Conhecendo a Psicologia

1,625 views

Published on

Este ebook apresenta a psicologia de maneira didática e de fácil compreensão.

Conheça a psicologia, seus fundamentos, suas principais abordagens, como se desenvolveu e suas aplicações práticas!

Ser e conviver
www.sereconviver.com
www.fb.com/sereconviverpg

Published in: Education
  • Be the first to comment

Conhecendo a Psicologia

  1. 1. CONHECENDO A PSICOLOGIA Bruno Carrasco ex-isto 1a edição 2016
  2. 2. Alguns direitos reservados Este livro está licenciado através da licença Creative Commons – Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional. Você tem o direito de copiar, adaptar, traduzir e criar obras derivadas deste livro, desde que dê o crédito ao autor e mantenha a mesma licença. É proibido o uso para fins comerciais.
  3. 3. SUMÁRIO 1. A PSICOLOGIA 1.1. O que é a Psicologia? 1.2. A subjetividade 1.3. A violência psicológicas 1.4. O esgotamento profissional 1.5. A psicoterapia 1.6. Diferenças entre psicólogo, psicanalista e psiquiatra 2. HISTÓRIA DA PSICOLOGIA 2.1. Psicologia na Grécia Antiga 2.2. Psicologia na Idade Média 2.3. Renascimento e Idade Moderna 2.4. Psicologia no Século XIX e XX 3. TEORIAS DA PSICOLOGIA 3.1. As diversas teorias 3.2. Psicanálise 3.3. Comportamentalismo 3.4. Psicologia da Gestalt 3.5. Gestalt-terapia 3.6. Abordagem Centrada na Pessoa 3.7. Psicoterapia Existencial 4. APLICAÇÕES PRÁTICAS 4.1. Psicologia Clínica 4.2. Psicologia Social 4.3. Psicologia da Educação 4.4. Psicologia Jurídica 4.5. Psicologia do Esporte
  4. 4. 1. A PSICOLOGIA 1.1. O que é a Psicologia? Psicologia é um termo de origem grega, derivado da junção de duas palavras "psyché", que significa alma, mente ou espírito e "logos", que significa estudo, razão ou compreensão. Neste sentido, seria algo como o estudo ou a compreensão da alma. Atualmente, psicologia refere-se a ciência que estuda as emoções, os comportamentos, os pensamentos e as atitudes, bem como os processos de aprendizagem, a memória, a linguagem, a subjetividade e o desenvolvimento humano. Enquanto ciência, faz uso de métodos, comparações e análises para entender o que gera e mantêm certos comportamentos e sentimentos, para contribuir para a saúde mental do indivíduo e promover uma melhora de sua qualidade de vida. Um de seus maiores objetivos de entender o íntimo do ser humano, é um tanto pretensioso, e para isso se utiliza de saberes outras áreas do conhecimento como complementação, entre elas a filosofia, a fisiologia, a sociologia, a antropologia. As pessoas não são iguais entre si, cada pessoa possui uma maneira de encarar a vida e de se desenvolver. Do mesmo modo, existem diferentes teorias para a compreensão do ser humano e de seu modo de ser e de se relacionar. Cada teoria possui uma maneira peculiar de entender como a pessoa se constrói e atua no mundo. Porém, independente da abordagem, todas possuem como objetivo colaborar para promover a saúde psíquica e o desenvolvimento pessoal das pessoas, cada uma trabalhando de uma maneira específica.
  5. 5. As três principais linhas da psicologia são a psicanalítica, a comportamental e a humanista. De cada uma dessas linhas existem diversas abordagens que desenvolveram sua proposta teórica e prática pautada em uma delas, agregando novas concepções e possibilidades. Descrevendo sinteticamente, a psicanálise tem como foco o inconsciente, busca compreender o que não está claro na pessoa, interpretando por meio da fala o que há de oculto para trazer a consciência. A comportamental atua somente nos comportamentos observáveis, entendendo como a pessoa funciona correspondendo aos seus comportamentos. A humanista tem como foco o respeito aos diferentes modos de ser de cada pessoa, buscando contribuir para o autoconhecimento e desenvolver autonomia psicológica suficiente para que a pessoa possa assumir livremente sua existência, valorizando seu modo de ser autêntico. Hoje em dia existem inúmeras abordagens e de tempos em tempos são desenvolvidas outras novas. É fato que nenhuma delas ainda compreende o ser humano como um todo, mesmo porque isso seria muita pretensão, mas todas tentam colaborar para seu desenvolvimento e sua saúde psíquica, cada uma de seu modo.
