Contribuições da Psicanálise para a Psicopedagogia

9,715 views

Published on

0 Comments
10 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,715
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
305
Comments
0
Likes
10
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Contribuições da Psicanálise para a Psicopedagogia

  1. 1. Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  2. 2. Psicopedagogia Clínica e Institucional Contribuições da Psicanálise para a Psicopedagogia Dr. Sergio Luis dos Santos Lima sergiolusalima@hotmail.com
  3. 3. OBJETIVOS Compreender: (a) as funções simbólicas;(b) A organização do pensamento e das características da personalidade
  4. 4. PROGRAMAContribuições da psicanálise à psicopedagogiaConcepções psicanalíticasDesenvolvimento afetivo /emocionalAtividade simbólica e os diferentes níveis deorganização do pensamento
  5. 5. Psicanálise Uma Teoria do Um método de Insconsciente Análise
  6. 6. História da Psicanálise HipnoseCharcot e a Histeria Trauma Defesa Psíquica A Sexualidade
  7. 7. Contexto Cultural Arthur Shopenhauer O MUNDO COMO VONTADE E REPRESENTAÇÃO
  8. 8. Psicanálise Pulsão de Vida x Pulsão de Morte Princípios que regem o funcionamento mental Freud: representação coisa (visual) – Ics representação palavra (acústica) – PCs-Cs 2ª Tópica de Freud: ID – EGO - SUPEREGO Recalque da representação e Repressão do afeto
  9. 9. Representação Mental do Conhecimento Histórico - Filosofia Designa aquilo que representa, o que forma o conteúdo concreto de um ato de pensamento e, em especial, a reprodução de uma percepção anteriorFonte: LALANDE (1995)
  10. 10. Representação Mental do Conhecimento
  11. 11. Características da Representação para Ação Processos mentais ativos de tomada da consciência e para apropriação das situações Aspecto essencial: construir significados sobre uma situação - caráter finalístico Processo qualitativo de re(estruturação) constante e reorganização dos conteúdos e do funcionamento cognitivo - processo de aprendizagem Desenvolvimento contínuo O processo representativo não é cristalizado. Continua se modificando no contato com a atividadeFonte: WEILL—FASSINA, Rabardel e DUBOIS (1993)
  12. 12. Representação Mental do Conhecimento Teiger (1993) Weill-Fasina (1990) Funcional Finalístico Operativo Seletivo Dinâmico Lacunar Compósito Conciso Construção Subjetiva
  13. 13. Representação Mental do Conhecimento Sua elaboração e desenvolvimento supõe pelo menos três tipos de processos cognitivos Memorização e Evocação Esquematização (Categorização) AntecipaçãoFonte: TEIGER (1993)
  14. 14. CogniçãoConjunto de atividades e processos pelos quais um organismo adquire informação e desenvolve conhecimentosMecanismos mentais que agem Processos Cognitivos: memória,sobre a informação sensorial, categorização, atenção,buscando a sua interpretação, resolução de problemas,classificação e organização tomadas de decisão, tipos de raciocínio, linguagem Cognição é o processo de conhecer
  15. 15. Processo Informação Cognitivo recebida (BIT/seg) Recepção sensorial 1.000.000.000 Conexões nervosas 3.000.000 Consciência 16 Armazenamento permanente 0,7Fonte: Velásquez, Losano e Escalante (1995)
  16. 16. Representação Mental do Conhecimento A noção de representação pode ser entendida tanto num sentido técnico, quanto num sentido psicológico e num semiológico representação é como um conjunto de propriedades, relações e Sentido Psicológico valores ligados a um objeto do pensamento Sentido Técnico é a expressão de um conhecimento por meio de um sistema de signos a representação é a relação entre o Sentido Semiológico significante de um signo e seu objetoFonte: LE-NY (1994)
  17. 17. em toda a moral efetiva elaboram-se certos princípios, valores ou normas ... todo ato moral inclui a necessidade de escolher entre vários atos possíveis as escolhas não existem a priori, instalam-se na relação entre o desejo e uma ação devem basear-se numa preferência Essa preferência deve-se porque os atos se apresentam como atos valiosos (valor que atribuímos às coisas e aos objetos) como atos de valor moral (valor com respeito à conduta humana) Para Sartre (1970), a pessoa se faz escolhendo a sua moral Depende da pessoa o sentido que ela dá à vida, e o valor nada mais é do que esse sentido escolhidoFonte: Vasquez (2006)
