Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

formação humanizada

Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Loading in …3
×

Check these out next

1 of 16 Ad

More Related Content

Recently uploaded (20)

Advertisement

formação humanizada

  1. 1. ESTADO DE MATO GROSSO BARRA DO GARÇAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
  2. 2. A violência e a aprendizagem no contexto escolar pós-pandemia. CÍRCULO 2 TUTOR: GUSTAVO CLEUZA SILVA DE OLIVEIRA DÉBORA FERREIRA LABORÃO GUEDES DEIJANIRA OLIVEIRA DOS SANTOS LINCK JULIANA SOUSA RIBEIRO FREITAS LUCIANA MUNIZ DA SILVA MÁRCIA FRANCISCA BARBOSA SANTOS MARLENE MARIA DE ARAÚJO SABRINA BARBOSA THEREZA SÔNIA SANTANA GUIMARÃES NUNES
  3. 3. RESUMO Esta pesquisa teve por objetivo refletir sobre as dificuldades interacionais enfrentadas neste período de pós pandemia relacionadas a aprendizagem, a violência e as vivências conflituosas no ambiente escolar. E, a partir dessas situações encontrar possibilidades de atuação e enfrentamento das questões socioemocionais junto às cognitivas visando construir uma educação democrática, não somente no sentido de escola para todos, mas na oferta de um ambiente socializador onde todos possam ser estimulados a exercerem a prática do diálogo qualificado como recurso de mediação dos conflitos, tornando-nos sensíveis à problemática advindas do período pandêmico buscando resgatar os valores e incitar a empatia de todos os envolvidos no ato de educar e de aprender.
  4. 4.  Palavras-Chave Pós-pandemia; Aprendizagem; Violência escolar; Mediação e Resolução de conflitos.
  5. 5. Aulas remotas Isolamento social Avaliações diagnósticas de aprendizagem Agressividade nas escolas 1. INTRODUÇÃO
  6. 6. Recuperação da aprendizagem cognitiva Sentimentos /emoções Inter-relações no espaço escolar.
  7. 7. 2. MÉTODO A presente pesquisa utilizou-se de abordagem metodológica qualitativa, com leitura e análise da literatura a partir de artigos científicos e ensaios publicados em revistas indexadas na base de dados da SciELO e em Bibliotecas Virtuais de Universidades do Brasil. Na realização do levantamento bibliográfico foram selecionados trabalhos que se referiam ao tema proposto pelo grupo do Círculo de Vivência “A Violência e a Aprendizagem no contexto escolar pós-pandemia”. Para identificar artigos que colaborariam com este estudo foram utilizados os seguintes descritores combinados: violência escolar pós-pandemia; aprendizagem pós-pandemia; prevenção e intervenção de conflitos na escola. Após leitura e análise dos trabalhos selecionados, foram escolhidos obras relevantes para o desenvolvimento da referida pesquisa seguindo o tempo amostral de referência (anos de publicação 2020, 2021 e 2022) entre outras obras de anos anteriores a pandemia que nos permitiram a contextualização dos fenômenos pesquisados, os quais contribuíram na construção do conhecimento e na reflexão do tema em questão.
  8. 8. 3. APRENDIZAGEM: ENTRE E PÓS-PANDEMIA A situação pandêmica obrigou crianças, adolescentes e jovens a mudarem seus hábitos relacionais e de movimento, a estudarem de modo remoto, alguns com boas condições, com acesso à internet, com os suportes necessários (computador, tablet ou celulares), mas muitos não dispondo dessas facilidades, ou dispondo com restrições (por exemplo, não disposição de rede de internet ou de computador ou outro suporte, posse de celulares pré-pagos com pouco acesso a redes; um só celular na família etc.), contando ainda aqueles sem condição alguma para uso dos suportes tecnológicos escolhidos para suprir o modo presencial. Agregue-se a essas condições o grande contingente de alunos que não puderam contar com apoio mais efetivo dos pais por seu nível educacional, ou por trabalharem em setores prioritários durante o isolamento, ou por outros motivos. (GATTI, 2020)
  9. 9. Neste período de afastamento da escola e no retorno das aulas presenciais tornou-se indiscutível a urgência na recomposição dos processos de ensino e aceleração de aprendizagem com enfoque principalmente na língua portuguesa e na matemática, visto que as avaliações diagnósticas apontam desempenho abaixo do adequado em todas as faixas etárias, assim, na educação básica prioriza-se a alfabetização e o letramento, selecionando essas habilidades como essenciais e prioritárias (GUIMARÃES, 2022
  10. 10. 4. VIOLÊNCIA, AGRESSIVIDADE E INDISCIPLINA NO AMBIENTE ESCOLAR Com a reabertura da escola, essa parte da população, volta ao convívio social e escolar, nesse movimento de retorno observa-se que avultam-se as notícias sobre o aumento da violência nas escolas, esse fenômeno, não nos causa estranheza, visto que já existia antes da pandemia, no entanto agora se mostra mais intenso advindo do estresse vivenciado durante a pandemia. De certa forma é até natural que a escola enquanto instituição de ensino e espaço de convivência sinta os reflexos das violências sofridas pelos indivíduos ou pelos grupos mais vulneráveis que as exteriorizam no ambiente em que socializam.
