Aula De Quimica Organica Petroleo 2

41,282 views

Published on

maravilhosa

Published in: Technology, Education
1 Comment
10 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
41,282
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
336
Actions
Shares
0
Downloads
1,167
Comments
1
Likes
10
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula De Quimica Organica Petroleo 2

  1. 1. Aula de Química Orgânica Prof. Leonardo Pimentel e Carlos Renato Petróleo
  2. 2. Introdução Petróleo significa óleo de pedra . Ele é encontrado na natureza associado a camadas de rochas sedimentares. É resultado do acúmulo de seres vivos que foram soterrados em mares rasos a milhões de anos. Hoje, o petróleo pode ser encontrado tanto no continente como sob os oceanos. É insolúvel e menos denso do que a água.
  3. 3. Introdução Utilizado por nossos ancestrais para impermeabilizar barcos, iluminação de ruas, unir pedras nas construções e até para preservar os seus mortos. A indústria do petróleo começou nos E.U.A. com a perfuração do primeiro poço produtor em 1859. No Brasil, a primeira jazida de petróleo foi descoberta em 1939, no município de Lobato – BA. A Petrobrás é criada em 3 de outubro de 1953.
  4. 4. Composição Todo petróleo em estado natural é uma mistura complexa de hidrocarbonetos. <ul><li>DIVISÃO: - Base Parafínica (90% de alcanos). </li></ul><ul><li>Base Naftênica (alcanos + 15 a 20% de ciclanos). </li></ul><ul><li>- Base Aromática (alcanos + 25 a 30% de aromáticos). - Base Asfáltica (Hc de massa molar elevada). </li></ul>O petróleo brasileiro é essencialmente de base parafínica.
  5. 5. Perfuração Uma jazida petrolífera contém água salgada e mistura gasosa, principalmente metano, quando o local é perfurado a pressão dos gases faz com que o petróleo jorre para fora. Posteriormente é necessário bombear - petróleo bruto. Separações antes do refino: Decantação: Petróleo da água salgada. O petróleo é menos denso que a água por isso fica na parte superior. Filtração: separar areia e argila.
  6. 6. O refino
  7. 7. O refino O petróleo entra por uma fornalha onde é vaporizado; a seguir passa por uma torre de destilação (destilação fracionada) onde é separado em várias frações. O resíduo da primeira torre é reaquecido e vai para uma segunda torre de destilação à vácuo (pressão reduzida) saindo óleos lubrificantes e o resíduo final que é o asfalto.
  8. 8. O refino
  9. 9. As frações Quanto maior é a massa molar, maior é a temperatura de ebulição Velas, alimentos, cosméticos. 470 a 650º C Sólidos de massa molar elevada acima (C 36 H 74 ) Parafina Pavimentação ------------- HC parafínicos, aromáticos, heterocíclicos. Asfalto Lubrificante 300 a 400º C 16 a 20 carbonos Óleo lubrificante Combustível 250 a 300º C 15 a 18 carbonos Óleo diesel Combustível 40 a 200º C 6 a 12 carbonos Gasolina Solvente Orgânico 60 a 90º C 7 a 8 carbonos Benzina Solvente orgânico 20 a 60º C 5 a 6 carbonos Éter de petróleo Gás de cozinha, Combustível - 42 a 20º C 3 a 4 carbonos GLP (gás liquefeito do petróleo) Combustível -162 a -75º C 1 a 2 carbonos Gás natural Utilização PE / ºC Composição Frações
  10. 10. O Barril (158,98 L) APROVEITAMENTO DE UM BARRIL DE PETRÓLEO: 1,8 Asfaltos 16,5 Óleos combustíveis 1,2 Óleos lubrificantes e parafinas 6,7 Derivados diversos 34,1 Óleo diesel 4,7 Querosene 11,2 Naftas e solventes 16,1 Gasolina 7,7 GLP PORCENTAGEM DERIVADO
