ambos os lugares. Um dos drinks derivados mais conhecidos e amados pelos turistas é o pisco sour (na foto), feito com limão, gelo, clara de ovo e açúcar.
  4. 4. Champanhe | França Item obrigatório nas festas mais sofisticadas e grandes comemorações, o champanhe nada mais é que um vinho branco espumante produzido na região de Champagne, no nordeste da França. Ali, técnicas aprimoradas garantem a característica borbulhante da bebida, feita à base de uvas chardonnay, pinot noir e pinot meunier. Segundo a legislação de um órgão francês de denominação de origem, a AOC, apenas os rótulos que saem dessa região podem ser chamadas de “champagne”.
  5. 5. Caipirinha | Brasil Considerada a bebida-símbolo do Brasil, a caipirinha é um dos itens mais populares entre os gringos que visitam o nosso país. Na versão mais popular, a mistura foi criada no interior de São Paulo a partir de uma receita para a gripe espanhola, composta por limão, alho, mel e cachaça para acelerar o efeito terapêutico. Posteriormente, alguém decidiu retirar o alho e o mel e acrescentar o açúcar para equilibrar a acidez do limão. O gelo foi adicionado em seguida para afugentar o calor. Tradicionalmente preparada com limão, a bebida ganhou nas últimas décadas novas formas de apresentação e variações com outras frutas, como lima, morango e kiwi.
  6. 6. Vodka | Rússia É difícil encontrar alguém que não associe imediatamente a vodka com seu país de origem, a Rússia. É uma bebida destilada, feita a partir da fermentação da cevada, milho, centeio, ervas, trigo, figo ou batata. Apesar dessas matérias-primas, as melhores vodkas são aquelas que, após o processo de purificação, apresentam características incolores, inodoras e insípidas. Parte integrante da cultura nacional, a bebida está presente nas principais comemorações dos russos, como casamentos, despedidas, nascimentos e até funerais.
  7. 7. Mate | Argentina e Uruguai Como herança da época pré-colombiana, o mate – conhecido aqui como “chimarrão” – tornou-se popular em diversos países sulamericanos, especialmente na Argentina e no Uruguai. Nesses dois lugares, a bebida está presente na cultura cotidiana e virou praticamente um estilo de vida, sendo consumida para começar o dia, dar uma pausa, tirar o sono, confraternizar ou relaxar. Tradicionalmente, a infusão preparada com folhas de erva-mate é consumida quente, com o auxílio de uma bombilla (espécie de canudo).
  8. 8. Saquê | Japão Feito a partir da fermentação do arroz, o saquê é a bebida mais tradicional do Japão. Se no início de sua fabricação - há cerca de 2000 anos -, ele era apenas uma espécie de mingau com pouco grau etílico, hoje ganhou o mundo e status de sofisticação e qualidade. Servido nas principais cerimônias comemorativas do país, o saquê geralmente é consumido sob a temperatura de 35ºC. No entanto, tornou-se comum bebê-lo mais quente ou frio, de acordo com a estação.
  9. 9. Tequila | México Impossível não associar a tequila com o México. Feita a partir da agave-azul, uma planta que cresce em terrenos vulcânicos e clima árido, a bebida destilada geralmente é consumida acompanhada de sal e limão. Para ser legítima, deve conter no mínimo 51% de agave. Quanto maior a proporção da planta, mais cara e melhor qualidade terá a garrafa de tequila. Para conhecer mais dessa bebida que originou drinks famosos como a margarita, há o imperdível Museu da Tequila e do Mezcal, situado na capital mexicana.
  10. 10. Sangria | Espanha Feita com vinho tinto e pedaços de frutas, a sangria surgiu na Espanha e tornou-se um sucesso absoluto em diversos países mundo afora. Com sabor refrescante e visual colorido, a bebida ganhou adeptos em suas diversas variações, como as que levam aguardente, vinho branco, licores, champanhe e bebidas não alcoólicas. O nome do líquido vem da palavra “sangre” (sangue), devido à cor avermelhada da receita original.
