World Wide Web

3,503 views

Published on

Published in: Education, Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,503
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

World Wide Web

  1. 1. Instituto Superior de Entre Douro e VougaTecnologias da Informação e da Comunicação│2010/2011 Tecnologias de Internet Trabalho realizado por: Sérgio Paulo Lopes da Rocha Santa Maria da Feira, 05 Novembro de 2010
  2. 2. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Web Í NDICE1. Arquitectura cliente / servidor da WWW ................................................................ 3 1.1 Definição ....................................................................................................... 3 1.2 Vantagens ..................................................................................................... 3 1.3 Definição de Cliente ou Web Browser........................................................... 4 1.4 Definição de Servidor ou Web Server ........................................................... 4 1.5 Diferentes versões de cliente / servidor ........................................................ 6 1.5.1 Servidores de ficheiros.......................................................................... 6 1.5.2 Servidores de transacções.................................................................... 6 1.5.3 Servidores de groupware ...................................................................... 7 1.5.4 Servidores de objectos.......................................................................... 7 1.5.5 Servidores de web ................................................................................ 8 1.6 Formatos utilizados ....................................................................................... 8 1.6.1 Hyper Text Markup Language (HTML).................................................. 8 1.6.2 eXtensible Markup Language (XML)..................................................... 92. Identificadores das hiperligações ........................................................................ 11 2.1 Uniform Resource Locators (URL’s) ........................................................... 11 2.2 Uniform Resource Name (URN’s) ............................................................... 113. Conclusão............................................................................................................ 124. Bibliografia........................................................................................................... 13 Sérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 2 de 13
  3. 3. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Web1. ARQUITECTURA CLIENTE / SERVIDOR DA WWW 1.1 DEFINIÇÃOA tecnologia cliente/servidor é uma arquitectura na qual oprocessamento da informação é dividido em módulos ouprocessos distintos. Um processo é responsável pelamanutenção da informação (servidores) e outrosresponsáveis pela obtenção dos dados (os clientes).Os processos cliente enviam pedidos para o processo servidor, e este por sua vezprocessa e envia os resultados dos pedidos.Nos sistemas cliente / servidor o processamento tanto do servidor como do cliente sãoequilibrados, se for gerado um peso maior num dos dois lados, provavelmente, essenão é um sistema cliente / servidor.Geralmente, os serviços oferecidos pelos servidores dependem de processamentoespecífico que só eles podem fazer. O processo cliente, por sua vez, fica livre pararealizar outros trabalhos. A interacção entre os processos cliente e servidor é uma trocacooperativa, em que o cliente é o activo e o servidor reactivo, ou seja o cliente requisitauma operação, e neste ponto o servidor processa e responde ao cliente 1.2 VANTAGENS Um sistema cliente / servidor pode ser expandido verticalmente pela adição de maisrecursos à máquina servidora ou aumento do número de servidores - ouhorizontalmente, pelo aumento do número de máquinas servidoras; Os sistemas cliente / servidor não ficam presos a um ambiente de software ouhardware; Com a força de processamento distribuída, o tempo de processamento é menor,consequentemente o tempo de resposta também é menor; Como é o processo cliente que gerencia a interface, deixando o servidor livre paramanipular os dados, este por sua vez fica mais disponível; Como os custos de hardware e software estão constantemente a ser reduzidos, atroca dos sistemas grandes por sistemas com redes integradas pode ser feita a umbaixo custo. Sérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 3 de 13
