Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Resumo revisado dos cadernos do PACTO DO ENSINO MEDIO segunda etapa

41,832 views

Published on

ASPECTOS INTERESSANTES METODOLOGICOS DAS 04 ÁREAS DO CONHECIMENTO

Published in: Education

Resumo revisado dos cadernos do PACTO DO ENSINO MEDIO segunda etapa

  1. 1. RESUMO CADERNOS DO PACTO PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO 2ª ETAPA - 1ªCRE Soraya Tolentino FORMADORA SORAYA TOLENTINO
  2. 2. Qual o papel que a Matemática escolar pode desempenhar na formação humana integral dos estudantes do Ensino Médio? •Em particular, a Matemática propicia o desenvolvimento de quatro tipos específicos de pensamento: indutivo, lógico-dedutivo, geométrico- espacial e não-determinístico. Muitos de seus conhecimentos são úteis em várias situações do cotidiano, além de serem inúmeras as articulações possíveis com as outras áreas de conhecimento ou componentes curriculares, intrínsecas a situações problemas em diversos âmbitos. MATEMÁTICA
  3. 3. REFLEXÕES INICIAIS SOBRE A MATEMÁTICA •A Matemática propicia o desenvolvimento de quatro tipos específicos de pensamento: •indutivo, •lógico-dedutivo, • geométrico-espacial e • não-determinístico.
  4. 4. •Busca de situações de interesse que contemplem a diversidade dos estudantes e permitam questionamentos. •Protagonizar investigações: os estudantes poderão protagonizar investigações que levem a um entendimento mais completo da situação questionada e possibilitem intervenções transformadoras. POSSIBILIDADES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE MATEMÁTICA
  5. 5. •Mediação dos docentes: “a mediação do professor é essencial, possibilitando aos estudantes atingirem níveis de desempenho e pensamento que não conseguiriam por conta própria, incentivando-os a se confrontarem com outros pontos de vista e, assim, reconstruírem seus entendimentos e a compreensão do que investigam”. (MORAES, 2010, p. 142). • Educar pela pesquisa caracterizando o currículo por círculos reiterativos de três movimentos principais questionamento, construção e validação de argumentos. Assim, a essência da pesquisa é partir de perguntas para formular um projeto de investigação in Galiazzi e Moraes (2002). POSSIBILIDADES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE MATEMÁTICA
  6. 6. SUGESTÕES DE PROJETOS •GONÇALVES - Um olhar para o lixo: http://portaldo-professor.mec.gov.br/stora- ge/materiais/0000016221. pdf MELO e KONRATH – Trabalhando o lixo na escola: http://www.cien-ciaemtela.nutes.ufrj.br/arti- gos/0110_gervanio.pdf •LUIZA – Projetos Lixo: http://sheilaluiza.wordpress. com/fotografia/
  7. 7. •COMO PODEMOS INCENTIVAR E DIVULGAR O TRABALHO DA(S) BANDA(S) DA ESCOLA? •Proposta: abrir caminhos para estudos e projetos onde a produção cultural dos jovens será valorizada e incentivada, mas também visa abrir portas para ações de intervenção que demandam o apoio integrado das áreas de conhecimento. •As áreas de Linguagens e de Matemática podem propor a realização de um concurso de logotipos, para o incentivo e a divulgação do trabalho da(s) banda(s) da escola junto à comunidade da região. SUGESTÕES DE PROJETOS
  8. 8. •Início de projeto envolvendo criatividade artística, elaboração de textos, cartazes e uso de gráficos funcionais criados por programas de computador. •USO de trechos de gráficos de funções que juntos componham o logotipo imaginado.
  9. 9. •O Acolhimento de práticas lúdicas, frequentes entre os jovens, podem ser desenvolvida a partir do seguinte dispositivo de problematização: Como a Matemática pode ajudar a ser vitorioso em jogos eletrônicos?
  10. 10. Mais Uma Sugestão De Atividade Integradora •Como a Matemática pode ajudar a ser vitorioso em jogos eletrônicos? •As tecnologias móveis querem e podem entrar na sala de aula com diferentes finalidades de apreender e ensinar. Acreditamos que isto é possível num trabalho integrador e atrativo. Há muitos jogos disponíveis nos aparelhos eletrônicos que os jovens utilizam, em particular no smartphone que a maioria traz consigo.
  11. 11. Jogo AngryBirds® •É POSSíVEL discutir, especificamente, como os conteúdos de Matemática e Física podem contribuir para obter estratégias vencedoras. •Em: http://chrome.angrybirds.com/ •Enredo do jogo em: https://www.youtube.com/ watch?v=x6fLgzT93kQ •Analise uma das funções de um dos personagens em: https://www.youtube.com/watch?v=Dv54QkH6ocg
