Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

Alterações Renais e TARV HIV 2019 - Alexandre Naime Barbosa

Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Loading in …3
×

Check these out next

1 of 49 Ad
Advertisement

More Related Content

Slideshows for you (20)

More from Alexandre Naime Barbosa (20)

Advertisement
Advertisement

Alterações Renais e TARV HIV 2019 - Alexandre Naime Barbosa

  1. 1. TARV HIV 2019 Interface com Alterações Renais Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia Discussão Científica Educação Médica Continuada Abr/2019 - Botucatu - SP - Brasil
  2. 2. Vínculos e Conflitos de Interesse (CFM e ANVISA) Vínculos: - UNESP/Medicina: Professor Doutor Infectologia (Ensino, Pesquisa e Extensão) - HC FMB Botucatu: Chefe da Infectologia e Infectologista Público e Privado - SAE Infectologia Botucatu: Diretor Clínico e Responsável por HIV, VHB, VHC e HTLV - Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI): Especialista e Membro Titular - SBI: Comitês de HIV/Aids, Emergência em Infectologia e Título de Especialista - Ministério da Saúde - Médico de Referência em Genotipagem do HIV Potenciais Conflitos de Interesse (Incentivos Diretos/Indiretos 36 meses) - Abbvie - Bristol-Myers Squibb - CNPq - DECIT - FAPESP - Gilead - GSK-ViiV - Jansen - Merck Sharp and Dohme - Sanofi Pasteur
  3. 3. Declaração de Conteúdo e de Uso da Apresentação O material que se segue faz parte do projeto didático do Prof. Dr. Alexandre Naime Barbosa Objetivos 1. Ensino: Treinamento de Estudantes e Profissionais da Área de Saúde; 2. Extensão: Facilitar o Contato da População em Geral com Conceitos Científicos; 3. Científico: Fomentar a Discussão Científica e Compartilhar Material Didático. Autoria e Cessão 1. Conteúdo: Os dados contidos estão referenciados, em respeito ao autor original; 2. Uso: Está permitido o uso do material, desde que citada a fonte; 3. Contato: fale com o autor e conheça o seu projeto didático em:
  4. 4. TARV HIV: Linha do Tempo dos Objetivos 2009 - 20191987 - 1994 1994 - 2004 2004 - 2009 Aumentar Sobrevida Sustentabilidade da CV Indetectável à longo prazo, ↓ EAs CV Indetectável, mesmo com ↑ EAs Resgate dos Falhados 1ª e 2ª Era
  5. 5. HIV/Aids: Importância da CV Indetectável  HAART: CV indetectável  Supressão em virgens ou não  Grande redução da mortalidade  Taxas próximas do normal Objetivo da TARV Tempo Carga Viral 4 - 6 semanas ↓ 1 log 4 meses ↓ 2 log 6 meses Indetectável À longo prazo Indetectável
  6. 6. HIV/Aids: Aumento da Sobrevida e das Comorbidades  Doença Cardiovascular (IAM, AVE)  Câncer (Não-Aids)  Osteopenias e Fraturas  Disfunção Ventricular Esquerda  Insuficiência Hepática  Insuficiência Renal  Distúrbios Neuro-Cognitivos  “Síndrome da Fragilidade”  Imunossenescência Weber et al. HIV Med 2013; 14:195
  7. 7. TARV HIV: Peso DRC dentro das Comorbidades Guaraldi G et al. CID 2011; 53:1120
  8. 8. HIV/Aids: Maior Prevalência de DRs nas PVHA
  9. 9. HIV/Aids: Alta Prevalência de DRs nas PVHA 40,3%
  10. 10. HIV/Aids: Alta Prevalência de DRs nas PVHA
  11. 11. HIV/Aids: Alta Mortalidade nas PVHA em Diálise
  12. 12. HIV/Aids: Lesões Renais Agudas
  13. 13. HIV/Aids: Lesões Renais Crônicas/IOs
  14. 14. HIV/Aids: Manejo no Diagnóstico de Lesões Renais
  15. 15. HIV/Aids: Manejo no Diagnóstico de Lesões Renais
  16. 16. HIV/Aids: Patogênese da Nefropatia do HIV
  17. 17. HIV/Aids: Manejo no Diagnóstico de Lesões Renais
  18. 18. HIV/Aids: Manejo no Diagnóstico de Lesões Renais
  19. 19. HIV/Aids: Dano Renal Associado à Hipertensão
  20. 20. HIV/Aids: Dano Renal Associado ao Diabetes
  21. 21. HIV/Aids: Fatores Associados à DRC
  22. 22. HIV/Aids: Fatores Associados à DRC M. Atta - 2012
