Jornal 2º período

1,190 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,190
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
121
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jornal 2º período

  1. 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CAMPIAA NO IX ; 2ª E DIÇÃO ; TIRAGEM : 120 EXEMPLARES ABRIL DE 2011Carnaval em Mogueirães Sensibilização ao uso de uma Internet P ONTOS DE INTE- segura RESSE ESPECIAIS :  Actividades do Agrupamento;  Trabalhos dos nossos alunos;  Curiosidades;  Fotos ;  Um suplemento sobre Internet; A BE e o Flautista de Hamelin em Cambra  E muito mais…. Semana da leitura Visita de estudo ao CIBA Actividade experimental 3º ano EBCampia Semana dos afectos
  2. 2. P ÁGINA 2 FOLHAS DE LOENDRO EDITORIAL FICHA TÉCNICA Propriedade: Hoje em dia, e num momento em que a economia é frágil e Agrupamento de Escolas de Campiapouco credível, a educação tem que se assumir como o verdadeiromotor da sociedade, pois aquilo que resta desta é a pessoa enquanto tal Lugar do Arieiroe enquanto ser em relação. 3670—056 Campia É pois importante que a escola seja um espaço de estudo, de Telefone: 232750120cultura, de convívio, de aprendizagem de hábitos, de trabalho e de esfor-ço, de civismo e respeito por regras, mas também um espaço em que Equipa responsável:quem tem dificuldades encontra apoio. O progresso das Nações só é possível num modelo assente Professora Sandra Alves e Professora Bibliote- cária, Isabel Alvesem valores que defendam a realização do homem, enquanto indivíduo, Colaboração de:família e sociedade. Todos acreditamos que a escola e todos os seus intervenientes Professores e alunos do Agrupamento de Escolas de Campia, Associação de Pais /– comunidade educativa – têm aqui um papel fundamental porque, sen- Encarregados de Educaçãodo a família o primeiro espaço de socialização, a escola é um espaçoimprescindível como ponto de encontro entre o individual e o social, olocal onde os nossos jovens vivem e assimilam os verdadeiros valores A todos os que participaram e colaboraram para que este jornalsociais, tais como a amizade, a liberdade, a autonomia, a cooperação, o fosse possível o nosso obrigado.diálogo, a solidariedade, o trabalho, a responsabilidade, a partilha. É cada vez mais importante sensibilizar os pais para participa-rem activamente na vida escolar dos seus educandos. A escola faz parte do quotidiano do aluno e os pais devem estar A Associação de Pais e encarregados deenvolvidos em todo o processo de aprendizagem. educação da E.B.I. Campia reuniu com os encarregados de educação representantes Para os pais, participar na escola, não deve ser só para receber de turma no dia 11/03/2011.informações dos seus educandos. É preciso que façam sugestões, Desta reunião saíram algumas suges-tomem algumas decisões em conjunto com os professores, participem tões de trabalho; uma delas será a possibi- lidade de pôr em prática um O.T.L.nas actividades da escola. (ocupação de tempos livres) para os alunos, Sejamos realistas, ou a sociedade volta a acreditar na escola nas interrupções lectivas.como verdadeira fonte de partilha e transmissora de saber e de valores, Para sabermos até que ponto esta actividade é viável elaborou-se um inquéri-ou então corremos o sério risco de nunca encontrarmos um verdadeiro to que foi enviado para todos os encarrega-patamar, continuando em mudanças que pouco ou nada mudam a não dos de educação através de seus filhos.ser a desconfiança e a insegurança de todos. Desde já queremos agradecer aos pais pela sua colaboração no preenchimento do O envolvimento das famílias melhora o sentimento de ligação à mesmo inquérito.comunidade. Este envolvimento Escola-Família contribuirá significativa- Está também afixado em alguns locaismente para uma educação de sucesso, com sucesso, para o sucesso. da escola a identificação da A. P., os con- tactos e uma caixa de sugestões que iremos Desejamos seriamente que qualquer educador – professor, pai, colocar oportunamente.amigo, conselheiro – contribua para que todos os jovens/estudantes dehoje, possam, no futuro, tão imediato quanto possível, confiar na educa- Associação de Paisção. É pois preciso que todos nós, encarregados de educação,sociedade em geral e entidades, conjugemos esforços para garantir umserviço educativo eficaz. A Associação de Pais / Encarregados de Educação
  3. 3. A NO IX ; 2ª E DIÇÃO ; TIRAGEM : 250 EXEMPLARES P ÁGINA 3 Carnaval em MogueirãesUm dia de Janeiro!Um dia de Janeiro é…Não sei por onde começarJaneiro é tanta coisa!Posso dizer que é um mês.Também posso dizer que é…Um mês muito frio.Mas é fantástico e bombástico.Janeiro, Janeiro e Janeiro.Eu gosto de dizer a palavra “Janeiro”.Em Janeiro canta-se as JaneirasQue é uma palavra da família de Janeiro. Rui Filipe Santos Tomé 1.º ano – EB1 de MogueirãesHoje é um dia de Janeiro.Janeiro é hoje.Eu gosto quando há neve.Neve e bonecos de neve. Mariana Lopes Simões - 3º ano E B1 de Mogueirães
  4. 4. P ÁGINA 4 FOLHAS DE LOENDROOlá, nós somos os meninos do 1º ano, da Escola Básica de Campia.Este período desenvolvemos muitas actividades, andámos muito atarefados.Começámos logo em Janeiro, mesmo com muito frio, fizemos uma Visita deEstudo ao Museu do Caramulo. Foi divertido, fomos ver a Arte, vimos muitasobras, mas a que gostámos mais foi um quadro de um menino chamado Nuno,que o pai dele mandou pintar. Cá está ele:Em Fevereiro, continuámos a fazer Visitas, desta vez fomos ver as TorresMedievais do nosso Concelho, porque no final do ano vamos participarnum Mercado Medieval. Também já participámosquando ainda andávamos no jardim. É giro. No mês de Março, tivemos a Semana da Leitura cá na esco- la. O Rúben, a Maria Carolina e o Tiago Miguel, foram representar o 1º ano e fizeram-no muito bem. Sabem por- quê? Ficaram todos muito bem classificados, o Tiago até ganhou o 1º prémio do 1º e 2º anosMas, em Março ainda tivemos mais actividades, gravámos um Podcast para oconcurso “Conta-nos uma história”. A nossa, depois de muito escolhermos e Não nos esquecemos da chegada da Prima-de alguns problemitas pelo meio, finalmente saiu, chama-se: “ O que está na vera, e do Dia da árvore, fomos com osgaveta?”, que com a ajuda do professor Ricardo, teve música e tudo. colegas das outras salas comemorar a che- gada do tempo bom, das andorinhas…Fomos à sala de ciências, fazer algumas experiências sobre a flutuação dos plantar uma árvore.materiais, ficámos muito espantados com alguns resultados, mas depois atéentendemos. A senhora da Porto Editora, aquela que trouxe o Alfa, ajudou-nos nas experiências.
