SlideShare a Scribd company logo
94 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT
ARTIGOS
INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO
SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE
LOUISDUMONT
CLARA VIRGÍNIA DE QUEIROZ PINHEIRO
Professora do Curso de Mestrado em Psicologia da UNIFOR,
Doutoranda em Saúde Coletiva do IMS pela UERJ.
E-mail: claravirginia@hotmail.com
RESUMO
Trata-se, no presente texto, de examinar alguns aspectos da
cultura individualista, característica da sociedade moderna, a partir
da teoria de Louis Dumont. Para isto se estabelecem os
fundamentos da perspectiva dumontiana, precisando sua
orientação metodológica e seus conceitos centrais.
Palavras-chave: ética, individualismo, Louis Dumont, modernidade,
sociedade
ABSTRACT
The text examines some aspects of individualistic culture, as a
characteristic of modern society, from Louis Dumont theory. It
establishes the basis of Dumont approach, specifying his
methodological trend and his central concepts.
Key words: ethics, individualism, Louis Dumont, modern age,
society
95REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001
ARTIGOS
A problemática da relação indivíduo e sociedade é essencial
na modernidade e é tratada freqüentemente em termos de um
antagonismo entre os dois pólos da questão. No entanto, conforme
indicações de Ellias (1994) não se pode considerar tal tema como se
fosse uma questão de fato, no sentido de referir-se ao indivíduo,
enquanto unidade, que se opõe à sociedade, ou seja, em uma
dimensão ontológica, mas consiste em examiná-la enquanto
realidade histórica e, assim, em seu caráter ético. Desta forma,
podemos afirmar que essa questão foi produzida na modernidade e
diz respeito ao fato de que somente o homem moderno se reconhece
como indivíduo. Nesse sentido, se pensa como autônomo em relação
a qualquer instância exterior a ele próprio, toma a si mesmo como
fonte e sede absoluta de todos os sentidos de sua existência,
desconhece qualquer dependência de laços sociais. Neste contexto,
as referências coletivas constituem um problema, surgindo daí a
questão de saber a natureza, as possibilidades e limites da relação
indivíduo e sociedade.
No exame desta questão destacam-se duas perspectivas
teóricas e metodológicas, que, podemos dizer de acordo com Reis
(1989), são fundamentos prototípicos das ciências humanas. Assim,
temos, de um lado, o ponto de vista que parte do indivíduo como
realidade em si mesma, dado primeiro, irredutível e sua socialização;
na base dessa perspectiva situa-se Max Weber. Do outro lado, o
pensamento que parte da totalidade social, enquanto natureza
intrínseca da experiência humana, tendo, como expoente primeiro,
Durkheim.
Acompanhamos aqui os estudos de Louis Dumont que, a
partir de uma visão antropológica, inspirada nos ensinamentos de
Mauss a respeito da dupla referência fundamental à sociedade global
e ao estudo comparativo, apresenta uma tese de fôlego sobre a
problemática da relação indivíduo e sociedade, a partir da qual
analisa o individualismo da sociedade moderna. Consideramos que
essa concepção possibilita uma visão crítica e relativizada frente às
tendências de lidar com a noção de indivíduo em termos absolutos e
naturais, como também, às posições messiânicas de superação do
individualismo.
Segue-se, então, uma leitura que é menos uma análise crítica
da teoria dumontiana, do que uma tentativa de elaboração de seus
96 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT
ARTIGOS
pressupostos teóricos e metodológicos, visando estabelecer
fundamentos que permitam uma abordagem diferenciada, no sentido
de ser etnológica, dos temas psicológicos, mais especificamente, da
psicanálise que constitui a área de nossa investigação.
Com base em seus estudos sobre a sociedade de casta
indiana, cuja organização escapava a uma compreensão fundada nas
categorias das sociedades modernas, Dumont estabelece um método
comparativo das diferenças fundamentais entre as sociedades,
distinguindo, assim, sociedades tradicionais, cujo modelo é
sociedade de castas indianas, e sociedades modernas. Os
fundamentos dessas diferenças encontram-se nos princípios
cardeais, quais sejam holismo, característico das culturas
tradicionais, e, no tipo de cultura moderna, o individualismo, aos quais
estão associadas, necessariamente, as categorias de hierarquia e
igualdade, respectivamente.
Holismo e individualismo constituem dois conjuntos de
representações sociais, duas configurações de idéias e valores
característicos de uma dada sociedade, enfim, conforme
conceituação dumontiana, duas ideologias. Isto significa dizer que o
sentido de individualismo não se refere ao indivíduo empírico, à
unidade do grupo social, mas à dimensão moral do termo que diz
respeito à forma de consciência do homem moderno de pensar a si
mesmo como indivíduo, logo, como autônomo em relação ao grupo
social. Nesse sentido, trata-se de estudar o individualismo como
cultura, desta forma, como totalidade, embora seja característico
dessa cultura não se reconhecer enquanto tal.
... nós chamamos ideologia o conjunto de idéias e valores – ou
representações – comuns em uma sociedade, ou correntes
em um meio social dado.
Não se trata aqui, de procurar estabelecer uma distinção,
mais ou menos substancial, entre ideologia de um lado, e de
outro a ciência, a racionalidade, a verdade, a filosofia. (...) Que
uma representação particular no conjunto seja julgada
“verdadeiro” ou “falso”, “racional” ou “tradicional”, “científico”
não tem nada a ver com a natureza social da coisa1
(Dumont,
1977, p. 26).
Dumont analisa as ideologias a partir de uma perspectiva
97REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001
ARTIGOS
metodológica que ele define como hierárquica, que consiste em tomá-
las enquanto totalidades, cujas partes se relacionam de forma
interdependente e subordinadas ao todo, constituindo um tipo de
relação que ele denomina de “englobamento do contrário”, que
consiste numa identidade entre seus elementos em um nível e, em
outro, contradição, rompendo, assim, com o modelo da lógica
aristotélica. Daí, conforme podemos compreender, Dumont afirmar
que sua análise comparativa implica o estudo da ideologia e do não
ideológico.2
Da mesma maneira, podemos dizer, como nos indica
Duarte (1986) que a ideologia holista e a ideologia individualista
estabelecem entre si uma relação hierárquica, constituindo assim
uma totalidade, na qual o individualismo se situa em um nível
subordinado em relação ao holismo, com a única exceção do caso
moderno. Desta forma, Dumont estabelece distinções entre sua teoria
e a concepção estrutural e positivista, na medida em que atribui
importância cardeal ao valor, o qual imprime diferenças de níveis
entre as partes na organização da totalidade. Em outros termos, na
análise de um universo dividido em duas partes, a perspectiva
hierárquica não reconhece a simetria entre elas, isto é, que ambas
são idênticas, como numa visão estrutural, nem tampouco estabelece
uma relação excludente, ou seja, uma parte exclui a outra, ou é uma
ou outra, como na concepção positivista. Vejamos a longa, mas
inevitável, citação de Dumont (1997, p. 371-372):
Consideremos um universo de discurso, figurado por um
retângulo, dividido em duas classes ou categorias sem resto
nem recobertura. Há dois casos possíveis. No primeiro caso,
o retângulo é dividido em partes justapostas, dois retângulos
menores A e B. Tomadas em conjunto, as duas classes A e B
esgotam o universo do discurso. Pode-se dizer que elas sejam
complementares em relação a esse universo, ou ainda
contraditória, no sentido de que uma exclui a outra e de que
não existe uma terceira possibilidade. No primeiro caso,
considera-se o universo do discurso em sua constituição
(perspectiva estrutural); no segundo, considera-se
essencialmente uma das duas classes e sua relação lógica à