  23. 23. TARV HIV: Importância do Estadiamento (TFGe) PCDT HIV/Aids Adulto - Brasil - 2019
  24. 24. Caso Clínico - Mulher, 52 anos, branca, dona de trailer de pastel - Dx HIV: Dez/2018 (parceiro +), assintomática - PA: 130x90, Peso = 94 kg; Altura = 1,65; IMC: 34 - Depressão, apneia do sono (CPAP), insônia, RGE - Nega tabagismo e abuso de álcool, sedentária, menopausa (47 anos) - Citalopram e Pantoprazol (irregular) - CD4: 522; CV: 24.349 (4,38 log) - Hb: 15; HT: 42; ALT: 37; AST: 43; U: 47, Cr: 1,1; TSH e T4 normais - CT: 210; LDL:120; HDL: 34; TG: 280, Glicose: 94
  25. 25. Caso Clínico Diagnósticos: - Infecção pelo HIV (CD4: 522) - Obesidade I, Dislipidemia Mista - Depressão, Insônia, AOS, RGE, Menopausa - Sedentarismo, HAS - Creatinina: 1,1 mg/dl (nl: < 1,2) Por onde eu começo?
  26. 26. Caso Clínico Diagnósticos: - Infecção pelo HIV (CD4: 522) - Obesidade I, Dislipidemia Mista - Depressão, Insônia, AOS, RGE, Menopausa - Sedentarismo, HAS - Creatinina: 1,1 mg/dl (nl: < 1,2) Por onde eu começo?
  27. 27. Caso Clínico Diagnósticos: - Infecção pelo HIV (CD4: 522) - Obesidade, Dislipidemia, Framingham 10% - Depressão, Insônia, AOS, RGE, Menopausa - Sedentarismo, HAS - eGFR: 58 ml/min - Nova coleta: Cr: 1,3; microalbuminúria nl Como tratar?
  28. 28. TARV HIV: Como escolher? Características das Drogas 1. Eficácia 2. Segurança (Toxicidade) 3. Barreira Genética 4. Resistência Transmitida 5. Frequência de Dose 6. Número de Comprimidos 7. Tamanho dos Comprimidos Fatores do Indivíduo 1. CD4 e CV Basais 2. Resistência HIV Pré-Tratamento 3. HLA-B*5701 4. Comorbidades 5. Comedicações 6. Preferência do Paciente
  29. 29. TARV HIV: Toxicidades Mais Importantes Toxicidade Renal Efeitos Psiquiátricos Risco CárdioVascular Lipodistrofia Interações Medicamentosas Toxicidade Hepática Efeitos Metabólicos Toxicidade Óssea Hipersensibilidade Efeitos Neurológicos
  30. 30. TARV HIV: Manejo Frente ao Dano Renal
  31. 31. TARV HIV: ARVs Associados à Nefrotoxicidade PCDT HIV/Aids Adulto - Brasil - 2019
  32. 32. TARV HIV:
  33. 33. TARV HIV:
  34. 34. TARV HIV: Mecanismos de Lesão Renal do TDF vs TAF
  35. 35. TARV HIV: Mecanismos de Lesão Renal do ATV
  36. 36. TARV HIV: Manejo Frente ao Dano Renal
  37. 37. TARV HIV: DRC e Escolha dos ARVs
  38. 38. TARV HIV: Simplificação (Racional) TDF: Toxicidade Renal e Óssea ABC: Hipersensibilidade, ↑ IAM AZT: Toxicidade Mitocondrial, Lipodistrofia -> Opção: Simplificação = Desintensificação PVHA em TARV + CV Indetectável: IP/r + 3TC
  39. 39. TARV HIV: Simplificação (Metanálise)
  40. 40. TARV HIV: Simplificação (Metanálise)
  41. 41. TARV HIV: Simplificação DRV/r 2018 (ANDES)
  42. 42. TARV HIV: Simplificação DRV/r 2018 (UNESP) Congresso Paulista de Infectologia 2018
  43. 43. TARV HIV: Simplificação da TARV Benefícios 1. Mitigar toxicidade ITRNs 2. Melhor Tolerabilidade 3. Melhora de Posologia 4. Diminuir Interações 5. Reduzir Custo Cuidados 1. CV Pré: Indetectável (6 a 12 m) 2. Usar 3TC + IP/r 3. 3TC + DTG? 4. Monoterapia IP/r ou DTG
  44. 44. TARV HIV: TAF/FTC/DRV/COBI (Aprovado FDA)
  45. 45. TARV HIV: IP em STR (DFC) -> 1 cp/dia (Switch)
  46. 46. HIV/Aids: Transplante Renal entre PVHA (2019)
  47. 47. TARV HIV DRC: Discussão Final 1. Multifatorial, prevalente e inicialmente silenciosa 2. Importante causa de morbimortalidade na Era HAART 3. Diagnóstico não é óbvio, importante investigar 4. Condução multidisciplinar 5. Manejo estilo de vida e toxicidade HAART 6. Conviver com sequelas e cronicidade
  48. 48. Convites Encontro Hepatites Virais HIV e HCC 28 de Junho - Piracicaba
  49. 49. Obrigado pela Atenção! SAE de Infectologia HC UNESP Botucatu Faculdade de Medicina UNESP

×