Workshop: Projetos Sociais - Senac São Paulo

6,956 views

Published on

O workshop Projetos Sociais abordou a concepção de um projeto, desde as ferramentas necessárias até os procedimentos relacionados, que garantem o sucesso de uma proposta de cunho social.

Published in: Education
2 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
6,956
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
540
Comments
2
Likes
9
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Workshop: Projetos Sociais - Senac São Paulo

  1. 1. Workshop: Projetos Sociais Fabrício Diniz Pinto Senac Americana
  2. 2. Proposta do Workshop • Conhecer um roteiro que auxilie na elaboração de projetos sociais que contribuam para a sua implementação e sustentabilidade
  3. 3. Ao final do evento espera-se • Identificar os temas chaves para a elaboração e criação de projetos sociais
  4. 4. Conteúdo • Desenvolvimento local e redes sociais • Planejamento Estratégico • Roteiro do Projeto
  5. 5. Você conhece o Terceiro Setor? • É o espaço ocupado especialmente pelo conjunto das entidades privadas sem fins lucrativos que realizam atividades complementares às públicas, visando contribuir com a solução de problemas sociais e em prol do bem comum”
  6. 6. Terceiro Setor • É composto de organizações sem fins lucrativos, criadas e mantidas pela ênfase na participação voluntária, num âmbito não-governamental, que dão continuidade às práticas tradicionais da caridade, da filantropia... • Espaço público, não - governamental, de participação nas causas coletivas.
  7. 7. Os 3 Setores da sociedade
  8. 8. Desenvolvimento local e redes sociais • Vamos lembrar de usar muito bem: • O Diálogo: mídia (meio) para que aconteça um fluxo de significado entre os participantes, ou seja, exatamente o tipo de informação que necessitamos, conectada com a experiência.
  9. 9. Desenvolvimento local e redes sociais • Diálogo: O diálogo não é apenas falarmos uns com os outros. Mais que falar, é uma maneira especial de ouvirmos aos outros – ouvir sem resistência – é ouvir de um ponto onde estamos dispostos a ser influenciados. (Sarita Chanila)
  10. 10. Desenvolvimento local e redes sociais • Trabalhar em Rede: • “Rede é um sistema que reúne pessoas e organizações de forma igualitária e democrática a fim de construir novos compromissos que beneficiem a vida das comunidades”.
  11. 11. Desenvolvimento local e redes sociais • Por que se organizar em rede? • Amplia o acesso à informação, equaliza conceitos e promove uma nova institucionalidade. • Promove intercâmbios e contribui com a aprendizagem pessoal e profissional • Cria o exercício da participação e da corresponsabilidade • Possibilita conhecer, sistematizar e gerar novas informações, conhecimentos e o acesso a novos contatos • Facilita a operação, otimiza recursos e potencializa resultados • Mudar a forma de pensar, sentir e viver na sociedade.
  12. 12. Desenvolvimento local e redes sociais • Exemplo de organizações articuladas na cidade para o trabalho em rede: • Associações de Moradores • Associações de classe • Associação Comercial • Conselhos Municipais • OAB • Sindicatos • Faculdades da Cidade • Empresas • Prefeitura • Sistema “S” e muitos outros.
  13. 13. Desenvolvimento local e redes sociais • O que é desenvolvimento? • desenvolvimento é passar de uma configurada situação para outra melhor, planejada por uma visão coletiva, integrada com todos os setores da sociedade e todos os ativos de uma comunidade, e que gere crescimento econômico, promova o desenvolvimento social e preserve o meio ambiente levando em conta as gerações futuras.
  14. 14. Desenvolvimento local e redes sociais • Desenvolvimento Local: • melhorar as condições de vida e de convívio social de uma localidade.
  15. 15. Desenvolvimento local e redes sociais • Assistencialismo X Empoderamento • Assistencialismo • Ação realizada junto às camadas mais pobres da sociedade por pessoas, organizações (governamentais ou não) ou empresas com o objetivo de apoiar (ou ajudar), mas sem pretensões de transformar a realidade.