outra, ou, se quiser, considera-se a relação entre as duas
classes, sendo o universo do discurso apenas implicado no
98 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT
ARTIGOS
plano de fundo da relação (perspectiva substancial).
No caso da hierarquia, a classe X é extensiva ao universo do
discurso, e a outra é distinguida no interior da primeira, como
retângulo Y contido em X:Y faz parte de X e ao mesmo tempo
dele difere. (...) A hierarquia consiste na combinação dessas
duas posições de nível diferente. Na hierarquia assim
definida, a complementaridade ou contradição está contida
numa unidade de ordem superior. Mas, tão logo confundamos
os dois níveis, obtemos um escândalo lógico, porque não
existe ao mesmo tempo identidade e contradição.
O modelo hierárquico implica um caráter de universalidade
das estruturas em oposição. Tal universalismo implica pensar que as
ideologias não se modificam ou não são ultrapassadas, o que é objeto
de críticas dos estudiosos da área.3
Entretanto, segundo Dumont, o
que pode ocorrer, em termos de temporalidade, é a produção de
níveis diferentes sem, no entanto, alterar o quadro global. Portanto,
holismo e individualismo constituem os fundamentos universais das
relações humanas, sendo o holismo a posição dominante e o
individualismo o nível subordinado, com exceção, como já dissemos,
da configuração moderna. Isto porque, conforme afirmações de
Dumont (1993, p. 253) ... a comparação implica um fundamento
universal: é necessário que, em última análise, as culturas não
pareçam tão independentes umas das outras quanto pretenderiam e
sua coesão interna parece assegurar.
Achamos que a perspectiva hierárquica de Dumont é um
instrumento de análise muito competente que permite o exame das
mais variadas questões humanas nas suas relações de dependências
e implicações sob a forma das referências fundamentais, de um lado,
o holismo e hierarquia e, do outro, o individualismo, igualdade e
liberdade, a partir dos quais os valores de análise se diferenciam, o
que permite a relativização dos modelos éticos bastante idealizados,
embora se possa dizer que, em certa medida, existe em Dumont uma
valorização da organização holista. Mas, sem dúvida nenhuma, esta
concepção metodológica rompe com uma tendência preconceituosa,
que consiste em estudar uma cultura a partir dos ideais de outra. Com
isso, como ressaltou Dumont, abre-se uma questão interessante para
a antropologia que diz respeito ao estatuto de uma intervenção em
99REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001
ARTIGOS
uma determinada sociedade com alegativas de abusos sociais, tendo
em vista os valores individualistas. Achamos que vale a pena citar
Dumont.
Uma associação humanitária entrou recentemente em guerra
contra “as mutilações” infligidas em certas sociedades em
“milhões de meninas e de adolescentes” (Le Monde, 28 de
abril de 1977). Trata-se de práticas ligadas à iniciação das
jovens. Por falta de competência deixo de lado os detalhes, as
localizações alegadas, os erros de interpretação, e formulo
somente o problema geral. Aí está um caso em que a
antropologia é posta diretamente em causa, e em que ela não
pode nem rejeitar em bloco os valores modernos que
fundamentam o protesto nem endossar simplesmente a
condenação pronunciada, o que poderia constituir uma
ingerência na vida coletiva de uma população. Idealmente,
vemo-nos obrigados, portanto, a estabelecer em cada caso,
segundo sua configuração própria, sob que forma e dentro de
que limites se justifica que o universalismo moderno
intervenha (ibid., nota de rodapé, p. 208).
A partir dessa orientação metodológica, Dumont estuda a
ideologia moderna, definindo três eixos de investigação, sendo o
primeiro genealógico, que, através da história das idéias, trata da
questão de saber como, a partir das sociedades tradicionais, se dá a
supremacia do individualismo; o segundo estuda as variações da
cultura moderna e o terceiro refere-se às implicações do
individualismo.
Na gênese do individualismo, Dumont traça um percurso que
parte das categorias de indivíduo-fora-do-mundo até indivíduo-no-
mundo. Desta forma, remonta aos primeiros séculos do cristianismo
a origem do indivíduo moderno, uma vez que a idéia da experiência do
homem, em relação com Deus, promove o aparecimento do
indivíduo-fora-do-mundo, que, nos moldes do renunciante indiano,
significa o abandono da vida mundana e relativização dos laços
sociais, objetivando desenvolver-se espiritualmente. Portanto, o
homem, em relação com Deus, implica uma autonomização em
relação a uma ordem social. Nesse contexto, se encontra uma
oposição hierárquica na qual o valor transcendente, absoluto,
100 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT
ARTIGOS
subordina os valores mundanos. O desenvolvimento deste processo
se dará no sentido de uma mundanização do valor supremo, na
medida em que a Igreja, elemento extramundano, se aproxima do
Estado e passa a ter ingerência sobre os valores do mundo, a partir
da referência ao supremo, restabelecendo o vínculo do indivíduo com
o espaço social. Este processo de individualização no mundo
intensifica-se com Calvino, que faz desaparecer a dualidade mundo/
extramundo, com a afirmação de Deus como vontade que se realiza
no mundo; assim, as coisas do mundo adquirem valores que estão
fora delas na medida em que dizem respeito a algo que não pertence
a este mundo, ou seja, o sentido do mundo se exterioriza dele
mesmo. Nesse sentido, é no mundo que o cristão cumpre os
desígnios divinos, provando sua absoluta submissão a Ele.
... a aplicação sistemática ás coisas deste mundo de um valor
extrínseco, imposto. Não um valor extraído de nossa pertença
ao mundo, de sua harmonia ou de nossa harmonia com ele,
mas um valor enraizado em nossa heterogeneidade em
relação a ele: a identificação de nossa vontade com a vontade
de Deus ... (ibid., p. 67).
Talvez não seja incorreto estabelecermos aqui uma
articulação com Foucault (1994), na medida em que atribui ao
cristianismo a fundação de uma modalidade ética característica da
forma de subjetivação do homem moderno, o sujeito psicológico,
quando inventa a prática da confissão, que implica no mergulho para
a profundidade do interior do indivíduo, buscando os indícios mais
sutis das manifestações do desejo, portanto, de sua verdade, que lhe
escapa e lhe é exterior, com o fim de uma purificação. Desta forma, é
possível afirmar, de acordo com esses autores, que a relação com
Deus, tal como foi instituída pelo cristianismo, implica a relação
consigo mesmo a qual assume a forma de uma busca da verdade de
si. Daí a supremacia da idéia de eu, fonte absoluta dos significados
da vida humana, que, como examina Russo (1993), passa a ser
sacralizado, na medida em que o mundo se objetiva.
A partir da filosofia sob o domínio do ideal racional, este
processo de individualização se desenvolve de forma laicizada, na
medida em que ocorre uma desvinculação do homem em relação à
101REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001
ARTIGOS
natureza e, também, podemos dizer, em relação aos valores
transcendentais.
Em outros termos, rompe-se o vínculo, estreito nas sociedade
tradicionais, entre realidade e ação, ou seja, de acordo com Dumont,
entre fato e valor.
Para Platão, o ser supremo era o Bem. Não havia desacordo
entre o Bem, o Verdadeiro e o Belo, e, no entanto, o Bem era
supremo, talvez por ser impossível conceber a mais alta
perfeição como inativa e indiferente, porque o Bem acrescenta
a dimensão da ação á contemplação. Pelo contrário, nós,
modernos, separamos ciência, estética e moral. E a natureza
da nossa ciência é tal que a sua própria existência explica, ou
melhor, implica a separação entre, de um lado, o verdadeiro,
do outro, o belo e o bem, e em particular entre ser e valor
moral, entre o que é e o que deve ser (Dumont, op. cit., p.
