Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

O Risco das Arboviroses e das DSTs: Comportamento, Atitudes, Conhecimento e Prevenção

269 views

Published on

O Risco das Arboviroses e das DSTs:

Comportamento, Atitudes, Conhecimento e Prevenção

Published in: Health & Medicine
  • Posso recomendar um site. Ele realmente me ajudou. Chama-se ⇒ www.boaaluna.club ⇐ Eles me ajudaram a escrever minha dissertação.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Posso recomendar um site. Ele realmente me ajudou. Chama-se ⇒ www.boaaluna.club ⇐ Eles me ajudaram a escrever minha dissertação.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

O Risco das Arboviroses e das DSTs: Comportamento, Atitudes, Conhecimento e Prevenção

  1. 1. Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia SIPAT - EMBRAPA Out/2016 - São Carlos - SP - Brasil
  2. 2. O material que se segue faz parte do projeto didático do Prof. Dr. Alexandre Naime Barbosa Objetivos 1. Ensino: Treinamento de Estudantes e Profissionais da Área de Saúde; 2. Extensão: Facilitar o Contato da População em Geral com Conceitos Científicos; 3. Científico: Fomentar a Discussão Científica e Compartilhar Material Didático. Autoria e Cessão 1. Conteúdo: Os dados contidos estão referenciados, em respeito ao autor original; 2. Uso: Está permitido o uso do material, desde que citada a fonte; 3. Contato: fale com o autor e conheça o seu projeto didático em:
  3. 3. Brasil, Ministério da Saúde - Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas na População Brasileira (PCAP), 2014
  4. 4. Qual o animal mais mata seres humanos?
  5. 5. Um pequeno animal…
  6. 6. Arbovirus: Arthropod Borne virus Definição da OMS: vírus mantidos na natureza através da transmissão biológica entre hospedeiros vertebrados suscetíveis a artrópodes hematófagos, ou por transmissão transovariana e possivelmente venérea em artrópodes. Podem ou não ter reservatórios em outros animais.
  7. 7. Família Membros Bunyaviridae La Crosse, Oropouche, Rift Valley, Sandfly, Crimean-Congo Flaviviridae Febra Amarela, Dengue, Zika, Japanese Encephalitis, Saint Louis Encephalitis, West Nile, Kyasanur Forest, Omsk Togaviridae Chikungunya, O’nyong-nyong, Ross River, Equine Encephalitis (East, West, Venezuelan), Sindbis
  8. 8. Síndrome de Encefalite Vírus Gênero Vetor Distribuição EEE Alphavirus Mosq. USA, Canada WEE Alphavirus Mosq. USA, W. Indies J.E Flavivirus Mosq. Orient St. L.E Flavivirus Mosq. USA, C. America La Crosse Bunyavirus Mosq. USA
  9. 9. Febre, com ou sem rash e artralgia Vírus Gênero Vetor Distribuição Chickungunya Alphavirus Mosq. Africa, Asia, C&S Amer. Zika Flavivirus Mosq Africa, Asia, C&S Amer. O’nyong-nyong Alphavirus Mosq. Africa Sindbis Alphavirus Mosq. Africa, Asia, India Dengue Flavivirus Mosq. Entire tropics, India West Nile Flavivirus Mosq. Africa, India Sandfly Phlebovirus M. Pólvora Med, Asia, India Oropouche Bunyavirus Mosq. W.I, South America (N)
  10. 10. Febre Hemorrágica Vírus Gênero Vetor Distribuição Chickungunya Alphavirus Mosq. Africa, Asia, C&S Amer. Dengue Flavivirus Mosq. Entre tropics Febre Amarela Flavivirus Mosq. Africa, S. America Kyasanur Forest Disease Flavivirus Carrapato India Febre de Omsk Flavivirus Carrapato Russia Crimean-Congo HF Nairovirus Carrapato Africa, Asia, E.U.
  11. 11. CDC - 2015
