Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Vacina Dengue Dengvaxia Janeiro 2016

Entrevista para o jornal Diário da Serra Vacina Dengue Dengvaxia em Janeiro 2016

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Related Audiobooks

Free with a 30 day trial from Scribd

See all
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Vacina Dengue Dengvaxia Janeiro 2016

  1. 1. a5DIÁRIO DA SERRA QUINTA-FEIRA, 7 DE JANEIRO DE 2016 Cidade GUILHERME TORRES comunidade@diariodaserra.jor.br JULIANA BORGES cultura@diariodaserra.jor.br Confusão sobre boato de “fraude” no IPVA não deve preocupar proprietários de veículos Vídeos e postagens nas redes sociais têm gerado dúvidas sobre os avisos que estão sendo entregues pelos Correios, mas o contribuinte deve lembrar que a senha para o pagamento do IPVA é o Renavam do veículo Devido a grande reper- cussão nos meios de co- municação e redes sociais nas últimas semanas, pro- prietários de veículos da cidade têm alimentado certa apreensão quanto ao recebimento de falsos IPVAs. Boatos referentes ao modo em que os Avisos de Vencimento emitidos pela Secretaria da Fazen- da do Estado chegam às residências, a disposição de carimbos postais no documento, e inclusive a presença de boletos junto ao envio para o pagamen- to do imposto circulam a “todo vapor”, e pensando nisso, o Diário entrou em contato com a Secretaria da Fazenda para tirar al- gumas dúvidas, e orientar os contribuintes botuca- tuenses. Envelope Branco O IPVA pode sim che- gar em um envelope bran- co com o emblema do governo do estado de São Paulo, e com os carimbos de postagem dos Correios, em casos do proprietário ter mais de um veículo em seu nome. Essa medida segundo a Secretaria da Fazenda se trata de uma maneira mais econômica de mandar diversos docu- mentos a um só destinatá- rio. Carimbos dos Correios A disposição dos ca- rimbos dos Correios, seja no próprio documento de Aviso de Vencimento, ou apenas no envelope, no caso de mais de um aviso, não qualifica fraude. Essa é apenas uma opção dos Correios, responsáveis pelo envio do documento as residências. Códigos de Barras Os códigos de barras presentes no Aviso de Vencimento não fazem qualquer menção a paga- mentos. Eles também são de uso dos Correios para rastreamento da corres- pondência, e inclusive não conseguem ser lidos por um leitor de código de bar- ras para o pagamento. Aviso não é Boleto A Secretaria Estadual da Fazenda reitera que não envia boletos de pagamen- to em meio a suas corres- pondências, mas apenas Avisos de Vencimento. O aviso é apenas um lembre- te - não é boleto nem guia de pagamento - e traz in- formações sobre o valor do imposto. Se o proprie- tário de veículo receber um boleto de IPVA, pode ter certeza de que não é um documento emitido pelo Governo do Estado. Em caso de dúvida A Secretaria da Fazen- da alerta aos contribuin- tes que os canais oficiais para a obtenção de infor- mações sobre o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) são a página do IPVA (www.ipva.fazenda. sp.gov.br) e a rede bancá- ria credenciada. A consul- ta deve ser realizada nos terminais de autoatendi- mento, pela internet ou diretamente nas agências, bastando o número do Re- navam do veículo. O órgão instrui aqueles que mantêm algum tipo de dúvida a entrarem em contato com a Secretaria da Fazenda por meio do telefone 0800-170110 (ex- clusivo para telefone fixo) ou pelo Fale Conosco dis- ponível no site www.fa- zenda.sp.gov.br. Saiba como funciona a vacina contra a dengue Vacina não protege contra o zika vírus nem contra a febre chikungunya. É mais indicada para pessoas entre nove e 45 anos A Anvisa (Agência Na- cional de Vigilância Sani- tária) aprovou a primeira vacina contra a dengue no país. A