Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Crise da República Velha

5,312 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Crise da República Velha

  1. 1. CRISE DA REPÚBLICA VELHA OS ANOS 1920
  2. 2. POLÍTICA DO CAFÉ COM LEITE • Foi uma política de revezamento do poder nacional entre 1898 e 1930, por presidentes civis fortemente influenciados pelo setor agrário de São Paulo (Estado mais rico e maior produtor de café) e Minas Gerais (Maior colégio eleitoral da época e produtor de leite). • Alternavam-se no poder representantes do Partido Republicano Paulista (PRP), e do Partido Republicano Mineiro (PRM), que controlavam as eleições apoiados da Política dos Governadores. 3/29/2015Valéria Fernandes 2
  3. 3. O DIREITO DE VOTO “Art. 70 - São eleitores os cidadãos maiores de 21 anos que se alistarem na forma da lei. § 1º - Não podem alistar-se eleitores para as eleições federais ou para as dos Estados: 1º) os mendigos; 2º) os analfabetos; 3º) as praças de pré, excetuados os alunos das escolas militares de ensino superior; 4º) os religiosos de ordens monásticas, companhias, congregações ou comunidades de qualquer denominação, sujeitas a voto de obediência, regra ou estatuto que importe a renúncia da liberdade Individual. § 2º - São inelegíveis os cidadãos não alistáveis”. (Constituição de 1891) 3/29/2015Valéria Fernandes 3
  4. 4. POLÍTICA DOS GOVERNADORES • Governo Campos Sales (1898-1902) → o presidente apoiava os governadores e seus aliados e em troca eles garantiam a eleição para o Congresso dos candidatos de interesse das Oligarquias Mineira e Paulista. Garantia da continuidade das mesmas oligarquias (grandes famílias ricas e poderosas) no poder. Esta troca funcionava graças : 1. À Comissão Verificadora de poderes → Degola. 2. Ao Coronelismo → Curral Eleitoral. 3/29/2015Valéria Fernandes 4
  5. 5. O VOTO DE CABRESTO ONTEM E HOJE 3/29/2015Valéria Fernandes 5
  6. 6. O VOTO DE CABRESTO ONTEM E HOJE 3/29/2015Valéria Fernandes 6
  7. 7. O VOTO DE CABRESTO ONTEM E HOJE 3/29/2015Valéria Fernandes 7
  8. 8. E A INDÚSTRIA?  Alguns fatores favoreceram o desenvolvimento industrial, especialmente em São Paulo: • Crescimento do mercado interno; • Mão de obra barata → Nacionais + Imigrantes • Possibilidade de abrir pequenas fábricas, que exigiam pouco capital. • A I Guerra Mundial. • Reinvestimento de capitais excedentes do Café.  No entanto, não havia política do governo federal para a indústria. 3/29/2015Valéria Fernandes 8
  9. 9. O MOVIMENTO OPERÁRIO 3/29/2015Valéria Fernandes 9 70 mil operários cruzaram os braços em São Paulo em junho de 1917.
  10. 10. O MOVIMENTO OPERÁRIO • Em junho de 1917 houve a primeira greve geral do Brasil. Os operários queriam: 1. Liberdade todas as pessoas detidas por motivo de greve; 2. Direito de associação sindical, sem punições como a demissão; 3. Abolição do trabalho de menores de 14 anos; 4. Proibição de menores de 18 anos e mulheres em trabalhos noturnos; 3/29/2015Valéria Fernandes 10
  11. 11. O MOVIMENTO OPERÁRIO 5. Aumento de 35% nos salários inferiores a 5$000 e de 25% para os mais elevados; 6. Pagamento dos salários efetuado quinzenalmente, e, o mais tardar, 5 dias após o vencimento; 7. Garantia aos operários de trabalho permanente; 8. Jornada de oito horas e semana inglesa; 9. Aumento de 50% em todo o trabalho extraordinário. 3/29/2015Valéria Fernandes 11
  12. 12. O MOVIMENTO OPERÁRIO • Questão operária era “caso de polícia”. • Governo de Artur Bernardes (1922-26) → forte repressão → ao final de seu governo, o movimento anarquista tinha sido massacrado. • A fundação do PCB (Partido Comunista Brasileiro deu novo fôlego ao movimento operário → Em 25 de março de 1922, no Congresso de Fundação, eles eram 9 delegados a representar cerca de 73 militantes em todo o país. 3/29/2015Valéria Fernandes 12
  13. 13. 3/29/2015Valéria Fernandes 13 Em 1927, aprovou-se a Lei Celerada (ou Lei Aníbal de Toledo), que combatia os chamados “delitos ideológicos”. Seu objetivo eram os operários, jornalistas e militares insurgentes.
