SlideShare a Scribd company logo
Docente: Marco Andrey Cipriani Frade
Diagnóstico Clínico e
Classificação
Hanseníase na Atenção Básica
Mycobacterium Leprae
• 1.5 a 8 X 0,2 a 0,5 micra;
• Cora-se pela fucsina ácida e não se descora pela solução de HCl em álcool (BAAR);
• Granulações de Lutz-Unna (envelhecimento natural do bacilo, ação da medicação);
• Forma globias;
• Viável no meio ambiente por 36h a 9 dias (36,7° C e 77,6% umidade);
Etiologia - Microbiologia
Talhari S, 1995
Colstan MJ 2001; Eiglmeier K, 2001
M Leprae M Tuberculosis
Tamanho do
genoma (PB)
3 268 203 4 411 532
Proteínas que
codificam gens
1 604 3 959
Pseudogens 1 116 6
Gens que codificam
lipoproteínas
31 100
Etiologia - Microbiologia
• Baciloscopia de esfregaço intradérmico positiva
(OMS)
Doença causada pelo M. Leprae que acomete nervos e pele, cujo
diagnóstico se baseia na presença de um ou mais dos seguintes
sinais cardinais abaixo e que necessita de tratamento
poliquimioterápico:
• Lesões OU áreas da pele com alteração de sensibilidade ou
• Espessamento neural com alteração de sensibilidade e/ou
motora e/ou autonômica
Conceito
Conceito
Diagnóstico Essencialmente Clínico
Indeterminada Tuberculóide Dimorfa Virchowiana
Transmissão
Período de incubação variável: 3 a 5 anos
Comunicantes
Saudáveis
Bacilos
Classificação, Evolução e Reações
T
Paciente
I
D V
IL-2,
IFN-
IL-4,
IL-10
Resposta Imune
mediada por células
Mitsuda Positivo
Lesões eritematosas
e infiltradas
Tubérculos
Resposta Imune
mediada por
anticorpos
Anti-PGL1 positivo
Infiltração cutânea
por anticorpos
Nódulos
M. leprae no tecido
Reação Reversa
ENH
Madri, 1940
As manifestações cutâneas são expressões clínicas da resposta imunológica do hospedeiro
ao bacilo.
• Mancha hipocrômica hipo e/ou anestésica
• Geralmente única e pequena
Classificação Hanseníase Indeterminada
Classificação Hanseníase Indeterminada
• Histopatologia: Na maioria das vezes o
laudo será inespecífico, o que não deve
invalidar o diagnóstico clínico firmado pela
alteração de sensibilidade.
• Teste da função sudoral: alterado
• Teste de histamina: incompleto
• Baciloscopia: negativa
• Placa eritematosa hipo e/ou anestésica, ou circinada envolta por
pequenas pápulas/tubérculos
• Acometimento de tronco neural único
Classificação Hanseníase Tuberculóide
Classificação Hanseníase Tuberculóide
• Histopatologia:
─ Granuloma constituído de histiócitos epitelióides que tocam a epiderme
─ Células gigantes tipo corpo estranho presentes
• BAAR negativos ao Fite Faraco
Baciloscopia: negativa
Classificação Hanseníase Dimorfa
• Placas eritemato-infiltradas hipo
e/ou anestésica, foveolares;
• Bordas infiltradas sendo a
borda interna bem mais
definida que a externa, a qual é
imprecisa e se esmaece;
• Lesões grandes e/ou múltiplas.
Classificação Hanseníase Dimorfa
• Granulomas mais frouxos constituído de histiócitos menos diferenciados que na HDT
• Faixa de derme impedindo o toque da epiderme
• BAAR variável (+/-) ao Fite Faraco
Baciloscopia: - / + Hanseníase dimorfa em reação
Classificação Hanseníase Dimorfa (Tuberculóide)
• Placas foveolares hipo e/ou anestésica (nº limitado)
• Bordas são infiltradas e indefinidas, porém apresentam ainda algumas áreas com
pápulas bem definidas (granuloma = resposta tuberculóide )
Classificação Hanseníase Dimorfa (Tuberculóide)
Teste da Histamina
Classificação Hanseníase Dimorfa (Tuberculóide)
• Placas foveolares hipo e/ou anestésica (nº limitado)
• Bordas mais infiltradas, porém indefinidas
Teste da Função Sudoral
