SlideShare a Scribd company logo
1 of 18
PERÍODO REGENCIAL
  História do Brasil
PERÍODO REGENCIAL




• Aclamação de D. Pedro II em 9 de abril de 1831 –
  pintura de Jean-Baptiste Debret (1768–1848).
   Prof.ª Valéria Fernandes               10/25/2012   2
PERÍODO REGENCIAL
• O Período Regencial se estendeu de 1931 até 1840.
• Uma das marcas do período é a tensão causada
  pelo conflito entre a pressão federalista e separatista
  e o esforço por manter a integridade territorial.
• As Regências são divididas em:
   Trina Provisória (1831).
   Trina Permanente (1831-1835).
   Regência Una (1835-1840) → Diogo Antônio Feijó
    (liberal) e Araújo Lima (conservador).
• O Ato Adicional de 1834 criou a regência una. O
  regente não tinha o Poder Moderador.
   Prof.ª Valéria Fernandes                     10/25/2012   3
PERÍODO REGENCIAL
• Em 1831, o exército participou de
  motins no Rio de Janeiro exigindo
  a exoneração dos funcionários
  portugueses.
• O então ministro da Justiça, Diogo
  Antônio Feijó, diminuiu o número
  de soldados do exército de 30 mil
  para 10 mil homens.
• Criou-se a Guarda Nacional, que
  reforçou o poder dos grandes
  fazendeiros e durou até 1922.
   Prof.ª Valéria Fernandes            10/25/2012   4
PERÍODO REGENCIAL
• Em 1832, foi criado o processo criminal que
  reforçou o poder dos juízes de paz, eleitos no
  município, estabeleceu o júri e o habeas corpus.
• Além de criar a regência una, o Ato Adicional de
  1834: reforçou o federalismo, criou as assembléias
  legislativas das províncias, estabeleceu eleições
  para regente, aboliu o Conselho de Estado, criou
  o município neutro da Corte.
• Havia três “partidos” políticos: liberais moderados
  (maioria), liberais exaltados (alguns eram
  republicanos) e restauradores (conservadores).
   Prof.ª Valéria Fernandes                   10/25/2012   5
PERÍODO REGENCIAL
• O período foi
  marcado por várias
  revoltas de caráter
  federalista e as
  quatro mais
  importantes estão
  marcadas no mapa
  ao lado.
• Também cabe
  ressaltar a revolta
  escrava dos Malês.
   Prof.ª Valéria Fernandes   10/25/2012   6
PERÍODO REGENCIAL
 A Revolta dos Malês foi organizada por escravos de
  origem muçulmana, e deflagrada na noite de 24 para
  25 de janeiro de 1835 na cidade de Salvador.
 Cerca de 50% da população de Salvador era escrava.
 Foi uma sublevação de caráter social, de escravos
  africanos das etnias hauçá, igbomina e Picapó. Cerca
  de 1500 participaram do movimento.
 Os revoltosos eram alfabetizados em árabe.
  Mensagens e literatura nessa língua foram
  encontrados em posse dos revoltosos.
 A revolta fez com que os escravos baianos tivessem
  “má fama” durante o Segundo Império.
Prof.ª Valéria Fernandes                     10/25/2012   7
PERÍODO REGENCIAL