  5. 5. A NO IX ; 2ª E DIÇÃO ; TIRAGEM : 250 EXEMPLARES P ÁGINA 5 Também fizemos sementeiras dentro da nossa sala, o João disse que estava Decorámos espaços. na altura de fazer sementeiras e assim foi, ora vejam. Fomos convidados a assistir às acti- vidades dos colegas mais velhos, do 2º ciclo, e lá fomos fazer um lanche saudável, estava delicioso! Continuámos a ir à biblioteca todas as semanas ouvir as histórias da professora Pau- la Dionísio, aprendemos e brincámos muito. Voltaremos em breve com mais novidades. Até lá… “O Museu do Caramulo” O Museu do Caramulo tem muitas coisas antigas:pulseiras, tapeçarias, pratos, jarras, pinturas abstractas,retratos, estátuas, … Também vimos carros, triciclos, bicicletas emotas antigas, brinquedos, lápis gigantes, cadernos, camasde bebé e casas de artesanato. À chegada, estava uma senhora à nossa esperaque nos fez a visita guiada a todo o Museu. No final da nossa visita, fizemos a construçãode um carro que trouxemos connosco como recordação. Mariana Pereira Lopes, 2º ano- E.B.1 de Viladra
  6. 6. P ÁGINA 6 FOLHAS DE LOENDROVisita ao Museu do CaramuloNa passada terça - feira E – de EducaçãoFomos juntos ao MuseuTodos gostámos do que vimos S - de SabedoriaIncluindo eu!Fomos ao Museu do CaramuloE vimos carros muito belos C – de ConhecimentoHavia-os de várias coresBrancos, pretos, amarelos! O – de ObservarVimos tambémBicicletas e motosSó foi pena não termos tirado L – de LiçãoAlgumas belas fotos!Viemos todos emboraA sorrir e a cantar Pedro Nogueira E. B. 1 de ViladraE com muita vontadeDe um dia lá voltar! E.B.1 de Viladra, 3º ano No passado dia 4 de Março, os alunos da Escola e do Jardim de Infância do Outeiro, Agrupamento de Escolas de Campia, festejaram o Carnaval com um desfile pelas ruas da localidade. Os dias que antecederam o desfile foram de grande azáfama. Foi necessário arranjar jornais, revistas, carto- linas, papel de seda, contornar moldes, fazer dobragens, recortar e colar. Utilizámos materiais recicláveis e, com a ajuda das nossas professoras e funcionárias, construímos os nossos disfarces. Os rapazes fantasiaram-se de “Cavaleiros da Época Medieval” e as meninas de “Damas da corte”. O desfile correu bem. A comunidade veio ver-nos passar e ofereceram-nos guloseimas diversas (chupas, rebuçados, pastilhas…). As canções alusivas à quadra festiva animaram a festa. Foi uma tarde bem passada que culminou com um lanche partilhado, que teve a colaboração dos nossos pais. Escola e Jardim do Outeiro
  7. 7. A NO IX ; 2ª E DIÇÃO ; TIRAGEM : 250 EXEMPLARES P ÁGINA 7Os alunos do 4ºano da Escola Básica de Campia, na última semana de Março, participaram no projecto ALEA - Acção Localde Estatística Aplicada, em concordância com o Ministério da Educação.O projecto "Os Censos vão às escolas" está a ser desenvolvido pelo Gabinete dos Censos do Instituto Nacional de Esta-tística, em colaboração com o ALEA, e tem como objectivos:. Dar a conhecer aos alunos dos diversos graus de ensino o que são, para que servem e como se fazem os Censos;. Mobilizar os pais e familiares dos alunos para a participação nos Censos 2011;. Incentivar os alunos para ajudar os pais na resposta aos Censos 2011 pela Internet.Preenchemos “o meu censo” em papel.Recolhemos os questionários, e colocámos os dados no quadro, depois fizemos gráficos sobre a nossa turma. . Descobrimos que 19 alunos nasce-Com os Mini Censos descobri que a Na nossa turma temos 9 locais de ram em Viseu e uma aluna nasceuminha turma é constituída por 11 residência diferentes. De Cercosa noutro país. (Tiago José)meninos e 9 meninas, ou seja há 45%de meninas e 55% de meninos vêem mais alunos. (Bernardo)(Luísa) A maior parte dos alunos da nossa turma tem 4 pessoas a viverem na mesma casa. (Telmo) Na minha turma, 13 alunos têm irmãos e 7 são filhos únicos. (Nuno) Ao fim de todo este trabalho, cada aluno preencheu os seus dados na sala de aula, via internet, o que lhes proporcionou um contac- Todos os alunos to mais próximo com a realidade dos Censos. Depois de todo o preencheram o trabalho realizado, é importante divulgar os resultados dos inquérito dos Mini Censos. inquéritos. (Raquel) O questionário foi fácil e simples de responder. (Rita) Foi divertido responder ao questionário. (Edmundo) Gostei de dar a minha opinião. (Luísa) Gostei de participar nos Mini Censos. (João) A maior parte dos alunos da turma gostam de Educação Física. Os rapazes gostam tanto de Matemática como de Estudo doOs questionários foram preenchidos por 11 alunos e 9 Meio. A Língua Portuguesa, há tantos rapazes como raparigas aalunas, sendo ao todo 20 alunos. (Mário) gostar desta disciplina. José Francisco