  4. 4. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Web 1.3 DEFINIÇÃO DE CLIENTE OU WEB BROWSERO processo de cliente é activo, ou seja são eles que solicitam serviços a outrosprogramas, os servidores. Normalmente o cliente é dedicado à sessão do usuário,começando e terminando com a sessão.Um cliente pode interagir com um ou mais servidores, mas pelo menos um processoservidor é necessário.A nível de aplicação, o primeiro ponto a residir no cliente é a interface com o usuário.Algumas tarefas a serem realizadas pelo Cliente: • Manipulação de tela; • Interpretação de menus ou comandos; • Entrada e validação dos dados; • Processamento de ajuda; • Recuperação de erro; • Manipulação de janelas; • Gerenciamento de som e vídeo (em aplicações multimédia).Gerenciando a interação com o usuário, o cliente esconde do usuário o servidor e arede, caso houver. Para o usuário a impressão é que a aplicação está a ser rodadalocalmente.Se, por acaso, o programa que interage com o usuário fizer simplesmente chamada derotina, e ficar por conta do servidor todo o processamento, este certamente não é umsistema cliente / servidor 1.4 DEFINIÇÃO DE SERVIDOR OU WEB SERVERServidores são programas que respondem às solicitações por serviços compartilhados.É um processo reactivo, disparado pela chegada de pedidos dos seus clientes.Geralmente, o processo servidor roda o tempo todo, oferecendo serviços a muitosclientes.Em alguns sistemas, o processo servidor em vez de responder directamente, cria umprocesso escravo exclusivamente para cada pedido de cliente. O servidor banco dedados Oracle trabalha desta forma, quando chega um pedido, ele cria um processo Sérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 4 de 13
  5. 5. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Webescravo dedicado a trabalhar neste pedido, deixando assim o processo mestre livrepara receber outros pedidos imediatamente.Para que o servidor possa manipular os dados e oferecer segurança, são combinadasrotinas de gerenciamento de dados com as funções de controle encontradas nossistemas operacionais.Um servidor processa a informação sem interagir com outros servidores. Os clientesque interagem com mais de um servidor têm a responsabilidade de activá-los quandonecessário.O processamento do servidor geralmente inclui: • Acessar; • Armazenar; • Organizar os dados compartilhados; • Actualizar dados previamente armazenados; • Gerenciamento dos recursos compartilhados.Os recursos compartilhados podem ser: • Dados; • CPU; • Armazenamento em disco ou fita; • Capacidade de impressão; • Comunicação; • Gerenciamento de vídeo e memória. Exemplo de um esquema demonstrativoSérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 5 de 13
  6. 6. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Web 1.5 DIFERENTES VERSÕES DE CLIENTE / SERVIDOR 1.5.1 SERVIDORES DE FICHEIROSNum sistema deste género o cliente executa pedidos de registos de ficheiros aoservidor de ficheiros através da rede.É uma forma muito primitiva de serviço de dados e provoca uma troca muito elevada demensagens pela rede.São no entanto sistemas necessários para a partilha e reposição de ficheiros em rede(documentos, imagens, desenhos, etc.…). 1.5.2 SERVIDORES DE TRANSACÇÕESCom os servidores de transacções os clientes invocam procedimentos remotos queresidem no servidor (com uma base de dados). Estes procedimentos remotos sãoconstituídos por grupos de instruções SQL.As instruções do procedimento são executadas na totalidade ou então falha tudo.Ao contrário do simples servidor de base de dados neste caso o programador tem queescrever código no cliente e no servidor.Estes sistemas usualmente designam-se de OLTP (Online Transaction Processing). Sérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 6 de 13