 Guarda Nacional reprime escravos revoltados.          A
  Revolta dos Malês não foi a única do período, mas foi a
  mais organizada. O plano foi traído por uma escrava
  que se apiedou de seus senhores.
 Prof.ª Valéria Fernandes                       10/25/2012   8
PERÍODO REGENCIAL
 Os malês desejavam o fim do catolicismo – religião
  que lhes era imposta –, confisco dos bens de todos
  os brancos e mulatos, a libertação dos escravos
  muçulmanos e a implantação de uma monarquia
  islâmica,    escravidão   dos    não    muçulmanos
  (brancos, mulatos e negros).
 Foram duramente reprimidos, no conflito morreram 7
  soldados e 70 revoltosos.
 Os senhores intercederam por seus escravos para
  evitar o prejuízo. 5 foram fuzilados e cerca de 150
  degredados para a África, outros escravos receberam
  castigos menores.
Prof.ª Valéria Fernandes                    10/25/2012   9
Prof.ª Valéria Fernandes   10/25/2012   10
PERÍODO REGENCIAL
 Os movimentos regenciais tiveram motivações
  diferentes, mas todos foram movimentos federalistas.
 A formação social variava, a Cabanagem e a Balaiada
  eram movimentos populares; a Sabinada tinha sua
  força nas camadas médias urbanas; os Farrapos
  eram liderados pelos ricos estancieiros.
 A Sabinada proclamou uma república que
  permaneceria até a maioridade de D. Pedro II. A
  rigor, eram fiéis monarquistas.
 A extrema pobreza moveu cabanos e balaios, tensões
  motivadas por impostos, racismos e falta de meios de
  subsistência.
Prof.ª Valéria Fernandes                     10/25/2012   11
PERÍODO REGENCIAL
 A Guerra dos Farrapos teve participação de
  estrangeiros, como o famoso Garibaldi, e de outras
  camadas da população, como os lanceiros negros.
 Um dos compromissos dos líderes farroupilhas era a
  abolição da escravatura.
 Acredita-se que os lanceiros negros foram
  massacrados em Porongos (13-14/11/1844) graças a
  um acordo entre o General David Canabarro e o Barão
  de Caxias.
 Temia-se que os negros se negassem a desarmar, já
  que a escravidão seria mantida. O General Netto, que
  prometera a abolição, foi para o exílio em protesto.
 Prof.ª Valéria Fernandes                    10/25/2012   12
PERÍODO REGENCIAL




 Travessia dos Lanchões e o Monumento à Anita
  Garibaldi em Roma, Itália. Há outros no Brasil.
Prof.ª Valéria Fernandes                10/25/2012   13
PERÍODO REGENCIAL
 Figura de destaque na Guerra dos Farrapos, a
  jovem Anita participou de várias batalhas e tornou-
  se companheira de Garibaldi. Ela o acompanhou
  até a Itália e participou das lutas de unificação. É
  chamada de “a heroína de dois mundos”.
 A Cabanagem se espalhou por parte da Amazônia e
  foi o primeiro movimento popular a tomar o poder.
 A repressão foi pesada e até hoje não se sabe
  quantos foram os mortos. Há estimativa de mais de
  12 mil. Outras falam que entre 20 e 40% da
  população de 100 mil pessoas morreu no conflito.
  Prof.ª Valéria Fernandes                   10/25/2012   14
PERÍODO REGENCIAL
 A incapacidade dos liberais de resolver as revoltas
  federalistas levou os conservadores ao poder.
 Durante a regência de Araújo Lima (1837-40), foi
  baixado a Lei Interpretativa do Ato Adicional, que
  revogava alguns dos aspectos mais federalistas do
  Ato, como a questão administrativa e jurídica das
  províncias; remodelava a Guarda Nacional tornando-
  a mais submissa ao Estado.
 O confisco de autonomia das províncias gerou
  grande insatisfação e esteve na base das revoltas
  que surgiram de 1840 a 1848, como a Revolução
  Liberal de 1842 e a Revolta Praieira.
  Prof.ª Valéria Fernandes                  10/25/2012   15
GOLPE DA MAIORIDADE
 Pela constituição de 1824, a
  maioridade de D. Pedro deveria
  ser aos 21 anos.                 O Ato
  Adicional reduziu a idade para
  18 anos.
 Os             Liberais,  alijados  do
  poder, atiçaram a opinião
  pública e pressionaram o
  senado: só o imperador poderia
  unir a nação.
 Não há certeza se D. Pedro foi
  conivente, mas sua maioridade
   Prof.ª Valéria Fernandes                10/25/2012   16
  foi decretada aos 14 anos.
GOLPE DA MAIORIDADE




