Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Kardec
GAZETA
Ponto ComCirculando Desde 7 de setembro de 2012 Ano 3 N0
44 Paraíba / Brasil Abril de 2016 Exemplar Cortesia...
E KARDEC
PONTO
COM
Abril 2016
2
Seres Histriônicos
O BRASIL não precisa deles
crise político-econômica que desesturuturou ...
KARDEC
PONTO
COM
Abril 2016
3
OPINIÃO
Religião, Espiritualidade e Humanismo
MILTOM MEDRAN
Porto Alegre - RS
P
or que, no V...
KARDEC
PONTO
COM
Abril 2016
4
CENTRO ESPÍRITA
Evangelização para
crianças e jovens de nossas
comunidades mais pobres
CLARI...
KARDEC
PONTO
COM
Abril 2016
5
ENTREVISTA
KPC - Quando nasceu o grupo ENERGIA e onde fica a
sua sede?
Simara - Os integrant...
KARDEC
PONTO
COM
Abril 2016
6
S
Trabalho Infantil: Um tema
polêmico e incômodo que
ninguém que discutir
OCIEDADE
JORNAL CO...
KARDEC
PONTO
COM
Abril 2016
7
COMPORTAMENTO
Inveja e Felicidade
CARMEM PAIVA DE BARROS
João Pessoa - PB
E
Produzido pelo D...
KARDEC
PONTO
COM
Abril 2016
8
ROTINA
MARINA COLASSANTI
Belo Horizonte - MG
Eu sei, mas não devia...
Eu sei que a gente se ...
KARDEC
PONTO
COM
Abril 2016
9
REGISTRO
Jornal Lampadário
Espírita comemora
seus 10 anos de vida
editorial com
seminário
U
...
KARDEC
PONTO
COM
Abril 2016
10
DIVULGAÇÃO
Compartilhe esta página com amigos em suas redes sociais.
Evento bem divulgado é...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Gazeta Kardec Ponto Com - Abril 2016

1,003 views

Published on

Entrevista com o Grupo Energia

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Gazeta Kardec Ponto Com - Abril 2016

  1. 1. Kardec GAZETA Ponto ComCirculando Desde 7 de setembro de 2012 Ano 3 N0 44 Paraíba / Brasil Abril de 2016 Exemplar Cortesia Grupo Vocal ENERGIA Unindo voz e talento para encantar platéias de São José dos Campos e do Brasil. ENTREVISTA PÁGINA 5 mentos espiritualistas. E entra aquela questão que mexe com todo mundo: Por quê a influência e a força das cren- ças não são usadas para tornar a humanida- de mais fraterna e solidária? Ninguém pode negar que o mundo está fragmentado pelas diferenças, pela contradi- ção e pela injustiça. Todavia, a nosso ver, pior seria se não exis- tisse religião. As religiões que tornam os homens melho- res servem de apoio e de base para a estrutu- ra pessoal e social dos seus adeptos. Estimulam a prática do bem e do amor ao próximo à medida que cada um vai assimilan- do os ensinamentos morais e buscando a sua própria reformulação de conduta no mundo terreno. Alguns segmentos religiosos, no entanto, permanecem corrompidos, intolerantes e es- cravos de preceitos dogmáticos que o mundo em acelerado processo regenerativo não acei- ta mais. As religiões que se dizem “donas da verda- de”, mas permanecem insensíveis às necessi- dades básicas dos pobres do mundo, deixa- rão de ser dignas representantes da palavra e da vontade de Deus entre os seus seguidores. A nossa “religião” Espírita deve ser tratada para não se perder como um elo das religiões do passado que dominavam as cidades e as pessoas sob o império do medo e do pecado. e esta pergunta for dirigida ao ateu ele responderá, sem pestanejar, que sim. Farão côro com ele também a maioria dos cientistas e alguns seg- O Espiritismo deve estar atento às mudan- ças da sociedade terrena, à evolução do ser humano, ao seu anseio por liberdade nas es- colhas que necessita fazer para entender o “seu Deus” como pai justo e misericordioso. Não podemos permitir que o aspecto reli- gioso da Doutrina desça ao nível da fé cega, do dogma e do pecado original. Seja conduzida por médiuns e personalidades que se apresen- tam ao grande público como “tábua de salva- ção” das pessoas sufocadas com seus proble- mas existenciais. Poucos entendem, mas o que faz o Espiri- tismo diferente das outras religiões é a sua fi- losofia humanista que nos ensina a ter mais senso de responsabilidade no trato dos con- ceitos sobre a natureza da vida, do ser huma- no e da presença de um ser superior em nos- so destino. Se não conseguimos vislumbrar a luz do conhecimento enquanto presos ao corpo físi- co, na espiritualidade certamente abriremos bem os olhos para as consequências naturais do nosso desinteresse e de nossa preguiça na busca da verdade que nos incomoda tanto. Queiramos ou não, será assim. Na espiritualidade, estaremos todos mais sensíveis aos valores da vida superior. Lá, to- dos despertarão para a realidade da vida eter- na e descobrirão que as Leis Naturais que co- ordenam a nossa evolução não têm dois pe- sos e duas medidas. Com ou sem religião, estaremos todos su- jeitos a ingerência de um poder superior que nos levará a refletir acerca de nossa posição na comunidade dos espíritos que lutam pela recomposição dos valores éticos e morais. Como dizia Jesus em sua época: “Quem me segue, anda na luz”. S Podemos viver sem RELIGIÃO? ONDINA ALVERGA Salvador - BA A maneira mais eficaz de eliminar o Aedes aegypti é não deixá-lo nascer. Mantenha a sua casa livre dos criadouros. Evangelização para crianças e jovens de nossas comunidades mais pobres PÁGINA 4 CENTRO ESPÍRITA Fraternidade Sem Fronteiras promove intervenções sociais para ajudar crianças de Maputo, em Moçambique, na África PÁGINA 4 SOLIDARIEDADE Trabalho Infantil: Um tema polêmico e incômodo que ninguém que discutir PÁGINA 6 SOCIEDADE Seres Histriônicos O Brasil não precisa deles PÁGINA 2 EDITORIAL OPINIÃO Religião, Espiritualidade e Humanismo Os princípios que inspiraram o moderno Esta- do de Direito são elaborações do espírito imortal, construídos pela experiência individual e coleti- va, em sucessivas jornadas evolutivas. PÁGINA 3 COMPORTAMENTO A felicidade é para as almas simples e humil- des. A inveja é um sentimento capaz de obscure- cer a capacidade de uma pessoa apreciar as boas coisas da vida e de valorizar as boas qualidades e as conquistas das outras pessoas com as quais se relaciona. PÁGINA 7 Felicidade e Inveja Eu sei, mas não devia... ROTINA PÁGINA 8 A Política brasileira MORREU! Ministro do STF sentiu na pele o que o jurista baiano Rui Barbosa sentiu no passado: vergonha dos maus políticos. PÁGINA 6 Ainda não renovou a assinatura? PRESENÇA ESPÍRITA - A sua revista.