  12. 12. Family: Flaviviridae; Genus: Flavivirus, 4 Serotypes (1,2,3,4) Distribution: all tropical and some subtropical areas - WHO: 2.5 billion people, two fifths of the world's population, at risk from dengue and estimates that there may be 50 million cases of dengue infection worldwide every year. The disease is endemic in more than 100 countries
  13. 13. Brazil: 2014 - 2015 Epidemic
  14. 14. Brazil: 2014 - 2015 Epidemic
  15. 15. Transmission: 1 patterns (Cycle) 1. Person to person transmission by Aedes A. aegypti (America) and A. albopictus (Asia)
  16. 16. Classic Dengue (Break bone Fever) - Incubation: 3-10 days; - Chills, high fever, intense headache, myalgia, arthralgia, retro-orbital pain, colic pain and abdominal tenderness. Fever biphasic (saddle type). - Maculopapular rashes develop on chest, trunk.
  17. 17. Dengue Hemorrhagic Fever (DHF) & Dengue Shock Syndrome (DSS) C/F-High fever, hemorrhagic phenomena including bleeding from the eyes, nose, mouth, ear, into the gut, and oozing of blood from skin pores, thrombocytopenia, and hemoconcentration Vascular leak syndrome - blood leaks through the skin and into spaces around the lungs and abdomen. This fluid loss and severe bleeding can cause blood pressure to fall; then Dengue Shock Syndrome (DSS) sets in, which has a high mortality rate.
  18. 18. Diagnosis - Isolation of virus from blood - Serology: -Antibody detection IgM -Antigen detection- NS1 ag - RT-PCR
  19. 19. Treatment No antiviral therapy available Symptomatic management in majority of cases Suitable fluid replacement
  20. 20. Prevention
  21. 21. Family: Togaviridae; Genus Alphavirus Distribution:
  22. 22. Brazil: 2014 Epidemic
  23. 23. Brazil: 2014 Epidemic
  24. 24. Transmission: 2 patterns (Cycles) 1. Person to person transmission by Aedes sp. 2. Monkey-monkey by arboreal mosq. A. aegypti (America) and A. albopictus (Asia)
  25. 25. Symptoms - Fever - Severe arthritis - Chills, headache, photophobia - Nausea, abdominal pain - Rashes and petechias
  26. 26. Clinical Findings
  27. 27. Diagnosis - Isolation of virus from blood - Serology: Antibody detection IgM/IgG - RT-PCR
  28. 28. Treatment and Prevention No antiviral therapy available Symptomatic management in majority of cases No available vaccine
  29. 29. Family: Flaviviridae; Genus: Flavivirus Distribution:
  30. 30. 14
  31. 31. - 1940 - 50: First evidences of human infections (Zika = Forest in Uganda)
  32. 32. - 1940 - 50: First evidencies of human infection (East Africa) - 2007: Big epidemic in Yap Island and Micronesia (80% of total population) - 2013: French Polynesia (neurologic complications, and others) - 2015: Brazil and South America (Microcephaly)
  33. 33. Beginning of 2015: - 21 cases of “Dengue-Like”: 8 RT-PCR ZKV Positives (Natal - RN)
  34. 34. First Identifield Cases: - April 2015: Camaçari (BA) - May 2015: Natal (RN) - May 2015: Sumaré (SP) Route Theory - Va’a (Canoe) World Sprint Championships (RJ, Ago/2014) - Ocean Pacific Countries: French Polynesia, New Caledonia, Cook Island, Easter Island - Zika circulation starts in 2014 - Brazil Zika virus is close to Polynesia virus
  35. 35. Brasil, Ministério da Saúde - 2016 Dados Oficiais do Surto 2015-16 (23/02/2016) Confirmados 583 Óbitos 120 Zika Identificado 67 Casos Suspeitos 4.107 Descartados 950
  36. 36. - Família: Flaviviridae - Gênero: Flavivirus - Vírus RNA - Arbovírus - Duas linhagens - Africana - Asiática CDC - 2016
