Arquivos – bibliotecas e museus

1,809 views

Published on

Apresentação feita para a disciplina de Memória e Arquivamento do Curso de Comunicação Digital Comdig - Unisinos

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,809
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arquivos – bibliotecas e museus

  1. 1. Patrimônio Histórico pode ser definido como um bem material, natural ou imóvel que possui significado e importância artística, cultural, religiosa, documental ou estética para a sociedade. Estes patrimônios foram construídos ou produzidos pelas sociedades passadas, por isso representam uma importante fonte de pesquisa e preservação cultural .
  2. 2. <ul><li>Patrimônio    cultural  é o conjunto de todos os bens, materiais ou imateriais, que, pelo seu valor próprio, devem ser considerados de interesse relevante para a permanência e a identidade da cultura de um povo. [1] [2] </li></ul><ul><li>O patrimônio é a nossa herança do passado, com que vivemos hoje, e viverão as próximas geraçõs. [ 3] </li></ul><ul><li>Do património cultural fazem parte bens imóveis tais como castelos, igrejas, casas, praças, conjuntos urbanos, e ainda locais dotados de expressivo valor para a história, a arqueologia, a paleontologia e a ciência em geral. Nos bens móveis incluem-se, por exemplo, pinturas, esculturas e artesanato. Nos bens imateriais considera-se a literatura, a música, o folclore, a linguagem e os costumes. [4] </li></ul>
  3. 3. <ul><li>A idéia de Patrimônio Histórico e Cultural, também sofreu uma série de influências a partir do século XX. De construções seculares e milenares, ampliam sua área de atuação para o Patrimônio Imaterial, como o  Drama de Elche , na Espanha (1980) ou  Samba de Roda do Recôncavo Baiano  (Bahia) e o  Samba Carioca do Rio de Janeiro , em 2008 </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Do grego, significa depósito ou coleção de livros </li></ul><ul><li>biblioteca é todo espaço (concreto, digital ou híbrido) destinado a uma coleção de informações de quaisquer tipos, sejam escritas em folhas de papel ou ainda digitalizadas e armazenadas em outros tipos de materiais, tais como CD, fitas, VHS,DVD e bancos de dados. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Tanto a história da biblioteca como dos arquivos está diretamente relacionada à escrita e seus suportes: argila, suportes animais e vegetais (pedras, ossos, folhas), rolos de papiros e pergaminhos, </li></ul><ul><li>Por volta de 1050 a.C., o povo da Fenícia utilizava um alfabeto de 22 letras. Todos os atuais sistemas de escrita ocidentais derivam do alfabeto grego.  </li></ul><ul><li>O Papel foi inventado pelos chineses 123 a.C. </li></ul><ul><li>Os Maias e os Astecas guardavam seus livros de matemática, astronomia e medicina em cascas de árvores, chamadas de &quot;tonalamatl&quot;. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Guardar o conhecimento, a cultura, a produção cientifica das Civilizações </li></ul><ul><li>Nesse sentido os mosteiros tiveram um papel fundamental: muito da cultura grega, romana, celta, nórdica e cristã da Antiguidade e Medieval foi preservada pelo trabalho árduo e silencioso dos monges copistas. Não por acaso, no século VIII d.C., já surgiam anexas aos mosteiros: grandes centros culturais, as Escloas Monacais </li></ul>
  7. 7. <ul><li>a biblioteca mais antiga é a do rei Assurbanípal (século VII a.C.), cujo acervo era formado de placas de argila escritas em caracteres cuneiformes, em Ninive, Iraque. </li></ul><ul><li>A  escrita cuneiforme  foi desenvolvida pelos sumérios, sendo a designação geral dada a certos tipos de escritafeitas com auxílio de objetos em formato de cunha. É juntamente com os hieróglifos egípcios, o mais antigo tipo conhecido de escrita, tendo sido criado pelos sumérios por volta de 3500 a.C. Inicialmente a escrita representava formas do mundo (pictogramas), mas por praticidade as formas foram se tornando mais simples e abstratas. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>a biblioteca de Alexandria, no Egito, século III a. C. Ela teria de 40 a 60 mil manuscritos em rolos de papiro, chegando a possuir 700 mil volumes. A sua fama é atribuída, além à grande quantidade de documentos, também aos três grandes incêndios de que foi vítima. </li></ul><ul><li>Uma nova Biblioteca Alejandrina, rememorando , promovida pela Unesco, foi inaugurada em 2002 1  na mesma cidade. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>A partir do século XVI é que as bibliotecas realmente se transforma, tendo como característica a localização acessível, passa a ter caráter intelectual e civil, a democratização da informação e especializada em diferentes área do conhecimento. </li></ul><ul><li>No Brasil, a biblioteca oficial foi a atual Biblioteca Nacional e Pública, do Rio de Janeiro, que se tornou do Estado em 1825. Essa biblioteca era constituída dos livros do rei de Portugal Dom José I e foi trazida para o Brasil por Dom João VI, em 1807. Junto à Biblioteca Nacional, outra de grande importância no Brasil é a Biblioteca Municipal de São Paulo. </li></ul>
  10. 11. <ul><ul><li>Hoje visto apenas como um hobby, o colecionismo sempre foi a primeira expressão de uma hierarquia política, econômica e social. </li></ul></ul>
