Custo volume lucro

16,935 views

Published on

0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
16,935
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
356
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Custo volume lucro

  1. 1. Contabilidade Gerencial Profº. Ulisses CUSTO x VOLUME x LUCRO Antes de estudarmos a relação custo x volume x lucro, vamos procurar propor o significado da terminologia em custos industriais, segundo Eliseu Martins (Contabilidade Custos, 2000): a) Gasto – sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou serviço qualquer, sacrifício esse representado por entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro). b) Investimento – gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro(s) período(s). c) Custo – gasto relativo à bem ou serviço utilizado na produção de outros bens ou serviços. d) Despesa – bem ou serviço consumidos direta ou indiretamente para a obtenção de receitas. e) Desembolso – pagamento resultante da aquisição do bem ou serviço. f) Perda – bem ou serviço consumidos de forma anormal e involuntária. Custo (e Despesas) Fixos São aqueles que não se alteram de forma proporcional ao volume de produtos e ou serviços produzidos por uma empresa. Exemplo: aluguel do barracão da fábrica, se a empresa produzir nenhum ou um milhão de produtos, o valor do contrato de aluguel não se altera e terá que ser pago. Graficamente temos: Custo Custo Volume de Atividade Volume de Atividade
  2. 2. Contabilidade Gerencial Profº. Ulisses Custo (e Despesas) Variáveis Variam de certa forma proporcional ao volume de produtos e ou serviços produzidos. Exemplo: Matéria-prima Graficamente temos: Custo Custo Volume de Atividade Volume de Atividade Custo (e Despesas) Totais Consiste na somatória dos custos (e despesas) fixos e variáveis. E pode ser obtido através da seguinte fórmula: CT = q.CV + CF onde: CT = custos (e despesas) totais q = quantidade produzida CV = custo (e despesa) variável CF = custo (e despesa) fixo Graficamente: CT CV Custo CF Volume da Atividade
  3. 3. Contabilidade Gerencial Profº. Ulisses Variações nos custos (e despesas) fixos tendem a descolar a reta para cima ou para baixo, enquanto nos custos variáveis o que se observa é uma maior ou menor inclinação da reta. Ponto de Equilíbrio O Ponto de Equilíbrio (também denominado Ponto de Ruptura – Break even Point) nasce da conjugação dos Custos Totais com as Receitas Totais. Neste ponto o resultado da empresa é nulo, acima dele a empresa conheça operar com lucro e o inverso também é válido, ou seja, abaixo do ponto de equilíbrio estará operando com prejuízo. Graficamente: Lucro RT Custo CT PE CF Prejuízo Volume de Atividade Fórmulas: RT = q . PVu PE = CDF / Mcu Mcu = PVu – Cvu Onde: RT = receita Total q = quantidade PVu = preço de venda unitário CVu = custo variável unitário PE = ponto de equilíbrio CDF = custos e despesas fixos MCu= Margem de Contribuição Unitária Observação: A margem de Contribuição indica quanto cada produto ou serviço em análise este contribuindo para o resultado total da empresa.
  4. 4. Contabilidade Gerencial Profº. Ulisses Exemplo: Suponhamos uma empresa com os seguintes dados: Preço de venda: $ 500/unidade Custo + Despesas Variáveis: $ 350/unidade Custo + Despesas Fixos: $ 600.000/mês A empresa obterá seu ponto de equilíbrio quando suas receitas totais equalizarem seus custos e despesas totais: PE = Custos + Desepsas Fixo / Margem Contribuição Unitária PE = 600.000 / (PVu – CVu) PE = 600.000 / (500 – 350) PE = 600.000 / 150 PE = 4.000 u/mês (Ponto de Equilíbrio em quantidade) Para saber o valor do Ponto de Equilíbrio, basta utilizar da fórmula da receita total (RT), informando a quantidade encontrada pela fórmula anterior. RT = q . PVu RT= 4.000 x 500 RT = $ 2.000.000/mês Margem de Segurança e Alavancagem Operacional Supondo que uma construtora esteja produzindo um tipo de casa pré-fabricada com as seguintes características: Custos Variáveis: $140.000/u Custos + Despesas Fixos: $ 1.000.000/mês Preço de Venda: $ 240.000/u Seu Ponto de Equilíbrio é de: PE = Custos + Despesas Fixos / Margem de Contribuição Unitária PE = 1.000.000 / ( 240.000 – 140.000) PE = 1.000.000 / 100.000 PE = 10 u/mês Se esta empresa estivesse produzindo e vendendo 14 casas por mês, estaria operando com uma margem de segurança de 4 unidades, uma vez que poderia reduzir ou suprimir esta quantidade sem que entrasse em prejuízo, logo: MS = 4u / 14u = 28,6% Em receita o cálculo é o mesmo: MS = (Receita Atual – Receita Anterior) / Receita Atual MS = (3.360.000 – 2.400.000) / 3.360.000 MS = 28,6% Se agora a empresa estivesse produzindo e vendendo 17 casas por mês, teríamos: MS = 7u / 17u = 41,2%
