SlideShare a Scribd company logo
NOME DA INSTITUIÇÃO
TÍTULO:
LOCAL
❖ CONTEXTO HISTÓRICO
Durante muito tempo, as máscaras africanas foram vistas
pelos colonizadores europeus como peças exóticas, exibidas
como curiosidades nos museus ou nas residências de viajantes
ricos.
Fonte: Google Imagens
❖ CONTEXTO HISTÓRICO
Para os povos africanos, contudo elas tem um
significado espiritual e religioso e, desde tempos remotos, são
usadas em celebrações, nascimentos, rituais de iniciação,
colheita, funerais, casamentos, preparação da guerra, para curar
doentes e outras situações.
Fonte: Google Imagens
❖ CONTEXTO HISTÓRICO
O uso de máscaras é uma característica dos povos da
África Subsaariana (ao sul do deserto do Saara). Um povo pode
ter dezenas de máscaras diferentes e, entre os numerosos povos
do continente, elas variam em estilo, tamanho, material
utilizado, usos e significados.
Fonte: Google Imagens
❖ CONTEXTO HISTÓRICO
✔A máscara africana é,
dessa forma, importante
elemento de identidade
cultural de cada etnia
atestando a riqueza e a
complexidade do
patrimônio cultural
africano.
Fonte: http://www.ensinarhistoriajoelza.com.br/mascaras-
africanas-recortar-colorir/
❖ Significado e objetivo
Quando uma pessoa usa a máscara africana ela assume a
entidade que a máscara representa, transformando-se no
espírito evocado pela própria máscara que passa a residir
dentro do corpo da pessoa.
Fonte: Google Imagens
❖ Máscaras africanas de animais
Os animais são comumente
representados nas máscaras
africanas. Uma máscara africana
de animal pode representar, de
fato, o espírito de um determinado
animal e servir de meio para
transmitir-lhe uma mensagem ou
um pedido (por exemplo, para que
fique longe da aldeia ou não
devore a plantação).
Fonte: Google Imagens
❖ FORMAS DE USO
A máscara africana nunca é usada sozinha. O traje é
componente importante para esconder a identidade humana do
mascarado. A música e a dança são fundamentais para criar o
ambiente propício que capta a essência do espírito.
O dançarino mascarado é alguém escolhido ou iniciado
nos ofícios religiosos. Durante a cerimônia de máscara, o
dançarino entra em transe profundo, e durante este estado ele
“se comunica” com os espíritos e antepassados que transmitem
mensagens.
❖ FORMAS DE USO
Muitas vezes, as mensagens são confusas ou
incompreensíveis e precisam ser decifradas por um homem que
acompanha o dançarino mascarado durante o ritual. As
cerimônias de máscaras africanas são sempre acompanhados de
dança e música tocada com instrumentos musicais tradicionais.
A participação do público completa a cerimônia.
Batendo palmas, marcando o ritmo com os pés, cantando e,
algumas vezes, dançando junto com o mascarado, o público
contribui para a intensidade do ritual. Essa forte relação entre
humanos e espíritos é a grande marca da cultura tradicional dos
povos da África Subsaariana.
❖ MATERIAIS
⮚Cola Branca;
⮚Pincel;
⮚Tinta (varias cores);
⮚Papel Higiênico;
⮚Tesoura;
⮚Bexiga (balão);
⮚Água.
❖ MODELO MÁSCARA
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento
Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento

More Related Content

Similar to Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento

Continete Africano
Continete AfricanoContinete Africano
Continete Africano
pratesclaudio
 
AULA DE ARTE DANÇA.pptx
AULA DE ARTE DANÇA.pptxAULA DE ARTE DANÇA.pptx
AULA DE ARTE DANÇA.pptx
ALLYSONALVESCARVALHO
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
Curso Letrados
 
6o.ano histria - prof.a gislene - correo de questionrios - abr 2014
6o.ano   histria - prof.a gislene - correo de questionrios - abr 20146o.ano   histria - prof.a gislene - correo de questionrios - abr 2014
6o.ano histria - prof.a gislene - correo de questionrios - abr 2014
Celi De Fatima Lima Candido
 
Cultura dos povos - Resumo
Cultura dos povos - ResumoCultura dos povos - Resumo
Cultura dos povos - Resumo
Margit Didjurgeit
 
Cultura afro descendente
Cultura afro descendenteCultura afro descendente
Cultura afro descendente
Valentina Queiroz
 
Arte de áfrica
Arte de áfricaArte de áfrica
Arte de áfrica
universitarioeja
 
6 Artes ii
6   Artes ii6   Artes ii
Agua e ancestralidade
Agua e ancestralidadeAgua e ancestralidade
Agua e ancestralidade
Publicitário
 
África - Exposição jun/2013
África - Exposição jun/2013África - Exposição jun/2013
África - Exposição jun/2013
Nagila Polido
 
SINOPSES 2014 DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
SINOPSES 2014 DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIROSINOPSES 2014 DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
SINOPSES 2014 DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
Thiago Vergete
 
Salvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do BrasilSalvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do Brasil
grupo102017
 
Africanidade
AfricanidadeAfricanidade
Africanidade
Emylia Rodrigues
 
Segmento 10 - Arte Africana
Segmento 10 - Arte AfricanaSegmento 10 - Arte Africana
Segmento 10 - Arte Africana
ProfaXavier
 
5ºANO-Árica-Sul-Cultura
5ºANO-Árica-Sul-Cultura5ºANO-Árica-Sul-Cultura
5ºANO-Árica-Sul-Cultura
Sandra Felippe
 
Mama África
Mama ÁfricaMama África
Mama África
Ava Augustina
 
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair AguilarDiversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Arte africana 2013
Arte africana 2013Arte africana 2013
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
Gabriel Resende
 