  14. 14. A DÉCADA DE 1920 • Durante os anos 1920, a política do Café com Leite foi questionada por vários setores da população:  Camadas médias urbanas.  Operários.  Grupos ligados à indústria.  Jovens oficiais do Exército (*Movimento Tenentista*) • Esses grupos desejavam → voto secreto, incentivo à indústria, fim da corrupção na política, ampliação da educação pública, maior centralização política. 3/29/2015Valéria Fernandes 14
  15. 15. MOVIMENTO TENENTISTA • Envolvia principalmente jovens oficiais (capitães e tenentes) → nacionalistas, positivistas e queriam um poder central forte → Não uma linha ideológica. • Principais revoltas: 18 do Forte de Copacabana (1922), Comuna de Manaus (1924), São Paulo (1924) e a Coluna Prestes (1925-27). • Na década seguinte, alguns irão para a esquerda (comunista), outros para a direita (fascista) e alguns assumirão uma postura “neutra”. 3/29/2015Valéria Fernandes 15
  16. 16. • A primeira ação tenentista foi o levante dos 18 do Forte de Copacabana → julho de 1922 → os únicos sobreviventes foram Siqueira Campos e Eduardo Gomes. 3/29/2015Valéria Fernandes 16
  17. 17. • Motivações Específicas: O presidente Epitácio Pessoa nomeou um civil, o historiador João Pandiá Calógeras, como Ministro da Guerra. Derrota de Nilo Peçanha (apoiado pela maioria dos militares do Rio de Janeiro) para Arthur Bernardes (apoiado pela oligarquia de São Paulo). 3/29/2015Valéria Fernandes 17 MOVIMENTO TENENTISTA Caricatura de Nilo Peçanha.
  18. 18. • Incidente das cartas falsas → Em 1921, o Correio da Manhã publicou cartas atribuídas à Artur Bernardes, criticava a ação política dos oficiais do exército. • Prisão de Marechal Hermes da Fonseca, ex-presidente do Brasil e presidente do Clube Militar por ordem de Epitácio Pessoa (1919-22) → o Marechal havia criticado o processo eleitoral que deu a vitória a Arthur Bernardes. • Fechamento do Clube Militar. 3/29/2015Valéria Fernandes 18 MOVIMENTO TENENTISTA
  19. 19. • Aviões bombardearam São Paulo durante a Revolução de 1924 → casa destruída na Rua Helvétia, na região central da cidade 3/29/2015Valéria Fernandes 19 MOVIMENTO TENENTISTA
  20. 20. • Entre 1925 e 1927, um grupo composto por civis e militares cruzou mais de 24 mil quilômetros sob a liderança de Luís Carlos Prestes. • A Coluna Prestes assumiu uma aura de heroísmo, ainda que não tenha atingido seus objetivos. 3/29/2015Valéria Fernandes 20 MOVIMENTO TENENTISTA
  21. 21. Comando da Coluna Prestes. 3/29/2015Valéria Fernandes 21 MOVIMENTO TENENTISTA
  22. 22. O CANGAÇO • A miséria do Nordeste impulsionou o chamado Cangaço, que é uma forma de banditismo social. O massacre dos grupos cangaceiros foi feita na década seguinte. 3/29/2015Valéria Fernandes 22
  23. 23. CRISE DA REPÚBLICA VELHA • O Partido Democrático foi fundado por dissidentes do Partido Republicano Paulista, em 24/02/1925, com 599 membros → Representava as classes médias, vinculada a setores cafeeiros, mas sobretudo urbana → Poucos de seus membros eram industriais. • Crescimento foi rápido → em 3 meses, já tinha cerca de 20 mil membros; no final de 1926, 50 mil; em maio de 1927, tinha 87 diretórios em São Paulo no interior, no fim do ano já eram 180.  Nas eleições de 1930, o PD apoiou a Aliança Liberal, mas só conseguiu 10% dos votos paulistas para Getúlio Vargas. 3/29/2015Valéria Fernandes 23
  24. 24. • “Governar é abrir estradas” →O automóvel se impõe. • Estava promovendo uma reforma econômica que foi interrompida pela crise de 1929. • Rompeu com a Política do Café com Leite ao indicar outro paulista, Júlio Prestes. 3/29/2015Valéria Fernandes 24 CRISE DA REPÚBLICA VELHA O último presidente da República do Café com Leite, Washington Luís (1926-30).