  37. 37. Importância Epidemiológica: Transmissão Vetorial - Aedes aegypti, Aedes africanus e outros Aedes - Culex???
  38. 38. Transmission: 2 patterns (Cycles) 1. Person to person transmission by Aedes sp. 2. Monkey-monkey by arboreal mosq. Aedes aegypti Aedes africanus, Aedes apicoargenteus Aedes furcifer Aedes luteocephalus Aedes vitattus
  39. 39. Outras Vias de Menor Importância Epidemiológica - Transplacentária e Perinatal - Transfusional - Sexual - Saliva e Urina (???) - Leite Materno (??????)
  40. 40. - Período de Incubação (Mosquitos): 10 dias - Reservatórios de Importância: Humanos e Pequenos Primatas - Infecção em Humanos: Células Dendríticas Linfonodos Corrente Sanguínea - Sintomas Clínicos: Leves a Moderados (Febre, Rash Cutâneo e Conjuntivite) - Associação Possível e Provável com Malformações Fetais e Sde. de Guillain-Barré - Associação Causal e Dano Neurológico Direto (e outros): em estudo e análise
  41. 41. - Microcefalia pode ocorrer, mas não se limita a esse achado (Z-TORCH) - Podem ocorrer medidas normais de PC, mas com graves malformações de SNC - Necrose tecidual => Redução massa cerebral => Microcefalia - Lisencefalia, hidrocefalia, calcificações multifocais corticais e subcorticais - Perda do tecido cortical, e presença de necrose e inflamação - Lesões oftalmológicas: mácula e peri-mácula; nervo óptico - Artrogripose: endurecimento da musculatura e as articulações - Taxa de Transmissão Transplacentária: 2-5% (???) - ZKV no feto: permanência e reativação por um longo período - Momento de maior risco na gestação (???)
  42. 42. Pacientes com quadro de exantema máculo-papular e DOIS dos seguintes sintomas: - febre (<38,5º C) ou - hiperemia conjuntival sem secreção ou - prurido ou - artralgia ou - edema periarticular Outros Achados: mialgia, cefaleia, edema de membros inferiores, dor retrorbital, anorexia, vômitos, diarreia ou dor abdominal. Manifestações neurológicas: - Síndrome de Guillain Barré, ADEM: 4 a 20 dias após o início dos sintomas
  43. 43. Symptoms About 1 in 5 people infected with Zika virus become ill. The most common symptoms of Zika are fever, rash, joint pain, or red eyes. Other symptoms include muscle pain, headache, pain behind the eyes, and vomiting. The illness is usually mild with symptoms lasting for several days to a week. Severe disease requiring hospitalization is uncommon. Deaths due to Zika are very rare.
  44. 44. Matsuda EM - 2016
  45. 45. Brasil, Ministério da Saúde - 2016
  46. 46. Treatment and Prevention No antiviral therapy available Symptomatic management in majority of cases No available vaccine
  47. 47. Não há vacina Eliminação dos criadouros dos mosquitos Evitar locais com presença do mosquito, uso de telas Repelentes - < 6 meses: sem indicação - 6 meses - 2 anos: IR3535 - 2 anos a 12 anos: DEET 10% (no máximo, aplicar 3x/dia) ou Icaridina; > 12 anos ou gestantes: DEET > 10% ou Icaridina Uso de inseticidas Uso de cobertura de áreas expostas com roupa Atualização de carteira vacinal
  48. 48. Comparison of Symptoms (Chikungunya, Dengue anda Zika)
  49. 49. Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) - Transmissão de Agentes Infecciosos por Atos Sexuais - Portador Saudável ou Doença Sexualmente Transmissível (DSTs) - Bactérias, Fungos, Protozoários ou Vírus - Globalmente Disseminadas, Milhões de Pessoas Afetadas - Potencialmente Fatais ou Debilitantes - Estigma, Preconceito e Falta de Percepção de Risco - Problema de Saúde Pública Presente no Dia-a-Dia