240).
Assim, a configuração moderna se caracteriza por uma
fragmentação enquanto totalidade, sendo pensada apenas por seus
elementos em si mesmos os quais não estão vinculados entre si por
relações de necessidade, mas somente por relações externas de
caráter de eficiência e interessam somente por razão instrumental.
Daí, a autonomia entre os diversos planos da vida social, a saber,
moral, política, religiosa, econômica, etc. Rompe-se a relação entre
as partes e o todo.
Esse processo alcança a sua plenitude na medida em que se
define cada vez mais o princípio fundamental subjacente à
configuração moderna, a saber, a valorização absoluta das relações
entre homens e coisas, o qual atinge a sua mais perfeita expressão
no campo econômico, ao invés das relações entre homens que
fundam as culturas holistas.
No estudo sobre a categoria do econômico na configuração
individualista, Dumont (1977) parte da afirmação de Adam Smith,
considerado o fundador da área econômica, enquanto emancipada
em relação ao político, a respeito dos sentimentos morais egoístas
como impulsionadores da atividade econômica, ou seja, o
desenvolvimento material, a prosperidade pública precisa da força
102 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT
ARTIGOS
dos interesses particulares dos indivíduos. No conjunto, esses
interesses se harmonizam entre si em função de um mecanismo que
Smith chama de “mão invisível”. Rasteando a gênese desse
pensamento econômico, que, como já foi dito, segundo afirmações
dumontiana, é considerado a realização plena da cultura
individualista, Dumont chega a Mandeville, atribuindo-lhe a gênese de
várias idéias morais presentes na nova arquitetura antropológica
estabelecida por Adam Smith.
Segundo Monzani (1995), a nova ordem de valores morais
defendida por Mandeville constitui o resultado de um processo que se
desenvolveu desde Hobbes, Locke e Condillac, o que culminou, como
expressa tão bem a concepção de Mandeville, na construção de um
novo campo moral, fundado nas noções de desejo e prazer como os
princípios cardeais da vida passional do homem moderno. Sigamos,
então, o percurso de Dumont para examinarmos o conjunto de idéias
e valores próprios do campo ético4
moderno.
Dumont examina o poema de Mandeville com o sugestivo
título “A Fábula das Abelhas ou Vícios Privados Benefícios Públicos”,
no qual trata de uma colméia, tomada como espelho da sociedade
humana, onde se vivia na riqueza e prosperidade e na qual os
indivíduos estavam livres de qualquer constrangimento aos seus
impulsos pessoais; até que, num dado momento, tomados por uma
nostalgia de virtude, clamam por uma sociedade pautada na
compaixão, humildade e simplicidade, no que são atendidos; o
resultado dessa mudança é uma sociedade inerte e pobre, tendendo
para seu desaparecimento.
Através desta alegoria, Mandeville, segundo análise de
Monzani (op. cit.), expõe duas ordens de valores que são
incompatíveis. De um lado, valores que levam em conta a riqueza
espiritual do homem em função de suas relações sociais e, do outro,
valores que implicam a predominância dos ideais de propriedades
materiais. Desta forma, os
... sujeitos são colocados frente a uma opção: ou a busca da
salvação pessoal e a conseqüente estagnação e deterioração
da sociedade, ou a atitude inversa. Ora, o sentido e o tom do
poema de Mandeville,(...), não podem deixar muita dúvida
com relação à posição ou à sua tese. Ele afirma claramente
103REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001
ARTIGOS
que o vício é tão necessário ao Estado quanto é a fome para
comer, e percebe muito bem que seus contemporâneos já
escolheram a Segunda via (ibid., p. 33).
Portanto, na perspectiva econômica, conforme analisa
Dumont, o social se constitui a partir da tendência dos indivíduos de
buscarem bens pessoais, movidos que são por sua natureza
desejante. Daí, o traço próprio do individualismo, da predominância
da relação entre homens e coisas, homens e seus objetos de desejo.
Em outros termos, os laços sociais não são as razões das relações
entre os homens, mas os objetos que venham a satisfazer os seus
desejos insaciáveis, característicos da natureza humana; o homem é,
deste modo, um consumidor nato. Assim, ... “mergulhando até a
origem” da sociedade, Mandeville achou que a satisfação das
necessidades materiais do homem é somente a razão pelas quais os
homens vivem em sociedade (Dumont, op. cit., p. 89).
Talvez seja possível pensar, apoiados nas indicações de
Monzani, que, se acrescentarmos o corpo entre os bens de consumo
da nossa cultura, podemos entender a explosão da sexualidade
assinalada por Foucault, a partir do século XIX.
Esta idéia de uma força que impulsiona os seres na busca
desenfreada de realizações, através das quais se individualizam ou,
mais radicalmente, se singularizam as ações no mundo, constitui a
lógica dominante da cultura moderna e foi gestada pelas idéias
religiosa e filosófica como também pela ciência, que, como a Biologia,
elaborou uma noção de vida, como nos fala Foucault, a qual é
pensada em termos de puro movimento dominada pela necessidade
funcional de realização e individuação. Daí, a aproximação que
Foucault (1966) estabelece:
A natureza já não sabe ser boa. Que a vida não possa mais
ser separada do assassínio, a natureza do mal, nem os
desejos da contranatureza, Sade o anunciava ao século XVIII,
cuja linguagem ele esgotava, bem como á idade moderna,
que por longo tempo quis condená-lo ao mutismo. Que se
desculpe a insolência (para com quem?): Les 120 jounées
são o reverso aveludado, maravilhoso, da Leçons
d’anatomie comparée ... .
Configura-se um campo no qual a idéia de indivíduo dominado
104 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT
ARTIGOS
por interesses egoístas, por desejos insaciáveis, marca o
estilhaçamento do conjunto na medida em que se subjetivam todos os
valores, os quais possuem, de forma absoluta, o caráter utilitário. A
análise de Dumont é, no mínimo (o que já é o máximo), detonadora
na medida em que faz tremer um campo caracterizado pela
supervalorização dos valores modernos, tomados como ideais
absolutos da humanidade.
NOTAS
1. Tradução livre a partir do original.
2. Esta compreensão é passível de outra leitura, pois, conforme
considerações de Duarte (1986), o que Dumont considera não-
ideológico não está claramente desenvolvido.
3. Sobre estas críticas, não foi possível no presente estudo examiná-
las.
4. Trabalhamos aqui com o sentido de ética tal como foi formulado por
Foucault (1984) em “História da Sexualidade II – O Uso dos Prazeres”.
Referências Bibliográficas
DUARTE, L. F. (1986). Da vida nervosa: na classe trabalhadora
urbana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar/CNPq.
DUMONT, L. (1977). Homo aequalis. Paris: Gallimard.
______. (1997). Homo hieráquicus: o sistema de castas e suas
implicações. São Paulo: EDUSP.
______. (1993). O individualismo: uma perspectiva antropológica da
ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco.
105REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001
ARTIGOS
ELLIAS, N. (1990). A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar.
FOUCAULT, M. (1976). História da sexualidade: a vontade de saber.
Rio de Janeiro: Graal, 1994. v. 1.
______. (1984). História da sexualidade: uso dos prazeres. 7 ed. Rio
de Janeiro: Graal, 1994. v. 2.
______. (1966). As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes,
1995.
MONZANI, L. R. (1995). Desejo e prazer na idade moderna.
Campinas: UNICAMP.
REIS, E. (1989). Reflexões sobre o homo sociologicus. Revista de
Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 4, n. 11.
RUSSO, J. (1993). Indivíduo e transcendência: algumas reflexões
sobre as modernas “religiões do eu”. In: A religião e a questão do
sujeito. Seminário. Centro João XXIII de Investigação e Ação Social.

