Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curricular e do perfil do aluno para o século XXI

2,581 views

Published on

3º Encontro "Leitur@s na vanguarda das Literacias" -
Rede de Bibliotecas Escolares
Casa Municipal da Cultura, 4 de Setembro de 2018.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curricular e do perfil do aluno para o século XXI

  1. 1. Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curricular e do perfil do aluno para o século XXI Sónia Cruz Escola Superior de Educação IPVC | soniacruz@ese.ipvc.pt
  2. 2. Alguns dados curiososA B C D Europa 2020 Portugal apanhando o comboio . O Papel da RBE Sumário E Prioridades para 18/19 Ideias-chave Projetos/Ideias .
  3. 3. Lemos mais ou lemos menos? Ao longo das décadas, nas bibliotecas públicas portuguesas … 108 leitores /1000 habitantes. 1960 146 leitores /1000. 1990 688 leitores /1000. 2000 826 leitores /1000. 2003 Your Text Here Fontes/Entidades: INE, PORDATA
  4. 4. Lemos mais ou lemos menos? Ao longo das décadas, o número de bibliotecas escolares… 164 bibliotecas 1997 2461 bibliotecas 2017 Your Text Here Fontes/Entidades: INE, PORDATA
  5. 5. Fontes/Entidades: INE, PORDATA
  6. 6. Europa 2020 Educação - reduzir para menos de 10% a taxa de abandono escolar - aumentar para, pelo menos, 40% a percentagem de pessoas entre os 30 e os 34 anos que concluíram estudos superiores.
  7. 7. Princípios Valores Áreas de Competência Base humanista Saber Aprendizagem Inclusão Coerência e flexibilidade Adaptabilidade e ousadia Sustentabilidade Estabilidade Responsabilidade e integridade Excelência e exigência Curiosidade, reflexão e inovação Cidadania e participação Liberdade Linguagens e Textos Informação e Comunicação Raciocínio e Resolução de Problemas Pensamento critico e criativo Relacionamento interpessoal Desenv. pessoal e autonomia Bem estar, saúde e ambiente Sensibilidade estética e artística Saber científico, técnico e tecnológico Consciência e domínio do corpo Despacho n.º 6478/2017, 26 de julho
  8. 8. Conhecimentos Capacidades Atitudes a) o que os alunos devem saber (os conteúdos de conhecimento disciplinar estruturado, indispensá- veis, articulados concetu- almente, relevantes e si- gnificativos); b) os processos cognitivo s que devem ativar para adquirir esse conheci- mento (operações/ações necessárias para apren- der); c) o saber fazer a ele associado (mostrar que aprendeu), numa dada disciplina — na sua especi- ficidade e na articulação horizon- tal entre os conhecimentos de várias disciplinas —, num dado ano de escolaridade. Despacho n.º 6944-A/2018, de 19 de julho.
  9. 9. Exemplo:
  10. 10. 1º grupo 2º grupo 3º grupo Direitos Humanos (civis e políticos, económicos, so ciais e culturais e de soli- dariedade); Igualdade de Género; Interculturalidade (diversi dade cultural e religiosa); Desenvolvimento Susten- tável; Educação Ambiental; Saúde (promoção da saú de, saúde pública, alimen tação, exercício físico). Sexualidade (diversidade, direitos, saúde sexual e reprodutiva); Media; Instituições e participação democrática. Literacia financeira e edu cação para o consumo; Segurança rodoviária; Risco. Empreendedorismo (na suas vertentes económica e social); Mundo do Trabalho; Segurança, Defesa e Paz; Bem-estar animal; Voluntariado. Outras (de acordo com as ne- cessidades de educação para a cidadania diagnosticadas pe- la escola). obrigatório para todos os níveis e ciclos de escolaridade obrigatório em pelo me- nos dois ciclos do ensi- no básico com aplicação opcional em qualquer ano de esco- laridade.
  11. 11. O PAPEL DA RBE
  12. 12. A Estratégia Europa 2020 suscitou a necessidade de definição, por parte do Programa Rede de Bibliotecas Escolares (RBE),de um conjunto de áreas e linhas prioritárias de intervenção, que lhe permitam orientar a sua ação e contribuir para a concretiza- ção da melhoria das habilitações literárias e qualificações da população portuguesa. O Quadro estratégico 2014-2020 funciona como guia da atividade da RBE e como instrumento orientador dos planos de melhoria das bibliotecas. In PROGRAMA REDE DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. QUADRO ESTRATÉGICO: 2014-2020, p.8
  13. 13. Que prioridades para 2018/2019?
  14. 14. Prioridades da Rede de Bibliotecas Escolares 2018/2019 reforço das literacias digitais. 6 promoção da inovação pedagógica e da flexibilidade curricular 4 desenvolvimento de instrumentos para a avaliação da competência leitora; 3 trabalho mais aprofundado com as escolas de 1.º ciclo implementação do referencial “Aprender com a Biblioteca Escolar” 2 capacidade Educação para a Cidadania 5 1 R B E