  16. 16. Desenvolvimento local e redes sociais • Empoderamento • Dar poder para outra parte que terá direito e dever de agir como protagonista de mudanças. Pode-se empoderar uma pessoa (dando-lhe autoridade com responsabilidade) ou um grupo (que analisará seus problemas e implementará soluções). • Termo utilizado para designar um processo contínuo que fortalece a autoconfiança dos grupos populacionais desfavorecidos, os capacita para a articulação de seus interesses e para a participação na comunidade e que lhes facilita o acesso aos recursos disponíveis e o controle sobre eles, a fim de que possam levar uma vida autodeterminada e auto-responsável e participar no Processo político.
  17. 17. • Filme mãos mineiras. • http://www.youtube.com/watch?v=hbCy- Z9ZfP8 • Faz parte da série Brasil Alternativo que é uma série dirigida e produzida por Renato Levi. Realizada em 2000 pelo Instituto Ecoar para a Cidadania com verba do FNMA (Ministério do Meio Ambiente) realizada em co-produção com a TV Cultura de São Paulo.
  18. 18. De onde vem o projeto? • O projeto surge do planejamento estratégico da Organização. Por que a organização existe?
  19. 19. Conceito de Planejamento • Planejar: fazer um plano ou planta de; projetar; traçar; fazer o planejamento de; elaborar um plano ou roteiro de; programar. • Fonte: Dicionário Aurélio
  20. 20. Planejamento Estratégico • Estratégia: do grego “strategós” - a arte do general • Estabelece caminhos, cursos, programas de ação que devem ser seguidos para ser alcançados os objetivos e desafios estabelecidos. • Fonte: Dicionário Aurélio
  21. 21. Planejamento Estratégico • Assim, podemos entender o PE como um conjunto de decisões que levará a organização ao alcance dos resultados esperados. Essas decisões são aplicadas dentro de um plano de longo prazo, onde são estabelecidos os objetivos e metas que devem ser atingidos nesse período.
  22. 22. Fases do Planejamento Estratégico • Fases do Planejamento Estratégico • Fase 1 – Levantamento e análise de dados no contexto interno e externo da organização • Fase 2 - Definição de Visão e Missão • Fase 3 – Orientação e Direcionamento • Fase 4 - Plano de Ação • Fase 5 - Avaliação
  23. 23. Fase 1 – Levantamento e análise de dados no contexto interno e externo da organização • Análise SWOT -Strengths, Weakness, Opportunities, Threats // DAFO //FOFA • Contexto Interno • Forças: são recursos que ajudam a organização cumprir sua missão, são os pontos fortes e internos da organização. Ex: diversas fontes de captação de recursos. • Fraquezas: são as deficiências que atrapalham a organização no cumprimento de sua missão, são os pontos fracos e internos da organização. Ex: poucos voluntários.
  24. 24. Fase 1 – Levantamento e análise de dados no contexto interno e externo da organização • Contexto Externo • Oportunidades: são os fatores externos à • organização e que podem afetá-la de forma positiva. Ex: novas fontes de financiamento. • Ameaças: são fatores externos à organização e que podem afetá-la de forma negativa. Ex: perda de financiamento governamental.
  25. 25. Fase 2 - Definição de Visão e Missão • Visão • Pode ser entendida como um objeto claro e abrangente, que fornece uma idéia nítida do que se quer ser ou fazer. • Visão sempre é um elemento do futuro, algo ainda a ser realizado. • É onde quero chegar
  26. 26. Fase 2 - Definição de Visão e Missão • Ex. Visão: Ser reconhecida como organização que desenvolve e dissemina práticas que contribuem para a transformação social. • Valores: Dignidade, Fraternidade, Perseverança e Solidariedade • Fundação Gol de Letra
  27. 27. Fase 2 - Definição de Visão e Missão • Missão • Função ou poder que se confere a alguém para fazer algo; encargo, incumbência, obrigação, compromisso, dever a cumprir. • “A que foi enviado” • • É a razão de ser da organização
  28. 28. Fase 2 - Definição de Visão e Missão • Ex. Missão: Contribuir para a formação cultural e educacional de crianças e jovens para que possam atuar com autonomia na transformação de suas realidades. • Fundação Gol de Letra (http://www.goldeletra.org.br/)
  29. 29. Fase 3 – Orientação e direcionamento • Qual direção e estratégias serão importantes para que a organização tenha seus propósitos alcançados e seja fortalecida.