  8. 8. P ÁGINA 8 FOLHAS DE LOENDRO Descobrimos que a maioria dos alunos da turma gostam de Descobri que a maior parte dos alunos da minha turma carne, só 2 meninas preferem peixe. vivem entre 3 a 6 km da escola. São os alunos de Cer- Filipa cosa e de Fiais. Ana Filipa Gostámos de participar nos Censos 4ºano - EB Campia o estudo a Visita de e Caramulo m useu do orres Visita às t e lapa da medievais merugem A visita dos guardas da G.N.R. No dia 17 de Fevereiro de 2011, por volta das onze horas, vieram dois guardas da G.N.R. à nossa escola falar sobrecomo devemos comunicar em segurança. Eles disseram-nos que não devemos dizer a nossa password a ninguém, excepto aos nossos pais. Também não devemos revelar os nossos dados pessoais ou colocar as nossas fotografias nas redes sociais (facebook,hi5, messenger …) porque podem ser visionados por pessoas que nos podem fazer muito mal. Se colocarmos as nossas foto-grafias nessas redes, devemos torná-las apenas acessíveis a quem nós conhecemos. Vimos um pequeno vídeo a exemplificar uma crueldade feita por um grupo de adolescentes a uma colega: modifi-caram a sua fotografia, deformando-a. Isto aconteceu porque a menina esqueceu-se de “proteger” a sua fotografia. Depois mostraram-nos outro vídeo sobre uma menina chamada Ladsay que fazia troça de uma colega, a Patty, empúblico. Este vídeo circulava na internet (Cyberbullying). Se recebermos mensagens menos próprias, que incentivem aoódio e à violência, com convites de encontros que consideremos estranhos, devemos de imediato informar os nossos pais ouas pessoas adultas conhecidas que se encontrem próximas de nós. Nunca devemos abrir ficheiros anexos enviados por e-mail de desconhecidos, pois alguns deles podem conter pro-gramas, que se auto-instalam no nosso computador para capturar senhas e outros dados importantes ou terem vírus que des-troem todos os nossos ficheiros. É muito importante termos a supervisão dos nossos pais ou adultos conhecidos quando utilizamos a internet. Os senhores guardas lembraram-nos que nunca devemos atender chamadas quando o número é desconhecido. Com a visita dos guardas, tomámos consciência dos muitos perigos que existem com o uso da internet e aprende-mos como os podemos evitar. Texto colectivo dos alunos da turma do 2º/3º ano de Cambra.
  9. 9. A NO IX ; 2ª E DIÇÃO ; TIRAGEM : 250 EXEMPLARES P ÁGINA 9 O pescador que nunca pescava nada - resumo Era uma vez um pescador que nunca pescava nada . Este pescador pescava em qualquer sítio onde houvesse água (mar, rio, barragem), quer chovesse oufizesse sol, tal era a sua paixão pela pesca, que tinha desde jovem. Ele tinha todo o material necessário para a pesca, mas mesmo assim, nenhum peixe mordia o isco. Houve uma única vez (quando ele era jovem) em que apanhou um pequeno peixinho prateado. Como eraum peixinho jovem e pequeno de mais, o pescador pegou nele cuidadosamente e devolveu-o à água.. Passaram-se semanas, meses e o pescador não voltou a apanhar um único peixe. Quando chegava a casa desanimado, a sua mulher fazia troça dele, mas ele não ligava, pois sabia que elanão compreendia o que ele sentia quando estava a pescar. O pescador não entendia porque é que não conseguia apanhar nada e pensava em várias razões que pode-riam justificar o que lhe acontecia. No entanto, ele nunca desanimava e ia pescar quase todos os dias. Até que um dia, numa madrugada de Outono, ele pescava no fundo de um pontão, quando sentiu um terrí-vel puxão na linha. O pescador, com as suas pernas a tremer, puxou, puxou a linha e outro pescador ajudou-o atrazer para terra um enorme peixe brilhante. Era um robalo quase do tamanho do braço do pescador. Este magnífico peixe era o mesmo peixito que o pescador apanhara há muitos meses. Nessa noite, houve festa em casa do pescador. Antes de o peixe ser cozinhado para toda a família, o pes-cador tirou uma fotografia com a sua captura. A maioria das pessoas não acreditava que se tratava do mesmo peixito que o pescador apanhara antes.Mas o narrador, que era o filho do pescador, tinha a certeza de que se tratava daquele peixinho porque ele estava láquando o pai o apanhou e nunca mais se tinha esquecido dos olhos, da cor das guelras, do formato da cauda e dascores das escamas do mesmo. O filho do pescador, também estava presente quando o pai apanhou novamente opeixe e quando o olhou reconheceu-o logo. A partir desse dia, a sorte do pescador mudou. Por vezes, pescava alguma coisa e às vezes não. Ao longodos anos, pescou milhares de peixes de todas as espécies. Agora, que já está reformado, o pescador senta-se no fundo do pontão, todos os dias, com a sua cana. O filho seguiu-lhe as pisadas. Com o seu pequeno barco, vai para o mar apanhar variadíssimos peixes.Quando isso acontece, sente uma alegria que não consegue descrever. Muitas vezes, não tem sorte, então lembra-se da história do seu pai e da lição que aprendeu com ele. Essa lição não era só válida para a pesca. Quando nem tudo corre da melhor maneira, logo desde do início,nunca devemos desistir, pois se continuarmos a tentar, acaba sempre por acontecer uma coisa boa. O que é mesmo importante, não é conseguir fazer tudo bem logo à primeira, mas sim, insistirmos em conti-nuar a fazer aquilo de que realmente se gosta. Texto elaborado por Joana Dias e revisto com a ajuda dos colegas (turma do 2º/3º ano - E.B.1 de Cambra). bra JI Cam … cozemos... Na época Pascal, tingimos ovos com casca de cebola... … e amassámos... … E por fim saboreámos!