  15. 15. 01 Um trabalho mais aprofundado com as escolas de 1.º ciclo, integrando as bibliotecas nas dinâmicas de trabalho em s ala de aula e formando os professores titulares de turma em práticas de formação de leitores e dinamização de literacia f amiliar. - Exemplos: 1. Criar uma Biblioteca Sonora (consiste em disponibilizar histórias gravadas ao leitor); 2. Brincar com Livros Ilustrados (consiste em comparar, por exemplo, várias versões da mesma histó- ria: caracterização das personagens, descrição das ações, conclusão); 3. Realizar um Videoclip para Apresentar Livros (consiste na apresentação de livros à maneira de um videoclip) 4. Adaptar um Livro (consiste na adaptação de um livro, por exemplo, a uma peça de teatro, a um fil- me, a uma banda desenhada ou a um vídeo. Estas adaptações podem, pois, ser concretizadas a- través da expressão plástica, da expressão dramática, da expressão oral ou da escrita); - Aumentar a interação entre Professor bibliotecário e professores do 1.º ciclo (através do referencial “Aprender com a Biblioteca Escolar”) Christian Poslaniec (2005)
  16. 16. Máscaras – atividade quebra gelo - Promove a leitura em voz alta em cri- anças mais tímidas ou com baixo auto conceito. - As máscaras ou até roupas velhas dos pais ou avós podem ser um ótimo estímulo para dar início à história. - Material: -Máscaras; Roupas velhas; Acessó- rios variados; Perucas… Proposta 1 - Desenvolvimento: - A) Leitura: - Quando a criança se sente desconfortável a ler em voz alta, podemos pedir-lhe que coloque uma máscara. Normalmente aceitam felizes. Agora, ao iniciar a atividade, não é a criança que está a fazer, mas sim o gato, o coelho ou o super-herói que está a tapar a sua cara. - B) Conta-me uma história: - Deixar a criança escolher a sua indumentária, criando assim a sua personagem para a história que nos vai contar. - Pode ser jogado sozinho, mas em grupo é muito divertido e estimulante, pois vai criar situações/problemas para solucio- nar. www.facebook.com/oficinacompinta
  17. 17. Armário – atividade quebra gelo - O muito conhecido medo da página em branco ataca muitas vezes! Indiscriminadamente, adultos e crianças s ão seus reféns. Vamos desbloquear. - Material: - Armário de brincar (pequeno); Lista de palavras; - Desenvolvimento: - A) conta-me uma história: - Dentro de cada gaveta do armário vamos colocar palavras diversas, bem dobradinhas. Pedimos às crian- ças que retire uma palavra da gaveta com uma pinça ou com os olhos vendados, ou a saltar ao pé-coxi- nho – estamos a organizar um ritual, algo que funciona muito bem para nos retirar de situações descon- fortáveis). - Com as palavras que vai retirando, pedimos que comece a organizar a sua história. Proposta 2
  18. 18. 01 Iniciativas de literacia familiar: Biblioteca Municipal José Saramago (Beja) - Rotas de Leitura. A participação dos Pais foi planeada a partir da organização de clubes de leitura, organizados por faixas etárias, destinados a famílias. A intervenção é acompanhada por mediadores qualificados, técnicos da biblioteca ou docentes convidados. Através destas iniciativas pretende-se promover a descoberta do livro e da leitura, bem como dotar os Pais de estratégias para promoverem competências de literacia nos filhos. As atividades proporcionadas englobam sessões realizadas na biblioteca, a visita a exposições, espetáculos e encontros com ilustradores e escritores.
  19. 19. 02 A implementação do referencial “Aprender com a Biblioteca Escolar”, que preconiza metodologias de trabalho cooperativo entre professores, colocando a biblioteca no centro das atividades da escola e explora o trabalho dos professores bibliotecários como mediadores de aprendizagens; A RBE disponibiliza também um conjunto de exemplos de atividades para aprender com a biblioteca escolar e que preconiza o trabalho cooperativo entre professores. organizadas em três áreas: - Pré-escolar - 1.º ciclo - 2.º ciclo - 3.º ciclo - Secundário organizadas por ciclos:
  20. 20. 02 A implementação do referencial “Aprender com a Biblioteca Escolar”, que preconiza metodologias de trabalho cooperativo entre professores, colocando a biblioteca no centro das atividades da escola e explora o trabalho dos professores bibliotecários como mediadores de aprendizagens;