More Related Content

What's hot

Jean-piaget-o-estruturalismo
 Jean-piaget-o-estruturalismo Jean-piaget-o-estruturalismo
Jean-piaget-o-estruturalismo
Kezia Viana Gonçalves
 
Pressupostos para a construção de uma sociologia das redes sociais
Pressupostos para a construção de uma sociologia das redes sociaisPressupostos para a construção de uma sociologia das redes sociais
Pressupostos para a construção de uma sociologia das redes sociais
Leonor Alves
 
Texto 5 vygotsky e marxismo
Texto 5 vygotsky e marxismoTexto 5 vygotsky e marxismo
Texto 5 vygotsky e marxismo
Psicologia_2015
 
Ideologia e adorno
Ideologia e adornoIdeologia e adorno
Ideologia e adorno
Patricia Á Carvalho
 
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introduçãoQuestões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Stefanie Rodrigues
 
Teorias da Complexidade
Teorias da ComplexidadeTeorias da Complexidade
Teorias da Complexidade
Lucila Pesce
 
Texto 7 homem em movimento
Texto 7 homem em movimentoTexto 7 homem em movimento
Texto 7 homem em movimento
Psicologia_2015
 
Volume x 2004
Volume x 2004Volume x 2004
Volume x 2004
estevaofernandes
 
Teorias da comunição resenha de consciência moral e agir comunicativo de jürg...
Teorias da comunição resenha de consciência moral e agir comunicativo de jürg...Teorias da comunição resenha de consciência moral e agir comunicativo de jürg...
Teorias da comunição resenha de consciência moral e agir comunicativo de jürg...
Professor Sérgio Duarte
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
Walkiria Carvalho
 
éTica e alteridade em habermas
éTica e alteridade em habermaséTica e alteridade em habermas
éTica e alteridade em habermas
masalas
 
Habermas moderação justificada (parte i)
Habermas   moderação justificada (parte i)Habermas   moderação justificada (parte i)
Habermas moderação justificada (parte i)
Rommel Luz
 
Texto 8 sócio histórica
Texto 8 sócio históricaTexto 8 sócio histórica
Texto 8 sócio histórica
Psicologia_2015
 
Recuero raquel. comunidades_virtuais_-_uma_abordagem_teorica
Recuero raquel. comunidades_virtuais_-_uma_abordagem_teoricaRecuero raquel. comunidades_virtuais_-_uma_abordagem_teorica
Recuero raquel. comunidades_virtuais_-_uma_abordagem_teorica
Danilo
 
A contribuição de Pierre Bourdieu nos estudos organizacionais
A contribuição de Pierre Bourdieu  nos estudos organizacionaisA contribuição de Pierre Bourdieu  nos estudos organizacionais
A contribuição de Pierre Bourdieu nos estudos organizacionais
Diólia de Carvalho Graziano
 
Introdução do pensamento complexo
Introdução do pensamento complexoIntrodução do pensamento complexo
Introdução do pensamento complexo
Danielle Cristhie Ribeiro Sales
 
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
Leonor Alves
 
Abelline psicologia social e pessoalidade
Abelline psicologia social e pessoalidadeAbelline psicologia social e pessoalidade
Abelline psicologia social e pessoalidade
Pritty Manhães
 
3. psicologia social
3. psicologia social3. psicologia social
3. psicologia social
Ludmylla Toledo
 
87115298 moscovici-representacoes-sociais
87115298 moscovici-representacoes-sociais87115298 moscovici-representacoes-sociais
87115298 moscovici-representacoes-sociais
sioliv
 

What's hot (20)

Jean-piaget-o-estruturalismo
 Jean-piaget-o-estruturalismo Jean-piaget-o-estruturalismo
Jean-piaget-o-estruturalismo
 
Pressupostos para a construção de uma sociologia das redes sociais
Pressupostos para a construção de uma sociologia das redes sociaisPressupostos para a construção de uma sociologia das redes sociais
Pressupostos para a construção de uma sociologia das redes sociais
 
Texto 5 vygotsky e marxismo
Texto 5 vygotsky e marxismoTexto 5 vygotsky e marxismo
Texto 5 vygotsky e marxismo
 
Ideologia e adorno
Ideologia e adornoIdeologia e adorno
Ideologia e adorno
 
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introduçãoQuestões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
Questões de psicologia - Livro psicologias uma nova introdução
 
Teorias da Complexidade
Teorias da ComplexidadeTeorias da Complexidade
Teorias da Complexidade
 
Texto 7 homem em movimento
Texto 7 homem em movimentoTexto 7 homem em movimento
Texto 7 homem em movimento
 
Volume x 2004
Volume x 2004Volume x 2004
Volume x 2004
 
Teorias da comunição resenha de consciência moral e agir comunicativo de jürg...
Teorias da comunição resenha de consciência moral e agir comunicativo de jürg...Teorias da comunição resenha de consciência moral e agir comunicativo de jürg...
Teorias da comunição resenha de consciência moral e agir comunicativo de jürg...
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
 
éTica e alteridade em habermas
éTica e alteridade em habermaséTica e alteridade em habermas
éTica e alteridade em habermas
 
Habermas moderação justificada (parte i)
Habermas   moderação justificada (parte i)Habermas   moderação justificada (parte i)
Habermas moderação justificada (parte i)
 
Texto 8 sócio histórica
Texto 8 sócio históricaTexto 8 sócio histórica
Texto 8 sócio histórica
 
Recuero raquel. comunidades_virtuais_-_uma_abordagem_teorica
Recuero raquel. comunidades_virtuais_-_uma_abordagem_teoricaRecuero raquel. comunidades_virtuais_-_uma_abordagem_teorica
Recuero raquel. comunidades_virtuais_-_uma_abordagem_teorica
 
A contribuição de Pierre Bourdieu nos estudos organizacionais
A contribuição de Pierre Bourdieu  nos estudos organizacionaisA contribuição de Pierre Bourdieu  nos estudos organizacionais
A contribuição de Pierre Bourdieu nos estudos organizacionais
 
Introdução do pensamento complexo
Introdução do pensamento complexoIntrodução do pensamento complexo
Introdução do pensamento complexo
 
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
Trabalho sociologia atualizado (sara magalhães)
 
Abelline psicologia social e pessoalidade
Abelline psicologia social e pessoalidadeAbelline psicologia social e pessoalidade
Abelline psicologia social e pessoalidade
 
3. psicologia social
3. psicologia social3. psicologia social
3. psicologia social
 
87115298 moscovici-representacoes-sociais
87115298 moscovici-representacoes-sociais87115298 moscovici-representacoes-sociais
87115298 moscovici-representacoes-sociais
 

Similar to Indivíduo e Sociedade: Um estudo sobre a perspectiva hierárquica de Louis Dumont

Introdução psi social.pdf
Introdução psi social.pdfIntrodução psi social.pdf
Introdução psi social.pdf
Eraldo Carlos
 
Boletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeauBoletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeau
FARLEY DE OLIVEIRA
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Elsa Mattos
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Informação e comunicação em habermas e luhmann
Informação e comunicação em habermas e luhmannInformação e comunicação em habermas e luhmann
Informação e comunicação em habermas e luhmann
Clovis de Lima
 
TeCon Aulas 17 e 18
TeCon Aulas 17 e 18TeCon Aulas 17 e 18
TeCon Aulas 17 e 18
Fábio Fonseca de Castro
 
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
Claudinei de Almeida
 
Nome1
Nome1Nome1
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicaçãoEstereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Cassia Barbosa
 
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais  neusaMétodos e técnicas em ciências sociais  neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
Leonor Alves
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
Fernando Alcoforado
 
Émile Durkheim
Émile Durkheim Émile Durkheim
Émile Durkheim
Carlos Domingos Santos
 
Em torno de um novo paradigma
Em torno de um novo paradigmaEm torno de um novo paradigma
Em torno de um novo paradigma
Cilmara Cristina Dos Santos
 
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
SamaraDosSantosCarva1
 
O método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
O método dialético como possível metodologia para o Ensino MédioO método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
O método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
Viviane Silveira Batista
 
Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia i
gabriela_eiras
 
Funcionalismo na Antropologia
Funcionalismo na AntropologiaFuncionalismo na Antropologia
Funcionalismo na Antropologia
Pedro Saraiva
 
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
Gabriella Vieira
 
Elementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturaçãoElementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturação
Arare Carvalho Júnior
 
Divisão do trabalho karl marx e émile durkheim prof. érika de cássia o. c...
Divisão do trabalho  karl marx e émile durkheim    prof. érika de cássia o. c...Divisão do trabalho  karl marx e émile durkheim    prof. érika de cássia o. c...
Divisão do trabalho karl marx e émile durkheim prof. érika de cássia o. c...
Sergio de Goes Barboza
 

Similar to Indivíduo e Sociedade: Um estudo sobre a perspectiva hierárquica de Louis Dumont (20)

Introdução psi social.pdf
Introdução psi social.pdfIntrodução psi social.pdf
Introdução psi social.pdf
 
Boletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeauBoletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeau
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
Informação e comunicação em habermas e luhmann
Informação e comunicação em habermas e luhmannInformação e comunicação em habermas e luhmann
Informação e comunicação em habermas e luhmann
 
TeCon Aulas 17 e 18
TeCon Aulas 17 e 18TeCon Aulas 17 e 18
TeCon Aulas 17 e 18
 
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
 
Nome1
Nome1Nome1
Nome1
 
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicaçãoEstereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
Estereótipos femininos fomentados pelos meios de comunicação
 
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais  neusaMétodos e técnicas em ciências sociais  neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
 
Émile Durkheim
Émile Durkheim Émile Durkheim
Émile Durkheim
 
Em torno de um novo paradigma
Em torno de um novo paradigmaEm torno de um novo paradigma
Em torno de um novo paradigma
 
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
 
O método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
O método dialético como possível metodologia para o Ensino MédioO método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
O método dialético como possível metodologia para o Ensino Médio
 
Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia i
 
Funcionalismo na Antropologia
Funcionalismo na AntropologiaFuncionalismo na Antropologia
Funcionalismo na Antropologia
 
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
 
Elementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturaçãoElementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturação
 
Divisão do trabalho karl marx e émile durkheim prof. érika de cássia o. c...
Divisão do trabalho  karl marx e émile durkheim    prof. érika de cássia o. c...Divisão do trabalho  karl marx e émile durkheim    prof. érika de cássia o. c...
Divisão do trabalho karl marx e émile durkheim prof. érika de cássia o. c...
 

More from Douglas Evangelista

Tese fabio versao_final_red
Tese fabio versao_final_redTese fabio versao_final_red
Tese fabio versao_final_red
Douglas Evangelista
 
Tese cecilia dos guimaraes bastos 2 vedanta
Tese cecilia dos guimaraes bastos 2 vedantaTese cecilia dos guimaraes bastos 2 vedanta
Tese cecilia dos guimaraes bastos 2 vedanta
Douglas Evangelista
 
Subjetividade, individualidade e autenticidade
Subjetividade, individualidade e autenticidadeSubjetividade, individualidade e autenticidade
Subjetividade, individualidade e autenticidade
Douglas Evangelista
 
As novas tecnologias reprodutivas: o estatuto do embrião e a noção de pessoa
As novas tecnologias reprodutivas: o estatuto do embrião e a noção de pessoaAs novas tecnologias reprodutivas: o estatuto do embrião e a noção de pessoa
As novas tecnologias reprodutivas: o estatuto do embrião e a noção de pessoa
Douglas Evangelista
 
Relacoes intracoloniais goa-bahia_1675-1825
Relacoes intracoloniais goa-bahia_1675-1825Relacoes intracoloniais goa-bahia_1675-1825
Relacoes intracoloniais goa-bahia_1675-1825
Douglas Evangelista
 
Quando a exceção_vira_regra
Quando a exceção_vira_regraQuando a exceção_vira_regra
Quando a exceção_vira_regra
Douglas Evangelista
 
Pd2012zoyanastassakis 130723113421-phpapp02
Pd2012zoyanastassakis 130723113421-phpapp02Pd2012zoyanastassakis 130723113421-phpapp02
Pd2012zoyanastassakis 130723113421-phpapp02
Douglas Evangelista
 
Os novos rumos do individualismo e o desamparo
Os novos rumos do individualismo e o desamparoOs novos rumos do individualismo e o desamparo
Os novos rumos do individualismo e o desamparo
Douglas Evangelista
 
O baile funk_carioca
O baile funk_cariocaO baile funk_carioca
O baile funk_carioca
Douglas Evangelista
 
Narcisismo contemporâneo uma abordagem laschiana
Narcisismo contemporâneo   uma abordagem laschianaNarcisismo contemporâneo   uma abordagem laschiana
Narcisismo contemporâneo uma abordagem laschiana
Douglas Evangelista
 
Mistica linguagem, filosofia
Mistica linguagem, filosofiaMistica linguagem, filosofia
Mistica linguagem, filosofia
Douglas Evangelista
 
Medeiros carneiro faustini bate bola
Medeiros carneiro faustini bate bolaMedeiros carneiro faustini bate bola
Medeiros carneiro faustini bate bola
Douglas Evangelista
 
Maria macedobarroso etnografia_siddha yoga
Maria macedobarroso etnografia_siddha yogaMaria macedobarroso etnografia_siddha yoga
Maria macedobarroso etnografia_siddha yoga
Douglas Evangelista
 
Julia odonnell invenção copacabana
Julia odonnell   invenção copacabanaJulia odonnell   invenção copacabana
Julia odonnell invenção copacabana
Douglas Evangelista
 
Imagem, magia e imaginação
Imagem, magia e imaginaçãoImagem, magia e imaginação
Imagem, magia e imaginação
Douglas Evangelista
 
Giddens, anthony. a constituição da sociedade
Giddens, anthony. a constituição da sociedadeGiddens, anthony. a constituição da sociedade
Giddens, anthony. a constituição da sociedade
Douglas Evangelista
 
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos a favela turística na perspectiv...
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos  a favela turística na perspectiv...Freire medeiros bianca entre tapas e beijos  a favela turística na perspectiv...
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos a favela turística na perspectiv...
Douglas Evangelista
 
Evandro politica espiritualidade-iser-mir-(1)-libre
Evandro politica espiritualidade-iser-mir-(1)-libreEvandro politica espiritualidade-iser-mir-(1)-libre
Evandro politica espiritualidade-iser-mir-(1)-libre
Douglas Evangelista
 
Etnografia deficientes visuais
Etnografia deficientes visuaisEtnografia deficientes visuais
Etnografia deficientes visuais
Douglas Evangelista
 
Estruturalismo funcionalismo
Estruturalismo funcionalismoEstruturalismo funcionalismo
Estruturalismo funcionalismo
Douglas Evangelista
 

More from Douglas Evangelista (20)

Tese fabio versao_final_red
Tese fabio versao_final_redTese fabio versao_final_red
Tese fabio versao_final_red
 
Tese cecilia dos guimaraes bastos 2 vedanta
Tese cecilia dos guimaraes bastos 2 vedantaTese cecilia dos guimaraes bastos 2 vedanta
Tese cecilia dos guimaraes bastos 2 vedanta
 
Subjetividade, individualidade e autenticidade
Subjetividade, individualidade e autenticidadeSubjetividade, individualidade e autenticidade
Subjetividade, individualidade e autenticidade
 
As novas tecnologias reprodutivas: o estatuto do embrião e a noção de pessoa
As novas tecnologias reprodutivas: o estatuto do embrião e a noção de pessoaAs novas tecnologias reprodutivas: o estatuto do embrião e a noção de pessoa
As novas tecnologias reprodutivas: o estatuto do embrião e a noção de pessoa
 
Relacoes intracoloniais goa-bahia_1675-1825
Relacoes intracoloniais goa-bahia_1675-1825Relacoes intracoloniais goa-bahia_1675-1825
Relacoes intracoloniais goa-bahia_1675-1825
 
Quando a exceção_vira_regra
Quando a exceção_vira_regraQuando a exceção_vira_regra
Quando a exceção_vira_regra
 
Pd2012zoyanastassakis 130723113421-phpapp02
Pd2012zoyanastassakis 130723113421-phpapp02Pd2012zoyanastassakis 130723113421-phpapp02
Pd2012zoyanastassakis 130723113421-phpapp02
 
Os novos rumos do individualismo e o desamparo
Os novos rumos do individualismo e o desamparoOs novos rumos do individualismo e o desamparo
Os novos rumos do individualismo e o desamparo
 
O baile funk_carioca
O baile funk_cariocaO baile funk_carioca
O baile funk_carioca
 
Narcisismo contemporâneo uma abordagem laschiana
Narcisismo contemporâneo   uma abordagem laschianaNarcisismo contemporâneo   uma abordagem laschiana
Narcisismo contemporâneo uma abordagem laschiana
 