  2. 2. E KARDEC PONTO COM Abril 2016 2 Seres Histriônicos O BRASIL não precisa deles crise político-econômica que desesturuturou a vida de milhares de brasileiros tem uma cau- sa: o egocentrismo daqueles que estão no po- der. A corrupção é apenas um meio utilizado por homens e mulheres ambiciosos para che-Agar fácil aos bilhões de reais tirados do povo através de abusivos impostos. Pagamos todos uma conta que nunca tem fim, explora- dos em nome de uma falsa democracia e de um Estado de Direito maniqueísta. O Estado corrompido compromete em todos os níveis as instituições que deveriam garantir direitos e defender interesses comuns do povo. A Democracia agoniza diante dos seres histriônicos que se julgam “donos e salvadores da pátria”. Seres histriônicos, segundo análise do escritor paraibano Ruy Leitão, “são pessoas que têm uma enorme capacidade de manipulação; são hábeis na arte de seduzir pela autoafirmação de que se tornam indispensáveis no atendi- mento das demandas coletivas”. Infelizmente, a maioria dos Partidos políticos brasileiros está repleto desses estranhos seres.Todos brigando por uma fatia do imenso bolo chamado poder. A presidente já bateu o pé e gritou alto que de lá não sai e ninguém a tira. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) quer o impeachment garantido pela Constituição Federal. O PMDB - que tem a maior bancada ministerial no governo Dilma, está entregando cargos e caindo fora. O PT perdeu-se em um emaranhado de denúncias e pri- sões, decepcionando o povo que acreditavam em seus pro- jetos sociais mirabolantes. Acabamos todos “sem eira nem beira”. O Brasil parece fadado a naufragar em águas profundas de um histrionismo tupininquim, no qual o poder é disputado com todas as armas da veborragia - hipócrita e dissimulada, de seres que acendem uma vela para Deus e outra para o Diabo. E o povo que engula o pão e o circo oferecidos antes das eleições. As Olimpíadas estão chegando! Vamos todos so- frer as agruras de toda essa politicagem e roubalheira que sucateou a credibilidade do País no exterior. Milhões de brasileiros estão desempregados, outros tan- tos individados e a sociedade civil com síndrome de pânico em face da violência urbana que todos os dias elimina a vida de um ser humano que acreditava em um futuro melhor para si e seus familiares. Com esse desgoverno político-econômico, só nos resta acreditar que a justiça divina tarda, mas não falha... KARDEC Ponto Com Circulando desde 7 de setembro de 2012 Publicação da Agência KPC de Notícias Espíritas João Pessoa, PB. Editor e Jornalista Responsável Carlos Antônio de Barros DRTPB 1938 - API 2290 jornalista1938fenaj@gmail.com Secretária de Redação Carmem Paiva de Barros carmempensadora@gmail.com Conselho de Redação Celso Martins, Octávio Caúmo, Wilson Longobucco, Saulo Rocha, Marcos Toledo, Kiko Muniz, José João Torres, Azamor Azevedo, Ismael Ramos, Wilson Czerski, Jorge Santana, Welington Cantalice e Ondina Alverga. Correspondência e Encomenda Caixa Postal 1192, Agência Central, João Pessoa, PB, CEP 58010-970. Projeto Gráfico e Diagramação Carlos Barros Comunicação Espírita cabarrosilva@gmail.com Imagens e Ilustrações Internet e Arquivo da Agência KPC de Notícias Espíritas. DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Peça o seu exemplar pelo endereço eletrônico gazetakpc@gmail.com Seja mais um dos 35 mil leitores cadastrados em todo o Brasil e no exterior. A reprodução total ou parcial desta gazeta é autorizada desde que citada a fonte. As opiniões emitidas em artigos são de inteira responsabilidade dos seus autores. Equipe Letra Espírita (22) 2724-0945 9 9803-8893 www.letraespirita.com.br Equipe Letra Espírita Dia 01 / 1997 Centro Kardecista Os Essênios João Pessoa - PB Dia 12 / 1987 N E Cristão de Alhandra Alhandra - PB Dia 13 / 1932 Ismael Ramos Neves jornalista, escritor e divulgador espírita. Natal - RN Dia 29 / 1952 C E Seguidores de Jesus João Pessoa - PB Dia 29 / 1944 C E Discípulos de Jesus João Pessoa - PB ANIVERSARIANTES DO MÊS Dia 18 Revista O Consolador Curitiba - PR Dia 28 / 1926 Azamor Henriques Cirne de Azevedo, jornalista e fundador da revista Tribuna Espírita. João Pessoa - PB RECADO DO LEITOR POR EMAIL, TELEFONE E DIRETO DO BLOG ALFREDO KARRAS São Paulo Carlos, muito obrigado pelo espaço que me cedeu. A entrevista em KPC de março ficou maravilhosa! Vou divulgar a gazetinha paraibana em minhas redes sociais. JÚLIO CAETANO Matão Carlos, estamos de volta após alguns meses fora de circulação. Segue o jornal O BEM de março. Caso tenha artigos envie, por gentileza, para nossa Redação: jornalobem@gmail.com. OCTÁVIO CAÚMO SERRANO João Pessoa Carlos, obrigado por mais um número de KPC (março). Ótimos assuntos e diagramação agradável. Cada edição é uma boa surpresa. DORIS GANDRES Teresópolis Carlos, como sempre grata pelo envio desse excelente veículo de divulgação espírita. Uma publicação de mente aberta e de livre pensamento, como pretendia Kardec fôssemos todos nós espíritas. Grande abraço em toda equipe editorial e um especialmente na Carmem. SALOMÃO JACOB BENCHAYA Porto Alegre Carlos, acabei de ler mais uma primorosa edição de KPC (março). Destaco as seguintes matérias: - Mediunidade: Se não desenvolver acaba doente, que trata de uma crendice bastante difundida em Casas Espíritas. - Mediunidade, Zika vírus e Ótica Espírita, que analisa a estranha tendência de se atribuir às vidas passadas a origem de epidemia responsável por casos de microcefalia, situando o problema no terreno religioso das provações coletivas. - Enquete Comentada com respostas coerentes sobre essa temática. Felizmente, pessoas sensatas ofereceram explicações mais razoáveis que atribuir sempre às dívidas passadas o nascimento de crianças com enfermi- dades limitantes. Ah! Obrigado pela divulgação dos eventos e sites do CCEPA - Centro Cultural Espírita de Porto Alegre e da CEPA - Confederação Espírita Pan-Americana. JOSÉ JOÃO TORRES Brasília Amigos - Carmem e Carlos Barros, valeu a pena esperar pacientemente pela gazetinha KPC de março. Encaminhei exemplar para alguns amigos que adoraram a diversidade de assuntos abordados e a liberdade de expressão permitida em um veículo espírita de tamanha credibilidade. Aguardo a edição de abril. Abraços. DITORIAL A falsa modéstia é o último requinte de vaidade. La Bruyère Leia mais jornais e revistas espíritas em 2016. Faça pelo menos uma assinatura anual de nossos mensários impressos. Assine e recomende.
