Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Interação Humano-Computador - Design para Experiência

1,638 views

Published on

Capítulo: Design para Experiência do livro de Interação Humano-Computador do autor David Benyon, apresentado pelo professor Me. Wellington Pinto de Oliveira.

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Interação Humano-Computador - Design para Experiência

  1. 1. IHC Design para a experiência
  2. 2. Objetivos • Discutir ideias sobre experiência e as diferentes tradições das quais se originam os conceitos; • Entender o modelo de experiência de Nathan Shedroff; • Entender o "design para o prazer"; • Ser capaz de aplicar técnicas para entender a resposta emocional das pessoas aos produtos; • Entender a importância da estética; • Entender o design de serviços.
  3. 3. Introdução • O design para a experiência reconhece que produtos e serviços interativos simplesmente não existem no mundo, mas que afetam quem nós somos.
  4. 4. Envolvimento • Nathan Sedroff (SHEDROFF, 2001) em seu trabalho identifica elementos chaves para o envolvimento: • Identidade • Adaptatividade • Narrativa • Imersão • Fluxo.
  5. 5. Identidade • A autenticidade é necessária para a identidade e a expressão do eu. • Se você está envolvido em alguma experiência e algo acontece que de repente o lembra de que ela não é real, a autenticidade da experiência se perde.
  6. 6. Adaptatividade • Mudança e personalização, com diferentes níveis de dificuldade, ritmo e movimento.
  7. 7. Narrativa • A boa história com personagens, trama e suspende convincente.
  8. 8. Imersão • Sensação de estar totalmente envolvido dentro de algo, de ser tomado e transportado para outro lugar.
  9. 9. Fluxo • Sensação de movimento suave, a alteração de um estado para outro.
  10. 10. Design para o prazer • O prazer é um ponto focal para muitas situações de design que antes eram predominantemente voltados para os aspectos funcionais da usabilidade.
  11. 11. Design para o prazer • A propaganda do MacBook Air da Apple diz que ele é leve e elegante, com uma atraente caixa de titânico.
  12. 12. Quatro Prazeres • Fisioprazer: Preocupa-se com o corpo e os sentidos; • Socioprazer: Surge dos relacionamentos com os outros usuários; • Psicoprazer: Refere-se ao prazer cognitivo ou emocional; • Ideoprazer: Refere-se as ideologias, ou seja, os valores.
  13. 13. Exemplo MackBook • Fisioprazer: A máquina é leve, a textura da caixa de titânio é agradável e o teclado é responsivo; • Socioprazer: Quando visto com um MackBook melhora a imagem, fazer parte de um pequeno grupo de entusiastas da Apple;
  14. 14. Exemplo MackBook • Psicoprazer: O MackBook proporciona integração relativamente sem discrepância entre diferentes meios e, assim, gera satisfação ao agilizar várias tarefas de trabalho; • Ideoprazer: Para alguns consumidores, os produtos da Apple continuam sendo a corporificação da independência, criatividade e liberdade de pensamento..
  15. 15. Técnica do design para o prazer • Analisar os produtos que existem é muito bom como maneira de pensar nos diferentes aspectos do prazer ou através do entendimento das personas envolvidas.
  16. 16. Titulo • xx.
  17. 17. Lista de verificação do prazer e o índice de prazer com produtos • Esta técnica implica desenvolver conjunto de três ou quatro afirmações para cada um dos quatro prazeres. • psicoprazer: isso torna minha vida mais fácil; • ideoprazer: o uso de materiais reciclados me agrada; • socioprazer: meus amigos ficariam com inveja se me vissem usando isso; • fisioprazer: como é confortável o teclado deste equipamento.
  18. 18. Laddering • Esta técnica derivada da pesquisa de mercado pode ser eficaz para chegar às motivações e aos valores subjacentes das pessoas e é, portanto, particularmente útil para explorar o ideoprazer.
  19. 19. Laddering
  20. 20. Laddering
  21. 21. Laddering
  22. 22. Teoria do apego ao produto • Segundo Zimmerman (ZIMMERMAN, 2009) o apego ao produto tem a ver com os sentimentos que as pessoas têm pelos produtos e as maneiras nas quais eles adquirem significados para elas.
  23. 23. Estética • A estética é uma grande área de estudo que se preocupa com a apreciação humana da beleza e com a forma como as coisas são percebidas, sentidas e julgadas.
  24. 24. Design de Seviços • Gilliam Crampton Smith (SMITH, 2004) argumenta que "O trabalho do design agora não é apenas projetar o dispositivo, o software e a maneira de interagir com ele, mas de projetar toda a experiência do serviço de forma que ela seja coerente e satisfatória”.
  25. 25. Design de Seviços • Para Dan Saffer (SAFFER, 2008) um serviço é uma cadeia de atividades que formam um processo e que têm valor.
  26. 26. Referência • BENYON, David. Interação HumanoComputador. 2. ed. São Paulo: Pearson, 2011.

×