Classificação Hanseníase Dimorfa (Hipocromiante)
Teste da Função Sudoral
Classificação Hanseníase Dimorfa (Hipocromiante)
Além das manchas brancas que cursam com hipo à anestesias, pacientes apresentam
sinais e sintomas semelhantes em outros sítios, espessamento e/ou dor neural
assimétricos, além de perdas motoras.
Paucibacilares
Classificação Hanseníase Dimorfa (Virchowiana)
• Múltiplas lesões pápulo-nodulares / placas
foveolares
• Infiltração difusa / lóbulos / face / tronco
Classificação Hanseníase Dimorfa (Virchowiana)
• Múltiplas lesões hipocrômicas e/ou foveolares
• Sinais virchowianos associados: madarose, infiltração difusa
Classificação Hanseníase Virchowiana
• Múltiplos nódulos/pápulas vinhosos/acastanhados
• Infiltração difusa da pele / madarose
• Neuropatia bilateral
Classificação Hanseníase Virchowiana
• Múltiplos nódulos/pápulas vinhosos/acastanhados
• Infiltração difusa da pele / madarose
• Neuropatia simétrica
Hansenomas
Manifestação por impregnação pela
Clofazimina
Classificação Hanseníase Virchowiana
Sinais de infiltração
• Dobras com poucas rugas, movimento da pele em bloco
• Aspecto cutâneo de casca de laranja por infiltração e dilatação dos poros
Classificação Hanseníase Virchowiana
• Infiltrado difuso constituído de histiócitos vacuolizados
• Faixa de Unna subepidérmica
• BAAR positivo ao Fite Faraco / globais
Baciloscopia: ++++
Classificação Hanseníase Neural Primária
PRESENÇA apenas de déficit neurológico e espessamento neural (com ou
sem sensibilidade) na AUSÊNCIA de lesão cutânea. Casos suspeitos devem
ser encaminhados à Unidade de Referência para definição do diagnóstico.
Paresia / Paralisia. Amiotrofias, perda de
função.
Anestesia unilateral. Mal perfurante em
calcâneo direito há 50 anos, lesão escamante e
hipoestésica na face medial perna D durante 5ª
PQT
Classificação Operacional OMS
Paucibacilar Até 5 lesões
Baciloscopia negativa
Multibacilar > 5 lesões ou
Baciloscopia positiva
I TT DD VV
Tratamento Poliquimioterapia
Criança
Adulto
Dose supervisionada
Na unidade
Fornecido pelo SUS gratuitamente. Garantia de cura
Esquema Multibacilar
12 meses
Esquema Paucibacilar
6 meses
Dose diária
Domiciliar
Dose supervisionada
Na unidade
Dose diária
Domiciliar
Vigilância em Hanseníase
INDIVIDUAL COLETIVA
Diagnóstico precoce
Tratamento medicamentoso
Avaliação e prevenção de
incapacidade
Notificação de casos
Busca de casos
•Dentre os comunicantes
•População
Exame dos comunicantes
BCG nos contatos
As fotos e vídeos clínicos utilizados são pertencentes ao
arquivo da Divisão de Dermatologia do Departamento de
Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da
Universidade de São Paulo.
As exceções encontram-se definidas individualmente,
conforme autoria subscrita.
© 2014. Ministério da Saúde. Sistema Universidade Aberta do SUS.
Fundação Oswaldo Cruz & SE/UNA–SUS
Alguns direitos reservados. É permitida a reprodução, disseminação e
utilização dessa obra, em parte ou em sua totalidade, nos termos da
licença para usuário final do Acervo de Recursos Educacionais em Saúde.
Para tradução para qualquer idioma, inclusão em banco de dados,
inclusão em novas obras ou coletâneas e inclusão em material didático
ou curso que constitua uma nova obra é necessária a autorização prévia
e expressa. Deve ser citada a fonte e é vedada sua utilização comercial.
Esse e outros recursos educacionais, produzidos pelo Sistema UNA-SUS, podem
ser recuperados no ACERVO DE RECURSOS EDUCACIONAIS EM SAÚDE – ARES
https://ares.unasus.gov.br/acervo/