  3. 3. KARDEC PONTO COM Abril 2016 3 OPINIÃO Religião, Espiritualidade e Humanismo MILTOM MEDRAN Porto Alegre - RS P or que, no Vaticano, não existe um museu res- gatando as barbáries cometidas em nome de Deus, das Cruzadas à Inquisição? Por que não se erigem, ali, bustos de Huss, Copérnico, Gali- leu Galilei, Giordano Bruno e tantos outros benfeitores da humanidade, na época perseguidos ou executados por heresia? A razão é simples: na mentalidade religiosa o valor mais importante é a fé. Durante séculos, na história da cristandade, tudo era justificável, desde que praticada em defesa da fé. O Cardeal que presidiu o processo contra Giordano Bruno e que terminaria por levá-lo à execução numa fogueira, em 1600, foi, depois, canonizado. É São Roberto Belarmino, apontado como defensor intransi- gente da fé cristã e, por isso, elevado à glória dos alta- res. Foi a civilização, e não a religião, que legou ao mun- do os valores da tolerância, da igualdade, da liberdade de crer ou não e de se expressar segundo suas ínti- mas convicções. A construção dos direitos humanos na modernidade, em alguns aspectos, especialmente no que diz respei- to a liberdade de crença, teve na religião uma vigorosa opositora. Os princípios que inspiraram o moderno Estado de Direito são elaborações do espírito imortal, construídos pela experiência individual e coletiva, em sucessivas jornadas evolutivas. Por isso, religião e espiritualidade são expressões dificilmente harmonizáveis entre si. A religião cuida da fé que envelhece, cristaliza e se mumifica. A espiritualidade, liberta das algemas dos dogmas, conduz ao conhecimento e ao amor, valores supremos da vida. Só o amor e conhecimento dão ao espírito ou a co- munidade de espíritos, a coragem de renovar-se cons- tantemente, promovendo seu autojulgamento e recom- pondo os valores antes violados. “Foi a civilização, e não a religião, que legou ao mundo os valores da tolerância, da igualdade, da liberdade de crer ou não e de se expressar segundo suas íntimas convicções”. ACONTECE NA CASA ESPÍRITA Contaram-me, mas não quis acreditar. Tive que comprovar pessoalmente o fato insólito e risível que fazia aquela Casa Espírita diferente das de- mais do bairro. A instituição costuma oferecer passes duran- te a palestra, enquanto o orador está dando a sua mensagem doutrinária. As pessoas, que geralmente vão às Casas Espí- ritas tentar curar-se de suas mazelas morais sem o menor esforço próprio, começam a sair do au- ditório sutilmente e o palestrante acaba falando sozinho. Uma situação desgradável que compromete se- riamente a coordenação das atividades doutri- nárias da Casa Espírita que não respeita o tempo de trabalho do palestrante convidado. Até o som do microfone é diminuído no momen- to em que se inicia a sessão de passes. O palestrante fica sem voz no esforço que faz para ser ouvido pelo público presente, já bastante es- casso. A voz do palestrante não pode perturbar a con- centração do médium de cura na cabine de pas- ses, justificou um trabalhador da instituição para o inusitado da situação. Nota da Redação Este é um relato real enviado por nosso cor- respondente Marcos Toledo, de Natal (RN). Segundo Toledo, Casas Espíritas com esse pa- drão de atividade doutrinária proliferam no mo- vimento potiguar. Quem determina essa inusita- da regra é o médium de cura da instituição. A palestra é considerada atividade complemen- tar. Sem a importância que a atividade de cura espiritual e o médium exigem. DIFÍCIL DE ACREDITAR O Centro Espírita Amor ao Progresso, Rua Estevão Cruz, 245, em Vitória de Santo Antâo (PE), era uma instituição centenária. Encerrou suas atividades e teve todo seu acervo histórico-cultural jogado no lixo. A instituição foi repassada à outra orgnização religiosa pernambucana. Segundo o jornal LAMPADÁRIO ESPÍRITA (que traz a nota como destaque em sua primeira página, na edição deste mês), “já não havia espíritas interessados em mantê-la funcionando”. O movimento espírita de Vitória de Santo Antão perde um foco de luz importante. HM Hayley Misael CONTADORA <> CRC-PB 3919 Avenida Júlia Freira, 1462, Expedicionários, João Pessoa, PB. SKYPE hayleymisael EMAIL hayleymisael@gmail.com TELEFONE (83) 3043-2421 FAX (83) 3244-4493 Agência KPC de Notícias Espíritas Caixa Postal 1192, Agência Central, João Pessoa, PB, CEP 58010-970. Jornalista Responsável Carlos Antônio de Barros jornalista1938fenaj@gmail.com DRT-PB 1938 API 2290 Redação e Secretaria gazetakpc@gmail.com cabarrosilva@gmail.com carmempensadora@gmail.com Se fechardes a porta a todos os erros, a verdade ficará na rua. Tagore 53 anos de conversa solidária, salvando vidas e renovando esperança. 141
  4. 4. KARDEC PONTO COM Abril 2016 4 CENTRO ESPÍRITA Evangelização para crianças e jovens de nossas comunidades mais pobres CLARICE GUEDES DA SILVA Santa Rita - PB E vangelizar filhos dos pais espíritas no comodismo da instituição é fácil demais. O evangelizador ou educa- dor espírita precisa deixar a sua zona de conforto e buscar nas comunidades pobres e esquecidas de nossas periferias o cam- po de trabalho ideal para ganhar mais ex- periência doutrinária e um novo sentido de solidariedade humana. Não podemos esquecer que o Evange- lho, fundamentado nos ensinos morais de Jesus, está no mundo para orientar as al- mas que clamam por respeito, dignidade e cidadania. Uma parcela da sociedade brasileira, representada por crianças e jovens em si- tuação de risco, carecem bastante dessa evangelização direcionada e de uma boa dose de educação integral. Ficar esperando pelas ações sociais dos nossos governantes não é uma medida inteligente. Façamos a nossa parte conscientes de que a responsabilidade moral nesse con- texto é inadiável. Acriança e o jovem, necessitado de tudo para crescerem longe da criminalidade, é um problema que deve ser minimizado criteriosamente, sempre buscando uma solução urgentíssima. Os evangelizadores ou educadores que se prestarem a atuar nas periferias devem desenvolver tarefas bem coordenadas e com objetivos definidos. O foco principal é resgatar a autoestima da “molecada” solta na rua, mostrando