  21. 21. 03 A promoção de um trabalho de avaliação das literacias, através do desenvolvimento de instrumentos rigorosos para a avaliação da competência leitora; O estudo “Para a Avaliação do Desempenho de Leitura” identifica, analisa e aprecia 26 instrumentos de avaliação já testados que podem ser adaptados a fim de chegar à definição de referenciais de desempenho de leitura (Benchmarks).
  22. 22. 04 A promoção da inovação pedagógica e da flexibilidade curricular a partir da biblioteca escolar, enquanto es paço privilegiado do cruzamento de saberes disciplinares e do acesso a múltiplos recursos; Exploração de “Caixas do saber” - Articulação entre várias professores de várias disciplinas para a criação de caixas que contêm informação em diferentes suportes sobre diferentes áreas do saber (Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar).
  23. 23. 04 A promoção da inovação pedagógica e da flexibilidade curricular a partir da biblioteca escolar, enquanto es paço privilegiado do cruzamento de saberes disciplinares e do acesso a múltiplos recursos; Proposta - As “Caixas de Saber” são caixas que contêm informação em diferentes suportes (livros, fotografias, artefactos,…) sobre as diferentes áreas do saber (História, EV, ET, Ciências…), permitindo uma utilização versátil. - Os alunos (individualmente ou em pares) teriam que preencher as grelhas de verificação da informação.
  24. 24. 04
  25. 25. 05 Manual com 9 propostas didáticas (1.º e 2º ciclos) para respon der aos desafios que se colocam a educadores quando pretendem abordar temas de Educação para o Desenvolvimento (ED) e de Educação para a Cidadania Global (ECG). O recurso tem por base o Referencial de Educação para o Desenvolvimento. Está pensado numa perspetiva de integração dos objetivos de ED/ CG nos currículos específicos de cada área disciplinar, dando origem a uma prática educativa orientada para a formação de cida dãos globais. A implementação da Estratégia Nacional aos temas da atualidade e no acesso a recursos que lhes permitam desenvolver conhecimentos e capacidade Educação para a Cidadania, através da capacitação das bibliotecas com instrumentos de participação dos alunos no comentário de crítica;
  26. 26. 05
  27. 27. 06 O reforço das literacias digitais, através da promoção de leitura em diferentes formatos e da promoção da competência de leitura em texto e hipertexto. - Utilização de ferramentas da Web 2.0 (youtube, teachertube, flickr, podcast, blogue…). - Aposta nos clubes de leitura virtuais e nos sítios Web com o intuito de motivar os alunos para a leitura: - Catalivros, (www.catalivros.org); - Casa da Leitura (www.casadaleitura.org) - aproxima os jovens leitores de um conjunto de títulos essenciais da literatura para infância e juventude, com destaque para a produção nacional, assentando no carácter lúdico e interativo das narrativas e desafios propostos. - Coleção de Leitura Júnior (www.junior.te.pt/literatura_junior/index.html) - destina-se a crianças com informação, diversão e atividades em áreas diversas, adequado aos três diferentes níveis etários (Pré-escolar,1º Ciclo e 2º Ciclos).
  28. 28. 06
  29. 29. Ideias-chave A biblioteca escolar constitui um lugar de interseções, colaboração e inclusão para o desenvolvimento de múltiplas literacias com vista à concretização da flexibilidade curricular e do perfil do aluno. Cabe ao Professor Bibliotecário potenciar a promoção e o desenvolvimento de competências no domí nio da literacia da informação de modo a desenvolv er nos jovens leitores uma leitura compreensiva d o que se lê a fim de ser capaz de selecionar e tratar a informação transformando-a em conhecimento mobilizável. O elemento-chave é o professor e as suas convicções. Melhor que ninguém, o professor conhece a realidade dos alunos. É o agente transformador da mudança qu e se espera. É a voz da esperança num mundo melhor.
  30. 30. 12 e 13 de outubro 2018 Escola Superior de Educação de Viana do Castelo Inscreva-se em: https://eippese.wixsite.com/2018
  31. 31. Escola Superior de Educação Av. Cap. Gaspar de Castro 4901-908 Viana do Castelo MUITO OBRIGADA PELA VOSSA ATENÇÃO! Apresentação disponível no slideshare/soniacruz soniacruz@ese.ipvc.pt ucp.academia.edu/SóniaCruz | Universidade de Coimbra
  32. 32. “A biblioteca é a casa Desse eterno leitor aprendiz Que lendo e relendo, Vai descobrindo e esquecendo, Assim como quem diz: “Cada livro que descubro É apenas mais um passo Para me sentir feliz.” José Jorge Letria (2003)

×