  30. 30. Fase 3 – Orientação e direcionamento • 1. Passo: com base na visão e nas informações do FOFA, definir: “o que devemos fazer para progredir de onde estamos hoje para onde queremos chegar no futuro?” ( Análise de GAP) • 2. Passo: levantar as iniciativas estratégicas e as ações decorrentes de cada iniciativa • 3. Passo: avaliar o grau de importância de cada iniciativa estratégica e classificar por ordem de prioridade • 4. Passo: construir o plano de ação ou projeto
  31. 31. Fase 3 – Orientação e direcionamento • Iniciativas Estratégicas: • Caminhos que deverão ser seguidos para se alcançar objetivos • Da iniciativa estratégica decorrem várias ações • Mais amplo que ações • Ações: • É o que deve ser feito para que as iniciativas estratégicas sejam concretizadas. • É mais específico
  32. 32. Fase 3 – Orientação e direcionamento • Exemplo de iniciativa estratégica e possíveis ações decorrentes dela: • Iniciativa estratégica: • Promover a sustentabilidade • Ações: • 1. Captar recursos junto à iniciativa privada • 2. Realizar evento para captação de novos colaboradores
  33. 33. Fase 4 - Plano de ação: objetivos, metas, atividades e cronograma • Com um direcionamento assumido, torna-se necessário construir um Plano de ação, que deve converter em ações e resultados o que foi definido anteriormente. • O que vamos fazer? • Quem deve assumir o quê? • Por onde vamos transformar tudo isto em metas e atividades? • Quanto isto vai custar? • Em que prazo será feito?
  34. 34. Fase 4 - Plano de ação: objetivos, metas, atividades e cronograma • Objetivos: Propósitos, alvos a serem atingidos. • Responde a pergunta: para que? • Metas: etapas ou processos intermediários para se alcançar fins determinados. É quantificável. • Responde a pergunta: quanto? • Atividades ou descrição da ação: atividades a serem desenvolvidas para se atingir o objetivo. • Responde a pergunta: o que deve ser feito? • Cronograma: distribuição no tempo, das atividades e dos responsáveis pelas atividades.
  35. 35. Fase 4 - Plano de ação: objetivos, metas, atividades e cronograma • Iniciativa Estratégica • Fortalecimento da equipe interna • Ação • Desenvolver cursos e palestras • Objetivo ( da ação) • Ampliar o conhecimento da equipe nas áreas de educação e saúde • Meta ( da ação) • Realizar 3 cursos
  36. 36. Fase 5 – Avaliação • O que temos ou não conseguido fazer? • Quem está participando? Como? • Quais são os resultados? • Quais são os indicadores disso? • Em que erramos e acertamos? • O que aprendemos destas experiências? • Como o plano pode ainda ser corrigido? • O que é necessário daqui para a frente?
  37. 37. Da onde sai o(s) projeto(os)? • Planejamento Estratégico • Fase III – Orientação e Direcionamento • 2º Passo: levantar as iniciativas estratégicas e as ações decorrentes de cada iniciativa • Cada ação poderá ou não originar um projeto • O norteador para esta decisão será a visão e a missão
  38. 38. Projetos Sociais • O que são projetos sociais?
  39. 39. Definição de Projeto • Segundo a ONU “um projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades inter- relacionadas e coordenadas, com o fim de alcançar objetivos específicos dentro dos limites de um orçamento e de um período de tempo dados”.
  40. 40. Para que serve um projeto? • Instrumento de planejamento de intervenção numa dada realidade, por meio do qual comunico minhas intenções a outras pessoas, para conseguir delas a autorização, o apoio e o financiamento, ou, ainda, a cumplicidade e parceria.