  7. 7. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Web 1.5.3 SERVIDORES DE GROUPWAREO objectivo dos sistemas groupware, é o de facilitar a gestão de informação semi-estruturada (ou não-estruturada) tal como texto, imagem, e-mail, etc…Para além disso normalmente estes sistemas também implementam capacidades deautomação de workflow. Estes sistemas suportam-se sobre sistemas de transmissãode mensagens.Existem diversos sistemas que embora se possam interligar são implementados deformas diferentes. 1.5.4 SERVIDORES DE OBJECTOSUm sistema deste tipo é implementado através de um conjunto de objectos que podemcomunicar entre si.Objectos cliente comunicam com objectos servidores através do Object Request Broker(ORB). Quando o cliente invoca um método num objecto remoto o ORB localiza ainstância do objecto servidor, invoca o método e retorna o resultado ao objecto cliente.As tecnologias concorrentes nesta área são o CORBA e o DCOM. Sérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 7 de 13
  8. 8. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Web 1.5.5 SERVIDORES DE WEBO novo modelo introduzido pela internet consiste em clientes “leves”, “portáveis” e“universais”, que comunicam com servidores “super pesados” (servem milhares oumilhões de clientes).A comunicação é feita por um protocolo do tipo RPC designado por HTTP. 1.6 FORMATOS UTILIZADOS 1.6.1 HYPER TEXT MARKUP LANGUAGE (HTML)HTML, significa Linguagem de Marcação de Hipertexto, é uma linguagem de marcaçãoutilizada para produzir páginas na Web.Documentos HTML podem ser interpretados por navegadores e a tecnologia usada éfruto do "casamento" dos padrões HyTime e SGML: • HyTime é um padrão para a representação estruturada de hipermídia e conteúdo baseado em tempo. Um documento é visto como um conjunto de eventos concorrentes dependentes de tempo (como áudio, vídeo, etc.), conectados por hiper-ligações. O padrão é independente de outros padrões de processamento de texto em geral. • SGML é um padrão de formatação de textos. Não foi desenvolvido para hipertexto, mas tornou-se conveniente para transformar documentos em hiper- objectos e para descrever as ligações.Os documentos em HTML são arquivos de texto simples que podem ser criados eeditados em qualquer editor de textos comum, como o Bloco de Notas do Windows, ouo TextEdit, do Macintosh. Para facilitar a produção de documentos, no mercadoexistem editores HTML específicos, com recursos sofisticados, que facilitam a Sérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 8 de 13
  9. 9. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Webrealização de tarefas repetitivas, inserção de objectos, elaboração de tabelas e outrosrecursos, que basicamente se dividem em dois tipos: • Editores de texto fonte: inserem automaticamente as etiquetas, orientando a inserção de atributos e marcações. • Editores WYSIWYG: oferecem ambiente de edição com um "esboço" resultado final das marcações.Uma propriedade importante dos documentos HTML é a possibilidade de fazerhiperligações. Para isso usa-se a etiqueta <a> (do inglês, anchor). Esta tem osatributos: href que define o alvo da hiperligação (que pode ser uma página de Internet,uma parte da mesma página ou um endereço de email) ou name que define um alvonessa página (onde se pode fazer uma hiperligação usando a etiqueta <a> com oatributo href). Exemplos: • <a href="http://pt.wikipedia.org/"> • <a name="nome">texto</a>Em que nome e texto podem ser substituídos por o que se desejar. Depois usa-se <ahref="#nome"> </a> para hiperligar a este "anchor". 1.6.2 EXTENSIBLE MARKUP LANGUAGE (XML)XML é uma recomendação da W3C para gerar linguagens de marcação paranecessidades especiais.É um subtipo de SGML (Standard Generalized Markup Language, ou LinguagemPadronizada de Marcação Genérica) capaz de descrever diversos tipos de dados. Oseu propósito principal é a facilidade de compartilhamento de informações através daInternet.Entre linguagens baseadas em XML incluem-se XHTML (formato para páginas Web),RDF,SDMX ,SMIL, MathML (formato para expressões matemáticas), NCL, XBRL, XSILe SVG (formato gráfico vectorial).A principal característica do XML, é de criar uma infra-estrutura única para diversaslinguagens, é que linguagens desconhecidas e de pouco uso também podem serdefinidas sem maior trabalho e sem necessidade de ser submetidas aos comités depadronização. Sérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 9 de 13