  6. 6. 1.2. O que é a Subjetividade? A subjetividade corresponde a tudo aquilo que é intimo e particular de uma pessoa, seu mundo interno e suas inquietações, seus gostos e aversões, a maneira como se sente em cada situação. Podemos passar horas pensando se vamos fazer uma escolha ou outra, quase decidir pela primeira, mas acabar fazendo a segunda, sem que nenhuma pessoa saiba disso. Tudo isso aconteceu em nossa experiência subjetiva. Trata-se do modo como cada indivíduo experimenta suas vivências internamente, como se sente e como relaciona consigo mesmo e com os outros. A subjetividade é constituída pelas experiências particulares de cada um, é singular e se transforma com o passar do tempo. São nossas experiências subjetivas que nos tornam seres singulares em meio a um grupo de pessoas. Somos livres, diferentes, experimentamos sentimentos, temos desejos, pensamos e sentimos diferente de outras pessoas. Por vezes usamos referências externas para nos guiar, seja de nosso grupo familiar, de nossos amigos de escola ou do trabalho, mas também podemos imergir em nossas experiências subjetivas para fazer nossas escolhas, recorrer aos nossos sentimentos e a nossa consciência. Quando nos questionamos sobre como nos sentimos, sobre o que desejamos, quem somos o que somos, o que consideramos justo e correto, passamos a perceber que somos capazes de fazer nossas próprias decisões, e que somos responsáveis por elas. Fazer nossas próprias escolhas pode ser angustiante, seja quando entramos em conflito entre dois desejos igualmente fortes, porém incompatíveis, ou quando desejamos algo que no momento
  7. 7. não podemos realizar, que depende de outros fatores que estão além de nossas possibilidades no momento. A ideia do que é verdade ou do que é correto para uma pessoa pode não ser a mesma para outra. O que é verdade, é portanto uma questão individual, depende do modo como cada pessoa enxerga o mundo, de como ela sente e interpreta suas vivências e experiências. Nossos valores e conceitos não são estáticos, assim como nós mudamos, a maneira como interpretamos e sentimos as coisas e o que temos por verdade também se transforma. As experiências de vida e o contato com a diversidade cultural nos possibilita o encontro e a criação de diferentes modos de ser.
  8. 8. 1.3. O Que é a Psicoterapia? A psicoterapia é uma terapia realizada por meio do diálogo entre um psicoterapeuta e a pessoa atendida, com intenção de compreender e resolver as dificuldades que a pessoa está atravessando, promovendo seu bem-estar psíquico. Cada pessoa procura a psicoterapia com expectativas diferentes e cada terapeuta trabalha de uma maneira específica. Alguns buscam terapia para resolver uma dificuldade, outros para se conhecer melhor, para compreender seu perfil profissional, tirar dúvidas, se desenvolver enquanto pessoa, etc. As pessoas não são iguais entre si, cada pessoa possui uma maneira de encarar a vida e buscar se desenvolver. Do mesmo modo, existem diferentes teorias para a compreensão do ser humano e de sua relação com seus sentimentos, pensamentos e ações. Cada teoria possui uma maneira peculiar de conceber as pessoas e de como trabalhar com suas necessidades. Para escolher um terapeuta, é importante conhecer sua e se identificar com a abordagem teórica e com a maneira de conduzir o processo terapêutico. É uma escolha muito pessoal, portanto é preciso que a pessoa se sinta bem com a maneira como cada um trabalha. Conheça uma breve descrição das principais abordagens utilizadas na psicoterapia: Psicanálise: Criada por Sigmund Freud, compreende que nossos sentimentos e ações são regidos pelo inconsciente, e se relacionam com nossos desejos sexuais reprimidos. Atua com a análise de traumas e desejos inconscientes por meio da associação de ideias.
  9. 9. Cognitivo-comportamental: A Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) acredita que há comportamentos que são disfuncionais, que geram sofrimento, e que estes são aprendidos. O tratamento é um processo de aprender novos comportamentos que sejam funcionais, mais adaptativos. Gestalt-Terapia: Tem como foco compreender a percepção que cada pessoa tem da realidade e de si mesma, incentivando a conscientização de seus sentimentos e pensamentos, para que esteja presente no aqui e no agora, desenvolvendo seu modo de ser autêntico. Junguiana: Desenvolvida por Carl Gustav Jung, a terapia Junguiana é uma vertente da Psicanálise que explora o universo simbólico, enfatizando o trabalho com os sonhos e arquétipos, buscando estabelecer um diálogo entre o consciente e o inconsciente. Existencial: Para a Terapia Existencial, todo ser humano é livre para fazer escolhas e responsável pelas consequências das escolhas que faz. Sua prática incentiva a ampliação de possibilidades de escolha e a criação ou encontro de novos modos de ser. Humanista: A Terapia Centrada na Pessoa busca aproximar a pessoa dela mesma, incentivando sua autenticidade e acreditando no potencial que cada um tem de se desenvolver, incentiva a tomada de consciência dos sentimentos e comunicação de maneira autêntica.
