Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Hepatites Virais - Aspectos Básicos e de Diagnóstico - Hepatite B e Hepatite C 2017

218 views

Published on

Hepatites Virais - Aspectos Básicos e de Diagnóstico - Hepatite B e Hepatite C

Published in: Healthcare
  • Verifique a fonte ⇒ www.boaaluna.club ⇐. Este site me ajudou escrever uma monografia.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

Hepatites Virais - Aspectos Básicos e de Diagnóstico - Hepatite B e Hepatite C 2017

  1. 1. Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia Graduação em Medicina - 4° Ano UNESP - Faculdade de Medicina 2017 - Botucatu - SP - Brasil
  2. 2. O material que se segue faz parte do projeto didático do Prof. Dr. Alexandre Naime Barbosa Objetivos 1. Ensino: Treinamento de Estudantes e Profissionais da Área de Saúde; 2. Extensão: Facilitar o Contato da População em Geral com Conceitos Científicos; 3. Científico: Fomentar a Discussão Científica e Compartilhar Material Didático. Autoria e Cessão 1. Conteúdo: Os dados contidos estão referenciados, em respeito ao autor original; 2. Uso: Está permitido o uso do material, desde que citada a fonte; 3. Contato: fale com o autor e conheça o seu projeto didático em:
  3. 3. www.drbarbosa.org
  4. 4. CCO In Practice, 2013 www.drbarbosa.org
  5. 5. CDC, 2012 www.drbarbosa.org
  6. 6. Dienstag, 2011 www.drbarbosa.org
  7. 7. World Gastroenterology Organisation, 2011 www.drbarbosa.org
  8. 8. www.drbarbosa.org
  9. 9. Namankani , 2008 CCO In Practice, 2013 www.drbarbosa.org
  10. 10. Namankani , 2008 CCO In Practice, 2013 www.drbarbosa.org
  11. 11. Namankani , 2008 CCO In Practice, 2013 www.drbarbosa.org
  12. 12. Namankani , 2008 www.drbarbosa.org
  13. 13. www.drbarbosa.org
  14. 14. Namankani , 2008 www.drbarbosa.org
  15. 15. World Gastroenterology Organisation, 2011 www.drbarbosa.org
  16. 16. CDC, 2011 www.drbarbosa.org
  17. 17. Passo 1: Identificar a infecção crônica pelo VHB - AgHBs (+) > 6 meses (5 a 10%, acima do 2º ano de vida) - Anti-HBc: marcador de exposição, contato; IgM: marcador de fase aguda* - Anti-HBs: marcador de imunidade, resolução CDC, 2003 Resolução Espontânea Cronificação www.drbarbosa.org
  18. 18. Interpretação AgHBs AgHBe AntiHBc AntiHBc IgM AntiHBe AntiHBs ALT DNA-VHB (UI/ml) Infecção Aguda (+) (+) (+) (+) (-) (-) ↑↑↑↑↑ ↑↑↑↑↑ HVB Pregressa (-) (-) (+) (-) (+) (+) nl Negativo Vacinação (-) (-) (-) (-) (-) (+) nl Negativo Anti-HBc Isolado/ Infecção Oculta (-) (-) (+) (-) (-) (-) nl Negativo ou Muito Baixo Infecção VHB AgHBe+ (+) (+) (+) (-) (+) (-) nl ↑↑↑↑↑ Hepatite B AgHBe+ (+) (+) (+) (-) (-) (-) ↑/nl ↑↑ Infecção VHB AgHBe- (+) (-) (+) (-) (+) (-) nl < 200 (baixa) Hepatite B AgHBe- (+) (-) (+) (-) (+/-) (-) ↑ > 2.000 Passo 1: Identificar a infecção crônica pelo VHB Passo 2: Monitorar marcadores inflamatórios e de replicação (ALT e CV VHB)
  19. 19. Resolução Espontânea Cronificação + Passo 1: Identificar a infecção Aguda pelo VHC - Sintomas em apenas 10% - Fatores de riscos: acidentes ocupacionais, sexo desprotegido - Tratamento: ↑ eliminação viral de 20% para 90% - Diagnóstico: PCR RNA VHC (janela sorológica) www.drbarbosa.org
  20. 20. World Gastroenterology Organisation, 2011 www.drbarbosa.org
  21. 21. CDC, 2011 www.drbarbosa.org