More Related Content

What's hot

Sepse
Sepse Sepse
Sepse
Giuliana Seo
 
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamentoBronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
resenfe2013
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Alexandre Naime Barbosa
 
Insuficiencia Respiratoria
Insuficiencia RespiratoriaInsuficiencia Respiratoria
Insuficiencia Respiratoria
Flávia Salame
 
Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013
Mariana Freire
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
Flávia Salame
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
Nathy Oliveira
 
Tosse e expectoração 2017
Tosse e expectoração 2017Tosse e expectoração 2017
Tosse e expectoração 2017
pauloalambert
 
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos PossíveisCasos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
THIAGO MELANIAS
 
Casos clinicospatoclinicaii
Casos clinicospatoclinicaiiCasos clinicospatoclinicaii
Casos clinicospatoclinicaii
bhru83
 
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratórioDoenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Ana Beatriz Cargnin
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
Apresentação herpes
Apresentação herpesApresentação herpes
Apresentação herpes
Laboratório Sérgio Franco
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Cláudia Sofia
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
Natália Rodrigues
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Laís Hildebrand
 
Pneumonia
Pneumonia Pneumonia
Pneumonia
guiribeiro0210
 
Modelo slide para apresentação do artigo
Modelo   slide para apresentação do artigoModelo   slide para apresentação do artigo
Modelo slide para apresentação do artigo
Adelmo Bicalho
 
Gripe influenza
Gripe influenza Gripe influenza
Gripe influenza
Danielle Climaco
 

What's hot (20)

Sepse
Sepse Sepse
Sepse
 
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamentoBronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Insuficiencia Respiratoria
Insuficiencia RespiratoriaInsuficiencia Respiratoria
Insuficiencia Respiratoria
 
Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
 
Tosse e expectoração 2017
Tosse e expectoração 2017Tosse e expectoração 2017
Tosse e expectoração 2017
 
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos PossíveisCasos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
 
Casos clinicospatoclinicaii
Casos clinicospatoclinicaiiCasos clinicospatoclinicaii
Casos clinicospatoclinicaii
 
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratórioDoenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Apresentação herpes
Apresentação herpesApresentação herpes
Apresentação herpes
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Pneumonia
Pneumonia Pneumonia
Pneumonia
 
Modelo slide para apresentação do artigo
Modelo   slide para apresentação do artigoModelo   slide para apresentação do artigo
Modelo slide para apresentação do artigo
 
Gripe influenza
Gripe influenza Gripe influenza
Gripe influenza
 

Similar to Classifica hanseniase unasus

Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.pptAul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
josechagas8
 
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista CarlaSimpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
lascounic
 
Hanseníase 2012 ivcbed final - 21/09/2012
Hanseníase 2012 ivcbed final - 21/09/2012Hanseníase 2012 ivcbed final - 21/09/2012
Hanseníase 2012 ivcbed final - 21/09/2012
Anais IV CBED
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
blogped1
 
Simpósio Hanseníase - Tratamento padrão - dermatologista Egon
Simpósio Hanseníase -  Tratamento padrão - dermatologista EgonSimpósio Hanseníase -  Tratamento padrão - dermatologista Egon
Simpósio Hanseníase - Tratamento padrão - dermatologista Egon
lascounic
 
Lesão bucal
Lesão bucalLesão bucal
Lesão bucal
morilhas
 
Hanseniase mycobacteruim leprae
Hanseniase   mycobacteruim lepraeHanseniase   mycobacteruim leprae
Hanseniase mycobacteruim leprae
Evando Brito
 
Ceratite Herpética
Ceratite Herpética Ceratite Herpética
Ceratite Herpética
Michel Bittencourt
 
DOENÇAS TRANSMISSIVEIS HANSENIASEEEEEEEE
DOENÇAS TRANSMISSIVEIS HANSENIASEEEEEEEEDOENÇAS TRANSMISSIVEIS HANSENIASEEEEEEEE
DOENÇAS TRANSMISSIVEIS HANSENIASEEEEEEEE
ShelmaFeitosa1
 
