Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula slides virologia

4,826 views

Published on

Published in: Science
  • Be the first to comment

Aula slides virologia

  1. 1. Profª Betione
  2. 2. A virologia teve seu inicio no final do século XIX, com o reconhecimento da existência de agentes infecciosos capazes de passar através de filtros que retinham bactérias, sendo, portanto menores do que as bactérias. Com a evolução de conhecimento teórico e científico verificou-se que nem todos os agentes filtráveis podiam ser classificados como vírus, uma que vez que estes, além de seu reduzido tamanho, são parasitas intra celulares obrigatórios, apresentam uma organização, composição e estruturas características.
  3. 3. Os vírus são seres microscópicos, que não possuem organização celular, sendo portanto parasitas obrigatórios.
  4. 4. Os vírus são seres diminutos, visíveis apenas ao microscópico eletrônico, constituídos por apenas duas classes de substancias químicas: DNA (ácido nucleico) e RNA (proteína).
  5. 5. O que diferencia de os vírus de todos os outros seres vivos é que eles são acelulares. Assim, não tem a complexa maquinaria bioquímica necessária para fazer funcionar o seu programa genético e precisam de células que os hospedam. Todos os vírus são parasitas intra-celular obrigatório.
  6. 6. Atuando como um “pirata” celular, um vírus invade uma célula e assume o comando, fazendo com que ela trabalhe quase que exclusivamente para produzir novos vírus. A infecção viral geralmente causa profundas alterações no metabolismo celular, podendo levar à morte das células infectadas. Vírus causam doenças em plantas e em animais, incluindo o homem.
  7. 7. Fora da célula hospedeira , os vírus não manifestam nenhuma atividade vital: não crescem, não degradam nem fabricam substancias e não reage a estímulos. No entanto, se houver células hospedeiras compatíveis a sua disposição, um único vírus é capaz de originar, em cerca de 20 minutos, centenas de novos vírus.
  8. 8. Capsídio: o envoltório do vírus, formado por proteínas. Além de proteger o ácido nucleico viral, o capsídio tem a capacidade de se ligar quimicamente com substancias presentes na superfície das células, o que permite ao vírus reconhecer e atacar o tipo celular adequado a hospedá-lo. Alguns vírus podem apresentar um envoltório lipídeo, proveniente da membrana da célula onde se originam.
  9. 9. Material genético: o material do vírus pode ser DNA ou RNA, onde estão inscritas as informações para a produção de novos vírus.
  10. 10. Vírus: a partícula viral, quando fora da célula hospedeira, é geneticamente denominada vírion. Cada espécie de vírus apresenta vírions de formato característicos.
  11. 11. OBS: Alguns vírus são formados apenas pelo nucleocapsídeo ( capsídio + acido nucleico), ou seja, contem apenas o acido nucleico envolto a capsula proteica. Outros, no entanto, possuem um envoltório ou envelope denominados vírus capsulados ou envelopados. O envelope consiste principalmente das duas camadas de lipídios derivadas da membrana plasmática da célula hospedeira e de moléculas de proteínas virais, específicas para cada tipo de vírus, imersas nas camadas de lipídios. 
  12. 12. Em geral, um tipo de vírus ataca apenas um ou poucos tipos de célula. Isso porque um determinado tipo de vírus só consegue infectar uma célula que possua, na membrana, substâncias as quais ele possa se ligar. O vírus da poliomielite, por exemplo, é altamente especifico, infectando apenas células nervosas, intestinais e da mucosa da garganta.
  13. 13. A reprodução ou replicação dos vírus, ocorre somente no interior de uma célula hospedeira. Existem basicamente dois tipos de ciclos reprodutivos: lítico e lisogênico. Esses dois ciclos iniciam-se como fago T aderindo à superfície da célula bacteriana através das fibras protéicas da cauda. Esta contrai-se, impelindo a parte central, tubular, para dentro da célula, à semelhança, de uma microsseringa. O DNA do vírus é, então, injetado no interior da célula, ficando fora da célula a cápsula protéica vazia. A partir desse momento, começa a diferenciação entre ciclo lítico e ciclo lisogênico.