  11. 11. 5.GESTÃO DE CONFLITOS E PRÁTICAS SAUDÁVEIS NO CONVÍVIO ESCOLAR Percebe-se que o conflito quando abordado corretamente, traz diversas vantagens, tais como: • Ajuda a regular as relações sociais; • ensina a ver o mundo pela perspectiva do outro; • permite o reconhecimento das diferenças, que não são ameaça, mas resultado natural de uma situação em que há recursos escassos; • ajuda a definir as identidades das partes que defendem suas posições; • permite perceber que o outro possui uma percepção diferente; • racionaliza as estratégias de competência e de cooperação; • ensina que a controvérsia é uma oportunidade de crescimento e de amadurecimento social. (CHRISPINO, 2007, p. 17).
  12. 12. Corroborando com essa premissa, segundo Gomes e Lobato (2021, p. 561) É necessário criar uma aprendizagem que, mesmo diante de um desentendimento ou conflito, os sujeitos possam dialogar, cientes que a ampliação do desentendimento não trará benefício a ninguém. […] E quanto mais exercício comunicativo diante de uma conversa qualificada, a tendência é menos conflito e menos violência escolar.
  13. 13. RODINHA DE CONVERSA
  14. 14. 6. À GUISA DE CONCLUSÃO: HUMANIZAR-SE... Frente a realidade vivenciada, nestes tempos de pós-pandemia, onde encontramos no contexto escolar, defasagem de aprendizagem, aumento da agressividade, da violência, da intolerância e da indisciplina faz-se necessário que a escola exerça o seu papel de agente de transformação da sociedade, não perpetuando as mazelas, mas desfazendo-as por meio de diversas estratégias didáticas, pedagógicas e dialógicas. Contudo, há de se pensar que antes de toda parafernália instrumental e tecnológica existe uma pessoa, que, antes de qualquer coisa, na condição de aprendente precisa vir a ser humano. Seguindo este princípio, docentes e alunos desenvolvem valores de compromisso e comprometimento com ensino e aprendizagem, de respeito, de empatia e de solidariedade nas relações intra e interpessoais, melhorando o ambiente e o convívio escolar.
  15. 15. 7. REFERÊNCIAS ARAÚJO, Ulisses F. Resolução de conflitos e assembleias escolares. Cadernos de Educação, Pelotas, n. 68, p. 115- 131, jul./dez. 2008. ARRUDA, Eucídio Pimenta. Educação Remota Emergencial: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos da Covid-19. Em Rede-Revista de Educação a Distância, v. 7, n. 1. pg. 257 à 275, 2020. AZEVEDO, Margarida (JC Coluna Enem e Educação). Educação pós pandemia: cenário é de aumento de desigualdades e retrocessos em indicadores de ensino. Disponível em: https://jc.ne10.uol.com.br/colunas/enem- e-educacao/2021/10/13617868-educacao-pos-pand emia-cenario-e-de-aumento-de-desigualdades-e-retrocesso- em-indicadores-do-ensino.html. Acesso em: 07 de set. 2022. BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018. BRASIL. Ministério da Saúde. Coronavírus. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/coronavirus. Acesso em: 07 de set. 2022. CHRISPINO, A. Gestão do conflito escolar: da classificação dos conflitos aos modelos de mediação. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.15, n.54, p. 11-28, jan./mar. 2007. GALVÃO, Isabel. Cenas do cotidiano escolar: Conflitos sim, violência não. Editora Vozes, 2ª edição, 2008. GATTI, Bernardete Angelina. Possível reconfiguração dos modelos educacionais pós- pandemia. Estudos avançados, v. 34, n. 100, pg. 29-42, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0103- 4014.2020.34100.003. Acesso em: 07 de set. 2022. GOMES, H. M.; LOBATO, V. S. Conflito escolar, diálogo e mediação de conflitos: interseções e contribuições pós-pandemia. Rev. @mbienteeducação, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 555-579, set./dez. 2021. e-ISSN: 1982-8632. DOI: https://doi.org/10.26843/v14.n3.2021.1075. P555-579. GUIMARÃES, Pedro. Recomposição das aprendizagens – O que é? Disponível em: https://uniplenaeducacional.com.br/blog/recomposicao-das-aprendizagens-o-que-e/. Acesso em: 07 de set. 2022. Linhares, M. B. M.; Enumo, S. R. F. (2020). Reflexões baseadas na Psicologia sobre efeitos da pandemia COVID-19 no desenvolvimento infantil. Estudos de Psicologia (Campinas), 37, e200089. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1982-0275202037e200089. Acesso em: 08 de set. 2022. MORAIS, Régis de. Violência e educação. São Paulo: Papirus, 1995. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico)

×