  22. 22. www.drbarbosa.org
  23. 23. Namankani , 2008 www.drbarbosa.org
  24. 24. Namankani , 2008 www.drbarbosa.org
  25. 25. Namankani , 2008 www.drbarbosa.org
  26. 26. Namankani , 2008 www.drbarbosa.org
  27. 27. Namankani , 2008 www.drbarbosa.org
  28. 28. Namankani , 2008 www.drbarbosa.org
  29. 29. www.drbarbosa.org
  30. 30. www.drbarbosa.org
  31. 31. VHB VHC Material Genético DNA RNA Tamanho 40 nm 50 nm Provírus Sim Não Modelo de Cura Funcional Esterilizante Cura vs Cronificação 90% - 10% 15% - 85% Cirrose 20% 40% Hepatocarcinoma 30% 60% Transmissão Sexual muito frequente incomum População Mundial 240 milhões 70 - 150 milhões
  32. 32. www.drbarbosa.org
  33. 33. www.drbarbosa.org
  34. 34. VHB VHC Parceiros Sexuais de VHB + Transfusões antes de 1994 Múltiplos Parceiros, Violência Sexual Usuários de Drogas DSTs (HIV, VHC, Lues, HPV, etc) Hemofílicos, Hemodiálise HSHs HSHs Usuários de Drogas Acidentes Ocupacionais Convívio Domiciliar com VHB + Seringas e Agulhas Não Descartáveis Acidentes Ocupacionais Acupuntura, Piercing ou Tatuagem Hemodiálise Parceiros Sexuais de VHC + Institucionalizados Convívio Domiciliar com VHC + Viajantes para Áreas Endêmicas DSTs (HIV, VHC, Lues, HPV, etc) Filhos de Mães VHB + Filhos de Mães VHC + Sinais de Hepatopatia Sinais de Hepatopatia www.drbarbosa.org
  35. 35. Diário da Serra, 2015
  36. 36. 1. Fase Aguda e Maior Parte da Fase Crônica = Assintomática 2. Fatores de Risco Tradicionais = Perda de 40-50%
  37. 37. Slide cedido pelo Dr. Paulo Abraão
  38. 38. Casos Diagnosticados: 155.032 (ou 319.751) Hepatite C Casos Sem Diagnóstico: Cenário Otimista ≈ 1 milhão Cenário Pessimista ≈ 1,5 milhão
  39. 39. Minstério da Saúde, 2015
  40. 40. Diário da Serra, 2015
  41. 41. VHB VHC 10 – 50 anos www.drbarbosa.org
  42. 42. www.drbarbosa.org
  43. 43. Passo 1: Identificar a infecção crônica pelo VHB - AgHBs (+) > 6 meses (5 a 10%, acima do 2º ano de vida) - Anti-HBc: marcador de exposição, contato - Anti-HBs: marcador de imunidade, resolução CDC, 2003 Resolução Espontânea Cronificação
  44. 44. Interpretação AgHBs AgHBe AntiHBc AntiHBc IgM AntiHBe AntiHBs ALT DNA-VHB (UI/ml) Infecção Aguda (+) (+) (+) (+) (-) (-) ↑↑↑↑↑ ↑↑↑↑↑ HVB Pregressa (-) (-) (+) (-) (+) (+) nl Negativo Vacinação (-) (-) (-) (-) (-) (+) nl Negativo Anti-HBc Isolado/ Infecção Oculta (-) (-) (+) (-) (-) (-) nl Negativo ou Muito Baixo Infecção VHB AgHBe+ (+) (+) (+) (-) (+) (-) nl ↑↑↑↑↑ Hepatite B AgHBe+ (+) (+) (+) (-) (-) (-) ↑/nl ↑↑ Infecção VHB AgHBe- (+) (-) (+) (-) (+) (-) nl < 200 (baixa) Hepatite B AgHBe- (+) (-) (+) (-) (+/-) (-) ↑ > 2.000 Passo 1: Identificar a infecção crônica pelo VHB Passo 2: Monitorar marcadores inflamatórios e de replicação (ALT e CV VHB)
  45. 45. Passo 3: Seguimento de ALT, CV VHB e Estadiamento de Fibrose nos Perfis Abaixo - Monitorar: Portadores Inativos, Imunotolerantes e Infecção Oculta à cada 6 meses - Tratar: Imunorreativos e Mutantes Pré-Core Interpretação AgHBs AgHBe AntiHBc AntiHBc IgM AntiHBe AntiHBs ALT DNA-VHB (UI/ml) Anti-HBc Isolado/ Infecção Oculta (-) (-) (+) (-) (-) (-) nl Negativo ou Muito Baixo Imunotolerante (+) (+) (+) (-) (+) (-) nl ↑↑↑↑↑ Infecção VHB AgHBe+ (+) (+) (+) (-) (-) (-) ↑/nl ↑↑ Portador Crônico Inativo (+) (-) (+) (-) (+) (-) nl < 200 (baixa) Infecção VHB AgHBe- (+) (-) (+) (-) (+/-) (-) ↑ > 2.000