Mistica linguagem, filosofia
Mistica linguagem, filosofiaMistica linguagem, filosofia
Mistica linguagem, filosofia
 
Medeiros carneiro faustini bate bola
Medeiros carneiro faustini bate bolaMedeiros carneiro faustini bate bola
Medeiros carneiro faustini bate bola
 
Maria macedobarroso etnografia_siddha yoga
Maria macedobarroso etnografia_siddha yogaMaria macedobarroso etnografia_siddha yoga
Maria macedobarroso etnografia_siddha yoga
 
Julia odonnell invenção copacabana
Julia odonnell   invenção copacabanaJulia odonnell   invenção copacabana
Julia odonnell invenção copacabana
 
Imagem, magia e imaginação
Imagem, magia e imaginaçãoImagem, magia e imaginação
Imagem, magia e imaginação
 
Giddens, anthony. a constituição da sociedade
Giddens, anthony. a constituição da sociedadeGiddens, anthony. a constituição da sociedade
Giddens, anthony. a constituição da sociedade
 
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos a favela turística na perspectiv...
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos  a favela turística na perspectiv...Freire medeiros bianca entre tapas e beijos  a favela turística na perspectiv...
Freire medeiros bianca entre tapas e beijos a favela turística na perspectiv...
 
Evandro politica espiritualidade-iser-mir-(1)-libre
Evandro politica espiritualidade-iser-mir-(1)-libreEvandro politica espiritualidade-iser-mir-(1)-libre
Evandro politica espiritualidade-iser-mir-(1)-libre
 
Etnografia deficientes visuais
Etnografia deficientes visuaisEtnografia deficientes visuais
Etnografia deficientes visuais
 
Estruturalismo funcionalismo
Estruturalismo funcionalismoEstruturalismo funcionalismo
Estruturalismo funcionalismo
 