  12. 12. •PROPOSTA: •EXAMINAR o jogo para saber seu enredo que mostra a história dos passarinhos que tiveram seus ovos roubados por porquinhos. • O vídeo é o mote para estabelecer o objetivo do jogo: a destruição das edificações dos ladrões. Ajudará também a conhecer minimamente as funções de cada personagem e tentar jogar. •Durante o jogo, poderá ser observada a presença da Física no lançamento de projéteis, e da Matemática nas trajetórias dos projéteis que são descritas por parábolas como gráficos de funções quadráticas. Jogo AngryBirds®
  13. 13. CIÊNCIAS HUMANAS •Primeiras PROPOSTAS DE INVESTIGAÇÃO: •Estudantes: busca/pesquisa em livros didáticos, ou em outros materiais – jornais, revistas, conteúdos disponibilizados na internet e outras mídias -, os quais possam viabilizar a pesquisa, refutando ou confirmando hipóteses construídas pelos estudantes referentes ao contexto em estudo.
  14. 14. SUGESTÃO DE TEMA A SER INVESTIGADO NAS CIÊNCIAS HUMANAS •ALIMENTAÇÃO: •ETAPAS DE PESQUISA: •QUESTÃO INICIAL apresentada pelos professores, • CONSTRUÇÃO DE UMA HIPÓTESE para resolvê-la ou interpretá-la. Na sequência, os próprios estudantes poderão estabelecer as etapas para a..... •VERIFICAÇÃO DA HIPÓTESE, através de: pesquisa bibliográfica, saídas a campo, realização de entrevistas, observação dos hábitos alimentares dos colegas, dos familiares e das comunidades locais, entre outros.
  15. 15. PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS NA ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS
  16. 16. LINGUAGENS •MOTE: conhecimentos e saberes relativos às interações e às expressões do sujeito em práticas socioculturais. •POIS: todos os componentes curriculares pertencentes a área acima, de algum modo, enfocam as representações de mundo, as formas de ação e as manifestações de linguagens,
  17. 17. •A prática de um esporte, a escrita de um e- mail, a ação de fotografar e expor essa fotografia são formas de produção de sentidos que se dão como linguagens. LINGUAGENS
  18. 18. Os conhecimentos da área de Linguagens •a) O conhecimento sobre a organização e o uso crítico das diferentes linguagens. Diz respeito às diversas possibilidades de uso das linguagens em práticas sociais, que quando chegam ao estudante de forma significativa, possibilitam uma ampliação de saberes relativos à produção de identidades, das relações sociais e da própria realidade. •b) O conhecimento sobre a cultura patrimonializada local, nacional e internacional. Compreende o acesso à cultura patrimonializada pelo viés da reflexão crítica sobre o próprio processo de patrimonialização, sempre envolto em ideologias, interesses e jogos de poder, compreendendo desse modo também o acesso aos bens culturais que não foram institucionalizados. Se por um lado têm-se patrimônios como as cidades históricas, a literatura, as artes plásticas, há também todo um conjunto de expressões do bairro e da própria escola que são bens culturais importantes para o posicionamento daqueles sujeitos na estrutura social. Muitas vezes, a comunidade perde em organização social e bem-estar por não conhecer e lutar pela valorização de um patrimônio seu.
  19. 19. •c) O conhecimento sobre a diversidade das linguagens. Está relacionado à valorização e/ou desvalorização de grupos à medida que compreende a construção das identidades socioculturais, e a consequente inserção em práticas políticas, éticas e estéticas. Os estudantes podem se beneficiar do compartilhamento e da reflexão sobre o outro e o que o constitui. O conhecimento sobre a diversidade se legitima pela vivência da diferença, não cabendo aí a imposição de algumas codificações culturais como melhores que outras. •d) O conhecimento sobre a naturalização/desnaturalização das linguagens nas práticas sociais. Compreende o reconhecimento de que as manifestações de linguagem se estabilizam através de um processo histórico e social que envolve relações de poder e hegemonia. Muitas das representações que tratamos como naturais e imutáveis, podem manter relações de colonização, de desigualdade de gêneros, de preconceitos étnico-raciais. Quando os estudantes se percebem como produto e produtores de linguagens, podem desenvolver-se uma dimensão crítica sobre a linguagem que, desnaturalizada, favorece a participação e a mudança social.
  20. 20. •d) O conhecimento sobre a naturalização/desnaturalização das linguagens nas práticas sociais. •Compreende o reconhecimento de que as manifestações de linguagem se estabilizam através de um processo histórico e social que envolve relações de poder e hegemonia. Muitas das representações que tratamos como naturais e imutáveis, podem manter relações de colonização, de desigualdade de gêneros, de preconceitos étnico-raciais. Quando os estudantes se percebem como produto e produtores de linguagens, podem desenvolver-se uma dimensão crítica sobre a linguagem que, desnaturalizada, favorece a participação e a mudança social.