  46. 46. Passo 2: Monitorar marcadores inflamatórios e de replicação - ALT e HVB-DNA (Carga viral - VHB)
  47. 47. Passo 4: Tratar - AgHBe + com ALT > 2x LSN ou Idade > 30 anos - AgHBe - com ALT > 2x LSN e CV VHB > 2.000 UI/ml - Cirrose ou Insuficiência Hepática - Biópsia hepática* METAVIR ≥ A2F2 ou Elastografia Hepática* > 7,0 kPa *quando disponível , sempre que possível (AgHBe -, CV VHB 200 - 2.000) - Coinfecção HVB/HIV ou HVB/HVC - História familiar de CHC - Manifestações extra-hepáticas - Hepatite aguda grave (coagulopatias ou icterícia por mais de 14 dias) - Reativação de infecção prévia imunologicamente resolvida - Prevenção de reativação viral em pacientes de IMSS ou QT
  48. 48. Objetivos Ideal: AgHBs => Anti-HBs: raro (7%) AgHBe (+) → (-): difícil (32%) Pragmático: Diminuir a progressão do dano hepático - supressão da replicação viral - ALT: normalizar - CV DNA VHB: supressão sustentada
  49. 49. www.drbarbosa.org
  50. 50. Resolução Espontânea Cronificação + www.drbarbosa.org
  51. 51. Heim M - Nature Rev, 2014 www.drbarbosa.org
  52. 52. www.drbarbosa.org
  53. 53. www.drbarbosa.org
  54. 54. www.drbarbosa.org
  55. 55. www.drbarbosa.org Slide cedido pelo Dr. Marcelo Naveira
  56. 56. www.drbarbosa.org
  57. 57. www.drbarbosa.org
  58. 58. www.drbarbosa.org
  59. 59. Bica I. CID, 2001. HVC: Infecção oportunista nas PVHA • história natural do VHC acelerada • viremia do VHC elevada • ↑ ocorrência de esteatose, cirrose e câncer Maior Morbi- mortalidade 4 3 2 1 0 403020100 Anos de Infecção pelo VHC GraudeFibrose (METAVIR) Coinfecção HIV-VC (n = 122) Monoinfecção pelo VHC (n = 122) Simulação matemática (n = 122) www.drbarbosa.org
  60. 60. HVC: Fase aguda e Fase de Acúmulo Fibrose Assintomática - Diagnóstico precoce, guiado pelos fatores de risco - HVC Aguda/Crônica ou Cirrose: Reconhecer cedo Diagnóstico precoce = Tratamento mais eficaz Diagnóstico precoce = ↓ complicações Diagnóstico precoce = ↓ Mortalidade www.drbarbosa.org
  61. 61. Resolução Espontânea Cronificação + Passo 1: Identificar a infecção Crônica pelo VHC - Sintomas somente nos cirróticos descompensados - Fatores de riscos: tradicionais + faixa etária - Tratamento: eliminação viral entre 85 - 95% - Diagnóstico: PCR RNA VHC (elimina cura espontânea e falsos +) www.drbarbosa.org
  62. 62. Passo 3: Avaliar o grau de fibrose (biópsia hepática) - Sintomas somente nos cirróticos descompensados - Ausência de marcadores não invasivos com boa correlação prognóstica www.drbarbosa.org
  63. 63. Anti-VHC Reagente PCR RNA VHC Negativo (20%) Não Portador Positivo Avaliação Fibrose + Outras Variáveis Acesso ao Tratamento no Brasil pelo SUS (Set/2017): Fibrose ≥ 2; Coinfecção HIV ou VHB; Manifestações Extra-Hepáticas Graves; Insuficiência Renal (TFG < 30), PTI e Pós-Transplantes
  64. 64. Objetivos - Eliminar o VHC: Resposta Virológica Sustentada - RVS: PCR VHC (-) após 3 a 6 meses após final de tratamento Cura Esterilizante 0 FT 6m Feld, 2005
  65. 65. Slide cedido pela Dra. Aline Vigani
  66. 66. Wyles, 2013 RVS: 85 - 95%
  67. 67. Slide cedido pelo Dr. Juvêncio Furtado
  68. 68. Slide cedido pelo Dr. Hamilton Bonilha
  69. 69. Obrigado pela Atenção! SAE de Infectologia HC UNESP Botucatu Faculdade de Medicina UNESP

×