  5. 5. Contabilidade Gerencial Profº. Ulisses ou MS = (4.080.000 – 2.400.000) / 4.080.000 = 41,2% Margem de Segurança é portanto o percentual que a empresa poderá reduzir na sua quantidade ou receita, sem entrar na faixa de prejuízo Em relação a posição anterior termos: Aumento no volume: 3u (17u – 14u) = 21,4% Aumento no lucro: $ 300.000 (3 x $ 100.000*) = 75% ( 700.000 / 400.000) Logo, O Grau de Alavancagem Operacional = % acréscimo lucro / % acréscimo no volume = 75% / 21,4% = 3,5 vezes. A cada 1% de aumento sobre o volume considerando a mesma estrutura de custo e preço de venda resultará em um aumento no lucro de 3,5 vezes, portanto se aumentar a quantidade em 25% teremos um lucro de 87,8% (25% x 3,5). Grau de Alavancagem Operacional representa o efeito que um aumento na quantidade de vendas provocará no lucro de sua empresa. Pontos de Equilíbrio Contábil, Econômico e Financeiro Se uma empresa tem as seguintes características: Custo + Despesa Variáveis: $ 6.000/u Custo + Despesa Fixos: $ 4.000.000/ano Preço de Venda: $ 8.000/u e sabemos que o Ponto de Equilíbrio Contábil é: PEC = CDF / MCu PEC = 4.000.000 / (8.000 – 6.000) PEC = 2.000 u/ano ou $ 16.000.000/ano de vendas (2.000 * $ 8.000) Teremos um resultado nulo considerando esta quantidade apurada pelo PEC, no entanto as empresas que objetivam um resultado esperam uma renumeração maior do que se conseguiria no mercado sobre o seu Patrimônio Líquido Líquido, assim supondo que a empresa em questão possuisse um PL = $ 10.000.000 e que seus sócios desejam um retorno de 10% a.a. o lucro mínimo esperado seria de $ 1.000.000, para conseguir apurar a quantidade deste novo ponto de equilíbrio considerando a remuneração esperada pelos sócios desta empresa, passaremos a utilizar da seguinte fórmula: PEE = (CDF + Resultado Esperado) / MCu Onde:
  6. 6. Contabilidade Gerencial Profº. Ulisses PEE = ponto de equilíbrio econômico CDF = custos e despesas fixos Resultado Esperado = remuneração do capital MCu= margem de contribuição unitária Assim sendo, teríamos: PEE = (4.000.000 + 1.000.000) / (8.000 – 6.000) PEE = 5.000.000 / 2.000 = 2.500 u/ano ou $ 20.000.000/ano de vendas Já o Ponto de Equilíbrio Financeiro somente considera custos e despesas que representem desembolso de caixa. Assim se no exemplo acima existisse uma despesa de depreciação, suponhamos de $ 800.000, teremos: PEF = CDF desembolsados / MCu PEF = (4.000.000 – 800.000) / 2.000 = 1.600 u/ano ou $ 12.800.000/ano de vendas. Influências das Alteração dos Elementos Componentes do Ponto de Equilíbrio a) Alterações dos Custos e Despesas Fixos O Ponto de Equilíbrio altera-se proporcionalmente à alteração dos custos e despesas fixos. Exemplo: Custo + Despesas Variáveis $ 1.000/u Custo + Despesa Fixos: $ 600.000/mês Preço de Venda: $ 1.500/u PE = 600.000 / 500 = 1.200 u/mês ou $ 1.800.000 de vendas Se houvesse um acréscimo de 40% na Folha de Pagamento que por sua vez corresponde a 70% dos Custos e Despesas Fixos, teríamos: 70% de $ 600.000 = $ 420.000 $ 420.000 * 40% = $ 168.000 Custo e Despesa Fixo após o aumento = $ 600.000 + $ 168.000 = $ 768.000 (aumento de 28% = $768.000 / $600.000) PEC = 768.000 / 500 = 1.536/u ou $ 2.304.000 de vendas O mesmo acréscimo do PEC = 28% (1.536 / 1.200) b) Alterações no Custo e Despesas Variáveis e no Preço de Venda Não provocam a mesma alteração proporcional do Ponto de Equilíbrio, uma vez que se a Margem de Contribuição Unitária for maior o impacto destas variações será menor e o inverso também é válido, menor margem de contribuição maior impacto no PE. Exemplo:
  7. 7. Contabilidade Gerencial Profº. Ulisses Admitindo que uma empresa opera na estrutura de custo abaixo, um acréscimo de 30% nos custos e despesas variáveis irá impactar da seguinte forma o PE: Custos + Despesas Variáveis: $ 4.000/u Custos + Despesas Fixos: $ 1.200.000/mês Preço de Venda: $ 6.000/u PEC (1) = 1.200.000 / (6.000 – 4000) = 600 u/mês ou $ 3.600.000 de vendas com o acréscimo de 30% nos custos e despesas variáveis: PEC (2) = 1.200.000 / (6.000 – 5.200) = 1.500 u/mês ou $ 9.000.000 de vendas Um acréscimo de 150% entre PEC(2) e PEC(1) para um acréscimo de 30% nos custos e despesas variáveis. Vamos agora aumentar a margem de contribuição unitária desta mesma empresa: Custos + Despesas Variáveis: $ 4.000/u Custos + Despesas Fixos: $ 1.200.000/mês Preço de Venda: $ 14.000/u Teremos agora: PEC (1) = 1.200.000 / (14.000 – 4.000) = 120 u/mês ou $ 1.680.000 de vendas Considerando o acréscimo de 30% nos custos e despesas variáveis: PEC (2) = 1.200.000 / (14.000 – 5.200) = 136 u/mês ou $ 1.904.000 de vendas Com a margem de contribuição unitária maior temos um variação de 13% entre o PEC(2) e PEC(1) crescendo 30% nos custos e despesas variáveis.

×