Sessão 2013 1.25.11 jose carlos
Sessão 2013 1.25.11 jose carlosSessão 2013 1.25.11 jose carlos
Sessão 2013 1.25.11 jose carlos
Janine Magalhaes
 
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Brenda Lahlou
 
ESTUDO DE CASO - CANCRO CUTÂNEO NÃO MELANOMA SLIDE.pptx
ESTUDO DE CASO - CANCRO CUTÂNEO NÃO MELANOMA SLIDE.pptxESTUDO DE CASO - CANCRO CUTÂNEO NÃO MELANOMA SLIDE.pptx
ESTUDO DE CASO - CANCRO CUTÂNEO NÃO MELANOMA SLIDE.pptx
VivianLayssa
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
Abian Maquera
 
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia CechellaDificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
mcechella
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
AULA EM PPT PARA EXAMES SOROLÓGICOS E BIOQUÍMICOS
AULA EM PPT PARA EXAMES SOROLÓGICOS E BIOQUÍMICOSAULA EM PPT PARA EXAMES SOROLÓGICOS E BIOQUÍMICOS
AULA EM PPT PARA EXAMES SOROLÓGICOS E BIOQUÍMICOS
snkc2z5mdp
 
Flavia Regina Ferreira
Flavia Regina FerreiraFlavia Regina Ferreira
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
blogped1
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
Dario Hart
 
Patologias dermatologicas
Patologias dermatologicasPatologias dermatologicas
Patologias dermatologicas
Nathanael Amparo
 

Similar to Classifica hanseniase unasus (20)

Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.pptAul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
 
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista CarlaSimpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
 
Hanseníase 2012 ivcbed final - 21/09/2012
Hanseníase 2012 ivcbed final - 21/09/2012Hanseníase 2012 ivcbed final - 21/09/2012
Hanseníase 2012 ivcbed final - 21/09/2012
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
 
Simpósio Hanseníase - Tratamento padrão - dermatologista Egon
Simpósio Hanseníase -  Tratamento padrão - dermatologista EgonSimpósio Hanseníase -  Tratamento padrão - dermatologista Egon
Simpósio Hanseníase - Tratamento padrão - dermatologista Egon
 
Lesão bucal
Lesão bucalLesão bucal
Lesão bucal
 
Hanseniase mycobacteruim leprae
Hanseniase   mycobacteruim lepraeHanseniase   mycobacteruim leprae
Hanseniase mycobacteruim leprae
 
Ceratite Herpética
Ceratite Herpética Ceratite Herpética
Ceratite Herpética
 
DOENÇAS TRANSMISSIVEIS HANSENIASEEEEEEEE
DOENÇAS TRANSMISSIVEIS HANSENIASEEEEEEEEDOENÇAS TRANSMISSIVEIS HANSENIASEEEEEEEE
DOENÇAS TRANSMISSIVEIS HANSENIASEEEEEEEE
 
Sessão 2013 1.25.11 jose carlos
Sessão 2013 1.25.11 jose carlosSessão 2013 1.25.11 jose carlos
Sessão 2013 1.25.11 jose carlos
 
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
 
ESTUDO DE CASO - CANCRO CUTÂNEO NÃO MELANOMA SLIDE.pptx
ESTUDO DE CASO - CANCRO CUTÂNEO NÃO MELANOMA SLIDE.pptxESTUDO DE CASO - CANCRO CUTÂNEO NÃO MELANOMA SLIDE.pptx
ESTUDO DE CASO - CANCRO CUTÂNEO NÃO MELANOMA SLIDE.pptx
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
 
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia CechellaDificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
AULA EM PPT PARA EXAMES SOROLÓGICOS E BIOQUÍMICOS
AULA EM PPT PARA EXAMES SOROLÓGICOS E BIOQUÍMICOSAULA EM PPT PARA EXAMES SOROLÓGICOS E BIOQUÍMICOS
AULA EM PPT PARA EXAMES SOROLÓGICOS E BIOQUÍMICOS
 
Flavia Regina Ferreira
Flavia Regina FerreiraFlavia Regina Ferreira
Flavia Regina Ferreira
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
Patologias dermatologicas
Patologias dermatologicasPatologias dermatologicas
Patologias dermatologicas
 