  41. 41. Para que serve um projeto? • Projeto é um meio ou um fim? • Um meio para atingir um objetivo
  42. 42. Qual o objetivo do Projeto? • Um projeto envolve complexidade e resolução de problemas: o objetivo central do projeto constitui um problema ou uma fonte geradora de problemas, que exige uma atividade para sua resolução. • Um projeto tem um caráter faseado: um projeto percorre várias fases: escolha do objetivo central e formulação dos problemas, planejamento, execução, avaliação, divulgação dos trabalhos. • Uma etapa depende da outra = coerência das informações
  43. 43. Conhecendo a realidade local: Mapa do Contexto
  44. 44. • O mapa de contexto auxilia enxergar e relacionar o problema para chegar nas causas (visão sistêmica)
  45. 45. O que você vê?
  46. 46. • Uma pequena história... • Os ipês da Avenida Paulista ... • Os ipês da Avenida paulista começaram a florir várias vezes durante o ano. As pessoas diziam “ que presente maravilhoso da natureza”...Mas, para o desespero da maioria, aparece um biólogo que desmascara o fenômeno, afirmando “ os ipês estão florindo não para presenteá-los com sua beleza, mas para garantir suas sementes, já que estão morrendo em virtude do nível de poluição da cidade...” • Nossos olhos estão contaminados a ver apenas o efeito e não as causas
  47. 47. Árvore de problemas
  48. 48. • Morador de rua falando sobre a sopa distribuída a noite, na cidade de São Paulo • “...A sopa é boa, pena que ficam entregando a noite toda e a gente não consegue dormir...”
  49. 49. • A árvore de problemas • 1. Identificar e avaliar o problema principal (tronco), seus efeitos e consequências (copa) • 2. Identificar e avaliar as causas (raiz) • Vamos identificar um problema social que está presente em nossa comunidade
  50. 50. Roteiro de elaboração de Projeto Social • Título • Sumário Executivo • Apresentação da organização • Análise de contexto de projeto/justificativa • Objetivos (as metas podem ser colocadas junto aos objetivos específicos) • Público alvo e localização • Metodologia • Cronograma de Atividades • Cronograma físico-financeiro e composição do orçamento • Sustentabilidade do projeto • Sistema de avaliação e monitoramento • Anexos
  51. 51. Roteiro de elaboração de Projeto Social • 1- Título: deve refletir o objetivo geral e provocar impacto significativo ao leitor • 2- Sumário Executivo: Deve levar o futuro parceiro, financiador, leitor a uma apreciação e compreensão geral de sua proposta. Deverá resumir, de maneira eficiente, todas as informações-chave relativas ao projeto, não devendo ultrapassar uma página. • Ex.: Capa de DVD – síntese do filme
  52. 52. Roteiro de elaboração de Projeto Social • Ex.:1- Título: Gol de trabalho • 2- Sumário Executivo (resumo): • Para mudar esse quadro, a Gol de Letra desenvolve no Caju, desde 2010, o Projeto Gol de Trabalho, que forma jovens e adultos de 17 a 30 anos para o desenvolvimento de habilidades pessoais e profissionais. • O projeto oferece qualificação técnica em rotinas administrativas, formação básica em Língua Portuguesa, Matemática, Informática, Cidadania, Cultura e Política e workshops mensais nos quais são discutidos temas relativos ao mercado de trabalho. • Para facilitar a inserção dos participantes no mercado, a fundação mantém parcerias com instituições e empresas de diversos setores (farmacêutico, bancário, transportes e hotelaria, entre outros).
  53. 53. Roteiro de elaboração de Projeto Social • 3- Apresentação da Organização • Deve conter: • Nome ou sigla da organização; • Composição da diretoria, da coordenação e nome do responsável pelo projeto; • Endereço completo para contatos e correspondências; • Histórico (quando foi criada, diretrizes gerais, trabalhos realizados, resultados conseguidos e principais fontes de recursos ou financiamentos).