  10. 10. P ÁGINA 10 FOLHAS DE LOENDRO PEQUENOS CIENTISTASOBSERVAÇÃO AO MICROSCÓPIO DA BATATA E DA CarnavalMAÇÃ “O avô do Gonçalo veio à nossa escola dizer como era o carnaval antigamen- ( encontrar a explicação para a batata não flutuar e te.” a maçã flutuar) “Contou-nos a tradição do pau em cima e o gato dentro de uma púcara e depois Comentários das ardeu e depois a púcara caiu e partiu-se crianças: e o gato fugiu.” “a batata parece uma mancha com “Fizemos máscaras de carnaval com papel pontinhos e riscos” de jornal, cola e um balão e eu fiz um corno com pasta de papel. Depois pintá- mos e deixámos secar e foram para a“olha a maçã tem muitas bolhinhas de água” escola básica para os meninos verem e as outras pro-“não é água é ar… por isso a maçã flutua: tem ar lá dentro” fessoras.” À PROCURA DE PALAVRAS NOVAS E SEU SIGNIFICADO “Fizemos com roupa para estragar, roupa para o baile de máscaras. As roupas ficaram bonitas e até cheira- vam… a avô… a mãe!” “O baile era no Jar- dim… o avô do Gon- çalo, a mãe da Ana, a mãe do Zé Pedro tam- bém vieram dançar e bailar e ver…” “Estávamos a pôr ser- pentinas e confetis no bolso e no chapéu do avô do Gonçalo. Gos- támos muito… tinha muitas pessoas… muitos amigos… e muita piada!”Jardim de Infância de Cambra - Salas 1 e 2 Jardim de Infância de Campia
  11. 11. A NO IX ; 2ª E DIÇÃO ; TIRAGEM : 250 EXEMPLARES P ÁGINA 11 “As professoras da E.B.I. vieram contar uma história…” “…e nós fomos ratazanas e crianças” “ os meninos sentaram-se cá fora… … e estava muito vento… …e depois caía a montanha, o livro gigante,… A história era do Flautista de Hamelin” …tudo caía …parecia um furacão” … tinha o governador a velhinha e o flautista “ “ … a parte mais engraçada foi quando a velha estava a dar palmadas com a vassoura nos ratos… … e depois nós também fomos ratos… …tínhamos umas orelhas que era num boné” A BE no JI da Campia“…e quando o Sr Governador não deu o dinheiro ao flautista,o flautista levou as crianças para a montanha…”“ e depois acabou a história”
  12. 12. P ÁGINA 12P ÁGINA 12 FOLHAS DE LOENDRO FOLHAS DE LOENDRO 3º ano - EB Campia Nós somos dezoito alunos Simpáticos e divertidos Gostamos muito da escola Somos também muito amigos. A escola é muito importante Temos consciência disso. Apesar de irrequietos Temos esse compromisso. “Quem não trabuca, não manduca” É a nossa pedra angular. Trabalhamos com empenho Para o futuro melhorar. As Janeiras Actividade Experimental Natureza morta Paulo
  13. 13. A NOA NO IX ;; IX 2ª E DIÇÃO ;; 2ª E DIÇÃO TIRAGEM :: TIRAGEM 250 250 EXEMPLARES EXEMPLARES P ÁGINA 13 P ÁGINA 13 Projecto: Porque existem as Torres Sensibilização ao u Medievais? so de uma Internet segura Concurso: leitura expressiva Visita de estudo à Lapa da Meruje Visita ao Museu do Caramulo Viva a Primavera! A mais bela carta de amor Projecto “Eu, tu e o computador” Texto dramático/teatro
  14. 14. P ÁGINA 14 FOLHAS DE LOENDRO Matemática do Natal à PáscoaAo longo do segundo período, foram realizadas diversas actividades relacionadas com a Matemática, cujo denominador comum foiincentivar e desenvolver o gosto por esta disciplina, reforçando o aspecto lúdico da sua aprendizagem.No dia 18 de Janeiro, a companhia de teatro Teatro Azul apresentou a peça “Querida Matemá-tica” aos alunos dos 2.º e 3.º CEB de Campia, no cine-teatro de Vouzela. Trata-se de uma peçabaseada em temáticas e conteúdos programáticos da disciplina de Matemática onde cada cenaé um episódio de curta duração, na qual se discute e se conclui a utilidade da Matemática nonosso quotidiano. Foi um espectáculo com uma forte componente pedagógica e didáctica,utilizando um vocabulário simples, mas simultaneamente específico na aprendizagem da Mate-mática.No dia 2 de Março, teve lugar na EB de Campia a 6ª edição do Redemat e a 1ª edição do Diz3em rede. Para participarem na primeira das competições referidas, estiveram presentes alunosdas Escolas Básica e Secundária de Vouzela. Na segunda competição, participaram apenasalunos do nosso Agrupamento. Ambas as competições consistem num jogo de computadorque envolve a aplicação de conteúdos de Matemática e, no caso do Diz3, de Língua Portugue-sa e Estudo do Meio. Os resultados alcançados pelos nossos alunos foram bastante razoáveis,destacando-se aqueles que obtiveram o primeiro lugar em cada uma das categorias:Diz3 em rede, equipa “Matemáticos”, constituída pelos alunos Tiago Manuel BorgesPereira e João Bernardo Farias;Maismat, 5.º ano, equipa “El matadores mat.”, constituída pelos alunos Tiago JoséAlmeida Negrão e Américo da Silva Duarte;Equamat, 8.º ano, equipa “DiMi”, constituída pelas alunas Mariana Alexandra PereiraCancela e Daniela Gomes Almeida.Ainda durante o mês de Março, no dia 17, foi realizado o concurso “Canguru Mate-mático sem Fronteiras”, com a realização das provas nas categorias Escolar (5.º e6.