Indivíduo e Sociedade: Um estudo sobre a perspectiva hierárquica de Louis Dumont

  • 1. 94 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT ARTIGOS INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUISDUMONT CLARA VIRGÍNIA DE QUEIROZ PINHEIRO Professora do Curso de Mestrado em Psicologia da UNIFOR, Doutoranda em Saúde Coletiva do IMS pela UERJ. E-mail: claravirginia@hotmail.com RESUMO Trata-se, no presente texto, de examinar alguns aspectos da cultura individualista, característica da sociedade moderna, a partir da teoria de Louis Dumont. Para isto se estabelecem os fundamentos da perspectiva dumontiana, precisando sua orientação metodológica e seus conceitos centrais. Palavras-chave: ética, individualismo, Louis Dumont, modernidade, sociedade ABSTRACT The text examines some aspects of individualistic culture, as a characteristic of modern society, from Louis Dumont theory. It establishes the basis of Dumont approach, specifying his methodological trend and his central concepts. Key words: ethics, individualism, Louis Dumont, modern age, society
  • 2. 95REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001 ARTIGOS A problemática da relação indivíduo e sociedade é essencial na modernidade e é tratada freqüentemente em termos de um antagonismo entre os dois pólos da questão. No entanto, conforme indicações de Ellias (1994) não se pode considerar tal tema como se fosse uma questão de fato, no sentido de referir-se ao indivíduo, enquanto unidade, que se opõe à sociedade, ou seja, em uma dimensão ontológica, mas consiste em examiná-la enquanto realidade histórica e, assim, em seu caráter ético. Desta forma, podemos afirmar que essa questão foi produzida na modernidade e diz respeito ao fato de que somente o homem moderno se reconhece como indivíduo. Nesse sentido, se pensa como autônomo em relação a qualquer instância exterior a ele próprio, toma a si mesmo como fonte e sede absoluta de todos os sentidos de sua existência, desconhece qualquer dependência de laços sociais. Neste contexto, as referências coletivas constituem um problema, surgindo daí a questão de saber a natureza, as possibilidades e limites da relação indivíduo e sociedade. No exame desta questão destacam-se duas perspectivas teóricas e metodológicas, que, podemos dizer de acordo com Reis (1989), são fundamentos prototípicos das ciências humanas. Assim, temos, de um lado, o ponto de vista que parte do indivíduo como realidade em si mesma, dado primeiro, irredutível e sua socialização; na base dessa perspectiva situa-se Max Weber. Do outro lado, o pensamento que parte da totalidade social, enquanto natureza intrínseca da experiência humana, tendo, como expoente primeiro, Durkheim. Acompanhamos aqui os estudos de Louis Dumont que, a partir de uma visão antropológica, inspirada nos ensinamentos de Mauss a respeito da dupla referência fundamental à sociedade global e ao estudo comparativo, apresenta uma tese de fôlego sobre a problemática da relação indivíduo e sociedade, a partir da qual analisa o individualismo da sociedade moderna. Consideramos que essa concepção possibilita uma visão crítica e relativizada frente às tendências de lidar com a noção de indivíduo em termos absolutos e naturais, como também, às posições messiânicas de superação do individualismo. Segue-se, então, uma leitura que é menos uma análise crítica da teoria dumontiana, do que uma tentativa de elaboração de seus
  • 3. 96 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT ARTIGOS pressupostos teóricos e metodológicos, visando estabelecer fundamentos que permitam uma abordagem diferenciada, no sentido de ser etnológica, dos temas psicológicos, mais especificamente, da psicanálise que constitui a área de nossa investigação. Com base em seus estudos sobre a sociedade de casta indiana, cuja organização escapava a uma compreensão fundada nas categorias das sociedades modernas, Dumont estabelece um método comparativo das diferenças fundamentais entre as sociedades, distinguindo, assim, sociedades tradicionais, cujo modelo é sociedade de castas indianas, e sociedades modernas. Os fundamentos dessas diferenças encontram-se nos princípios cardeais, quais sejam holismo, característico das culturas tradicionais, e, no tipo de cultura moderna, o individualismo, aos quais estão associadas, necessariamente, as categorias de hierarquia e igualdade, respectivamente. Holismo e individualismo constituem dois conjuntos de representações sociais, duas configurações de idéias e valores característicos de uma dada sociedade, enfim, conforme conceituação dumontiana, duas ideologias. Isto significa dizer que o sentido de individualismo não se refere ao indivíduo empírico, à unidade do grupo social, mas à dimensão moral do termo que diz respeito à forma de consciência do homem moderno de pensar a si mesmo como indivíduo, logo, como autônomo em relação ao grupo social. Nesse sentido, trata-se de estudar o individualismo como cultura, desta forma, como totalidade, embora seja característico dessa cultura não se reconhecer enquanto tal. ... nós chamamos ideologia o conjunto de idéias e valores – ou representações – comuns em uma sociedade, ou correntes em um meio social dado. Não se trata aqui, de procurar estabelecer uma distinção, mais ou menos substancial, entre ideologia de um lado, e de outro a ciência, a racionalidade, a verdade, a filosofia. (...) Que uma representação particular no conjunto seja julgada “verdadeiro” ou “falso”, “racional” ou “tradicional”, “científico” não tem nada a ver com a natureza social da coisa1 (Dumont, 1977, p. 26). Dumont analisa as ideologias a partir de uma perspectiva
  • 4. 97REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001 ARTIGOS metodológica que ele define como hierárquica, que consiste em tomá- las enquanto totalidades, cujas partes se relacionam de forma interdependente e subordinadas ao todo, constituindo um tipo de relação que ele denomina de “englobamento do contrário”, que consiste numa identidade entre seus elementos em um nível e, em outro, contradição, rompendo, assim, com o modelo da lógica aristotélica. Daí, conforme podemos compreender, Dumont afirmar que sua análise comparativa implica o estudo da ideologia e do não ideológico.2 Da mesma maneira, podemos dizer, como nos indica Duarte (1986) que a ideologia holista e a ideologia individualista estabelecem entre si uma relação hierárquica, constituindo assim uma totalidade, na qual o individualismo se situa em um nível subordinado em relação ao holismo, com a única exceção do caso moderno. Desta forma, Dumont estabelece distinções entre sua teoria e a concepção estrutural e positivista, na medida em que atribui importância cardeal ao valor, o qual imprime diferenças de níveis entre as partes na organização da totalidade. Em outros termos, na análise de um universo dividido em duas partes, a perspectiva hierárquica não reconhece a simetria entre elas, isto é, que ambas são idênticas, como numa visão estrutural, nem tampouco estabelece uma relação excludente, ou seja, uma parte exclui a outra, ou é uma ou outra, como na concepção positivista. Vejamos a longa, mas inevitável, citação de Dumont (1997, p. 371-372): Consideremos um universo de discurso, figurado por um retângulo, dividido em duas classes ou categorias sem resto nem recobertura. Há dois casos possíveis. No primeiro caso, o retângulo é dividido em partes justapostas, dois retângulos menores A e B. Tomadas em conjunto, as duas classes A e B esgotam o universo do discurso. Pode-se dizer que elas sejam complementares em relação a esse universo, ou ainda contraditória, no sentido de que uma exclui a outra e de que não existe uma terceira possibilidade. No primeiro caso, considera-se o universo do discurso em sua constituição (perspectiva estrutural); no segundo, considera-se essencialmente uma das duas classes e sua relação lógica à outra, ou, se quiser, considera-se a relação entre as duas classes, sendo o universo do discurso apenas implicado no
  • 5. 98 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT ARTIGOS plano de fundo da relação (perspectiva substancial). No caso da hierarquia, a classe X é extensiva ao universo do discurso, e a outra é distinguida no interior da primeira, como retângulo Y contido em X:Y faz parte de X e ao mesmo tempo dele difere. (...) A hierarquia consiste na combinação dessas duas posições de nível diferente. Na hierarquia assim definida, a complementaridade ou contradição está contida numa unidade de ordem superior. Mas, tão logo confundamos os dois níveis, obtemos um escândalo lógico, porque não existe ao mesmo tempo identidade e contradição. O modelo hierárquico implica um caráter de universalidade das estruturas em oposição. Tal universalismo implica pensar que as ideologias não se modificam ou não são ultrapassadas, o que é objeto de críticas dos estudiosos da área.3 Entretanto, segundo Dumont, o que pode ocorrer, em termos de temporalidade, é a produção de níveis diferentes sem, no entanto, alterar o quadro global. Portanto, holismo e individualismo constituem os fundamentos universais das relações humanas, sendo o holismo a posição dominante e o individualismo o nível subordinado, com exceção, como já dissemos, da configuração moderna. Isto porque, conforme afirmações de Dumont (1993, p. 253) ... a comparação implica um fundamento universal: é necessário que, em última análise, as culturas não pareçam tão independentes umas das outras quanto pretenderiam e sua coesão interna parece assegurar. Achamos que a perspectiva hierárquica de Dumont é um instrumento de análise muito competente que permite o exame das mais variadas questões humanas nas suas relações de dependências e implicações sob a forma das referências fundamentais, de um lado, o holismo e hierarquia e, do outro, o individualismo, igualdade e liberdade, a partir dos quais os valores de análise se diferenciam, o que permite a relativização dos modelos éticos bastante idealizados, embora se possa dizer que, em certa medida, existe em Dumont uma valorização da organização holista. Mas, sem dúvida nenhuma, esta concepção metodológica rompe com uma tendência preconceituosa, que consiste em estudar uma cultura a partir dos ideais de outra. Com isso, como ressaltou Dumont, abre-se uma questão interessante para a antropologia que diz respeito ao estatuto de uma intervenção em
  • 6. 99REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001 ARTIGOS uma determinada sociedade com alegativas de abusos sociais, tendo em vista os valores individualistas. Achamos que vale a pena citar Dumont. Uma associação humanitária entrou recentemente em guerra contra “as mutilações” infligidas em certas sociedades em “milhões de meninas e de adolescentes” (Le Monde, 28 de abril de 1977). Trata-se de práticas ligadas à iniciação das jovens. Por falta de competência deixo de lado os detalhes, as localizações alegadas, os erros de interpretação, e formulo somente o problema geral. Aí está um caso em que a antropologia é posta diretamente em causa, e em que ela não pode nem rejeitar em bloco os valores modernos que fundamentam o protesto nem endossar simplesmente a condenação pronunciada, o que poderia constituir uma ingerência na vida coletiva de uma população. Idealmente, vemo-nos obrigados, portanto, a estabelecer em cada caso, segundo sua configuração própria, sob que forma e dentro de que limites se justifica que o universalismo moderno intervenha (ibid., nota de rodapé, p. 208). A partir dessa orientação metodológica, Dumont estuda a ideologia moderna, definindo três eixos de investigação, sendo o primeiro genealógico, que, através da história das idéias, trata da questão de saber como, a partir das sociedades tradicionais, se dá a supremacia do individualismo; o segundo estuda as variações da cultura moderna e o terceiro refere-se às implicações do individualismo. Na gênese do individualismo, Dumont traça um percurso que parte das categorias de indivíduo-fora-do-mundo até indivíduo-no- mundo. Desta forma, remonta aos primeiros séculos do cristianismo a origem do indivíduo moderno, uma vez que a idéia da experiência do homem, em relação com Deus, promove o aparecimento do indivíduo-fora-do-mundo, que, nos moldes do renunciante indiano, significa o abandono da vida mundana e relativização dos laços sociais, objetivando desenvolver-se espiritualmente. Portanto, o homem, em relação com Deus, implica uma autonomização em relação a uma ordem social. Nesse contexto, se encontra uma oposição hierárquica na qual o valor transcendente, absoluto,