  10. 10. 1.4. Diferenças entre Psicólogo, Psicanalista e Psiquiatra Conheça algumas diferenças entre o psicólogo, o psicoterapeuta, o psicanalista, o terapeuta e o psiquiatra. Todos eles trabalham para o bem-estar psíquico e nos auxiliam quando passamos por dificuldades para lidar com nossos sentimentos, pensamentos ou comportamentos. Cada um deles utiliza procedimentos específicos de sua formação ou especialidade: Psicólogo: Profissional que possui formação acadêmica em Psicologia. ciência que estuda os processos mentais, os comportamentos e sentimentos, utilizando distintas abordagens. Alguns autores denominam por "Psicologias", pois existem diferentes concepções de seu estudo, as diversas linhas que concebem o funcionamento do ser humano, tais como a Psicanálise, a Comportamental, a Gestalt, entre outras. Após concluir sua graduação é necessário um cadastro no Conselho Regional de Psicologia que o habilita para exercer sua profissão seja em clínicas, hospitais, escolas, empresas ou instituições. Terapeuta: Profissional que oferece um tratamento ou presta cuidados a uma pessoa que esteja passando por um sofrimento ou buscando uma melhoria. Terapia significa literalmente servir, ajudar, cuidar, tratar. Deste modo, pode ser usado tanto para psicólogos, como para profissionais que trabalham com Terapias Alternativas, como acupuntura, aromaterapia, quiropraxia, entre outros. Todos esses profissionais são terapeutas. Para o exercício da profissão é necessário uma formação específica na área em que atua, não há necessidade de nenhum tipo de credenciamento, porém existem associações e sindicatos para o cadastramento voluntário.
  11. 11. Psicoterapeuta: O termo "psicoterapeuta" pode ser usado tanto para o psicólogo que trabalha na modalidade de atendimento clínico ou terapêutico, como também para o profissional Terapeuta que possui uma formação em Psicoterapia ou numa abordagem específica de Psicoterapia, e oferece seus trabalhos com foco numa abordagem específica. Psicanalista: Termo usado para o psicólogo, terapeuta ou psiquiatra que possui especialização na abordagem psicanalítica. A psicanálise é uma abordagem de psicologia que foi criada por Sigmund Freud, que propõe o tratamento por meio da análise do inconsciente. Para ser um psicanalista basta fazer um curso de psicanálise, independente se tiver formação em psicologia ou não. Psiquiatra: É o profissional formado em medicina com especialização em psiquiatria. A psiquiatria trabalha com o diagnóstico dos sintomas e recomendação dos medicamentos para o tratamento das causas orgânicas dos transtornos psíquicos. De todos os profissionais citados, somente o psiquiatra pode prescrever medicamentos, por ter formação em medicina e ser inscrito no Conselho Regional de Medicina. Conhecer as diferenças entre os trabalhos de cada profissional pode nos auxiliar a escolher de acordo com o que necessitamos. Seja qual for o profissional de sua escolha, é importante que conheça suas práticas, seus referenciais teóricos e sua maneira de trabalhar. A escolha do profissional é uma questão muito particular e fica a cargo da pessoa a ser atendida decidir com qual se sente melhor ou com qual percebe que lhe oferece melhores caminhos para solucionar suas questões.
  12. 12. 1.5. O que é a Violência Psicológica? Violência é qualquer ato ou comportamento que por meio de força física, intimidação moral, ofensa verbal ou constrangimento que cause dano a outra pessoa. A violência psicológica, por ser mais subjetiva é muitas vezes difícil de se perceber, descrever ou avaliar até por quem é agredido, por não compreender seu próprio sofrimento. A violência psicológica nem sempre provoca dor física, mas para quem vivencia sentimentos de humilhação, estresse e sofrimento psíquico, pode se tornar até mais incômodo que certas dores físicas, inclusive gerando desagradáveis consequências futuras. Comportamentos que desrespeitam a autonomia, a integridade física e psicológica de uma pessoa, se caracterizando pela ação impaciente e baseada na ira, que ao invés de tentar o diálogo com o outro, simplesmente o agride. O agressor faz com que a pessoa se sinta acuada e insegura, sem chance de reagir. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a violência psicológica é definida como qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da autoestima ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica. Para uma pessoa que foi criada num ambiente emocionalmente violento pode também desenvolver um comportamento violento. Pode ser que não reconheça claramente o abuso que sofreu e confunda controle com cuidado, encarando sua atitude dominadora ou invasiva como adequada, necessária e até como uma demonstração de afeto.