  11. 11. Cracking Método que permite a quebra de 1 molécula de óleo (compostos com 15 a 18 carbonos) em 2 moléculas menores ( 6 a 12 átomos de carbono ) através do aquecimento desse óleo à uma temperatura de aproximadamente 500°C utilizando um catalisador apropriado. Este processo é chamado de pirólise ou craqueamento catalítico. Ex: C 16 H 34 C 8 H 18 + 4 C 2 H 4 Óleo diesel gasolina alqueno craqueamento
  12. 12. Reforming A reformação catalítica é um processo de refinação com duas principais finalidades: a) conversão de combustível de baixo IO (índice de octano) em outra de maior IO; b) produção de hidrocarbonetos aromáticos.
  13. 13. Octanagem Octanagem é a denominação dada à capacidade que um combustível tem de resistir à compressão, sem entrar em processo de detonação (queima espontânea da mistura). Quanto maior a octanagem, maior será a resistência a esse fenômeno, muito prejudicial ao motor. gasolina de baixa octanagem (não resiste à compressão) sofre combustão prematura, pela simples compressão. gasolina de alta octanagem (resiste à compresão) sofre combustão diante de uma faísca produzida pela vela do motor.
  14. 14. Octanagem O índice de octanagem da gasolina brasileira é 86, ou seja, comporta-se como uma mistura contendo 86% de isoctano e 14% de heptano. Menor resistência á combustão por compressão heptano (valor 0) Maior resistência á combustão por compressão isooctano (valor 100)
  15. 15. Gasolina no Brasil Desde janeiro de 1992, a gasolina brasileira é isenta de chumbo. O chumbo era utilizado mundialmente para aumentar a octanagem da gasolina, mas, por questões ambientais, vem sendo gradualmente eliminado. O Brasil foi um dos pioneiros na eliminação deste componente da gasolina. Antidetonante da gasolina abolido a alguns anos. Tetraetil - chumbo
  16. 16. Gasolina no Brasil No Brasil, é utilizada uma gasolina única no mundo, pois trata-se de uma mistura de 76% de gasolina e 24% de álcool etílico (etanol). O teor de álcool na gasolina é especificado pela Agência Nacional do Petróleo - ANP, e é objeto de lei federal. Atualmente, estão à disposição dos consumidores brasileiros três tipos de gasolina: comum, comum aditivada e alta octanagem (premium e podium).
  17. 17. Gasolina no Brasil
  18. 18. Gasolina no Brasil PREÇO DA GASOLINA (Ref. PETROBRÁS) TOTAL = 2,50 R$/ LITRO 26% 0,65 Petrobrás 21% 0,525 CIDE + PIS/CONFINS 32% 0,8 ICMS 6% 0,15 Álcool Anidro 15% 0,375 Distribuição e revenda Porcentagem Preço (R$ / L) Referência
  19. 19. Complemento <ul><li>GÁS NATURAL: Mistura gasosa formada por metano (70 a 90%), etano( 0,5 a 7%), outros alcanos, H 2 S, CO 2 , N 2 . </li></ul><ul><li>Encontrado em jazidas subterrâneas misturado ou não ao petróleo. </li></ul><ul><li>Combustível e matéria-prima na indústria petroquímica. </li></ul><ul><li>No Brasil: Bacia de Campos - RJ, Espírito Santo, Amazonas, Acre e Rondônia. </li></ul>
  20. 20. Carvão Mineral <ul><li>TURFA ( 60 A 65% DE C) </li></ul><ul><li>LINHITO (65 A 80% DE C) </li></ul><ul><li>HULHA (80 A 90% DE C) </li></ul><ul><li>ANTRACITO (90 A 95% DE C) </li></ul><ul><li>No sentido da seta, temos: </li></ul><ul><li>idade geológica crescente; </li></ul><ul><li>teores de H, O, N, etc. decrescente; </li></ul><ul><li>carbonificação crescente </li></ul><ul><li>poder calorífico crescente. </li></ul>
  21. 21. Carvão Mineral <ul><li>A destilação seca da hulha à 1 000º C fornece: </li></ul><ul><li>gás da hulha : mistura de H 2 , CH 4 , CO; </li></ul><ul><li>águas amoniacais : solução de NH 4 OH e seus sais; </li></ul><ul><li>alcatrão da hulha : líquido oleoso, escuro, formado principalmente por aromáticos; </li></ul><ul><li>carvão coque : principal produto, usado com redutor em metalurgia. </li></ul>

×