º anos), Benjamim (7.º e 8.º anos) e Cadete (9.º ano). Cada prova consiste numquestionário de escolha múltipla de várias questões de dificuldade crescente. Osalunos divertiram-se e perceberam que conseguir resolver os problemas propostos éuma conquista pessoal muito recompensadora. O apuramento dos resultados está adecorrer, prevendo-se a divulgação dos mesmos no início do 3.º período.O 2.º período culminou, no dia 8 de Abril, com as actividades matemáticas integradas no “Dia do saber em Acção”, dinamizado pelodepartamento de Matemática e Ciências Experimentais: Campeonatos de Escola do SuperTmatik, Quiz e Cálculo Mental, dois tor-neios de xadrez e a Caça ao Ovo. Os campeonatos de escola do SuperTmatik foram precedidos de sessões de treino e dos campeo-natos intra-turma, tendo sido apurados os seguintes campeões de escola: Campeões de escola nos campeonatos do SuperT- matik, Quiz, das disciplinas de História e Geografia:No primeiro torneio de xadrez realizado, de manhã, competiram os alunos dos 4º e 5º anos, onde se destacou o aluno Daniel Lopes,do 5º ano, com 5 vitórias em 5 jogos. A partir das 13 horas e 30 minutos, no segundo torneio, estiveram em competição os alunos dos6º, 7º, 8º e 9º anos, tendo-se destacado o aluno Tiago Simões, do 9º ano, que venceu os cinco jogos que realizou.Na Caça ao Ovo, realizada no final do dia, os alunos da EB de Campia percorreram os espaços exteriores, descobrindo o esconderijodos ovos através da resolução de desafios matemáticos. Os vencedores de cada turma deliciaram-se com o sabor da vitória, do cho-colate e das amêndoas.
  15. 15. A NO IX ; 2ª E DIÇÃO ; TIRAGEM : 250 EXEMPLARES P ÁGINA 15No dia 31 de Março, os alunos do 9ºA visitaram a ala TORNEIO DE XADREZ NA ESCOLA SECUNDÁRIA DE VIRIATOpediátrica do hospital S. Teotónio de Viseu. Estainiciativa partiu de um grupo de alunos desta turma, No dia 6 de Abril, 8 alunos participaram no torneio deno âmbito do desenvolvimento do seu trabalho de xadrez realizado na Escola Secundária de Viriato, em Viseu, no qualÁrea de Projecto, subordinado ao tema participaram 40 alunos provenientes das seguintes escolas: - Escola Secundária de Viriato;“Empreendedorismo”. O programa consistiu numa - Escola Secundária de Vouzela;visita guiada à ala pediátrica, numa muito breve visita - Escola Básica de Campia;a algumas crianças hospitalizadas e na dramatização - Escola Básica 2,3 Mota Pinto;de uma história preparada pelos alunos. Foi uma ini- - Instituto Jean Piaget.ciativa diferente, muito enriquecedora. Na classificação individual, destacaram-se os alunos Tiago Simões, do 9ºano, que alcançou o quinto lugar, com 4 vitórias em 5 jogos realizados, e Sérgio Rodrigues, do 6º ano, que alcançou o sétimo lugar, também com 4 vitórias. Na classificação colectiva, a nossa escola ficou em terceiro lugar com 13 pontos. VISITA AO CENTRO CIÊNCIA VIVA DA FLORESTA, EM PROENÇA-A-NOVA Os alunos inscritos no Clube da Natureza e do Património da EB de Campia participaram numa visita de estudo ao Centro Ciência Viva da Floresta, em Proença-a-Nova, no passado dia 9 de Fevereiro, no âmbi- to da comemoração do Ano Internacional das Florestas. Este centro resultou de um desafio lançado pela Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica à Câmara Municipal de Proença -a-Nova, para a constituição de uma associação que permitisse a criação e gestão de um Centro de Ciência Viva sobre a temática da floresta. Assim, dentro deste espírito, os alunos participaram em diversas acti- vidades que lhes permitiram alargar os seus conhecimentos sobre a importância da floresta e da sua preservação. Participaram ainda em duas actividades relacionadas com produtos oriundos da natureza em geral e da floresta em particular: a Cozinha é um Laboratório - Bolo na Caneca onde foram desafiados a perceber porque crescem os bolos e qual a função dos ovos e dos restantes ingredientes no bolo. Os alunos tiveram oportunidade de fazer um bolo, degustá-lo e perceber qual a função dos ingredientes; na actividade Aromas da Floresta - Sabonetes, os alunos perceberam que a Floresta não é feita só de madeira, mas também de aromas e que algumas essências como o pinho, o alecrim, a alfazema são produtos da floresta. Nesta actividade, os alunos fizeram sabonetes de glicerina - tendo-os trazido para casa - e aromatizam- nos com essências da floresta.No dia 28 de Março, decorreu, no Município de Castro Daire, aSessão Distrital de Viseu do Programa Parlamento Jovens do Ensi-no Básico 2011. A temática "Violência em Meio Escolar" foi omote para a apresentação dos projectos de recomendação das 41escolas do distrito de Viseu que participaram. A proposta maisvotada foi o Projecto de Recomendação do Agrupamento de Esco-las de Campia. Os alunos que apresentaram o projecto na SessãoDistrital foram os alunos João David Neves, Marta Ferreira eArmando Lopes, do 9ºA.