  14. 14. No ciclo lítico, o vírus invade a bactéria, onde as funções normais desta são interrompidas na presença de ácido nucléico do vírus (DNA ou RNA). Esse, ao mesmo tempo em que é replicado, comanda a síntese das proteínas que comporão o capsídeo. Os capsídeos organizam-se e envolvem as moléculas de ácido nucléico. São produzidos, então novos vírus. Ocorre a lise, ou seja, a célula infectada rompe-se e os novos bacteriófagos são liberados. Sintomas causados por um vírus que se reproduz através desta maneira, em um organismo multicelular aparecem imediatamente. Nesse ciclo, os vírus utilizam o equipamento bioquímico(Ribossomo)da célula para fabricar sua proteína (Capsídeo).
  15. 15. No ciclo lisogênico, o vírus invade a bactéria ou a célula hospedeira, onde o DNA viral incorpora-se ao DNA da célula infectada. Isto é, o DNA viral torna-se parte do DNA da célula infectada. Uma vez infectada, a célula continua suas operações normais, como reprodução e ciclo celular. Durante o processo de divisão celular, o material genético da célula, juntamente com o material genético do vírus que foi incorporado, sofrem duplicação e em seguida são divididos equitativamente entre as células-filhas. Assim, uma vez infectada, uma célula começará a transmitir o vírus sempre que passar por mitose e todas as células estarão infectadas também. Sintomas causados por um vírus que se reproduz através desta maneira, em um organismo multicelular podem demorar a aparecer. Doenças causadas por vírus lisogênico tendem a ser incuráveis. Alguns exemplos incluem a AIDS e herpes.
  16. 16. Considerando como uma das maiores conquistas da ciência moderna os antibióticos juntamente com as vacinas e os soros, tem salvado mais vidas do que todas guerras já conseguiram matar.
  17. 17. Substâncias quimicamente muito diferente entre si, os antibióticos podem ser naturais ou sintéticos. Os antibióticos atuam de diferentes maneiras sobre as células bacterianas (efeito bactericida e bacteriostático). Mas os vírus sãos seres acelulares: não possuem parede celular nem membrana plasmática e se mostram absolutamente inertes quando fora de uma célula viva. Assim, os antibióticos não fazem qualquer efeito sob eles; os vírus são, “imunes” à ação dos antibióticos.
  18. 18. Muitos retrovírus possuem genes denominados oncogênes, que induzem as células hospedeiras, à divisão descontrolada, com a formação de tumores. Essa divisão descontrolada pode ser provocada por radiação, produtos químicos ou certos tipos de vírus, como o HIV, HTLV-I. Esses vírus, em vez de destruir as células de defesa do organismo, faz com que elas se reproduzem descontroladamente.
  19. 19. Os vírus causam varias doenças ao homem, aos animais e as plantas. Até o momento, poucas drogas mostram eficazes em destruir os vírus sem causar sérios efeitos colaterais.
  20. 20. A melhor maneira de combater as doenças virais é através de vacinas.
  21. 21.  Catapora  Caxumba  Conjuntivite  Dengue  Ebola  Faringite  Febre Amarela  Gripe  Hepatite  Herpes  Herpes-zóster  Hidrofobia (raiva)  Poliomielite
  22. 22.  Catapora  Caxumba  Conjuntivite  Dengue  Ebola  Faringite  Febre Amarela  Gripe  Hepatite  Herpes  Herpes-zóster  Hidrofobia (raiva)  Poliomielite
  23. 23. 1. O que são vírus? 2. O que difere os vírus dos demais seres vivos? 3. Quais as funções do capsídio? 4. Quais os tipos de material genético viral? 5. Quais tipos de estrutura dos vírus? 6. Fale sobre a replicação viral. 7. O que torna os vírus imunes aos antibióticos? 8. Qual a semelhança entre os vírus e o câncer? 9. Qual a melhor maneira de evitar as doenças virais? 10. Cite 4 doenças causadas por vírus.

×