Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia

85,204 views

Published on

Ppt de apoio à leitura e estudo do episódio "Ilha dos Amores" n'Os Lusíadas.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia

  1. 1. “Ínsula divina” (Ilha dos Amores) in Os Lusíadas, Camões Canto IX (est. 18 – 92) Canto X (est. 1 – 141)
  2. 2. Glorificação dos Heróis • Viagem de regresso à Pátria por mares já conhecidos… • MOMENTO de RECOMPENSAR a CORAGEM dos NAVEGADORES – Por quem e como? • RECOMPENSA de VÉNUS (Canto IX, Estâncias 18 a 24)
  3. 3. Estratégia de Vénus • Auxílio de Cupido – preparava expedição contra os humanos: culpados de mal amarem: • Amavam-se mais a si que aos outros; • Vendiam adulação no paço; • Amavam «mandos e riquezas» em vez de Deus e o povo; • Consideravam legítima a «feia tirania» (Canto IX, Estâncias 25 a 29) • 5 estrofes de pendor político: reptos e chamadas de atenção a D. Sebastião
  4. 4. Estratégia de Vénus • Recompensar os navegadores (humanos que bem amavam) • Recompensa: ligações amorosas com Ninfas; – Dos «casamentos» nasceria «progénie forte e bela» – Contentamento de Cupido: a nova geração de humanos povoaria o Universo.
  5. 5. A Recompensa! ILHA Em pleno Oceano; Repleta de coisas belas; Festa para os 5 sentidos; Marinheiros descansam e saciam-se.
  6. 6. Vénus • Divindade protetora dos portugueses; • Principal adjuvante no sucesso da missão; – Advoga a causa dos portugueses no Consílio dos Deuses no Olimpo; – Procura a proteção de Júpiter; – Salva-os das armadilhas de Baco – Prepara-lhes, com Cupido, a sua Ilha.
  7. 7. Vénus • Símbolo… – Da beleza; – Da sensualidade instintiva; – Do caráter humano, natural; – Do Amor-força; – Energia vital; Impulsiona os humanos para o Bem, a Grandeza, a Honra, a Glória
  8. 8. A «ínsula divina» • Avistada pelos marinheiros – IX, 52; • Ilha repleta de árvores, frutos apetitosos, odoríferos e coloridos = sensualidade; • Prazer para os 5 sentidos: visão, olfato, paladar, audição, tato. • Água + Verde + Animais = fecundidade
  9. 9. A «ínsula divina» • Desembarque dos marinheiros – IX, 64 • Aguardam-nos outras maravilhas… –Ninfas e deusas + Música *************************** • Jogos do amor (Lionardo e Ninfa – IX, 75 - 81) • Alegria • Plenitude
  10. 10. A «ínsula divina» = dignificação épica dos heróis • Atmosfera amorosa – IX, 83: – «famintos beijos» – «mimoso choro» – «afagos suaves» – «ira honesta» – «risinhos alegres» = relações amorosas entre nautas e deusas AMOR SENSUAL = GRANDEZA de PRÉMIO ESPIRITUAL MÁXIMO
  11. 11. Vasco da Gama + Thétis = SUPREMA CONSAGRAÇÃO
  12. 12. Significado da Ilha (I) • PRÉMIO/ MERECIDA RECOMPENSA: – «as deleitosas honras/ que a vida fazem sublimada» • Suprema honra e plenitude alcançadas… • Despertando do ócio; • Refreando a ambição e a cobiça; • Recusando o vício da tirania; • Sendo justo em tempo de paz; • Não dando aos «grandes» o que é dos «pequenos» • Sendo valente na guerra contra os Mouros; • Aconselhando bem o Rei
  13. 13. Thétis e Gama Thétis mostra a Gama a «Máquina do Mundo»: universo à maneira de Ptolomeu Empíreo: céu (envolvendo o universo) - onde estão as almas puras dos heróis
  14. 14. Thétis e Gama • Deuses: ficções humanas –Verdadeiro só um DEUS existe. • Possibilidade de «bichos da terra tão pequenos» tornarem-se imortais. • Verdadeiro maravilhoso? Os humanos
  15. 15. Significado da Ilha (II) • Prémio para corpo (não é espiritual no sentido cristão) – todos os sentidos são saciados: plenitude e alegria; • AMOR pagão (Eros) = FORÇA SUPREMA – conduz… – A um novo ser humano; – Harmoniza o universo; – Coloca o ser humano acima dos deuses.
  16. 16. Significado da Ilha (II) • AMOR dá atributos divinos aos humanos; • Narração pagã incluindo a Fé – ligando o passado ao futuro: missionários no Oriente; • Camões integra-se como figura épica, imortalizando-se com e no seu canto; • Consumação das profecias e receios de Baco: os portugueses divinizam-se e os deuses humanizam-se.
  17. 17. Em suma… E citando Jorge de Sena: «Trata-se sobretudo de sublinhar, quando a intolerância e a crueldade se instalaram oficialmente como formas sociais, como o Amor é conquista e rendição, mas é acima de tudo posse e dádiva, e prazer que nenhuma moral tem o direito de limitar; os actos do Amor são a divinização dos heróis.» (in «Actas da I Reunião Internacional de Camonistas - adaptado)
  18. 18. Bibliografia: Pinto Pais, A. (2009). Os Lusíadas – Edição Escolar. Porto: Areal Editores

×