  16. 16. P ÁGINA 16 FOLHAS DE LOENDRO No sentido de reforçar a importância de uma alimentação saudável e de promover comportamentos alimentares saudáveis, realizou-se na EB de Campia, a “Semana da Alimentação”, que decorreu entre 21 e 25 de Março de 2011, em articulação com o Departa-mento de Matemática e Ciências Experimentais e com o Clube de Expressão Dramática e teve a colaboração da Dra. Aline Maia, daDirecção do Agrupamento e de alguns assistentes operacionais. No Bar dos Alunos, criaram-se packs de lanches saudáveis com promoção. No átrio do pavi-lhão B, foi divulgada informação sobre a Roda dos Alimentos e alimentação saudável e apre-sentaram-se alguns mitos e curiosidades relacionadas com a alimentação. Na Sala de Alunosfoi projectado um filme sobre a Roda dos Alimentos. Durante esta semana, a Dra. Aline Maia, nutricionista do Centro de Saúde de Vouzela, dina-mizou sessões para os alunos dos 8.º e 9.º anos sobre “Distúrbios alimentares”, com o objecti-vo de sensibilizar para a importância de uma alimentação saudável e prevenir doençasde comportamento alimentar como a obesidade, a anorexia e a bulimia. A sessão parao 9.º ano também contou com a presença da Dra. Francisca Oliveira, estagiária naque-le Centro de Saúde. No dia 25 de Março, foi oferecido um lanche saudável aos alunos dos 1º, 2º e 3ºciclos, professores e funcionários, durante os intervalos maiores da manhã e da tarde.Os participantes assistiram à dramatização de uma peça de teatro sobre a Roda dosAlimentos, levada a cabo pelas alunas do Clube de Expressão Dramática. Neste dia,também se realizou uma sessão sobre “Alimentação saudável e actividade física”, paraPais/Encarregados de Educação, orientada pela Dra. Aline Maia. A Coordenadora do Projecto de Educação para a Saúde agradece a todos os que contribuíram para a concretização das actividades.Na semana de 14 a 18 de Fevereiro, a Equipa Interdisciplinar de Educação para a Saúde eEducação Sexual em articulação com a BE, promoveram a Semana dos Afectos, a fimde fomentar o relacionamento interpessoal saudável e a vivência dos afectos descomplexadamas responsável. Todos os alunos do Agrupamento foram incentivados a participar nos con-cursos “A mais bela carta de amor” e “O melhor postal para uma pessoa especial” e os traba-lhos foram expostos no hall do Pavilhão B. Desta exposição também constaram acrósticosfeitos pelos alunos do 1.º ciclo, no âmbito do projecto PITIC (Primeira Introdução às Tecnolo-gias de Informação e Comunicação), e com mensagens escritas em Português, Inglês, Espa-nhol e Francês, pelos alunos dos 2.º e 3.º ciclos, com a colaboração dos seus professores.Em cada dia dessa semana, algumas alunas do Clube de Expressão dramática apresentaramum par amoroso famoso da nossa história: Adão e Eva, Cleópatra e Marco António, Pedro eInês, Romeu e Julieta e Hitler e Eva Braun. Foram declamados poemas de amor e cantámosalgumas das canções de amor mais conhecidas. Na BE, foi promovido um Ciclo de Cinema,com filmes relacionados com a temática e, no átrio, foi feita a exposição de biografias de pares amorosos e sinopses de filmes. No âmbi-to do projecto “Pedacinho de escrita”, foi pedido aos alunos que, nessa semana, escrevessem sobre o tema e, como habitualmente, osmelhores trabalhos integraram a exposição.No átrio da Sala de Professores e na Sala de Alunos, projectaram-se fotografias relacionadas com a vivência dos afectos, do pessoaldocente e não docente, e a escola foi decorada com palavras relacionadas com os afectos.Foi uma semana rica em actividades que foram muito bem conseguidas.
  17. 17. A NO IX ; 2ª E DIÇÃO ; TIRAGEM : 250 EXEMPLARES P ÁGINA 17 POR TERRAS DE PORTUGAL No dia 7 de Abril, os alunos dos 2º e 3º ciclos fizeram uma visita de estudo recheada de pontos de interesse: fábrica da Atlantis, em Alcobaça, GrutasNo dia 7 de Abril da Moeda e Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota. PartimosAlegria não vai faltar. da escola pelas 7h30, mas foram definidos dois trajectos diferentes deCedo vamos ter de nos levantar modo a rentabilizar as diferentes visitas. Um dos grupos deu início àsE tarde, temos de nos deitar! suas visitas pela fábrica da Atlantis, onde alunos e professores puderamPrevisto está visitar o CIBA…Não sabem o que é? Eu explico já. compreender melhor todas as fases pelas quais passa o cristal até resul-Espera por nós, S. Jorge está lá. tar nas belíssimas peças que todos conhecemos. Depois de um filme explicativo, fomos à fábrica e observámos o processo de criação de cadaNas Grutas da Moeda peça. Pareceu-nos um trabalho bastante duro e minucioso, que justificaTalvez apareçam “moedas de ouro” bem o preço final de cada objecto.Oh! Oh…Oxalá!...Ou… ouro em pepitas Da parte da tarde, visitámos as Grutas da Moeda, que se situam em S.Construímos uma casa numa margem do rio Douro. Mamede e estão inseridas no Maciço Calcário Estremenho. Foram desco- bertas em 1971 e apresentam um conjunto de figuras cársicas de grandeAinda nos espera mais diversão diversidade e beleza. Têm uma extensão visitável de 350m e uma profun-Vamos à Marinha Grande didade de 45m abaixo da cota de entrada. Foi criado um espaço de inte-N A F ÁBRICA DA A TLANTISV ER FAZER COPOS É TRADIÇÃO racção, o Centro de Interpretação Científico-ambiental, com carácter infor-Toda a gente vai adorar!!! mativo e científico. Neste centro, os alunos puderam descobrir como seBOAS APRENDIZAGENS! forma uma gruta e compreender a importância do calcário. Também tive- ram oportunidade de conhecer uma enorme variedade de fósseis e mine-4 de Abril de 2011 Margarida - 5ºB rais. Mais tarde, no Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota, todos assistimos a um filme explicativo desta batalha e observámos algum Nas grutas da Moeda equipamento bélico daquela época: a espada, o escudo, o capacete e a cota de malha, a besta e outros. Houve ainda tempo de percorrer o espa- ço exterior, parte do campo de batalha. A chegada à escola deu-se sem incidentes, pelas 21h. Foi um dia extenuante, mas muito rico e estimulante. No parque de engenhos medievais - xadrez gigante - CIBA No parque de engenhos medievais - Guindaste de roda - CIBA