  50. 50. Nome Agente Prevalência Mundial Cura Risco de Morte HIV/Aids Vírus 30-35 Milhões Não Sim Hepatite B Vírus 350 -400 Milhões Não Sim Hepatite C Vírus 150-200 Milhões Sim Sim HPV Vírus 630 Milhões Não Sim Herpes Genital Vírus 536 Milhões Não Não Sífilis Bactéria 500 Milhões/ano Sim Sim Gonorreia Bactéria Sim Sim Clamídia Bactéria Sim Não Cancro Mole Bactéria Sim Não Donavanose Bactéria Sim Não Trichomonas Protozoário Sim Não Candidíase Fungo 75% Mulheres Sim Não Unaids - Aids Epidemic Update, 2014 ONU - 2015 > 1 milhão de Pessoas = Incidência Global Diária de ISTs
  51. 51. Mundo Brasil Prevalência 630 milhões 80 milhões (2005) Incidência Câncer/ano 0,5 milhão 17.540 (2012) Mortalidade Câncer/ano 0,3 milhão 4.986 (2010) ONU, 2012
  52. 52. MS – Boletim Epidemiológico, 2012 Centers for Disease Control and Prevention - CDC Health Information for International Travel 2010 Prevalência de AgHBs Alta: ≥ 8% Intermediário: 2% to 7% Baixo: < 2% Mundo Brasil Prevalência 400 milhões 1 - 2 milhões (0,37%) Incidência/ano 4 milhões 12 mil Mortalidade/ano 0.6 – 1.0 milhão ?
  53. 53. > 10% 2,5-10% 1-2,5% Prevalência ND Lim, et al. Lancet 2012, 2012 Inquérito Nacional das Hepatites Virais, MS-Brasil, 2010 Mundo Brasil Prevalência 170 Milhões 2,1 milhões Incidência/ano 3 - 4 milhões 65 mil Mortalidade/ano 0.5 milhão ?
  54. 54. Unaids - Aids Epidemic Update, 2014 ONU - 2015 1981-2014: 80 milhões de casos 1981-2014: 40 milhões de mortes 2014: 37 milhões de PVHA 2014: 2 milhões de casos novos 2014: 1,2 milhões de mortes
  55. 55. Brasil, MS - 2015 Prevalência Absoluta: 734 mil [610 mil – 1 milhão] de PVHA Prevalência Relativa: 0,4 a 0,7 % da população em geral Incidência Absoluta: 44.000 [31.000 – 57.000] de casos novos Mortalidade: 16.000 [9.900 – 23.000] de óbitos em PVHA
  56. 56. Brasil - Ministério da Saúde - BEP HIV/Aids, 2015
  57. 57. Muito Frequentes Difícil Diagnóstico Sequelas e Risco de Morte Preconceito, Estigma e Falta de Percepção de Risco ISTs
  58. 58. Brasil - Ministério da Saúde - BEP HIV/Aids, 2014 - Epidemia presente em todas as segmentos - Concentrada em populações vulneráveis
  59. 59.  Mucosa ou Epitélio  Vascularização  Rede Linfática  Área de Exposição  DSTs ou Lesões de Órgãos
  60. 60.  Lesões por Atrito  Lubrificação  Retenção fluídos  Fluídos Sexuais  Muco anal  Sangue
  61. 61.  Uso de Drogas  Uso de Álcool
  62. 62. SINTOMÁTICOS ASSINTOMÁTICOS
  63. 63. Corrimento Vaginal Tricomaníase Candidíase Vaginose Bacteriana Gonorréia Infecção por Clamídia Corrimento Uretral Gonorréia Infecção por Clamídia Úlcera Genital Sífilis Cancro Mole Herpes Simples Donavanose Linfogranuloma Dor Pélvica Gonorréia Infecção por Clamídia Infecção por Anaeróbios Verrugas HPV Gerais HIV Hepatite B Hepatite C HTLV
  64. 64. Corrimento Vaginal Tricomaníase Candidíase Vaginose Bacteriana Gonorréia Infecção por Clamídia Outros Nomes: Vaginite, vulvovaginite, cervicite, leucorréia Sintomas: Saída de muco em grande quantidade Mal-cheiro Coceira Dor no ato sexual
  65. 65. Corrimento Uretral Gonorréia Infecção por Clamídia Outros Nomes: Gonorréia, blenorragia, pingadeira, uretrite Sintomas: Saída de secreção uretral Ardência para urinar Sangramento Febre