  11. 11. Uísque | Escócia Consumido no mundo todo, o uísque escocês é feito à base de malte e tem características que tornam a bebida única, como o processo de envelhecimento em barris de carvalho, a queima da turfa (carvão) e a preservação de qualidades naturais que intensificam o sabor dos maltes. Em várias regiões da Escócia, o viajante tem à disposição tours pelas destilarias para conhecer o processo de fabricação da bebida, ouvir dicas de especialistas e, claro, degustar.
  12. 12. Ouzo | Grécia Esta bebida grega, fabricada com álcool puro e sementes de anis, ganha um aspecto leitoso quando é servida com água e gelo. Normalmente tem teor alcoólico de 40% e dificilmente é consumida pura. Para adquirir mais qualidade, o ouzo passa por uma segunda destilação seguida de um repouso que pode durar anos. Dessa forma, o líquido ganha mais suavidade e agrada o paladar dos gregos.
  13. 13. Soju | Coreia do Sul Com teor alcoólico em torno dos 20%, o soju é a bebida nacional da Coreia do Sul feita com arroz. A sua fórmula foi desenvolvida no século 13, quando se tornou a bebida favorita dos nobres da dinastia Koryo. Hoje, há diversas variações de soju, como a feita com batata doce e o “bombshell”, um drink que mistura a bebida de arroz com cerveja.
  14. 14. Ginjinha | Portugal A ginjinha é um licor tradicional de Portugal obtido a partir da ginja, uma espécie de cereja ácida também conhecida como amarena. Em Lisboa, a bebida geralmente é consumida no próprio balcão das tabernas, com ou sem o fruto no fundo do copo. Para experimentar, há varias casas especializadas na capital portuguesa, como a “Ginjinha Sem Rival”, “A Tendinha do Rossio” e “Ginjinha Espinheira”.
  15. 15. Arak | Israel, Iraque e Líbano O arak, também conhecido como “raki” na Turquia, é um licor feito de anis originário do Oriente Médio. É muito similar ao Ouzo da Grécia, embora seja um pouco mais forte – com teor alcoólico que varia entre 50% e 63%. Geralmente, a bebida é servida com água, o que lhe confere uma cor esbranquiçada. Esta particularidade, juntamente com a elevada concentração de álcool, deu origem ao apelido de “leite dos leões”.
  16. 16. Chicha | Peru, Bolívia e Venezuela Diferentemente da chicha boliviana e peruana (em que a bebida é feita com milho mastigado e fermentado com saliva), a chicha da Venezuela é preparada com arroz cozido, leite, açúcar e gelo. Em alguns casos, a mistura ganha o acréscimo de leite condensado, canela e chocolate como cobertura. Nas regiões andinas do país, como na cidade de Mérida, há uma versão alternativa feita com álcool a partir da fermentação do abacaxi.
  17. 17. Coconut Arrack | Sri Lanka Produzido no Sul e Sudeste da Ásia, o Arrack é feito a partir de uma grande variedade de ingredientes, dependendo do país de origem. No entanto, a versão derivada do néctar das flores do coco é encontrada apenas no Sri Lanka; pequeno país insular que fica próximo ao sul da Índia. A bebida, que pode ser misturada com alguns frutos, é envelhecida em barris de madeira nativa ou repetidamente destilada, de acordo com os objetivos de cor e sabor de cada fabricante.
  18. 18. Maghrebi mint tea | Marrocos Este chá, feito à base folhas de menta, é uma das bebidas mais populares do Marocos. É exótica, com uma doçura encorpada e notas picantes de cardamomo, gengibre e especiarias. Tradicionalmente é consumida como chá mas a mistura pode ser cozida com açúcar e água ou preparada com leite.
  19. 19. Grappa | Itália Apreciada desde os tempos da Idade Média, a grappa foi criada na Itália para evitar o desperdício. Tradicionalmente, a bebida é feita a partir da destilação de resíduos do bagaço de uvas, como sementes e cascas. Assim como o vinho, o sabor e a cor dependem da qualidade das uvas colhidas. Para aromatizar o líquido, os italianos costumam utilizar uma folha de arruda. Luiz Braga http://stilovida.no.comunidades.net/

×