Recently uploaded

Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
ozielgvsantos1
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 

Recently uploaded (9)

Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 

Classifica hanseniase unasus

  • 1. Docente: Marco Andrey Cipriani Frade Diagnóstico Clínico e Classificação Hanseníase na Atenção Básica
  • 2. Mycobacterium Leprae • 1.5 a 8 X 0,2 a 0,5 micra; • Cora-se pela fucsina ácida e não se descora pela solução de HCl em álcool (BAAR); • Granulações de Lutz-Unna (envelhecimento natural do bacilo, ação da medicação); • Forma globias; • Viável no meio ambiente por 36h a 9 dias (36,7° C e 77,6% umidade); Etiologia - Microbiologia Talhari S, 1995
  • 3. Colstan MJ 2001; Eiglmeier K, 2001 M Leprae M Tuberculosis Tamanho do genoma (PB) 3 268 203 4 411 532 Proteínas que codificam gens 1 604 3 959 Pseudogens 1 116 6 Gens que codificam lipoproteínas 31 100 Etiologia - Microbiologia
  • 4. • Baciloscopia de esfregaço intradérmico positiva (OMS) Doença causada pelo M. Leprae que acomete nervos e pele, cujo diagnóstico se baseia na presença de um ou mais dos seguintes sinais cardinais abaixo e que necessita de tratamento poliquimioterápico: • Lesões OU áreas da pele com alteração de sensibilidade ou • Espessamento neural com alteração de sensibilidade e/ou motora e/ou autonômica Conceito
  • 6. Transmissão Período de incubação variável: 3 a 5 anos Comunicantes Saudáveis Bacilos
  • 7. Classificação, Evolução e Reações T Paciente I D V IL-2, IFN- IL-4, IL-10 Resposta Imune mediada por células Mitsuda Positivo Lesões eritematosas e infiltradas Tubérculos Resposta Imune mediada por anticorpos Anti-PGL1 positivo Infiltração cutânea por anticorpos Nódulos M. leprae no tecido Reação Reversa ENH Madri, 1940 As manifestações cutâneas são expressões clínicas da resposta imunológica do hospedeiro ao bacilo.
  • 8. • Mancha hipocrômica hipo e/ou anestésica • Geralmente única e pequena Classificação Hanseníase Indeterminada
  • 9. Classificação Hanseníase Indeterminada • Histopatologia: Na maioria das vezes o laudo será inespecífico, o que não deve invalidar o diagnóstico clínico firmado pela alteração de sensibilidade. • Teste da função sudoral: alterado • Teste de histamina: incompleto • Baciloscopia: negativa
  • 10. • Placa eritematosa hipo e/ou anestésica, ou circinada envolta por pequenas pápulas/tubérculos • Acometimento de tronco neural único Classificação Hanseníase Tuberculóide
  • 11. Classificação Hanseníase Tuberculóide • Histopatologia: ─ Granuloma constituído de histiócitos epitelióides que tocam a epiderme ─ Células gigantes tipo corpo estranho presentes • BAAR negativos ao Fite Faraco Baciloscopia: negativa
  • 12. Classificação Hanseníase Dimorfa • Placas eritemato-infiltradas hipo e/ou anestésica, foveolares; • Bordas infiltradas sendo a borda interna bem mais definida que a externa, a qual é imprecisa e se esmaece; • Lesões grandes e/ou múltiplas.
  • 13. Classificação Hanseníase Dimorfa • Granulomas mais frouxos constituído de histiócitos menos diferenciados que na HDT • Faixa de derme impedindo o toque da epiderme • BAAR variável (+/-) ao Fite Faraco Baciloscopia: - / + Hanseníase dimorfa em reação
  • 14. Classificação Hanseníase Dimorfa (Tuberculóide) • Placas foveolares hipo e/ou anestésica (nº limitado) • Bordas são infiltradas e indefinidas, porém apresentam ainda algumas áreas com pápulas bem definidas (granuloma = resposta tuberculóide )
  • 15. Classificação Hanseníase Dimorfa (Tuberculóide) Teste da Histamina
  • 16. Classificação Hanseníase Dimorfa (Tuberculóide) • Placas foveolares hipo e/ou anestésica (nº limitado) • Bordas mais infiltradas, porém indefinidas Teste da Função Sudoral