a cada um deles seus valores espirituais e direitos humanos. Nada de discurso doutrinário piegas. A linguagem deve ser coloquial e mais sim- ples possível para que todos entendam a mensagem e se esclareçam sem nenhum embaraço. Uma evangelização comunitária tem muito mais sabor de vitória em face de algumas dificuldades apresentadas, que vão sempre motivar o educador espírita. Fraternidade Sem Fronteiras promove intervenções sociais para ajudar crianças de Maputo, em Moçambique, na África DIVULGAÇÃO ESPECIAL A ONG, sem fins lucrativos, foi funda- da por Wagner Moura Gomes e se esta- beleceu em Campo Grande (MS) há cer- ca de sete anos. As pessoas podem ajudar a institui- ção apadrinhando crianças, doando re- cursos, promovendo a sua divulgação e a captação de recursos. Para ser volun- tário basta enviar e-mail para caravanasemfronteira@gmail.com. O apadrinhamento de uma ou mais cri- anças pode ser feito pelo site, assim como o cadastramento do interessado. Recentemente, a ONU ofereceu ao presidente da ONG brasileira prêmio por seus relevantes serviços prestados à comunidade moçambicana, baseados nos princípios da fraternidade e do amor universal. Uma prova irrefutável de que Frater- nidade Sem Fronteiras é uma instituição séria e seus membros dignos do mais elevado respeito. Vamos ajudar, gente! Veja abaixo como colaborar com a ONG e mantê-la funcionando plenamente. Quem luta com lealdade, mesmo derrotado se coloca em situação de vencedor. Dante Veoléci Não deixe para a última hora. Diga em casa que você é doador. E não esqueça de cadastrar-se. Você sabe ouvir o outro com paciência e sincero respeito? Se ainda não sabe, procure um curso de “ouvidor”. Saber ouvir é muito mais relevante do que saber falar. Porque às vezes fala-se tanta asneira em nome de uma verdade que não se vive. (KPC)
  5. 5. KARDEC PONTO COM Abril 2016 5 ENTREVISTA KPC - Quando nasceu o grupo ENERGIA e onde fica a sua sede? Simara - Os integrantes já se conheciam da COMEVALP - Confraternização das Mocidades Espíritas do Vale do Paraíba) onde já trabalhavam com a equipe de música do encontro. Em 2004, o grupo se apresentou pela primeira vez na mostra de arte da cidade de Caçapava. Logo após esse even- to, os integrantes daquela época (Denis Aguiar, Simara Silva e Eduardo Martins) resolveram chegar num consenso, res- gatando ideias para o trio e colocando o nome do grupo: ENERGIA. A palavra energia vem de energéia, que significa “força em ação”. O grupo tem sua sede em São José dos Campos (SP), onde reside a maioria dos integrantes, com exceção do vocalista Eduardo, que reside atualmente em Valinhos (SP). KPC - A sua formação sempre foi a que é apresentada no encarte informativo do CD? Simara - Inicialmente, o grupo era formado pela Simara (voz), Denis (violão, guitarra e voz) e Eduardo (voz). No ano de 2006, foi convidado mais um integrante, André Mohor (Cazuza), como percussionista do grupo, trazendo grandes ideias inovadoras, efetivamente substanciais para o grupo. Em 2013 mais um integrante foi convidado, Paulo Cortez, aumentando ainda mais o repertório com suas poesias e musicalidade com o violão. KPC - O grupo está vinculado a alguma instituição espírita da região? Simara - Todos os integrantes são trabalhadores ativos nos Centros Espíritas que frequentam, mas o grupo ENER- GIA não está ligado a nenhuma casa ou instituição espírita. KPC - Como funciona o processo criativo das letras e melodias das composições do ENERGIA? Simara - No início, parte de nossas músicas foram com- postas pelo grande amigo Vicente Cordeiro (Caçapava, SP). Com o passar do tempo os integrantes do grupo Paulo, Denis e Eduardo também foram compondo músicas, algumas ve- zes surgindo primeiro a letra e em outras primeiro a melodia, e depois a letra. Até o momento, não foi composta nenhuma música com letra psicografada, mas temos a certeza de que o trabalho é feito sempre com a inspiração dos amigos do plano espiritu- al. KPC - Quem faz os arranjos musicais do grupo? Simara - Todos os arranjos do grupo são construídos harmonicamente através da sensibilidade e conhecimento musical do Denis Aguiar, contando sempre com a contribui- ção de todos os demais integrantes. KPC - Como foi a recepção do público em relação ao primeiro CD “Arte de Amar”? Simara - Foi de grande expectativa! A maioria já conhe- cia o grupo das apresentações feitas nos encontros e cen- tros espíritas. Todos estavam ansiosos para ter o CD e po- der ouvir as canções do grupo ENERGIA a todo momento! Foi realizada uma apresentação de lançamento do CD em que todos colaboraram. Foram nossos convidados es- peciais e também contamos com a presença de amigos da região do Vale do Paraíba. Nesse lançamento a entrada era um quilo de alimento que foi entregue para ajudar a obra social Célio Lemos, em São José dos Campos. Com o lançamento do CD também foi possível levar a música do ENERGIA para outras regiões e Estados, divul- gando ainda mais a doutrina espírita através da musica. Recebemos excelentes feedbacks do público espírita e também do não espírita. KPC - Qual a tiragem deste CD e como ficaram os custos de produção? Simara - Para realizar a gravação deste CD contamos com a ajuda do nosso amigo Jorge Reis, do grupo Castelã, que cedeu gratuitamente o estúdio da AME - Assistência Maternal Espírita, de São José dos Campos. Tivemos o custo com o pagamento do produtor, que foi dividido entre os próprios integrantes. E para a masterização e a tiragem de 1.000 (mil) CDs, realizamos uma “vaquinha” virtual e também um “livro de ouro” entre todos aqueles que acreditavam em nosso projeto puderam contribuir com qual- quer valor. KPC - Como a música do grupo ENERGIA pode ser trabalhada junto à infância e à juventude nas Casas Es- píritas? Simara - Estimulando as pessoas que tocam violão ou cantam, sejam jovens ou evangelizadores da Casa Espírita; que insiram a música em suas atividades, seja no início ou final, trazendo harmonia às atividades realizadas. E também trabalhando a letra da música, proporcionando reflexões com os jovens sobre a doutrina e a vida. KPC - Com mais de dez anos