  18. 18. P ÁGINA 18 FOLHAS DE LOENDRO VOLUNTEER WORK Hello! My name is Vanessa Bandeira and I would love to do volunteer work! And why? Because it is a very interesting way to learn how to work, get mature, learn moreabout a cause, meet friends, but the most important, because we make the world be a better one!Besides, the humanitarian organizations help a lot of people who need care, attention, food, friend-ship, support and, very often, a cure for their disease… So, I would like to join the “Abraço” association! “Abraço” is a private Portuguese institution of social solidarity. It is also a nonprofit and non-governmental organization that provides services in the area of AIDS. Their main aims are:-Support the people infected with AIDS;-Support, train and provide formation to workers and health technicians who are involved with peo-ple victims of AIDS;-Prevent the infection in the population in general and specially among teenagers, homosexual people…-Fight against discrimination and defend the rights of the infected people! The humanitarian organizations need always support (Yes, it is true! The victims are not the only ones that needhelp!), so, the more you help, the better… And also because most of the people who are infected with AIDS don´t evenknow that are infected by this virus, because in each twelve seconds someone is infected by AIDS and also because the worldneeds to know that you can‟t be infected by giving a huge hug to a HIV positive! Many people may not know, but HIV is not only a big problem in Africa, but also something to worry in othercountries! We are never safe, so, when people discover they have AIDS, they usually lose everything (house, friends… ) be-cause of prejudice! And “Abraço” is that friendly shoulder where we can be comforted. Vanessa Bandeira, nº15 9ºBPATCH ADAMSIn the English class I watched a very moving film based on real facts. It was about a man calledHunter “Patch” Adams.Everything began when Patch was voluntarily admitted in a psychiatric hospital after trying suicide.There he shared the room with a patient that saw squirrels and also thought that the squirrelswould attack him. “Patch” helped his roommate pretending that he saw the squirrels too. Afterhelping his roommate, he realized that he had the gift of helping people using his good humor. Hisnickname “Patch” was given by a patient that was also admitted into the psychiatric hospital.After realizing he had a gift, he decided to enroll into a medicine university, graduate and help theother people, not only physically with his medical knowledge but also psychologically with goodhumor. When “Patch” came into the Virginia Medical School, most of his classmates questioned hisgrades because they were very good and they never saw him studying.“Patch” made friends with a classmate, Truman Schiff, and tried to win Carin Fisher‟s trust. Carin and Hunter developed aspecial relationship. “Patch” struggled against the Dean of the university that didn´t like him because he thought that he hadtoo much happiness and because of that the Dean did everything to expel “Patch”.After some time, “Patch” bought a field that had an old house and convinced his friends to help him to build a clinic for thepeople in need. At the university he found the big love of his life that was killed by one of their patients.This is a must see film and it teaches a lot about helping others without expecting anything in return. Daniela Almeida, 9º BI’VE GOT A PROBLEM…..I´ve got a problem with my family, mainly with my father. He left me and my mother when I was a child, because he didn´tlike my mother and me.I haven´t seen him for a long time. I felt hurt and sad but I don´t get depressed because of that.I prefer to live with my mother. I like living with my mother the most because she likes us: my brothers, my sister and I. Ilike my family. It‟s very sad to admit, but I have never had a father. Soraia, nº 17 8º B
  19. 19. A NO IX ; 2ª E DIÇÃO ; TIRAGEM : 250 EXEMPLARES P ÁGINA 19I’VE GOT A PROBLEM….. My family Hello dear world, Hello! My name is João and I am going to write about My name is Alye. I‟m a 13-year-old teen and I know I‟m my family.depressed. My mother‟s mother (my grandmother) is an old per- All this began when I was twelve years old, when I son and stays at home when my parents are at work.changed school, because my mother changed job (the building My mother‟s father (my grandfather) died a long timewhere my mom used to work was demolished). I lost my ago.home, my family (cousins, uncles…), my dog… my Sometimes my mother is cool because she allows mefriends… to cook with her in the kitchen. We usually bake cakes Well, when I arrived to my new home… I cannot say and they are very delicious. Sometimes she is boring,that I didn‟t like the house, because… when I saw the when I am in the computer playing games. She tells me:house… the first time… the first impression… it was like a „‟João, leave the computer and make your bed.‟‟dream! God! The house was so big! I mean... it was perfect! Or:But, really, that was my FIRST impression! As time went by, „‟João, leave the computer and help your father.