  25. 25. • A campanha de 1930 foi a última da República Velha e marcada pela ruptura entre Minas e São Paulo. 3/29/2015Valéria Fernandes 25 Cartazes de Campanha eleitora de 1930: PRP (Júlio Prestes) e Aliança Liberal (Getúlio Vargas) CRISE DA REPÚBLICA VELHA
  26. 26. • Em 26 de julho de 1930, João Pessoa, candidato a vice de Getúlio e presidente da Paraíba, foi assassinado por João Dantas na Confeitaria Glória, em Recife (PE). • Seu assassinato é considerado o estopim da Revolução de 1930 em 24 de outubro. 3/29/2015Valéria Fernandes 26 CRISE DA REPÚBLICA VELHA Em sua homenagem a capital da Paraíba, antes denominada de "Parahyba", recebeu seu nome (04/09/1930).
  27. 27. • No plano cultural, um dos eventos mais importantes foi a Semana de Arte Moderna, ou Semana de 22, ocorrida em São Paulo entre os dias 13 a 17 /02/1922. • O movimento desejava encontrar uma expressão legitimamente brasileira nas artes, literatura, música, etc. 3/29/2015Valéria Fernandes 27 ANTROPOFAGIA E CRIATIVIDADE
  28. 28. 3/29/2015Valéria Fernandes 28
  29. 29. APROXIMAÇÃO COM A IGREJA CATÓLICA Construção do Cristo Redentor, fruto principalmente da ação do Cardeal Sebastião Leme. 3/29/2015Valéria Fernandes 29
  30. 30. VOTO FEMININO • A Constituição não proibia o voto das mulheres, mas o cadastro não era concedido. • Em 1910, as feministas Leolinda Daltro e Gilka Machado fundaram, no Rio de Janeiro, o Partido Republicano Feminino → maior objetivo era o sufrágio feminino. • Em 1922, a cientista e feminista Bertha Lutz fundou a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino para defender os interesses das mulheres, um deles, o direito de voto. 3/29/2015Valéria Fernandes 30
  31. 31. Primeiro Congresso Feminino Brasileiro → Ao centro, a líder norte-americana Carrie Chapman Catt, ao lado de Berta Lutz (de branco) → Rio de Janeiro, dezembro de 1922. 3/29/2015Valéria Fernandes 31
  32. 32. VOTO FEMININO • Bertha Lutz é mais lembrada como feminista, algo importante, sem dúvida, do que como cientista que era. A invisibilização das mulheres na História da Ciência. 3/29/2015Valéria Fernandes 32
  33. 33. VOTO FEMININO • Em 1927, o Rio Grande do Norte foi o primeiro Estado a conceder o direito de voto às mulheres (Lei nº 660, de 25 de outubro). A professora Celina Guimarães Vianna, de Mossoró (RN), foi a primeira brasileira a fazer o alistamento eleitoral, a primeira mulher a votar no Brasil e na América Latina. 3/29/2015Valéria Fernandes 33 Celina Guimarães Vianna, primeira mulher a votar na América Latina.
  34. 34. VOTO FEMININO • Luíza Alzira Soriano Teixeira, professora e juíza de futebol, viúva, foi eleita prefeita de Lajes, Rio Grande do Norte, em 1928, pelo Partido Republicano com 60% dos votos. Ela não terminou o seu mandato por causa da Revolução de 1930. 3/29/2015Valéria Fernandes 34 Alzira Soriano, primeira prefeita da América Latina.

×