  21. 21. •e) O conhecimento sobre autoria e posicionamento na realização da própria prática. Trata-se de um conhecimento sobre as possibilidades e limites da própria ação que se forma pela experiência da participação política e do protagonismo. Consiste, além disso, em uma ampliação das referências através das quais os estudantes estabelecem critérios que permitem avaliar a sua própria conduta, e entender e caracterizar a conduta dos outros. •f) O conhecimento sobre o mundo globalizado, transcultural e digital e as práticas de linguagem. Compreende as práticas e problemas sociais resultantes dos ajustes e desajustes nos planos macroeconômicos, tecnológicos, de comunicação e transporte que impactam as formas de ser e agir no mundo contemporâneo. Assim, esse conhecimento diz respeito à prática social transversal e globalizadora decorrente do rompimento das fronteiras espaço-temporais que põem em cena as mestiçagens linguísticas, culturais, étnicas, sociais etc. características desse início de século. O acesso a saberes sobre o mundo digital é fundamental aos estudantes do Ensino Médio, pois: 1) as práticas digitais, direta ou indiretamente, impactam o seu dia-a-dia, 2) certamente já lhe despertam o interesse, o que favorece o ensino significativo, e 3) delas podem melhor se apropriar técnica e criticamente para sua participação social e profissional.
  22. 22. •Nos componentes da área de Linguagens, há muitas possibilidades em latência para o desenvolvimento de saberes situados e consequentes, sendo exemplos: •A formação de rodas de leitura e compartilhamento de textos produzidos, a instauração de ciclos de debates e diversos outros eventos, a produção de mídias que viabilizem conhecimentos sobre a sociedade (a relação entre as mídias e os poderes públicos e privados, por exemplo), conhecimentos técnicos (dominar, por exemplo, a leitura e produção e textos jornalísticos em língua materna e estrangeira) e conhecimentos pessoais (de se ver como agente social e político). Um recurso importante, nesse caso, é a formação de convênios com os jornais comunitários para trocas de experiências e trabalho conjunto; POSSIBILIDADES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE LINGUAGEM
  23. 23. • a construção de fóruns de intercâmbio entre estudantes falantes de línguas diferentes, a apreciação da produção cultural em línguas estrangeiras, a participação em movimentos internacionais de hip- hop, de questões da juventude, de produção audiovisual etc.; • o desenvolvimento de projetos culturais (de teatro, dança, música, artes plásticas), a participação em movimentos já instaurados (como os cineclubes, os saraus, as exposições), a frequência a aparelhos culturais (teatros, cinemas, museus, feiras etc.); POSSIBILIDADES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE LINGUAGEM
  24. 24. • projetos esportivos, as práticas que trazem embutidos movimentos altamente atrativos e motivacionais para os jovens, como a capoeira e a cultura afro, a caminhada em trilhas e as causas ecológicas, o folclore e o conhecimento e preservação da cultura regional (como o Boi de Mamão, em Santa Catarina, que já conta com inúmeras associações com as quais se pode fechar convênios). POSSIBILIDADES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE LINGUAGEM
  25. 25. IMPORTANTE: •Muitas dessas práticas viabilizam atividades educativas que vão além do interdisciplinar, ganhando um caráter transdisciplinar. •Caminhadas em trilhas, por exemplo, podem ser discutidas a partir da cultura corporal de movimentos, da preservação ecológica, do turismo e da indústria cultural, podem ser fotografadas, podem ser textualizadas e disponibilizadas em diversas línguas e mídias. •A produção de um jornal ou rádio também podem ensejar a produção de seções e programas envolvendo diversos componentes curriculares.
  26. 26. CONHECIMENTOS NAS PRÁTICAS EDUCATIVAS •Conhecimentos da área de Linguagem que podem ser mobilizados nas práticas educativas, sendo que eles dizem respeito: •à organização e ao uso crítico das diferentes linguagens; •à cultura patrimonializada local, nacional e internacional; •à diversidade das linguagens; •à naturalização/desnaturalização das linguagens nas práticas sociais; •à autoria e ao posicionamento na realização da própria prática; •ao mundo globalizado, transcultural e digital e às práticas de linguagem.