‟‟I changed my mind… My father is awesome because, on Saturdays, we go Every day, I arrived at home, and I found my dad mad fishing in a river in Aveiro and it is fantastic.with my mother and I didn‟t know very well why! I listened My brother is annoying because he never lets me in-to my mom screaming, screaming and screaming because of stall games in the computer.my dad! If that situation went on I would be mad! My sister is a baby. She sometimes cries because no- At school I met new people and I thought that people body pays attention to her. But when she is sleeping, shewere my friends. I really did. At school, I met a boy and I was is wonderful.in love with him (and I still am)… but when I have found My father‟s mother (my grandmother) is amazing: shecourage to tell him, my best friend has begun a relationship takes cares of me and of my siblings.with him! And I just couldn‟t believe in that! My father‟s father (my grandfather) is funny and he After that, I missed my old friends very much! likes Benfica very much and we often go to the cafe to At school I felt alone… watch Benfica playing. He tells many jokes. At home, I felt mad and tired… My uncle and my aunt are funny but they have made a But, a guy told me a way to stop the pain… Drugs… I mistake: they are keen on “Porto” and don‟t like Benfica.took that… a lot of times… but, when I was “normal”, the They have a child and he is very cool.pain came back. So I took more, more, more and more. João Simões, number 9, 7th B Today, I‟m not going to take this anymore! I think I canstop the pain with another thing . I really like to write, and, before I die, I want to tell theworld what I felt and what I feel. So, I would like to say thatI‟m not as strong as I thought to “beat” this problem and Ithink I´m choosing the “easy way” , but I‟m tired of every- ºBthing! , nº8 8 P.S. Mom… I love you… la A lmeida To all world; Alye Danie I’VE GOT A PROBLEM…..Well, I am going to tell you a little story of my life. My adolescence. I was a girl like all the other girls and, like most of thegirls in my school, I had my passions. But a certain passion brought me some problems.The boy was 13 years old. He was handsome, blue eyed and dark haired, and an excellent student. He was the ideal boy forme. Well, but there was a problem ... He was my BEST FRIEND´S BOYFRIEND.She was Beatriz and he was Dinis. They were funny together. But he was my prince charming. The days passed by and he continued with her and I was alone and sad. But one day Beatrizbegan suspecting that he liked another girl.So, on an unexpected day she broke up with Dinis. Poor boy…he was sad and single. Of course, I got close to him to com-fort him and he was mine some time after.Well, I do not know how it happened, but Im married to Dinisand we have two children. I still have the same opinion as when I was a teenager, "He´s the ideal boy for me”. Mariana Cancela, 8ºB nº 14
  20. 20. P ÁGINA 20 FOLHAS DE LOENDROSER POETA Rainha das Fadas… na reforma… Outras fadas vêm… cuidar de NÓS!Ser poeta é ter ideias inesquecíveis.Ser poeta é atravessar o mundo pela porta da ima- A Rainha das Fadas, na segunda-feira, foi à Fada da Pedra e deu-lheginação. o trabalho de guardar o deserto encantado.Ser poeta é ser mágico, é uma fantasia. Foi à Fada do Vento e entregou-lhe a responsabilidade de cuidar dos céus.É dar largas à imaginação. Foi à Fada da Água e deu-lhe o cargo de cuidar dos Oceanos e dosSer poeta é ser pastor de ideias e ter que as alimen- rios.tar. Foi à Fada Moderna e disse-lhe: “Precisas de cuidar das cidades!Ser poeta é ser sonhador. Depois, todas as fadas foram convocadas pela Rainha das Fadas.É escrever sobre a vida em enigmas. Esta disse-lhes:Ser poeta é escrever o que se imagina. ‒ Dei-vos estas responsabilidades, porque me vou reformar! Agora são vocês que cuidam de tudo do PLANETA!É dar espaço à imaginação! As fadas passaram as responsabilidades de geração em geração.Ser poeta é voar mais alto que o pensamento. Por isso é que o MUNDO de hoje em dia não pára! Tudo está PRE-Ser poeta é transformar sentimentos em palavras. SERVADO!Ser poeta é saber sonhar, é ter a vida na mão. Bruno Filipe Dias – 5ºBSer poeta é escrever alegria.Ser poeta é ir longe, correr atrás da liberdade. A BE em retrospectivaSer poeta é abrir asas à imaginação. Ao longo do 2º período, a BE lançou o projecto “Pedacinho deSer poeta é sonhar, é mergulhar num mundo des- escrita” com o propósito de desenvolver hábitos e competências deconhecido, escrita. Os melhores trabalhos sobre cada tema foram afixados no hall. AÉ não ter fronteiras. BE colaborou com a equipa interdisciplinar de EPSES na dinamização daSer poeta é ter alma e passá-la para o papel. Semana dos Afectos. Foi dada continuidade aos projectos de leituraSer poeta é poder dar largas à imaginação, “Virando páginas de fantasia”, com os alunos do 1º ciclo da EB deDedicar o tempo ao poema, Campia e os do 1º CEB de Cambra, e “Histórias com rodinhas”.Fazê-lo com amor. Em articulação com o departamento de Línguas, dinamizou a Semana da Leitura, promovendo uma tarde recheada de emoções, ao longo daSer poeta é caminhar na imaginação. qual três alunos de quase todas as turmas da EB fizeram uma leitura Poema colectivo - 8º A expressiva, responderam a questões sobre uma obra literária, soletraram palavras nas diferentes línguas estudadas e realizaram uma prova de pro- dução artística. Para comemorar o Dia Mundial do Teatro, os alu- nos do 3º ciclo foram a Tondela assistir à peça “Dona Pura e os camaradas de Abril”. Ao longo do período, a BE proporcionou aos alunos desafios semanais e procurou sensibilizar alunos e professores para a participação em vários concursos. Destaca-se o texto da Telma Pereira, 5ºA, que representou o 2º ciclo no concurso “Quem conta um conto” (A Telma deu um final diferente ao romance de Eça “O crime do padre Amaro”); os poemas dos alunos Tiago Negrão, do 5º A, (“Ai, um dia") e do Miguel Fontes, do 3º ano da EB 1 de Mogueirães ("Tempo de chuva"), que foram seleccionados para serem admitidos ao concurso “Faça lá um poema” e os postais dos alunos Hugo Silva, 5ºB, e Tânia Almeida, 5ºA, que foram seleccionados para serem admitidos ao concurso “Um postal vale mil ideias”. A BE agradece aos alunos participantes em todas as actividades que tem promovido e também aos seus professores que os têm motivado a participar.

×