 Os conservadores perderam o poder e começou o
  Segundo Império.
  Prof.ª Valéria Fernandes             10/25/2012   17
GOLPE DA MAIORIDADE
 D. Pedro II assumiu como uma única forma de
  manter o Brasil unido. Segundo os liberais e
  alguns conservadores, só o imperador e um poder
  central forte impediria a fragmentação.
 O fato é que a estabilização política efetivamente
  se processou. Novos arranjos políticos foram
  feitos e as elites regionais aplacadas.
 Estava garantido um modelo centralizado de
  governo com uma restrita autonomia provincial
  que se mantém até hoje na forma como nosso
  país é administrado.
 Prof.ª Valéria Fernandes                   10/25/2012   18

More Related Content

What's hot

Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América EspanholaEdenilson Morais
 
Ditaduras na america latina
Ditaduras na america latinaDitaduras na america latina
Ditaduras na america latinaIsabel Aguiar
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitáriosIsaquel Silva
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrialMarcos Azevedo
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870Isabel Aguiar
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaEdenilson Morais
 
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIX
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIXOs Estados Unidos e a América Latina no século XIX
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIXEdenilson Morais
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Edenilson Morais
 
A 2ª Guerra Mundial 9º ano
A 2ª Guerra Mundial   9º anoA 2ª Guerra Mundial   9º ano
A 2ª Guerra Mundial 9º anoGilmar Rodrigues
 
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistasBrasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistasPortal do Vestibulando
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da ÁsiaRodrigo Luiz
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)Daniel Alves Bronstrup
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)Edenilson Morais
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoRodrigo Luiz
 

What's hot (20)

Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Ditaduras na america latina
Ditaduras na america latinaDitaduras na america latina
Ditaduras na america latina
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Getulio vargas
Getulio vargasGetulio vargas
Getulio vargas
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
 
II Guerra Mundial
II Guerra MundialII Guerra Mundial
II Guerra Mundial
 
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIX
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIXOs Estados Unidos e a América Latina no século XIX
Os Estados Unidos e a América Latina no século XIX
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
A 2ª Guerra Mundial 9º ano
A 2ª Guerra Mundial   9º anoA 2ª Guerra Mundial   9º ano
A 2ª Guerra Mundial 9º ano
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistasBrasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
Brasil Colônia: revoltas nativistas e separatistas
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)O governo João Goulart (1961-1964)
O governo João Goulart (1961-1964)
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 

Similar to Período Regencial

Regência e reinado
Regência e reinadoRegência e reinado
Regência e reinadoEstude Mais
 
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdfAULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdfFlviaCristina51
 
Guerra dos Farrapos, Revolta dos males, Cabanagem, Balaiada, Revolta liberal.
Guerra dos Farrapos, Revolta dos males, Cabanagem, Balaiada, Revolta liberal.Guerra dos Farrapos, Revolta dos males, Cabanagem, Balaiada, Revolta liberal.
Guerra dos Farrapos, Revolta dos males, Cabanagem, Balaiada, Revolta liberal.Adilla Brito
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018Zeze Silva
 
3ano-perodoregencial2018-190516173129.pptx
3ano-perodoregencial2018-190516173129.pptx3ano-perodoregencial2018-190516173129.pptx
3ano-perodoregencial2018-190516173129.pptxRobsonCamposdeAbreu
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e RevoltasDaniel Alves Bronstrup
 
Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)Bruna Sanchez
 
Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)Luis
 
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptimperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptKrishPatel433809
 

Similar to Período Regencial (20)

Regência e reinado
Regência e reinadoRegência e reinado
Regência e reinado
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
O período regencial
O período regencialO período regencial
O período regencial
 
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdfAULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
AULA 9 - O PERÍDO REGENCIAL (1831-1840).pdf
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
 
Guerra dos Farrapos, Revolta dos males, Cabanagem, Balaiada, Revolta liberal.
Guerra dos Farrapos, Revolta dos males, Cabanagem, Balaiada, Revolta liberal.Guerra dos Farrapos, Revolta dos males, Cabanagem, Balaiada, Revolta liberal.
Guerra dos Farrapos, Revolta dos males, Cabanagem, Balaiada, Revolta liberal.
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
 
3ano-perodoregencial2018-190516173129.pptx
3ano-perodoregencial2018-190516173129.pptx3ano-perodoregencial2018-190516173129.pptx
3ano-perodoregencial2018-190516173129.pptx
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
 
Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)Período regencial (17 05-10)
Período regencial (17 05-10)
 
Aula Invertida 2
Aula Invertida 2Aula Invertida 2
Aula Invertida 2
 
O período regencial 2017
O período regencial   2017O período regencial   2017
O período regencial 2017
 
3° ano período regencial
3° ano   período regencial3° ano   período regencial
3° ano período regencial
 
Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)Primeiro Reinado (25 03 2010)
Primeiro Reinado (25 03 2010)
 
O período regencial
O período regencialO período regencial
O período regencial
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
 
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptimperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
 
Crtl V Crtl C
Crtl V Crtl CCrtl V Crtl C
Crtl V Crtl C
 

More from Valéria Shoujofan

Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoValéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxValéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosValéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialValéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasValéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaValéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIValéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICAValéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoValéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasValéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Valéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoValéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIValéria Shoujofan
 

More from Valéria Shoujofan (20)

Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 

Recently uploaded

Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoCelimaraTiski
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 

Recently uploaded (20)

Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 

Período Regencial

  • 1. PERÍODO REGENCIAL História do Brasil
  • 2. PERÍODO REGENCIAL • Aclamação de D. Pedro II em 9 de abril de 1831 – pintura de Jean-Baptiste Debret (1768–1848). Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 2
  • 3. PERÍODO REGENCIAL • O Período Regencial se estendeu de 1931 até 1840. • Uma das marcas do período é a tensão causada pelo conflito entre a pressão federalista e separatista e o esforço por manter a integridade territorial. • As Regências são divididas em:  Trina Provisória (1831).  Trina Permanente (1831-1835).  Regência Una (1835-1840) → Diogo Antônio Feijó (liberal) e Araújo Lima (conservador). • O Ato Adicional de 1834 criou a regência una. O regente não tinha o Poder Moderador. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 3
  • 4. PERÍODO REGENCIAL • Em 1831, o exército participou de motins no Rio de Janeiro exigindo a exoneração dos funcionários portugueses. • O então ministro da Justiça, Diogo Antônio Feijó, diminuiu o número de soldados do exército de 30 mil para 10 mil homens. • Criou-se a Guarda Nacional, que reforçou o poder dos grandes fazendeiros e durou até 1922. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 4
  • 5. PERÍODO REGENCIAL • Em 1832, foi criado o processo criminal que reforçou o poder dos juízes de paz, eleitos no município, estabeleceu o júri e o habeas corpus. • Além de criar a regência una, o Ato Adicional de 1834: reforçou o federalismo, criou as assembléias legislativas das províncias, estabeleceu eleições para regente, aboliu o Conselho de Estado, criou o município neutro da Corte. • Havia três “partidos” políticos: liberais moderados (maioria), liberais exaltados (alguns eram republicanos) e restauradores (conservadores). Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 5
  • 6. PERÍODO REGENCIAL • O período foi marcado por várias revoltas de caráter federalista e as quatro mais importantes estão marcadas no mapa ao lado. • Também cabe ressaltar a revolta escrava dos Malês. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 6
  • 7. PERÍODO REGENCIAL  A Revolta dos Malês foi organizada por escravos de origem muçulmana, e deflagrada na noite de 24 para 25 de janeiro de 1835 na cidade de Salvador.  Cerca de 50% da população de Salvador era escrava.  Foi uma sublevação de caráter social, de escravos africanos das etnias hauçá, igbomina e Picapó. Cerca de 1500 participaram do movimento.  Os revoltosos eram alfabetizados em árabe. Mensagens e literatura nessa língua foram encontrados em posse dos revoltosos.  A revolta fez com que os escravos baianos tivessem “má fama” durante o Segundo Império. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 7