  27. 27. •A BASE é: • UMA concepção social e humana das Ciências da Natureza, que contemple: •PROBLEMATIZAÇÃO; •ARGUMENTAÇÃO; •ELABORAÇÃO DE EXPLICAÇÃO; •TOMADA DE POSIÇÃO E AS; •RELAÇÕES ENTRE OS CONHECIMENTOS E A REALIDADE. CIÊNCIAS DE NATUREZA
  28. 28. CIÊNCIAS DE NATUREZA •EXPERIMENTAÇÃO x INVESTIGAÇÃO •A EXPERIMENTAÇÃO no ensino de Ciências da Natureza, de maneira geral, é aplicada para se demonstrar algum conceito e, muitas vezes, tem somente como objetivo motivar mais o aluno para o tema. Ao contrário dessa concepção, a INVESTIGAÇÃO no ensino das Ciências da Natureza constitui-se por princípios orientadores da prática pedagógica. Esses princípios não necessariamente se concretizam por meio de atividades experimentais. POSSIBILIDADES METODOLÓGICAS
  29. 29. POSSIBILIDADES METODOLÓGICAS NA ÁREA DE CN •mediação de textos didáticos, textos de divulgação científica, exercícios, vídeos, atividades com características diversas. •IMPORTANTE •Uma atividade experimental em que é solicitado ao aluno seguir um protocolo e as questões que apenas confirmam o conceito estudado nas aulas teóricas precedentes, NÃO CONTRIBUI nem para o aprendizado nem para a construção de uma visão de Ciências da Natureza com foco na pesquisa/investigação.
  30. 30. SUGESTÕES DE ATIVIDADES •Os Temas são de Biologia e podem não deixar os professores de Física e Química muito confortáveis em analisá-las. No entanto, as atividades pretendem criar possibilidades de o estudante vivenciar o pensamento e a argumentação científicos. I. Metabolismo das plantas. Orientações para o aluno. Acesse: http://www.cdcc.usp.br/exper/fundamental/roteiros/me51.pdf II. Ecologia na restinga: uma sequência didática argumentativa. Atividade 2: Como ocorre o transporte de água no corpo das plantas. Acesse: http://labtrop.ib.usp.br/doku.php?id=projetos:restinga:restsul:divulga:apostila:at2
  31. 31. •Para sugestões de experimentos utilizando materiais alternativos ver: •http://www2.fc.unesp.br/ex- perimentosdefisica/ •http://www2.fisica.ufc.br/ agopin/EXPERIMENTOS. pdf http://quimica2011.org.br/ar- quivos/Experimentos_AIQ_ jan2011.pdf SUGESTÕES DE ATIVIDADES
  32. 32. •Química Nova Interativa: • http://qnint.sbq.org.br/qni/ Biblioteca Virtual de Ciências: http://www.bdc. •ib.unicamp.br/bdc/index.php Ponto ciência: http://www. pontociencia.org.br (este apresenta muitos experimentos na forma de vídeos). SUGESTÕES DE ATIVIDADES
  33. 33. •experimentos têm funções pedagógicas de ensinar ciências, ensinar sobre as ciências e ensinar a fazer ciências. (HODSON, 1994) •Uma atividade experimental bem planejada, contribui para desenvolver os conhecimentos técnicos sobre a investigação científica e a resolução de problemas, ou seja, permite o aprendizado dos procedimentos científicos.
  34. 34. IMPORTANTE: •A mais simples demonstração experimental feita in loco pelo professor, ou a exibição de um vídeo ou fotos de um fenômeno, pode suscitar discussões e envolver os alunos num processo investigativo.
  35. 35. SUGESTÃO DE TEMA ENERGIA •Tendo em vista as necessidades energéticas do país, qual deve ser o modelo de produção de energia adotado? EXEMPLO de conceitos relacionados ao tema: Calor, temperatura, entalpia, energia, tipos de energia (elétrica, potencial, cinética), os processos de transformação de energia etc. Princípio Comum na área: Conservação da energia em seus processos de transformação. PROPOSTA: Encontrar pontos de convergência e complementaridade entre cada componente no sentido de permitir um planejamento mais integrado e interdisciplinar para a área.
  36. 36. Investigação Temática Levantamento do tema – de forma individual ou coletiva - pelos professores referenciados pela realidade cotidiana dos estudantes Estudo da Realidade Apresentação de aspectos/dados da realidade que embasem a problematização inicial. Problematização Inicial Elaboração, pelos estudantes, de questionamentos baseados no estudo da realidade. Organização do Conhecimento Apresentação dos conhecimentos científicos escolares por meio de atividades pedagógicas elaboradas pelos professores. Realização de leituras, levantamento e análise de dados (de forma individual ou coletiva), construção de diferentes formas de interpretação, elaboração de argumentações, pelos estudantes. Aplicação do Conhecimento Releitura da problematização inicial e ampliação da compreensão da temática. Elaboração de novos questionamentos.

×