  13. 13. A violência psicológica pode acontecer por meio de ofensas e xingamentos; menosprezo, quando a pessoa coloca você sempre num patamar abaixo dela, fazendo você parecer inútil; condenação; quando diz que você está sempre errado e não consegue fazer nada direito; possessividade, quando a pessoa controla seu dia, sua aparência, suas prioridades; acusação, quando a pessoa o acusa de algo que você não fez; ameaças de abandono, tortura psíquica ou agressão; extorsão, quando o agressor usa de um segredo seu para aumentar seu controle; isolamento, quando impede seu contato com amigos, familiares e colegas. Além desses, existem outros comportamentos mais passivos, tais como a culpa, quando o agressor tenta fazer você se sentir mal por algo que está fora de seu controle; a desaprovação, quando diz sempre que você não é bom o suficiente do jeito que é e provavelmente nunca será bom o suficiente; fofoca, quando se fala negativamente ou com pena de você pelas suas costas para pessoas te respeitam; sabotagem, se recusa a ajudar ou atrapalha você em suas realizações; quando o ignora como punição por fazer, dizer, ou até mesmo pensar em ser algo que desaprova; imposição, quando sempre diz o que você deve e não deve fazer. Pessoas que sofrem violência psicológica podem se tornar também violentas ou procuram se afastar da convivência social como uma forma de fuga. A terapia pode ajudar muito quando o sofrimento psicológico for intenso ou quando a pessoa fica a relembrar sempre do que passou, atrapalhando viver satisfatoriamente sua vida presente.
  14. 14. 1.6. O que é o Esgotamento Profissional? Num mundo onde cada vez mais somos exigidos e nos exigimos a uma enorme produtividade no trabalho, acaba se tornando frequente pessoas se sentirem esgotadas profissionalmente. Por se esforçarem sempre além de suas possibilidades, acabam por não respeitar a si mesmos. Em 1974, o médico norte-americano Herbert Freudenberger descreveu essa sensação como o esgotamento, onde sua principal característica é o estado de tensão emocional e estresse crônicos provocados por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes. Algumas manifestações físicas podem estar associadas à sensação de esgotamento profissional, como dores de cabeça, enxaqueca, cansaço, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia, crises de asma, distúrbios gastrointestinais. Além disso, o esgotamento físico ou emocional por conta pode gerar momentos de agressividade, isolamento, mudanças de humor, irritabilidade, dificuldade de concentração, lapsos de memória, ansiedade, tristeza, pessimismo e baixa autoestima. Muitas pessoas que atravessam essa sensação não se sentem realmente realizadas com o trabalho que realizam, ou costumam exigir muito de si mesmas no trabalho, isso pode gerar o sentimento de insatisfação ou tensão, tornando o trabalho incômodo e desagradável. Se as condições de seu trabalho estão interferindo na sua qualidade de vida ou prejudicando sua saúde física e mental, procure encontrar ou criar novas atividades, se possível reveja a maneira como realiza seu trabalho e quais são seus objetivos profissionais. Fazer atividades físicas e exercícios de relaxamento podem auxiliar a amenizar esses sentimentos de tensão.
  15. 15. Adquirir Ebook Para continuar a leitura, adquira agora mesmo o ebook “Conhecendo a Psicologia”, que apresenta a psicologia de maneira didática e de fácil compreensão. Conheça a Psicologia, seus fundamentos, suas principais abordagens, como ela se desenvolveu e quais suas aplicações práticas. Clicando no botão abaixo você acessa mais informações e a página de compra: Valor: R$ 12,00 Observação Este ebook é vendido em formato .PDF, pela plataforma Hotmart. Após a confirmação do pagamento você receberá em seu e-mail um nome de usuário, senha e link para fazer o download do conteúdo.
  16. 16. Conhecendo a Psicologia 1ª Edição 2016 Escrito por Bruno Carrasco. Imagem da capa e fundo: “O Grito” por Edvard Munch (1893) Pintura de domínio público. Criado em LibreOffice Writer. ex-isto

×