Cultura africana
Cultura africanaCultura africana
Cultura africana
José Emílio
 

Similar to Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento (20)

Continete Africano
Continete AfricanoContinete Africano
Continete Africano
 
AULA DE ARTE DANÇA.pptx
AULA DE ARTE DANÇA.pptxAULA DE ARTE DANÇA.pptx
AULA DE ARTE DANÇA.pptx
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
 
6o.ano histria - prof.a gislene - correo de questionrios - abr 2014
6o.ano   histria - prof.a gislene - correo de questionrios - abr 20146o.ano   histria - prof.a gislene - correo de questionrios - abr 2014
6o.ano histria - prof.a gislene - correo de questionrios - abr 2014
 
Cultura dos povos - Resumo
Cultura dos povos - ResumoCultura dos povos - Resumo
Cultura dos povos - Resumo
 
Cultura afro descendente
Cultura afro descendenteCultura afro descendente
Cultura afro descendente
 
Arte de áfrica
Arte de áfricaArte de áfrica
Arte de áfrica
 
6 Artes ii
6   Artes ii6   Artes ii
6 Artes ii
 
Agua e ancestralidade
Agua e ancestralidadeAgua e ancestralidade
Agua e ancestralidade
 
África - Exposição jun/2013
África - Exposição jun/2013África - Exposição jun/2013
África - Exposição jun/2013
 
SINOPSES 2014 DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
SINOPSES 2014 DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIROSINOPSES 2014 DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
SINOPSES 2014 DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
 
Salvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do BrasilSalvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do Brasil
 
Africanidade
AfricanidadeAfricanidade
Africanidade
 
Segmento 10 - Arte Africana
Segmento 10 - Arte AfricanaSegmento 10 - Arte Africana
Segmento 10 - Arte Africana
 
5ºANO-Árica-Sul-Cultura
5ºANO-Árica-Sul-Cultura5ºANO-Árica-Sul-Cultura
5ºANO-Árica-Sul-Cultura
 
Mama África
Mama ÁfricaMama África
Mama África
 
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair AguilarDiversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
Diversidade Cultural na África - Prof. Altair Aguilar
 
Arte africana 2013
Arte africana 2013Arte africana 2013
Arte africana 2013
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
 
Cultura africana
Cultura africanaCultura africana
Cultura africana
 

Recently uploaded

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 

Recently uploaded (20)

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 

Oficina Máscaras Africanas: Aprendizado e Conhecimento

  • 2. ❖ CONTEXTO HISTÓRICO Durante muito tempo, as máscaras africanas foram vistas pelos colonizadores europeus como peças exóticas, exibidas como curiosidades nos museus ou nas residências de viajantes ricos. Fonte: Google Imagens
  • 3. ❖ CONTEXTO HISTÓRICO Para os povos africanos, contudo elas tem um significado espiritual e religioso e, desde tempos remotos, são usadas em celebrações, nascimentos, rituais de iniciação, colheita, funerais, casamentos, preparação da guerra, para curar doentes e outras situações. Fonte: Google Imagens
  • 4. ❖ CONTEXTO HISTÓRICO O uso de máscaras é uma característica dos povos da África Subsaariana (ao sul do deserto do Saara). Um povo pode ter dezenas de máscaras diferentes e, entre os numerosos povos do continente, elas variam em estilo, tamanho, material utilizado, usos e significados. Fonte: Google Imagens
  • 5. ❖ CONTEXTO HISTÓRICO ✔A máscara africana é, dessa forma, importante elemento de identidade cultural de cada etnia atestando a riqueza e a complexidade do patrimônio cultural africano. Fonte: http://www.ensinarhistoriajoelza.com.br/mascaras- africanas-recortar-colorir/
  • 6. ❖ Significado e objetivo Quando uma pessoa usa a máscara africana ela assume a entidade que a máscara representa, transformando-se no espírito evocado pela própria máscara que passa a residir dentro do corpo da pessoa. Fonte: Google Imagens
  • 7. ❖ Máscaras africanas de animais Os animais são comumente representados nas máscaras africanas. Uma máscara africana de animal pode representar, de fato, o espírito de um determinado animal e servir de meio para transmitir-lhe uma mensagem ou um pedido (por exemplo, para que fique longe da aldeia ou não devore a plantação). Fonte: Google Imagens
  • 8. ❖ FORMAS DE USO A máscara africana nunca é usada sozinha. O traje é componente importante para esconder a identidade humana do mascarado. A música e a dança são fundamentais para criar o ambiente propício que capta a essência do espírito. O dançarino mascarado é alguém escolhido ou iniciado nos ofícios religiosos. Durante a cerimônia de máscara, o dançarino entra em transe profundo, e durante este estado ele “se comunica” com os espíritos e antepassados que transmitem mensagens.
  • 9. ❖ FORMAS DE USO Muitas vezes, as mensagens são confusas ou incompreensíveis e precisam ser decifradas por um homem que acompanha o dançarino mascarado durante o ritual. As cerimônias de máscaras africanas são sempre acompanhados de dança e música tocada com instrumentos musicais tradicionais. A participação do público completa a cerimônia. Batendo palmas, marcando o ritmo com os pés, cantando e, algumas vezes, dançando junto com o mascarado, o público contribui para a intensidade do ritual. Essa forte relação entre humanos e espíritos é a grande marca da cultura tradicional dos povos da África Subsaariana.
  • 10. ❖ MATERIAIS ⮚Cola Branca; ⮚Pincel; ⮚Tinta (varias cores); ⮚Papel Higiênico; ⮚Tesoura; ⮚Bexiga (balão); ⮚Água.