  11. 12. <ul><li>O termo  museu , originário do grego  mouseion , Templo das Musas, filhas de Zeus com Mnemosine, a memória.  Local onde abrigava os mais variados ramos das artes e ciências. </li></ul><ul><li>gabinetes de curiosidades (séculos XV – XVI) &quot;guardião&quot; da cultura material (século XX) Essa cultura material, diretamente associada ao Patrimônio Histórico, nos relata não apenas objetos produzidos pela inteligência humana, mas partes importantes do seu cotidiano. </li></ul>
  12. 13. <ul><li>Durante o Renascimento Carolíngio, século VIII, Carlos Magno (747 – 814) estabeleceu leis, onde tudo que lembrasse a cultura romana fosse guardado. Preservar, recolher, recuperar, essa era a ordem do dia. </li></ul><ul><li>Notamos a influência do passado, legitimando o presente e o futuro. </li></ul>
  13. 14. <ul><li>No Império Romano do Oriente, Império Bizantino, também eram comuns exposições das coleções reais durante festas religiosas, militares e políticas.  </li></ul><ul><li>Francesco Petrarca (1304 – 1374), célebre humanista e poeta italiano, considerado um dos precursores da coleção monetária na península itálica. Seu principal objetivo era conhecer a História de cada civilização através da moeda. Dono de um importante acervo,  </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Com a Revolução Francesa, a partir de 1792, o “Comitê de Salvação Pública”, institui os primeiros decretos e aparatos jurídicos para proteção do Patrimônio Histórico Francês. Os bens da Igreja, realeza e nobreza passam a pertencer ao Estado. Os revolucionários tentam acabar com uma ideologia imposta pela elite, proprietária desses objetos. Em 1793, Louvre é transformado em museu, com o objetivo de instruir a Nação, difundir o civismo e a história. Os cidadãos teriam conhecimento do passado e, ao mesmo tempo, ocorria uma legitimação ideológica dos Estados Nacionais. </li></ul>
  15. 16. <ul><li>Durante o século XIX, para muitos intelectuais o  século das ciências , os primeiros conceitos de patrimônio e restauração são lançados. O arquiteto, arqueólogo e escritor francês Eugéne Viollet –le- Duc (1814 – 1879), pertencente à escola revivalista, precursor da moderna arquitetura, definiu as primeiras teorias da restauração e preservação patrimonial. </li></ul>
  16. 17. <ul><li>A construção das nações desde o século XIX, até o início do XX, baseava-se num processo de expansão e unificação nacional. Essa construção político-social, geográfica e econômica articulava-se à reestruturação ritual e simbólica da nação para a qual intelectuais, artistas e produtores culturais foram cooptados  Essa simbologia passava, por exemplo, através da criação de bandeiras, hinos, selos e outros. Através da arquitetura, pintura, escultura, música, medalhística e literatura, a nação vai sendo construída simbolicamente. </li></ul>
  17. 18. <ul><li>Exatamente nesse momento, iniciavam-se os preparativos para a comemoração dos 100 anos de independência, e o Brasil necessitava de um museu que indicava a trajetória da nação, no tempo, destacando os traços da História Nacional, aliada à defesa do nosso Patrimônio. </li></ul>
  18. 19. <ul><li>Durante as comemorações do centenário da Independência, em 1922, é criado no então Distrito Federal, Rio de Janeiro, o Museu Histórico Nacional (MHN). Essa instituição, rompe com a visão iluminista de  museu enciclopédia , servindo de modelo para os museus brasileiros do século XX. Foi na reserva técnica do MHN que funcionou o primeiro curso de museologia no país. </li></ul><ul><li> deve atuar em três campos básicos: na investigação, na preservação e na comunicação Apesar da comunicação, através de publicações, exposições, site e congressos, justificar a preservação, deve haver um equilíbrio entre elas. No Brasil, a pesquisa e investigação ficam estacionadas em um segundo plano. As exposições sem investigação tornam-se uma mera transmissão. </li></ul>
  19. 20. <ul><li>Diálogo entre passado e futuro no presente </li></ul><ul><li>Historicamente, o museu é responsável pela produção do conhecimento e a convergência dos saberes científicos. Não basta guardar o objeto. Sem uma pesquisa permanente, a instituição fica subestimada a um centro de lazer e turismo. Cabe aos pesquisadores inserir os objetos, reclusos em suas reservas técnicas, como fontes históricas. </li></ul>
  20. 21. <ul><li>  A pesquisa em si é uma visão crítica, a relação homem / objeto / espaço forma a memória e o patrimônio cultural. Essa documentação museológica é um conjunto de informações sobre cada um dos seus itens e, conseqüentemente, a representação destes por meio de palavras ou imagens . Trata-se de um sistema de recuperação de informações, do passado, fundamental para a reconstrução cultural de uma sociedade. </li></ul>
  21. 22. <ul><li>Os museus, o patrimônio, como instituições públicas, não podem ficar com as portas fechadas para a população. Devem guardar seus acervos, não escondê-lo. Os objetos arqueológicos encarcerados nas reservas técnicas devem ser analisados, estudados e apresentados ao público. </li></ul>
  22. 23. <ul><li>Os seres humanos, durante a sua passagem pelo mundo, desenvolveu diversas formas simbólicas, tanto artísticas quanto lingüísticas, expressas pela sua consciência. Essas formas, representadas pelos objetos, mesmo em um museu, continuam a  ter vida . </li></ul><ul><li>s. </li></ul>

×