  10. 10. TP 1 - Trabalho Prático World Wide WebCom relação aos outros "formatos universais para intercâmbio de dados" já propostos eexperimentados, o XML apresenta diversas vantagens técnicas, mas são as vantagensnão-técnicas que o tornam um tópico de tão grande importância.É um padrão "de fato" e formalmente, num universo onde cada desenvolvedor e cadafabricante tem a liberdade de criar e impor o seu próprio formato, a aceitação do XMLtem sido vista como o seu maior trunfo. Teve a sua origem numa instituição depadronização das mais abertas e dinâmicas, o W3C.Baseia-se na experiência de sucesso do SGML, sendo considerado inclusive o"sucessor do SGML".É baseado em texto (TXT), suporta Unicode, permitindo que a maior parte dainformação codificada em linguagem humana possa ser comunicada.Sérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 10 de 13
  11. 11. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Web2. IDENTIFICADORES DAS HIPERLIGAÇÕESAs hiperligações utilizam identificadores que permitem aceder aos recursos existentesna Web, sendo designados por Uniform Resource Identifiers (URI’s), existindo 2 tipos: • URL’s (Uniform Resource Locators); • URN’s. (Uniform Resource Name). 2.1 UNIFORM RESOURCE LOCATORS (URL’S)Um URL (Uniform Resource Locator), em português Localizador Padrão de Recursos,é o endereço de um recurso (um arquivo, uma impressora etc.), disponível numa rede,seja a Internet, ou uma rede corporativa, uma intranet.Uma URL tem a seguinte estrutura: protocolo://máquina/caminho/recurso.O protocolo poderá ser HTTP, FTP, entre outros. O campo máquina designa o servidorque disponibiliza o documento ou recurso designado. O caminho especifica o local(geralmente num sistema de arquivos) onde se encontra o recurso dentro do servidor.No exemplo: http://www.w3.org/Addressing/URL/uri-spec.html, o protocolo é o HTTP, oservidor é designado por www.w3.org e o recurso (neste caso o arquivo uri-spec.html)encontra-se em Addressing/URL/ 2.2 UNIFORM RESOURCE NAME (URN’S)Um URN (Uniform Resource Name) ou em português Nome Uniforme de Recurso, éum tipo de URI que tem por objectivo a identificação única do recurso, de formapersistente e independente da sua localização.A ideia básica dos URNs como identificadores persistentes é permitir a separaçãoestrita entre identificação (nome único) e localização (endereços URL que podemoferecer o recurso identificado). Sérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 11 de 13
  12. 12. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Web3. CONCLUSÃOA World Wide Web define um conjunto de standards e protocolos permitindo quemilhões de computadores possam comunicar e trocar informação, independentementeda plataforma utilizada, como sendo as abordadas anteriormente neste trabalho a URL(Universal Resource Locator), destinado à identificação de cada objecto na Internet; oHTTP (Hypertext Transfer Protocol), utilizado para estabelecer e efectuar atransferência de informação entre servidor e clientes WWW; e o HTML (HypertextMarkup Language), utilizada para representar a informação nos clientes WWW deforma uniforme e independente da plataforma utilizada.Os métodos baseados na utilização de servidores constituem soluções com maiorespotencialidades, sobretudo pelas possibilidades de acesso e pesquisa a vastas basesde dados espaciais, sendo que as soluções tecnológicas actualmente disponíveis paraa implementação destes serviços são variadas.O constante desenvolvimento de componentes de software (JavaBeans oucomponentes ActiveX) permitirá a implementação de aplicações que tirem partido daarquitectura da WWW, repartindo as tarefas de processamento e as funcionalidades deexploração e análise espacial entre o servidor e o cliente WWW, minimizando dessaforma o número de processos e o tráfego de informação na Internet.Sérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 12 de 13
  13. 13. TP 1 - Trabalho Prático World Wide Web4. BIBLIOGRAFIA • http://www.dei.isep.ipp.pt/ • http://pt.wikipedia.org/wiki • http://pt.kioskea.net/contents/cs/csintro.php3 • http://penta.ufrgs.br/redes296/cliente_ser/servidor.htm • http://repositorioaberto.univ-ab.pt/bitstream/10400.2/595/1/LC255.pdf • http://www.estudar.org/pessoa/internet/01internet/conceito-url.htmlSérgio Rocha - 2104 ISVOUGA Página 13 de 13

×