  • 17. Classificação Hanseníase Dimorfa (Hipocromiante) Teste da Função Sudoral
  • 18. Classificação Hanseníase Dimorfa (Hipocromiante) Além das manchas brancas que cursam com hipo à anestesias, pacientes apresentam sinais e sintomas semelhantes em outros sítios, espessamento e/ou dor neural assimétricos, além de perdas motoras. Paucibacilares
  • 19. Classificação Hanseníase Dimorfa (Virchowiana) • Múltiplas lesões pápulo-nodulares / placas foveolares • Infiltração difusa / lóbulos / face / tronco
  • 20. Classificação Hanseníase Dimorfa (Virchowiana) • Múltiplas lesões hipocrômicas e/ou foveolares • Sinais virchowianos associados: madarose, infiltração difusa
  • 21. Classificação Hanseníase Virchowiana • Múltiplos nódulos/pápulas vinhosos/acastanhados • Infiltração difusa da pele / madarose • Neuropatia bilateral
  • 22. Classificação Hanseníase Virchowiana • Múltiplos nódulos/pápulas vinhosos/acastanhados • Infiltração difusa da pele / madarose • Neuropatia simétrica Hansenomas Manifestação por impregnação pela Clofazimina
  • 23. Classificação Hanseníase Virchowiana Sinais de infiltração • Dobras com poucas rugas, movimento da pele em bloco • Aspecto cutâneo de casca de laranja por infiltração e dilatação dos poros
  • 24. Classificação Hanseníase Virchowiana • Infiltrado difuso constituído de histiócitos vacuolizados • Faixa de Unna subepidérmica • BAAR positivo ao Fite Faraco / globais Baciloscopia: ++++
  • 25. Classificação Hanseníase Neural Primária PRESENÇA apenas de déficit neurológico e espessamento neural (com ou sem sensibilidade) na AUSÊNCIA de lesão cutânea. Casos suspeitos devem ser encaminhados à Unidade de Referência para definição do diagnóstico. Paresia / Paralisia. Amiotrofias, perda de função. Anestesia unilateral. Mal perfurante em calcâneo direito há 50 anos, lesão escamante e hipoestésica na face medial perna D durante 5ª PQT
  • 26. Classificação Operacional OMS Paucibacilar Até 5 lesões Baciloscopia negativa Multibacilar > 5 lesões ou Baciloscopia positiva I TT DD VV
  • 27. Tratamento Poliquimioterapia Criança Adulto Dose supervisionada Na unidade Fornecido pelo SUS gratuitamente. Garantia de cura Esquema Multibacilar 12 meses Esquema Paucibacilar 6 meses Dose diária Domiciliar Dose supervisionada Na unidade Dose diária Domiciliar
  • 28. Vigilância em Hanseníase INDIVIDUAL COLETIVA Diagnóstico precoce Tratamento medicamentoso Avaliação e prevenção de incapacidade Notificação de casos Busca de casos •Dentre os comunicantes •População Exame dos comunicantes BCG nos contatos
  • 29. As fotos e vídeos clínicos utilizados são pertencentes ao arquivo da Divisão de Dermatologia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. As exceções encontram-se definidas individualmente, conforme autoria subscrita.
  • 30. © 2014. Ministério da Saúde. Sistema Universidade Aberta do SUS. Fundação Oswaldo Cruz & SE/UNA–SUS Alguns direitos reservados. É permitida a reprodução, disseminação e utilização dessa obra, em parte ou em sua totalidade, nos termos da licença para usuário final do Acervo de Recursos Educacionais em Saúde. Para tradução para qualquer idioma, inclusão em banco de dados, inclusão em novas obras ou coletâneas e inclusão em material didático ou curso que constitua uma nova obra é necessária a autorização prévia e expressa. Deve ser citada a fonte e é vedada sua utilização comercial. Esse e outros recursos educacionais, produzidos pelo Sistema UNA-SUS, podem ser recuperados no ACERVO DE RECURSOS EDUCACIONAIS EM SAÚDE – ARES https://ares.unasus.gov.br/acervo/