  18. 18. Teoria dos Valores Schwartz (2005)Identifica as principais características dos Valores de cinco formas: 1 Valores são crenças Crenças intrinsecamente ligadas a emoção e não a idéias. Quando os valores são ativados, conscientemente ou não, eliciam sentimentos positivos e negativos 2 Valores são um construto motivacional Referem-se a objetivos desejáveis que as pessoas se esforçam por obter 3 São transituacionais São objetivos abstratos 4 Guiam a seleção e avaliação de açõe, políticas, pessoas e eventos Crenças intrinsecamente ligadas a emoção e não a idéias. Quando os valores são ativados, conscientemente ou não, eliciam atitudes 5 São ordenados pela importância relativa aos demais Os Valores das pessoas formam um sistema ordenado de prioridades axiológicas que as caracteriza como indivíduos
  19. 19. Valor é um conceitomultidimensional, composto por distintos significados Searle (2000) chave para compreensão do significado o significado é uma forma de “intencionalidade derivada” A intencionalidade original (ou intrínseca) da representação mental da pessoa é transferida para o objeto Caso o serviço/produto seja significativo, o objeto passa a ter uma intencionalidade derivada da representação mental. A representação não tem apenas um significado convencional, mas também um significado desejado pela pessoa
  20. 20. Psicanálise Pulsão de Vida x Pulsão de Morte Princípios que regem o funcionamento mental Freud: representação coisa (visual) – Ics representação palavra (acústica) – PCs-Cs 2ª Tópica de Freud: ID – EGO - SUPEREGO Recalque da representação e Repressão do afeto Clivagem da Representação Dois caminhos distintos de tratamento da informação
  21. 21. Psicanálise Pulsão de Vida x Pulsão de Morte Princípios que regem o funcionamento mental Freud: representação coisa (visual) – Ics representação palavra (acústica) – PCs-Cs 2ª Tópica de Freud: ID – EGO - SUPEREGO Recalque da representação e Repressão do afeto Representação substitutiva
  22. 22. Teorias Psicanalíticas e Psicopatologia Pulsão de Vida x Pulsão de Morte Princípios que regem o funcionamento mental Freud: representação coisa (visual) – Ics representação palavra (acústica) – PCs-Cs 2ª Tópica de Freud: ID – EGO - SUPEREGO Recalque da representação e Repressão do afeto Representação substitutiva SINTOMA
  23. 23. Psicanálise Imagos Parentais Resoluções do Complexo de Édipo Compulsão à Repetição Método Psicanalítico: ―recordar, repetir e elaborar‖ Resistência
  24. 24. Psicanálise O Normal O Saudável O Ideal O Sublimado O Pathos
  25. 25. Multicausalidade Psíquica • Fenômenos do tipo experiência e rendimento e suas disposições psicológicas • Conceito psicanalítico essencial: representação Biológica • Fenômenos do tipo autoconservação e reprodução repercutindo em outros fenômenos e suas disposições biológicas • Conceito psicanalítico essencial: pulsão Social • Fenômenos do tipo mediação e interação e suas disposições sociológicas • Conceito psicanalítico essencial: objeto
  26. 26. Psicanálise O Princípio do Cristal Partido Os Sonhos
  27. 27. Derivações da Psicanálise Carl G. Jung e o Numinoso Reich e o Corpo
  28. 28. Melanie KleinSEIO BOM x SEIO MAL
  29. 29. Dimensões Imaginário Simbólico Real
  30. 30. Tipos de Ansiedade Ansiedade • surge do medo dos perigos reais objetiva • surge diante do reconhecimento dos perigos Ansiedade potenciais inerentes à satisfação dos instintos do id. Em outras palavras, a ansiedade neurótica é o medo neurótica da punição por expressar os desejos impulsivos • surge do medo da consciência. Quando realizamos - Ansiedade ou mesmo pensamos em realizar - algum ato contrário aos valores morais da nossa consciência, é moral bem provável sentirmos culpa ou vergonha.
  31. 31. Frustaçãoestado emocional desagradável que advém do fato de não se conseguir o que se deseja e sobre o qual, frequentemente, se tinham expectativas positivas DESEJO Barreira
  32. 32. Efeito da FrustraçãoAnsiedade Moral Tensão (Ego) ConflitoAnsiedade Comportamento agressivoNeurótica Álcool/Drogas Mecanismos de defesa do Ego (contenção das pulsões)
  33. 33. Mecanismos de Defesa do Ego estratégias inconscientes de resolução dos conflitos internos CARACTERÍSTICAS: Negação, falsificação ou distorção da realidade operam inconscientemente visam diminuir da ansiedade