  54. 54. Roteiro de elaboração de Projeto Social • 3- Apresentação da Organização • Somos uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos cujo objetivo é garantir outras perspectivas de futuro a crianças, adolescentes e jovens de comunidades socialmente vulneráveis por meio de programas e projetos de Educação Integral.
  55. 55. Roteiro de elaboração de Projeto Social • 4- Justificativa: Deve descrever as deficiências e potencialidades da região onde o projeto vai se inserir. É importante persuadir o leitor, argumentar com ele, articulando sua análise da realidade, as necessidades e problemas, as potencialidades locais e sua proposta, justificando em uma seqüência lógica, como e por que sua proposta poderá avançar na resolução dos problemas existentes.
  56. 56. Roteiro de elaboração de Projeto Social • 4- Justificativa: Falta de capacitação é o principal empecilho para a inserção de jovens no mercado de trabalho.(pode trazer dados estatísticos para basear essa informação) • Fundação Gol de Letra, projeto Gol de trabalho
  57. 57. Roteiro de elaboração de Projeto Social
  58. 58. • 5- Objetivos: • Geral: é aquele que expressa maior amplitude, indica como o projeto poderá contribuir para a minimização dos problemas e como poderá causar impacto na comunidade. • Dicas: responder “o que”, “o problema”, “ onde
  59. 59. • Objetivo geral- responde as perguntas: • “o que” “problema” “onde” • Ex: contribuir com a diminuição do analfabetismo no bairro do Glicério/SP. • O que: contribuir • Problema: diminuição do analfabetismo • Onde: bairro do Glicério
  60. 60. • 5- Objetivos: garantir outras perspectivas de futuro a crianças, adolescentes e jovens de comunidades socialmente vulneráveis por meio de programas e projetos de Educação Integral. • Projeto Gol de Letra
  61. 61. • Objetivos Específicos: são os desdobramentos do objetivo geral, expressando diretamente os resultados esperados. Conjunto de ações que juntas fazem chegar ao objetivo geral. • Fixar um objetivo é expressar nossa intenção transformadora, transformação que poderemos monitorar e avaliar.
  62. 62. • Para a construção dos objetivos específicos, é necessário responder a 3 questões: • 1. Que mudanças espero ver no público alvo? • 2. De quanto será a mudança? • 3. Quando a mudança ocorrerá? • Portanto, um objetivo é: mensurável, atingível num tempo limitado e relacionado as necessidades do público alvo
  63. 63. • Exemplos de objetivos específicos • “aumentar a capacidade de leitura em 80% do público até a etapa “X” do projeto.” • “ao final de 6 meses, 50% do público deverá identificar as 4 operações.”
  64. 64. • 6- Público Alvo: características da população que será diretamente beneficiada • 7- Localização: local onde se desenvolverá o projeto • 8- Metodologia: desmembramento dos objetivos específicos. Deve descrever o caminho escolhido, de que forma ele vai se desenvolver, os métodos e técnicas a serem utilizados, as estratégias pensadas para cada um dos objetivos propostos.
  65. 65. • Ex.: • 6- Público Alvo: crianças, adolescentes e jovens de comunidades socialmente vulneráveis • 7- Localização: São Paulo (Unidade Vila Albertina) • Rua Antônio Simplício, nº 170 - Vila Albertina, São Paulo - S • 8- Metodologia: os programas e projetos, a Gol de Letra trabalha com o conceito de Educação Integral, desenvolvendo programas e projetos com atividades de expressão oral e escrita, cultural, artística e corporal, esporte e lazer, educação para o trabalho e desenvolvimento local.
  66. 66. • Metodologia responde a pergunta: como? • Mencionar os princípios metodológicos • Exemplos: • Desenvolver cursos de alfabetização em parceria com a escola do bairro • Realizar oficinas de leitura com a participação de profissionais especializados • Realizar oficinas de montagem de palavras com a participação de profissionais da Secretaria de educação.
  67. 67. • 9- Cronograma de atividades: desmembramento da metodologia. Apresenta todas as atividades a serem desenvolvidas, nas diferentes etapas do projeto, numa seqüência de tempo, com os responsáveis por cada uma delas. • 10 - Cronograma físico financeiro e composição do orçamento: deve conter a previsão de todos os custos do projeto, por item de despesa, e o planejamento de sua composição.