  • 7. 100 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT ARTIGOS subordina os valores mundanos. O desenvolvimento deste processo se dará no sentido de uma mundanização do valor supremo, na medida em que a Igreja, elemento extramundano, se aproxima do Estado e passa a ter ingerência sobre os valores do mundo, a partir da referência ao supremo, restabelecendo o vínculo do indivíduo com o espaço social. Este processo de individualização no mundo intensifica-se com Calvino, que faz desaparecer a dualidade mundo/ extramundo, com a afirmação de Deus como vontade que se realiza no mundo; assim, as coisas do mundo adquirem valores que estão fora delas na medida em que dizem respeito a algo que não pertence a este mundo, ou seja, o sentido do mundo se exterioriza dele mesmo. Nesse sentido, é no mundo que o cristão cumpre os desígnios divinos, provando sua absoluta submissão a Ele. ... a aplicação sistemática ás coisas deste mundo de um valor extrínseco, imposto. Não um valor extraído de nossa pertença ao mundo, de sua harmonia ou de nossa harmonia com ele, mas um valor enraizado em nossa heterogeneidade em relação a ele: a identificação de nossa vontade com a vontade de Deus ... (ibid., p. 67). Talvez não seja incorreto estabelecermos aqui uma articulação com Foucault (1994), na medida em que atribui ao cristianismo a fundação de uma modalidade ética característica da forma de subjetivação do homem moderno, o sujeito psicológico, quando inventa a prática da confissão, que implica no mergulho para a profundidade do interior do indivíduo, buscando os indícios mais sutis das manifestações do desejo, portanto, de sua verdade, que lhe escapa e lhe é exterior, com o fim de uma purificação. Desta forma, é possível afirmar, de acordo com esses autores, que a relação com Deus, tal como foi instituída pelo cristianismo, implica a relação consigo mesmo a qual assume a forma de uma busca da verdade de si. Daí a supremacia da idéia de eu, fonte absoluta dos significados da vida humana, que, como examina Russo (1993), passa a ser sacralizado, na medida em que o mundo se objetiva. A partir da filosofia sob o domínio do ideal racional, este processo de individualização se desenvolve de forma laicizada, na medida em que ocorre uma desvinculação do homem em relação à
  • 8. 101REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001 ARTIGOS natureza e, também, podemos dizer, em relação aos valores transcendentais. Em outros termos, rompe-se o vínculo, estreito nas sociedade tradicionais, entre realidade e ação, ou seja, de acordo com Dumont, entre fato e valor. Para Platão, o ser supremo era o Bem. Não havia desacordo entre o Bem, o Verdadeiro e o Belo, e, no entanto, o Bem era supremo, talvez por ser impossível conceber a mais alta perfeição como inativa e indiferente, porque o Bem acrescenta a dimensão da ação á contemplação. Pelo contrário, nós, modernos, separamos ciência, estética e moral. E a natureza da nossa ciência é tal que a sua própria existência explica, ou melhor, implica a separação entre, de um lado, o verdadeiro, do outro, o belo e o bem, e em particular entre ser e valor moral, entre o que é e o que deve ser (Dumont, op. cit., p. 240). Assim, a configuração moderna se caracteriza por uma fragmentação enquanto totalidade, sendo pensada apenas por seus elementos em si mesmos os quais não estão vinculados entre si por relações de necessidade, mas somente por relações externas de caráter de eficiência e interessam somente por razão instrumental. Daí, a autonomia entre os diversos planos da vida social, a saber, moral, política, religiosa, econômica, etc. Rompe-se a relação entre as partes e o todo. Esse processo alcança a sua plenitude na medida em que se define cada vez mais o princípio fundamental subjacente à configuração moderna, a saber, a valorização absoluta das relações entre homens e coisas, o qual atinge a sua mais perfeita expressão no campo econômico, ao invés das relações entre homens que fundam as culturas holistas. No estudo sobre a categoria do econômico na configuração individualista, Dumont (1977) parte da afirmação de Adam Smith, considerado o fundador da área econômica, enquanto emancipada em relação ao político, a respeito dos sentimentos morais egoístas como impulsionadores da atividade econômica, ou seja, o desenvolvimento material, a prosperidade pública precisa da força
  • 9. 102 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT ARTIGOS dos interesses particulares dos indivíduos. No conjunto, esses interesses se harmonizam entre si em função de um mecanismo que Smith chama de “mão invisível”. Rasteando a gênese desse pensamento econômico, que, como já foi dito, segundo afirmações dumontiana, é considerado a realização plena da cultura individualista, Dumont chega a Mandeville, atribuindo-lhe a gênese de várias idéias morais presentes na nova arquitetura antropológica estabelecida por Adam Smith. Segundo Monzani (1995), a nova ordem de valores morais defendida por Mandeville constitui o resultado de um processo que se desenvolveu desde Hobbes, Locke e Condillac, o que culminou, como expressa tão bem a concepção de Mandeville, na construção de um novo campo moral, fundado nas noções de desejo e prazer como os princípios cardeais da vida passional do homem moderno. Sigamos, então, o percurso de Dumont para examinarmos o conjunto de idéias e valores próprios do campo ético4 moderno. Dumont examina o poema de Mandeville com o sugestivo título “A Fábula das Abelhas ou Vícios Privados Benefícios Públicos”, no qual trata de uma colméia, tomada como espelho da sociedade humana, onde se vivia na riqueza e prosperidade e na qual os indivíduos estavam livres de qualquer constrangimento aos seus impulsos pessoais; até que, num dado momento, tomados por uma nostalgia de virtude, clamam por uma sociedade pautada na compaixão, humildade e simplicidade, no que são atendidos; o resultado dessa mudança é uma sociedade inerte e pobre, tendendo para seu desaparecimento. Através desta alegoria, Mandeville, segundo análise de Monzani (op. cit.), expõe duas ordens de valores que são incompatíveis. De um lado, valores que levam em conta a riqueza espiritual do homem em função de suas relações sociais e, do outro, valores que implicam a predominância dos ideais de propriedades materiais. Desta forma, os ... sujeitos são colocados frente a uma opção: ou a busca da salvação pessoal e a conseqüente estagnação e deterioração da sociedade, ou a atitude inversa. Ora, o sentido e o tom do poema de Mandeville,(...), não podem deixar muita dúvida com relação à posição ou à sua tese. Ele afirma claramente
  • 10. 103REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001 ARTIGOS que o vício é tão necessário ao Estado quanto é a fome para comer, e percebe muito bem que seus contemporâneos já escolheram a Segunda via (ibid., p. 33). Portanto, na perspectiva econômica, conforme analisa Dumont, o social se constitui a partir da tendência dos indivíduos de buscarem bens pessoais, movidos que são por sua natureza desejante. Daí, o traço próprio do individualismo, da predominância da relação entre homens e coisas, homens e seus objetos de desejo. Em outros termos, os laços sociais não são as razões das relações entre os homens, mas os objetos que venham a satisfazer os seus desejos insaciáveis, característicos da natureza humana; o homem é, deste modo, um consumidor nato. Assim, ... “mergulhando até a origem” da sociedade, Mandeville achou que a satisfação das necessidades materiais do homem é somente a razão pelas quais os homens vivem em sociedade (Dumont, op. cit., p. 89). Talvez seja possível pensar, apoiados nas indicações de Monzani, que, se acrescentarmos o corpo entre os bens de consumo da nossa cultura, podemos entender a explosão da sexualidade assinalada por Foucault, a partir do século XIX. Esta idéia de uma força que impulsiona os seres na busca desenfreada de realizações, através das quais se individualizam ou, mais radicalmente, se singularizam as ações no mundo, constitui a lógica dominante da cultura moderna e foi gestada pelas idéias religiosa e filosófica como também pela ciência, que, como a Biologia, elaborou uma noção de vida, como nos fala Foucault, a qual é pensada em termos de puro movimento dominada pela necessidade funcional de realização e individuação. Daí, a aproximação que Foucault (1966) estabelece: A natureza já não sabe ser boa. Que a vida não possa mais ser separada do assassínio, a natureza do mal, nem os desejos da contranatureza, Sade o anunciava ao século XVIII, cuja linguagem ele esgotava, bem como á idade moderna, que por longo tempo quis condená-lo ao mutismo. Que se desculpe a insolência (para com quem?): Les 120 jounées são o reverso aveludado, maravilhoso, da Leçons d’anatomie comparée ... . Configura-se um campo no qual a idéia de indivíduo dominado
  • 11. 104 INDIVÍDUO E SOCIEDADE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA HIERÁRQUICA DE LOUIS DUMONT ARTIGOS por interesses egoístas, por desejos insaciáveis, marca o estilhaçamento do conjunto na medida em que se subjetivam todos os valores, os quais possuem, de forma absoluta, o caráter utilitário. A análise de Dumont é, no mínimo (o que já é o máximo), detonadora na medida em que faz tremer um campo caracterizado pela supervalorização dos valores modernos, tomados como ideais absolutos da humanidade. NOTAS 1. Tradução livre a partir do original. 2. Esta compreensão é passível de outra leitura, pois, conforme considerações de Duarte (1986), o que Dumont considera não- ideológico não está claramente desenvolvido. 3. Sobre estas críticas, não foi possível no presente estudo examiná- las. 4. Trabalhamos aqui com o sentido de ética tal como foi formulado por Foucault (1984) em “História da Sexualidade II – O Uso dos Prazeres”. Referências Bibliográficas DUARTE, L. F. (1986). Da vida nervosa: na classe trabalhadora urbana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar/CNPq. DUMONT, L. (1977). Homo aequalis. Paris: Gallimard. ______. (1997). Homo hieráquicus: o sistema de castas e suas implicações. São Paulo: EDUSP. ______. (1993). O individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco.
  • 12. 105REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. 1 / N. 1 / P. 94 - 105 / SET. 2001 ARTIGOS ELLIAS, N. (1990). A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. FOUCAULT, M. (1976). História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1994. v. 1. ______. (1984). História da sexualidade: uso dos prazeres. 7 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1994. v. 2. ______. (1966). As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1995. MONZANI, L. R. (1995). Desejo e prazer na idade moderna. Campinas: UNICAMP. REIS, E. (1989). Reflexões sobre o homo sociologicus. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 4, n. 11. RUSSO, J. (1993). Indivíduo e transcendência: algumas reflexões sobre as modernas “religiões do eu”. In: A religião e a questão do sujeito. Seminário. Centro João XXIII de Investigação e Ação Social.