  34. 34. Mecanismos de Defesa do Ego São formas que a psique tem de se proteger da tensão interna ou externa. As defesas evitam a realidade (repressão), excluem a realidade (negação), redefinem a realidade (racionalização) ou a invertem (formação reativa). Elas colocam sentimentos internos no mundo externo (projeção), dividem a realidade (isolamento) ou dela escapam (regressão)
  35. 35. Mecanismos de Defesa do Ego Negação Racionalização Formação Reativa Isolamento Regressão Repressão Projeção
  36. 36. Negação Processo pelo qual o sujeito, embora formulando um dos seus desejos,pensamentos ou sentimentos até então recalcado, continua a defender-se deste negando que lhe pertença
  37. 37. RacionalizaçãoSujeito procura apresentar uma explicação coerente do ponto de vista lógico, ou aceitável do ponto de vista moral, para uma atitude, uma ação, uma idéia, um sentimento, etc...
  38. 38. Formação Reativa Atitude ou hábito psicológico de sentido oposto a um desejo recalcado e constituído em reação contra ele(o pudor opondo-se a tendências exibicionistas, por exemplo)Do ponto de vista clínico, as formações reativas assumem um valor sintomático no que oferecem de rígido, de forçado, de compulsividade
  39. 39. IsolamentoConsiste em isolar um pensamento ou um comportamento, de tal modo que suas conexões com outros pensamentos ou com o resto da existência do sujeito
  40. 40. Regressão Consiste em isolar um pensamento ou um Designa-se por regressão um que suas comportamento, de tal modo retorno emconexões com outros pensamentos ou com o sentimento inverso desde um ponto já atingido da existência do sujeito ficam resto até um ponto situado antes dessecomprometidas. Típico da neurose obsessiva A negação da existência de um fator provocador da ansiedade, ou seja, a eliminação involuntária de algumas lembranças ou percepções da consciência que provoquem desconforto
  41. 41. Repressão Sentido amplo: processo psíquico que tende a fazer desarparecer da consciência um conteúdo desagradável ou inoportuno. Nesse sentido, o recalque seria uma modalidade especial de repressão A negação da existência de um fator provocador da ansiedade, ou seja, a eliminação involuntária de algumas lembranças ou percepções da consciência que provoquem desconforto
  42. 42. ProjeçãoOperação pela qual o sujeito expulsa de si e localiza no outro – pessoa ou coisa – qualidades sentimentos, desejos que ele desconhece e recusa nele Trata-se de uma defesa de origem muito arcaica que encontra-se em ação particularmente na paranóia, mas também em modos de pensar ―normais‖, como a superstição
  43. 43. Mecanismos de Defesa São formas que a psique tem de se proteger da tensão interna ou externa. As defesas evitam a realidade (repressão), excluem a realidade (negação), redefinem a realidade (racionalização) ou a invertem (formação reativa). Elas colocam sentimentos internos no mundo externo (projeção), dividem a realidade (isolamento) ou dela escapam (regressão)
  44. 44. Psicopatologia - Nosologia PSICOSE NEUROSE Perversão Psicopatias
  45. 45. Desenvolvimento Psicosexual Fase Oral Fase Anal Fase Fálica Fase Latência Fase Genital
  46. 46. Desenvolvimento da Libido e Nosologia IDADE Estágios da Organização Estágios evolutivos de Nosologia da Libido relação objetal 1 Oral Primária Anobjetal Esquizofrenia 2 Oral tardio Incorporação total do objeto Melancolia - Maniaxxxxxxxxxxxxxxxxx Linha Divisória entre Estágios pré-genitais e genitais xxxxxxxxxxxx 3 Sádico anal primário Ligação objetal com Paranóia incorporação 4 Sádico anal secundário Ligação objetal parcial Neurose obsessiva 5-6 Fálica Ligação objetal com Histeria exclusão genital 7 a 10 Latência Inibição dos objetivos sexuais 11 Genital Amor Objetal Normalidade
  47. 47. Outros Tópicos Psicopatologia da Profissão de Pedagogo Psicopatologização dos alunos ex: TDAH, etc...o Emoção e Cognição
  48. 48. MUITO OBRIGADO!!! Contribuições da Psicanálise para a Psicopedagogia Dr. Sergio Luis dos Santos Lima sergiolusalima@hotmail.com
  49. 49. OBJETIVOS Compreender: (a) as funções simbólicas;(b) A organização do pensamento e das características da personalidade
  50. 50. Dr. Sergio Luis dos Santos Lima

×