de existência, o grupo já se sente maduro, musicalmente, para viajar pelo Brasil e apresentar sua arte? Simara - Agora, em agosto deste ano, o grupo ENERGIA completará 12 anos de existência. Acreditamos que depois de mais de uma década de trabalho, apresentações e expe- riências obtidas em cada evento, cada ensaio e através do estudo da doutrina, estamos adquirindo maturidade musical para divulgar o Espiritismo e alcançar os corações das pes- soas, disseminando as mensagens do Evangelho de Jesus, codificado por Allan Kardec. Dentro das possibilidades financeiras e disponibilidade dos integrantes, levaremos o nosso trabalho por todo o Brasil, pessoalmente ou virtualmente, onde se fizer necessário. KPC - Quais os projetos do grupo para este ano? Simara - Estamos compondo e ensaiando novas músi- cas já pensando no próximo CD. Mas temos como foco prin- cipal as apresentações nas Casas Espíritas, nos eventos e demais locais que formos convidados. Desde que tudo este- ja alinhado com a proposta do grupo. KPC - Suas considerações finais, com o nosso since- ro agradecimento pela entrevista exclusiva? Simara - Nós que agradecemos a Agência KPC de Notí- cias Espíritas de João Pessoa a oportunidade de divulgação do nosso trabalho. Fazer arte, levar a mensagem da doutrina e emocionar as pessoas, através da música é incrível para nós. Sempre aprendemos muito em cada apresentação. Co- nhecemos muitas pessoas que se tornam amigas, cresce- mos como indivíduos e como um grupo cada vez mais uni- do. Dizemos que somos uma família de coração. Incentivamos outros grupos a persistir e seguir o mesmo caminho, que é divertido, emocionante e gratificante. PAUTA ASSINADA POR CARLOS BARROS “Acreditamos que depois de mais de uma década de trabalho, apresentações e experiências obtidas em cada evento, cada ensaio e através do estudo da doutrina, adquirimos maturidade musical para divulgar o Espiritismo e alcançar os corações das pessoas,disseminando as mensagens do Evangelho de Jesus, codificado por Allan Kardec”. Grupo Vocal ENERGIA de São José dos Campos (SP) para o Brasil. CONTATOS COM O Grupo Vocal ENERGIA www.energia.mus.br / grupo.musica.energia@gmail.com São José dos Campos - SP COMPRE O CD E DIVULGUE EM SUA CASA ESPÍRITA. ENERGIA COM SENSIBILIZADADE.
  6. 6. KARDEC PONTO COM Abril 2016 6 S Trabalho Infantil: Um tema polêmico e incômodo que ninguém que discutir OCIEDADE JORNAL CORREIO FRATERNO Fundado em 3 de outubro de 1967 Vinculado ao Lar da Criança Emmanuel S. B. do Campo, SP. Telefone (11) 4109-2939 E-Mail correiofraterno@correiofraterno.com.br Site www.correiofraterno.com.br Não esqueça de assinar ou renovar a sua assinatura anual. Seis exemplares por apenas R$ 42,00. Com entrega via Correios. Leia e assine também o jornal O CLARIM que traz o mesmo selo de qualidade da Casa Editora O Clarim, de Matão, SP. A revista espírita mais lida e apreciada no Brasil e no exterior. Assine ou renova a sua assinatura. E saiba como distribuí-la com até 55% de desconto. Confira no site www.oclarim.com.br SAULO AURÉLIO ROCHA Recife - PE O jornalista espírita, enquanto integrante da sociedade terrena e formador de opinião, deve preocupar-se também com os proble- mas que afligem o povo brasileiro. Deve divulgar o Espiritismo, sim, mas sem esquecer de lutar por políticas públicas que assegurem, na prática, direitos em prol da qualidade de vida de nossas crianças e de nossos adolescentes. Podemos escrever e debater, por exemplo, sobre o trabalho infantil, um grave problema que ainda perdura por este Brasil afora, tirando das crianças e dos adoles- centes um pouco de esperança que lhes restam pela fren- te. O tema é polêmico e incômodo. Conheço espíritas que relutam levá-lo para servir de assunto aberto ao público nas palestras de suas instituições. Justificam que é as- sunto para as “autoridades” resolverem. Entendemos que todos os temas relacionados a pro- blemas sociais do nosso País deveriam ser tratados em palestras públicas nas Casas Espíritas, sem configura- ção político-partidária. Ouvindo o povo e buscando ca- minhos seguros para resgatar a cidadania dos futuros ci- dadãos deste País. Todavia, é um tipo de assunto que exige de todos os envolvidos uma visão crítica sensata e uma argumenta- ção baseada em análise sociológica que defenda direi- tos básicos e fundamentais desses brasileirinhos. A criança e o adolescente, explorados sem seguro e garantias trabalhistas, devem ter preservados o respeito à sua individualidade e ao desenvolvimento saudável de sua formação física e psicológica. O debate deve passar longe do discurso demagógico que, baseado em preconceito, busca justificar a prática vergonhosa do trabalho infantil. Uma exploração inacei- tável cúmplice da ineficiência das políticas sociais, e ain- da mais difícil de entender quando espíritas religiosos vêm como “dívidas do passado” as tais explorações so- fridas por essas crianças e esses adolescentes. Com o jornalismo espírita, podemos abrir espaços para discussão do tema, envolvendo diversos segmentos da sociedade, na luta pela erradicação definitiva do traba- lho infantil e proteção social aos adolescentes por este Brasil afora. A Doutrina dos Espíritos está em nosso mundo para melhorar as relações sociais e humanas, oferecendo mecanismos reeducativos e moralizadores capazes de transformar o indivíduo e o seu meio. É uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal. Portanto, não podemos esquecer que o Espiritismo, quando bem conduzido e interpretado pelos homens, contribuirá bastante para formação de uma cultura espí- rita sólida e bem fundamentada, a partir de uma mentali- dade voltada para valorizar outros canais de percepção além dos cinco sentidos conhecidos pela ciência huma- na. Talvez sejam necessários mais alguns séculos para o Espírito humano despertar plenamente sua consciência para o bem comum, enxergar o outro como seu igual. Ministro do Supremo Tribunal Federal disse a alunos da Fundação Lemann que “a política brasileira morreu” MAURO BARROS Da Redação U m desabafo coerente com a triste situação político-econômica que o nosso País