informação foi divulgada no dia 28 de dezembro no Diário Ofi- cial da União, e a decisão é o primeiro passo para o início da comercializa- ção do produto no Brasil. Produzida pelo la- boratório farmacêutico francês Sanofi Pasteur, a vacina ‘Dengvaxia’ já tinha sido aprovada no México e nas Filipinas no início do mês de de- zembro. Ela é indicada para pessoas de 09 a 45 anos de idade. O médico infectologista Alexandre Naime Barbosa afirma que para pessoas acima dessa faixa etária os re- sultados de eficácia não foram satisfatórios. “A Dengvaxia é com- posta por vírus atenu- ado, ou seja, enfraque- cido e, portanto, está contraindicada para me- nores de 09 anos, gestan- tes, pessoas vivendo com HIV/Aids e outras com problemas na função imune. Exceções a parte, a segurança dessa vacina está amplamente com- provada para a popula- ção em geral”, afirma. Ele também decla- ra que essa vacina pos- sui uma eficácia de 93% em termos de reduzir as formas graves, e tem ação sobre os quatro so- rotipos do vírus da den- gue. Já a proteção geral, ou seja, evitar qualquer quadro clínico da den- gue é de 66%. “É importante lem- brar que nenhuma vaci- na tem proteção de 100%, e que essa é a primeira vacina aprovada mun- dialmente contra o vírus da dengue. Existem ou- tras candidatas em estu- do, inclusive uma nacio- nal, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o governo dos Estados Unidos, mas cujos estudos ainda es- tão em andamento”, rei- tera Alexandre. O especialista comen- ta que em locais onde o número de casos é alto, e as medidas de controle do mosquito transmissor da dengue não são efica- zes, a vacinação utilizan- do a Dengvaxia deve ser fortemente considerada. Como sabemos, Botuca- tu já passou por alguns surtos de dengue no ano passado, afetando cerca de 700 pessoas, mas hoje as autoridades afirmam que os casos diminuí- ram bastante. Mas, apesar de mui- tas pessoas saberem que a vacina foi aprovada pela Anvisa e que logo será comercializada no Brasil, algumas dúvidas comuns ainda surgem, como por exemplo quan- tas doses precisam ser tomadas ou se a vacina será distribuída pelo SUS (Sistema Único de Saúde). O infectologista Alexandre responde al- gumas dessas questões, esclarecendo dúvidas pertinentes. “São três doses inje- táveis subcutâneas, com intervalo de seis meses entre cada aplicação. A proteção total só se dá após o esquema comple- to, mas a imunidade par- cial já começa a surgir no início das doses. Sobre a vacina ser distribuída pelo SUS, por enquanto não há preço oficial acor- dado para o Brasil, no momento essa avaliação está a cargo da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), órgão do governo que gerencia essa questão. Portanto, a incorporação pelo SUS depende de mui- ta negociação. Mas extra- oficialmente posso asse- gurar que existe muita vontade política dentro do Ministério da Saúde para que essa tecnologia seja oferecida à popula- ção”, relata. Outra questão escla- recida por Alexandre é se a vacina Dengvaxia protege contra o vírus Zika e Chicungunya. “A vacina protege única e exclusivamente contra o vírus da dengue, não tendo ação nenhuma so- bre os arbovírus Zika, Chicungunya, Febre Amarela, entre outros. É importante lembrar que a eficácia dessa vacina não é 100% e, portanto, o cuidado em eliminar o Aedes aegypti deve per- manecer como principal ação de saúde pública no enfrentamento dessa epidemia”, conclui. O médico infectologista Alexandre Naime Barbosa esclarece questões sobre a vacina contra a dengue, aprovada pela Anvisa no final de dezembro Produzida pelo laboratório farmacêutico francês Sanofi Pasteur, a vacina ‘Dengvaxia’ já tinha sido aprovada no México e nas Filipinas no início do mês de dezembro PORTAL6 SIDNEY TROVÃO

×