Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Plataformas para debate público: o uso social das TIC's no estabelecimento do Marco Civil da Internet

281 views

Published on

Apresentação de trabalho realizada no EDICIC 2015 sobre o Marco Civil da Internet.
Madrid, 17 de novembro de 2015.

Published in: Internet
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Plataformas para debate público: o uso social das TIC's no estabelecimento do Marco Civil da Internet

  1. 1. PLATAFORMAS  PARA  DEBATE  PÚBLICO:  O  USO  SOCIAL   DAS  TIC’S  NO  ESTABELECIMENTO  DO  MARCO  CIVIL  DA   INTERNET     PROFA.  MS.  SORAIA  HERRADOR  COSTA  LIMA  DE  SOUZA   UNIVERSIDADE  DE  SÃO  PAULO   VII  Encuentro  Ibérico  EDICIC  2015   Noviembre  16  –  Noviembre  17,  2015   Universidad  Complutense    -­‐  Madrid  
  2. 2. INTRODUÇÃO  
  3. 3.   •  Movimentos  sociais  e  parDcipação  social  no  Brasil   •  Lei  12.965/14  –  Marco  Civil  da  Internet   •  Plataformas  específicas  para  o  debate:   –  Debate  Público  da  Regulamentação  do  Marco  Civil  da  Internet   (Ministério  da  JusDça)   –  Plataforma  Pública  de  Blog  e  Conversas  Cultura  Digital  (Ministério   da  Cultura)   –  E-­‐democracia  (Câmara  dos  Deputados)   •  Maio/2015  –  promulgação  da  lei   •  Setembro/2015  –  regulamentação  da  lei    
  4. 4. O  USO  DAS  TECNOLOGIAS  DA  INFORMAÇÃO  E   DA  COMUNICAÇÃO  NO  ESTABELECIMENTO  DE   UM  AMBIENTE  DEMOCRÁTICO  
  5. 5. •  Web  2.0  e  as  Tecnologias  da  Informação  e  Comunicação   (TIC’s).   •  E-­‐Brasil:  desenvolvimento  socioeconômico  do  país.   •  Sorj  (2004):  cidadania  –  binômio  indivíduo-­‐comunidade.   •  Leff  (2001):  movimentos  cidadãos  passam  a  legiDmar   outros  valores  e  conceitos.   •  Appadurai  (1997):  translocalidade.   •  Canclini  (1999):  senso  de  pertencimento  e  idenDdade.  
  6. 6. •  Malini  (2008):  internet  interliga  indivíduos  e  propicia  um   novo  habitat  de  comunicação.   •  Lemos  (2005):  inclusão  deve  ser  pensada  de  forma   complexa  –  tem  que  abranger  os  capitais  social,  cultural,   técnico  e  intelectual).     •  Castells  (2009,  2012):  redes  cidadãs  e  movimentos  sociais   em  rede.   •  Tascon  &  Quintana  (2012):  tecnopolíDca.  
  7. 7. O  MARCO  CIVIL  DA  INTERNET:   FERRAMENTAS  COLABORATIVAS  DE  DEBATE  
  8. 8. Plataforma:  e-­‐democracia   •  16.295  membros   •  Projeto  de  Lei   •  Etapas:     –  Sugestões  (Wikilegis,  Debate,  Biblioteca  virtual)   –  Harmonização  do  Projeto  de  Lei  (demais  plataformas  +  ferramenta   de  bate-­‐papo)   –  Apreciação  do  relatório  final   –  Votação  do  Projeto  de  Lei   •  25/07/2012  –  21  comentários  
  9. 9. Plataforma:  Cultura  Digital   •  Importante  ferramenta  de  debate,  mas  os  números  não   condizem  com  tal  afirmação.   •  Página  exclusiva  do  Projeto  de  Lei:   –  273  membros   –  Fórum:  12  tópicos   –  Tópico  com  maior  parDcipação:  Discussões  gerais  sobre  direitos   individuais  e  coleDvos   •  57  posts  (comentários)   •  16  vozes  (parDcipantes)   •  Maior  parte  das  parDcipações  Dnha  mais  de  cinco  anos.    
  10. 10. •  Lei  12.965  –  23  de  abril  de  2014.   •  Principais  parâmetros  para  uso  da  Internet,  direitos  e   deveres  (usuários,  provedores  de  serviços  de  conexão  e   aplicaDvos).   •  Quatro  aspectos:   –  Neutralidade  da  rede   –  Liberdade  de  expressão   –  Privacidade   –  Obrigações  dos  provedores  
  11. 11. Plataforma:  Debate  Público     •  Regulamentação  da  Lei  (maio/2015)   •  Pautas  válidas  apresentadas  por  eixo:   –  Privacidade  na  rede  (68  pautas)   –  Registros  de  acessos  (70  pautas)   –  Neutralidade  (98  pautas)   –  Outros  temas  e  considerações  (124  pautas)   –  Média  de  20  comentários  nas  pautas  mais  comentadas   •  Lei  aprovada,  mas  muitos  usuários  ainda  Dnham  dúvidas  e   considerações.  
  12. 12. Figura  1  –  Número  de  visitas  à  plataforma  de  consulta  pública  do  Ministério  da   JusVça  (Cruz  et  al.,  2015,  p.50)  
  13. 13. !
  14. 14. !
  15. 15. CONSIDERAÇÕES  FINAIS  
  16. 16. OBRIGADA.   soraia.souza@usp.br  

×