experimen- ta. Uma situação vergonhosa que levou a soci- edade civil às ruas para exigir o impeachment da presidente Dilma Rousseff. O ministro Luís Roberto Barroso desabafou como um brasileiro comum, aquele que vem sentindo o gosto amargo da indignação popular por um governo centralizador e maniqueísta, que acabou criando “um sistema político que não tem o mínimo de legitimi- dade democrática”. Segundo o ministro Luís Barroso, “esse sistema deu uma centralidade imensa ao dinheiro e à neces- sidade de financiamento, e se tornou um espaço de corrupção generalizada”. Em outro evento - na UNICEUB, o ministro Barroso disse que é contra a existência de foro privilegiado no País. “Foro por prerrogativa de função é um desastre para o País. A minha posição é extremamente contra. É pés- simo o modelo brasileiro, e estimula fraude de jurisdi- ção, na qual, quando nós julgamos, o sujeito renuncia, ou quando o processo avança, ele se candidata e muda a jurisdição. O sistema é feito para não funcionar”, enfatizou o ministro do STF. A política brasileira morreu faz tempo. Perdeu vi- talidade ética, moral, honradez e dignidade cívica. O grande jurista baiano Rui Barbosa já se mostrava in- dignado com o que os representantes do povo faziam com a política de sua época. O seu desabafo ficou para a posteridade como um grito no deserto dos inconformados. Um grito que a nova geração de brasileiros querem ecoar pelas ruas. RETRATO FALADO “Entre um governo que faz mal e o povo que o consente, há uma certa cumplicidade vergonhosa”. Victor Hugo A coragem não se falsifica. É uma virtude que escapa à hipocrisia. Napoleão A Rádio que toda a família pode ouvir. Ouça e informe-se no site www.radiodejaneiro.am.br
  7. 7. KARDEC PONTO COM Abril 2016 7 COMPORTAMENTO Inveja e Felicidade CARMEM PAIVA DE BARROS João Pessoa - PB E Produzido pelo DAP da Instituição Espírita Cooperadoras do Bem Amèlie Boudet. Vai ao ar todos os domingos, às 10h25, com reprise às 19h30, pela Rádio Rio de Janeiro 1400 AM. Apresentação: Wilson Longobucco. Ouça ainda no site www.radioriodejaneiro.com.br Programa NAS ONDAS DO RÁDIO m um mundo como o nosso ser plenamente feliz é quase impos- sível. Algumas raríssimas al- mas, devotadas à caridade, ao amor ao próximo, conseguem sentir le- vemente a brisa da felicidade como um alento divino. Essas criaturas diferenciadas vivem no mundo esquecidas de si mesmas. Doam-se sem nenhuma exigência, aten- dendo de boa vontade o apelo feito por Jesus há mais de dois mil anos: “Amai- vos uns aos outros como vos amei”. São almas simples e humildes que espalham sementes de amor fraterno, solidário, compassivo, indulgente, paci- ente, com uma proposta bem definida: deixar o outro de bem consigo mesmo. Todavia, esse amor escasseia na Ter- ra quando o ser humano se deixa influ- enciar pelas sutilezas do orgulho e do egoísmo, duas patologias morais dege- nerativas do caráter das almas desavi- sadas da lei de causa e efeito. Uma dessas sutilezas negativas que mais afeta a humanidade é a inveja, que pode ser caracterizada como desgosto e ódio provocados pelo sucesso ou pe- las posses materiais de outra pessoa. A inveja tem uma natureza hostil e está relacionada a casos de agressão verbal e até física. É um sentimento capaz de obscure- cer a capacidade de uma pessoa apre- ciar as boas coisas de sua vida e de va- lorizar as boas qualidades e as conquis- tas das pessoas com as quais se relaci- ona. Quem sonha em conquistar a felicida- de sem sacrifício e trabalho duro, andan- do de braços dados com a inveja, que se cuide. A pessoa invejosa nunca será feliz querendo ser “a outra”. Por mais que se esforce, a inveja não lhe facultará essa possibilidade de brilhar naturalmente a exemplo da outra que, na sua simplici- dade, atrai olhares impressionados. CRÔNICA Escada Evolutiva Luiz Carlos Prates / Floripa - SC Q uanto menos seguro e forte por dentro mais busca o homem compensações por fora. E dizen- do isso, leitor, lembro imediata- mente de Chico Xavier, de quem li na obra Pérolas do Além, que “(...) cada um observa a paisagem de acordo com o degrau em que se encontra na escada evolutiva”. Não é preciso ir longe, basta uma olhada rápida nas pessoas que nos cruzam o caminho ou que “produzem” perto de nós, no trabalho, por exemplo. A sofreguidão para trocar de carro, para exibir o que é caro, mais novo, para dizer que fez, que aconteceu, não resulta senão por razões de ordem emocional, insegurança interna. Buscam, os tais, a compensação material, exibida, como que uma forma de dizer aos que estão perto: veja como estou bem, veja como posso... Não é de outra, por exemplo, a origem das psicologias motivacionais que alicerçam a venda de automóveis no país e no mundo. Os americanos, criadores tanto dos carros quanto da propaganda psicológica sobre o “poder” dos veículos, valem-se até hoje desses expedientes para vender (e vender muito) aos que estão em degraus baixos na escada evolutiva. É assim no Congresso Nacional. O que querem aqueles rebotalhos huma- nos senão o poder ao agir de modo iníquo, desonesto? Querem poder. Usar de uma lista de votação secreta não é outra coisa senão ter na mão o poder sobre outras pessoas. Exatamente o poder que rareia ou falta inteiramente na personalidade. Olhe, leitor, uma pessoa segura quase não penteia o cabelo, menos ainda vive trocando de carros ou prevaricando aqui e ali... Ou fazendo ostentação incompatíveis com o salário e os dinhei- ros que recebe por mês... Mas, enloqueceriam os inames, os vazios, os ocos, se não pudessem compensar o nada com a exibição material externa. Aliás, se os pais, esses frouxos em maioria, que não honram as calças, fossem mais adultos, aproveitariam os atuais momentos da televisão para dar aulas aos filhos. As aulas que a família não dá mais, que a escola “esqueceu” e que “as autoridades” exuberam em desrespeitar. Era momento de os pais colocarem os filhos no colo e, diante da tevê, apontar dedos: olhe, filho, olhe um cidadão que envelheceu e perdeu a compostura; olhe aquele outro, tão jovem ainda e já perdido em busca de poderes que lhe faltam na alma, no