  68. 68. • Atividades • Com base na metodologia ( em cada ação) • 1. Descrever todas as atividades. • 2. Definir tempo e responsáveis pelas atividades • Exemplos: • Pesquisar conteúdos e metodologias de alfabetização • Contatar com escolas da região • Contatar com organizações sociais que trabalham com este público • Elaborar apostilas para o docente e aluno • Pesquisar gráficas • Organizar material didático
  69. 69. • 11. - Sustentabilidade do projeto • Sustentabilidade do projeto: é o conjunto de forças (idéias, relações e recursos) capazes de manter um projeto vivo.
  70. 70. • Orçamento – como construir ? • • Listar todos os recursos necessários para todas as atividades • • Descrever os recursos, de acordo com cada categoria: • Recursos Humanos, Materiais e Despesas • Operacionais • Recursos humanos: pessoal permanente - pessoas que estão comprometidas com a execução do projeto • Treinamento e capacitação: cursos, estágios, viagens • Consultorias: ajuda externa de profissionais
  71. 71. • Orçamento – como construir ? • Recursos Materiais: equipamentos, reformas ou construções de instalação • Despesas Operacionais: gastos contínuos e previsíveis: combustível, conta telefônica, etc • Definir a base de cálculo, por exemplo: R$/mês ( são os cálculos dos custos para cada atividade) • Fazer a memória de cálculo: cálculo dos custos para cada atividade: não consta do documento final, mas deve ser arquivada junto com o projeto, para eventuais consultas ou negociações com os financiadores
  72. 72. • 12- Avaliação e monitoramento: descrição • de como será o sistema de monitoramento e avaliação do projeto, apresentando alguns indicadores tangíveis e /ou intangíveis e a equipe responsável pelo processo de avaliação. • Deve informar os indicadores: - do processo - dos resultados imediatos e mediatos - do impacto
  73. 73. Referência Bibliográfica • Bibliografia:. • ARMANI, Domingos. Como Elaborar Projetos: Guia Prático para Elaboração e Gestão de Projetos Sociais. Coleção Amencar. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2002. • ÁVILA, Célia M. de. Gestão de Projetos Sociais: Coordenação. 2ª ed. Coleção Gestores • DRUCKER, Peter F. Administração de Organizações sem Fins Lucrativos. São Paulo: Pioneira, 1990. • FISCHMANN, Adalberto A.; ALMEIDA, Martinho I. R. Planejamento Estratégico na Prática. São Paulo: Atlas, 1993. • KISIL, Rosana. Elaboração de Projetos e Propostas para Organizações da Sociedade Civil. • Coleção Gestão e Sustentabilidade. São Paulo: Global, 2002 • MORIN, Edgar; SILVA, Catarina Eleonora F. da; SAWAYA, Jeanne. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez, 2006. • TEIXEIRA, Ana Claudia Chaves. Identidades em Construção: as Organizações Não-Governamentais no Processo Brasileiro de Democratização. 1ª ed. São Paulo: Annablume, • 2003.
  74. 74. Sites Recomendados • http://evelyneleandro.wordpress.com/2008/01/31/como-montar-um- projeto-social/ - Cartilha para montagem de uma ONG • http://www.objetivosdomilenio.org.br/downloads/construindo_voluntarios.p df - Construindo um projeto de voluntariado (cartilha 1) • http://valberlucio.com/ - Marco lógico, árvore de problemas e de soluções • Projetos: • http://www.projetoliberty.com.br/ • http://www.projetoguri.org.br/ (há o estatuto) • www.ethos.org.br • www.gife.org.br • www.anossaescola.org.br • www.goldeletra.org.br • www.ecoar.org.br
  75. 75. • Links de apoio: • http://www.youtube.com/watch?v=7S3cgUG4 PNQ - Macro ao micro • http://www.youtube.com/watch?v=TrlsH43vFlo - Reis da Rua Cristina Lira

×