  • 8. PERÍODO REGENCIAL  Guarda Nacional reprime escravos revoltados. A Revolta dos Malês não foi a única do período, mas foi a mais organizada. O plano foi traído por uma escrava que se apiedou de seus senhores. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 8
  • 9. PERÍODO REGENCIAL  Os malês desejavam o fim do catolicismo – religião que lhes era imposta –, confisco dos bens de todos os brancos e mulatos, a libertação dos escravos muçulmanos e a implantação de uma monarquia islâmica, escravidão dos não muçulmanos (brancos, mulatos e negros).  Foram duramente reprimidos, no conflito morreram 7 soldados e 70 revoltosos.  Os senhores intercederam por seus escravos para evitar o prejuízo. 5 foram fuzilados e cerca de 150 degredados para a África, outros escravos receberam castigos menores. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 9
  • 10. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 10
  • 11. PERÍODO REGENCIAL  Os movimentos regenciais tiveram motivações diferentes, mas todos foram movimentos federalistas.  A formação social variava, a Cabanagem e a Balaiada eram movimentos populares; a Sabinada tinha sua força nas camadas médias urbanas; os Farrapos eram liderados pelos ricos estancieiros.  A Sabinada proclamou uma república que permaneceria até a maioridade de D. Pedro II. A rigor, eram fiéis monarquistas.  A extrema pobreza moveu cabanos e balaios, tensões motivadas por impostos, racismos e falta de meios de subsistência. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 11
  • 12. PERÍODO REGENCIAL  A Guerra dos Farrapos teve participação de estrangeiros, como o famoso Garibaldi, e de outras camadas da população, como os lanceiros negros.  Um dos compromissos dos líderes farroupilhas era a abolição da escravatura.  Acredita-se que os lanceiros negros foram massacrados em Porongos (13-14/11/1844) graças a um acordo entre o General David Canabarro e o Barão de Caxias.  Temia-se que os negros se negassem a desarmar, já que a escravidão seria mantida. O General Netto, que prometera a abolição, foi para o exílio em protesto. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 12
  • 13. PERÍODO REGENCIAL  Travessia dos Lanchões e o Monumento à Anita Garibaldi em Roma, Itália. Há outros no Brasil. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 13
  • 14. PERÍODO REGENCIAL  Figura de destaque na Guerra dos Farrapos, a jovem Anita participou de várias batalhas e tornou- se companheira de Garibaldi. Ela o acompanhou até a Itália e participou das lutas de unificação. É chamada de “a heroína de dois mundos”.  A Cabanagem se espalhou por parte da Amazônia e foi o primeiro movimento popular a tomar o poder.  A repressão foi pesada e até hoje não se sabe quantos foram os mortos. Há estimativa de mais de 12 mil. Outras falam que entre 20 e 40% da população de 100 mil pessoas morreu no conflito. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 14
  • 15. PERÍODO REGENCIAL  A incapacidade dos liberais de resolver as revoltas federalistas levou os conservadores ao poder.  Durante a regência de Araújo Lima (1837-40), foi baixado a Lei Interpretativa do Ato Adicional, que revogava alguns dos aspectos mais federalistas do Ato, como a questão administrativa e jurídica das províncias; remodelava a Guarda Nacional tornando- a mais submissa ao Estado.  O confisco de autonomia das províncias gerou grande insatisfação e esteve na base das revoltas que surgiram de 1840 a 1848, como a Revolução Liberal de 1842 e a Revolta Praieira. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 15
  • 16. GOLPE DA MAIORIDADE  Pela constituição de 1824, a maioridade de D. Pedro deveria ser aos 21 anos. O Ato Adicional reduziu a idade para 18 anos.  Os Liberais, alijados do poder, atiçaram a opinião pública e pressionaram o senado: só o imperador poderia unir a nação.  Não há certeza se D. Pedro foi conivente, mas sua maioridade Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 16 foi decretada aos 14 anos.
  • 17. GOLPE DA MAIORIDADE  Os conservadores perderam o poder e começou o Segundo Império. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 17
  • 18. GOLPE DA MAIORIDADE  D. Pedro II assumiu como uma única forma de manter o Brasil unido. Segundo os liberais e alguns conservadores, só o imperador e um poder central forte impediria a fragmentação.  O fato é que a estabilização política efetivamente se processou. Novos arranjos políticos foram feitos e as elites regionais aplacadas.  Estava garantido um modelo centralizado de governo com uma restrita autonomia provincial que se mantém até hoje na forma como nosso país é administrado. Prof.ª Valéria Fernandes 10/25/2012 18