ânimo, na têmpera, mas que busca compensar pondo a mão onde não deve... Olhe bem e aprenda, filho! Este é um bom momento para ensinar os filhos. Ensinar sobre grande- zas e poderes, mas poderes e grande- zas da dignidade, não sobre a matéria efêmera e degradante. Venha, filho, venha ver televisão das boas, das raras, das que educam... Venha! O SOL NASCENTE 47 anos de vida editorial em prol da divulgação espírita. A assinatura anual custa apenas R$ 30,00. A entrega é personalizada. Basta depositar o valor no Banco do Brasil, Ag. 0296-8, Conta Poupança 29667-8. Depois enviar o comprovante do depósito para Wilson Longobucco, Rua Antônio Alves Pires, 370, bairro Jabour, Rio de Janeiro, RJ, CEP 21833-020. CONHEÇA O SITE: www.osolnascente.com.br Os Dias... De que são feitos os dias? - De pequenos desejos, vagarosas saudades, silenciosas lembranças. Entre mágoas sombrias, momentâneos lampejos: vagas felicidades, inatuais esperanças. De loucuras, de crimes, de pecados, de glórias, - do medo que encadeia todas essas mudanças. Dentro deles vivemos, dentro deles choramos, em duros desenlaces e em sinistras alianças... CECÍLIA MEIRELES (1901-1964) Considerada pela crítica a mais alta expressão da poesia feminina brasileira em todos os tempos. CANTINHODAPOESIA Ter um caráter firme é ter ampla e sólida experiência dos desenganos e desgraças da vida. Stendhal Parabéns a Federação Espírita do Rio Grande do Norte pelos 90 anos de uma existência consagrada a difusão do Espiritismo em todo o Estado.
  8. 8. KARDEC PONTO COM Abril 2016 8 ROTINA MARINA COLASSANTI Belo Horizonte - MG Eu sei, mas não devia... Eu sei que a gente se acostuma. Mas não de- via. A gente se acostuma a morar em apar- tamento de fundos e a não ter outra vista que não seja as janelas ao redor. E porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E porque não olha para fora logo se acostu- ma a não abrir de todo as cortinas. E porque não abre as cortinas logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E a medida que se acostuma, esquece o sol, esque- ce o ar, esquece a amplidão. A gente se acostuma a acordar de manhã sobres- saltado porque está na hora. A tomar café correndo porque está atrasado. A ler jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A cochilar no ôni- bus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pe- sado sem ter vivido o dia. A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja número para os mortos. E aceitando os números aceita não acreditar nas negociações de paz. E não aceitando as negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração. A gente se acostuma a esperar o dia inteiro a ouvir no telefone: hoje não posso ir. A sorrir para as pesso- as sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto. A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. A lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagará mais. E a procurar mais trabalho para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas que se cobra. A gente se acostuma andar na rua e a ver cartazes. A abrir as revistas e a ver anúncios. A ligar a televisão e ver comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos. A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro. A luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. As bactérias da água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta. A gente se acostuma a coisas demais para não so- frer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai se afastando, uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada a gente só molha os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensan- do no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado. A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feri- das, sangramentos, para esquivar-se da faca e da bai- oneta, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida que aos poucos se gasta e que, gasta, de tanto acostumar, se perde em si mesma. “A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro. A luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. As bactérias da água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios”. TRIBUNA ESPÍRITA A revista que o movimento espírita paraibano aprendeu a gostar pela qualidade do seu conteúdo informativo. Assinatura anual: R$ 30,00 Trianual: R$ 80,00 / Exterior: US$ 30,00 Telefones para Assinar (83) 3224-9557 / (83) 9 9633-3500 Endereço Eletrônico para Informações ssp.21@hotmail.com Jornal COMUNICA AÇÃO ESPÍRITA Órgão de difusão da Associação de Divulgadores do Espiritismo do Estado do Paraná. ADE Paraná Assinatura anual: R$ 18,00. Depositar valor no Banco do Brasil, Agência 3051-1, Conta Corrente 205.755-7. Enviar comprovante e informar endereço para entrega do exemplar via Correios. adepr@adepr.org.br / site www.adepr.org.br NOTAS EXPRESSAS Federação Espírita do Rio Grande do Norte completa 90 anos de existência Uma vasta programação foi elaborada para comemorar a data em alto estilo doutrinário, a partir do dia 29 deste mês quando a FERN iniciou suas atividades em 1926. Parabéns e saudações de toda equipe editorial da Agência KPC de Notícias Espíritas de João Pessoa pela relevância da data. Federação Espírita Paraibana e Centros Espíritas adesos promovem Feira Multicultural Espírita O evento está programado para o dia 18 deste mês nas dependências do Shopping Tambiá, em João Pessoa, com feira de livros, apresentação de teatro e shows musicais espíritas. A FME é uma oportunidade para rever amigos e fazer novos. Quem te fala dos defeitos alheios, com os outros fala dos teus. Diderot Não compactue com a esperteza dos maus Espíritos, aplaudindo suas ações nefastas contra o patrimônio cívico, ético e moral de uma Nação que tem por lema “Ordem e Progresso”. Sejamos os observadores atentos dos desmandos políticos e administrativos de homens e mulheres que fingem defender nossos interesses comuns em prol de uma sociedade mais justa, igual e humanamente digna para todos nós. A Pátria do Evangelho exige ação objetiva contra o mal que se instala no Poder Central. Oremos, vigiemos e vamos à luta em nome do Bem maior.