  66. 66. Úlcera Genital Sífilis Cancro Mole Herpes Simples Donavanose Linfogranuloma Outros Nomes: Cancro, cavalo Sintomas: Feridas (úlceras) nos genitais Caroços nos genitais Dor Pus Ínguas em virilha
  67. 67. Dor Pélvica Gonorréia Infecção por Clamídia Infecção por Anaeróbios Outros Nomes: Doença Inflamatória Pélvica Sintomas: Dor e calor em parte baixa do abdômen Febre Secreção vaginal abundante e mal-cheirosa
  68. 68. Verrugas HPV Outros Nomes: Crista de Galo, Condiloma Acuminado, Jacaré Sintomas: Verruga ou série de verrugas (couve-flor) Geralmente indolor Cancerígeno
  69. 69. Gerais HIV Hepatite B Hepatite C HTLV Nomes: Aids, Hepatite B, Hepatite C, HTLV Sintomas: Podem ficar por muitos anos ou décadas sem sintomas Diagnóstico precoce depende da testagem Se não diagnosticadas, podem levar à morte Se não diagnosticadas, aumentam a chance de transmissão
  70. 70. A JH K I G F E D C B
  71. 71. Quem deve ser testado para HIV e outras ISTs? - Vida sexual ativa, e ainda não foi testado - Já foi testado, mas teve relação sexual desprotegida após - Dúvidas sobre o status sorológico - Exposição Ocupacional de Risco - Gestantes - Doadores de Sangue ou de Órgãos - Sinais e sintomas sugestivos dessas doenças
  72. 72. PEP HIV - Exposição Sexual ou Ocupacional a HIV - Indicação: status HIV parceiro desconhecido - Combinação de medicações - Impede a contaminação pelo HIV - Válida até 72 horas após a exposição - Acompanhamento Clínico
  73. 73. < 72h, chance de impedir a formação de pró-vírus, ARVs impedem a perpetuação da infecção Infecção crônica pelo HIV, ARVs controlam replicação, mas não esterilizam as células
  74. 74. PEPs SAEI-DAM & HC UNESP (Infectologia FMB-HC UNESP (Jan/2014 - Jun/2015) Categoria de Exposição Nº Acidente Ocupacional 44 Exp. Hetero Ocasional 41 Violência Sexual - Mulher 17 HSH 8 Trabalhador(a) do Sexo 5 Violência Sexual - Criança 5 Outros 4 MSM 1 Violência Sexual - Adolescente 1 Usuário de Drogas 0 Total 126 35% 33% 13% 6% 4% 4% 3% 1% 1% 0% Acidente Ocupacional Exp. Sex. Hetero Ocasional Violência Sexual - Mulher Exp. Sex. HSH Trabalhador(a) do Sexo Violência Sexual - Criança Outros Exp. Sex. MSM Violência Sexual - Adolescente SAEI-DAM, 2015
  75. 75. PEPs SAEI-DAM & HC UNESP (Infectologia FMB-HC UNESP (Jan/2014 - Jun/2015) SAEI-DAM, 2015 6% 10% 34% 26% 18% 6% Crianças (< 13 anos) 13 - 19 20 - 29 30 - 39 40 - 49 50 ou mais Idade Nº Crianças (< 13 anos) 8 13 - 19 12 20 - 29 43 30 - 39 33 40 - 49 22 50 ou mais 8 Total 126 51%49% Feminino Masculino Sexo Nº Feminino 64 Masculino 62 Total 126
  76. 76. PEPs SAEI-DAM & HC UNESP (Infectologia FMB-HC UNESP (Jan/2014 - Jun/2015) SAEI-DAM, 2015 0% 20% 40% 60% 80% 100% PEP Completa: Sim PEP Completa: Não Completou PEP Nº PEP Completa: Sim 126 PEP Completa: Não 0 Total 126 0% 20% 40% 60% 80% 100% Transmissão HIV: Sim Transmissão HIV: Não Transmissão HIV Nº Transmissão HIV: Sim 0 Transmissão HIV: Não 126 Total 126
  77. 77. PrEP: O que é? - Proteção Pré Exposição de Risco - Populações ↑ Vulnerabilidade - 1 cp, 1 x/dia, uso contínuo - Altíssima eficácia - Aprovado nos EUA e Europa - Em Estudo Clínico no Brasil - Ainda não aprovado pela ANVISA (Set/2016)
  78. 78.  Orientar sobre os Fatores de Risco  Promover Diálogo  Combater Preconceito  Combater Discriminação  Promover o Uso do Preservativo  Orientar sobre a PEP e PrEP  Estimular Testagem  Estimular Diagnóstico
  79. 79. Obrigado pela Atenção! SAE de Infectologia HC UNESP Botucatu Faculdade de Medicina UNESP

×