  9. 9. KARDEC PONTO COM Abril 2016 9 REGISTRO Jornal Lampadário Espírita comemora seus 10 anos de vida editorial com seminário U m encontro para celebrar a amizade e o companheirismo entre pessoas que dividem o mesmo ideal na imprensa espírita. Essa foi a proposta do seminário “O Papel da Imprensa Espírita”- Encontro 10 Anos do Lampa- dário Espírita”, realizado no dia 21 de fevereiro, de 8h às 12h, no auditório do Grupo Espírita Fran- cisco de Assis (Avenida Oito, 1500, Curado 4, Jaboatão dos Guararapes, PE). O evento reuniu fundadores do jornal Lampa- dário Espírita e demais colaboradores (diretos e indiretos) que ajudam na sua manutenção operacional e editorial. A primeira parte do encontro contou com a participação dos companheiros ligados ao jornal. Cada um trouxe um fato interessante dentro do contexto da trajetória do impresso, destacando Zenilda Cavalcanti que relatou alguns casos que acabaram por envolver a sua Livraria Renascer. A segunda parte trouxe a participação de Ednar Santos, do Departamento de Comunicação Social da Federação Espírita Pernambucana, que dissertou sobre o tema do seminário. Um palestra esclarecedora e motivacional para quem pretende ingressar no jornalismo espírita, com importante participação interativa do públi- co e comunicadores presentes. Vale destacar os pontos de vista de José Ge- raldo, Emmanoel Fonseca, Dionísio Azevedo, Tiagro Rodrigues, Dâmocles Aurélio e João Ba- tista. Todos apresentaram suas reflexões acerca do desdobramento feito por Ednar Santos sobre o tema do seminário. Foi uma manhã bastante proveitosa em se tra- tando de intercâmbio e valorização do trabalho da imprensa espírita independente, dentro do Centro Espírita e em sua comunidade. Ao final do encontro, foi oferecido lanche a todos os participantes que culminou em um envolvimento mais fraternal e enriquecedor em termos de troca de experiências. Avaliado por Dâmocles Aurélio (secretário ge- ral do jornal pernambucano), o encontro e o se- minário foram classificados como “oportunos” em face da necessidade de mais debates sobre a imprensa espírita e o seu papel. (Da Redação) em cima da hora / DIRETO DA REDAÇÃO KIKO SOUZA MUNIZ João Pessoa - PBJornal BRASÍLIA ESPÍRITA pede ajuda para manter os custos elevados de sua manutenção Quem recebia o impresso em sua residência, gratuitamente, agora vai precisar de- sembolsar R$ 20,00 a título de assinatura anual para tê-lo em mãos bimestralmente. Aajuda financeira pode ser depositada em conta bancária do Grêmio EspíritaAtualpa Barbosa, no Banco do Brasil, Agência 1004-9, Conta Corrente 2047-8. Um lembrete: as edições anteriores do BRASÍLIA ESPÍRITA podem ser baixadas na página do GEABL no endereço www.uol.com.br. Mais informações pelo e-mail brasiliaespirita@atualpa.org.br. Seminário dos 90 anos da Federação Espírita do Rio Grande do Norte Está programado para o dia 30 deste mês, das 14h às 18h, no auditório da casa mater potiguar. O expositor doutrinário convidado é Francisco Ferraz (PR) que vai dissertar sobre “Os Ângulos do Cristinianismo - Admoestações de Jesus e Os Ângu- los do Espiritismo”. Curso gratuito para voluntários O Centro de Valorização da Vida (CVV), com posto em Campina Grande, PB, está convidando interessados para participar de curso que selecionará e capacitará no- vos voluntários. Uma oportunidade para quem dispõe de tempo e pode compartilhar sua preciosa paciência com quem precisa dividir seus sentimentos e sua solidão. Informações pelo telefone (83) 3321-4111 ou 141. Nona Marcha Nacional da Cidadania Pela Vida Contra o Aborto Realizar-se-á no dia 7 de junho, às 14h, com concentração atrás da Torre de TV - BSB/DF, Eixo Monumental, em Brasília. Ojetivo do evento: garantir a aprovação do Estatuto do Nascituro - PL478/2007. E ajude os homens de bem a combater a corrupção com firmeza e justiça, colocando os maus gestores públicos na cadeia. O Brasil não pode ser ninho de políticos que tudo fazem por dinheiro e poder. O povo brasileiro não merece mais ser explorado pela ganância dos corruptos de plantão. Gazeta KPC ultrapassa a marca de 35 mil leitores cadastrados com a ajuda do Clube do Livro Letra Espírita São leitores do Banco de Dados do CLLE (Campos dos Goytacazes, RJ) e do nosso Banco que recebem mensalmente, via en- dereço eletrônico, seus exemplares corte- sia. A meta agora é chegar aos 50 mil! X Jornada da Associação Médico-Espírita de São Paulo Será realizada nos dias 14 e 15 de maio, das 8h30 às 19h, com o tema “Desafiando Fronteiras em Medicina e Espiritualidade”. Expositora convidada: Sonia Doi (EUA), trazendo a experiência da AME Internacional. Divulgue sua Casa Espírita e os seus eventos com KPC, sem pagar um centavo de real pelo serviço. Todos os nossos painéis publicitários são gratuitos. Os nossos articulistas não pagam para ter seus escritos publicados. Fazemos um jornalismo livre de pressões. Dar sem interesse é virtude. Receber imerecidamente é vileza. Eduardo Girão
  10. 10. KARDEC PONTO COM Abril 2016 10 DIVULGAÇÃO Compartilhe esta página com amigos em suas redes sociais. Evento bem divulgado é garantia de sucesso. Agência KPC de Notícias Espíritas de João Pessoa. Aquele abraçaço em nosso queridíssimo amigo Ismael Ramos Neves, jornalista, escritor e divulgador espírita da melhor cepa, de Natal, RN. É aniversariante deste mês. Chega aos 84 anos de vida física ainda lúcido e cheio de vitalidade espiritual. O dia da festa? 13 de abril. Parabéns, Ismael!

×