Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ativ01

702 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Ativ01

  1. 1. Curso Proinfo Tecnologias na Educação : ensinando e aprendendo com as TICNome do cursista: Sémebber Silva LinoTurma: BTutor: Márcia Maria Atividade 1 UNIDADE 4: Atividade 1 Tecnologias: Possibilidades de Contribuições De acordo com Papert, o sujeito age sobre o objeto de conhecimento, que nãose reduz ao objeto concreto, mas depende de outros mediadores como a família, aescola, o meio social. O professor viabiliza um ambiente com situações criadaspara que o sujeito possa se desenvolver de forma ativa, realizando suas própriasdescobertas. O aprendiz está em constante atividade na interação com o ambiente,com os recursos materiais e com o outro. Elaborando e reelaborando as própriashipóteses. Nessa abordagem construcionista o computador pode ser um aliado naconstrução do conhecimento. Pois trata-se de um instrumento que permite ainteração aluno-objeto, aluno-aluno e aluno-professor, baseada nos desafios etrocas de experiências. Dentre outros recursos, um texto, uma imagem, ocomputador permite a linguagem de programação, como é o caso do Logo. Oambiente criado em torno do Logo prioriza a Pedagogia de Projetos, onde asdiversas áreas do conhecimento podem ser integradas nas resoluções dediferentes problemas, numa atitude cooperativa do grupo, facilitada pelo professor.O logo possibilita ao professor a possibilidade de acompanhar, passo a passo, oraciocínio lógico da criança e ver como é capaz de analisar o que fez. Permite que acriança comande suas ações e tenha respostas imediatas. Na abordagem instrucionista o computador pode ser usado como maquina deensinar. È uma abordagem implementada por softwares ou seja, alguém coloca nocomputador uma série de informações e essas informações são passadas ao alunona forma de um tutorial, exercício-e-prática ou jogos. Esses podem fazer perguntas e receber respostas no sentido de verificar se ainformação foi retida. A tarefa de administrar o processo de ensino, pode serexecutada pelo próprio computador, livrando o professor da tarefa de correção deprovas e exercícios. A interação entre o aprendiz e o computador consiste na leiturada tela (ou escuta da informação fornecida), no avanço, na sequência deinformação, na escolha de informação, e na resposta de perguntas que sãofornecidas ao sistema.Este é um sistema bastante utilizado nos cursos profissionalizantes da área deinformática. O uso de tecnologias na escola pública brasileira foi iniciado timidamentecom projetos pilotos em escolas no final dos anos oitenta do século XX. Nessesprojetos, algumas experiências ocorriam com o uso do computador em atividades
  2. 2. disciplinares e muitas outras eram extracurriculares e ocorriam em horáriosdiferentes daqueles em que os alunos frequentavam a escola. Nas duas situaçõesera possível observar que as práticas apresetavam-se com base em uma dasseguintes abordagens: instrucionista ou construcionista. A prática pedagógicaconcreta não se desenvolve exclusivamente em uma dessa abordagens. Valente(1999) comenta que a prática oscila entre esses dois eixos, mas há sempre um eixopredominante, o qual se relaciona com as concepções do educador sobreconhecimento, ensino, aprendizagem e currículo. Conforme estudamos na Unidade I, o uso de tecnologias nas atividades dedistintas naturezas provoca avanços na ciência e nos conhecimentos que exigem aabertura da escola aos acontecimentos e sua integração aos diferentes espaços deprodução do saber, o que implica em flexibilidade do currículo que passa a ter umavisão mais ampla e integradora entre os conheicmentos sistematizados e aceitossocialmente e os conheicmentos que emergem no contexto, na vida das pessaos,nas diferentes linguagens de cominicação que fazem parte da cultura. Por ora,vamos compreender as abordagens construicionista e instrucionista e situar otrabalho com projetos no bojo dessas concepções. Com relação à questão da utilização de computadores na educação, vejo quea utilização do computador como instrumento de aprendizagem pode ser bastantepositiva. O computador no contexto educativo pode ser entendido como umaferramenta por meio da qual o aluno idealiza e desenvolve um conhecimento, sejareproduzindo um saber ou construindo uma aprendizagem. Dessa maneira oaprendizado é estimulado pelo fato de o aluno executar uma tarefa por meio docomputador, como é o caso de softwares de jogos educativos e de simulação. O aluno deve ser encorajado a explorar, criar, inovar, dentro de situações deaprendizagem não previamente estruturadas, mas devidamente planejadas. Assim,o aprendizado que ocorre nestas situações pode ser mais frutífero e maisduradouro. Ao aluno é permitido errar e refazer. Ao aluno se permite levar adianteuma solução para um determinado problema, ainda que seja óbvio que a soluçãonão vai funcionar, valorizando assim o fazer pedagógico. O aluno, longe de ser um mero observador que só reage quando solicitado,passa a ser um participante ativo no processo de construção de sua própriaaprendizagem. Para a realização de ações pedagógicas significativas utilizando o deconstrução do conhecimento pelo aluno, como produto do seu próprioengajamento intelectual ou do aluno como um todo. o que está sendo proposto éuma nova abordagem educacional que muda o paradigma pedagógico doinstrucionismo para o construcionismo. O objetivo da introdução do computador na educação não deve ser omodismo ou esta atualizado com relação às inovações tecnológicasO computador como um recurso é preciso que se invista na formação deprofessores o quanto antes.Porque o professor tem ai um papel fundamental. Éimportante citar também a necessidade de estruturar projetos que viabilizem aprática da utilização do computador no processo de ensino-aprendizagem,incorporando-o como um instrumento na mediação da relação professor-aluno. O surgimento do computador na educação tem provocado váriosquestionamentos em relação aos métodos e práticas pedagógicas, utilizadas atéentão no dia a dia das escolas. Porém tem que se tomar cuidado para não se deixarlevar pelo deslumbramento que estas tecnologias podem causar e também refletirsobre os benefícios que ela poderá trazer para o ensino aprendizagem doseducandos.
  3. 3. Segundo José Armando Valente, há duas formas de utilizar o computador: deforma instrucionista ou construcionista cabe ao professor escolher de que formaquer utilizá-lo. Valente deixa claro que na forma instrucionista o professor estará usando atecnologia apenas como uma ferramenta a mais na maneira tradicional de transmitirconteúdos, ou seja, o professor estaria informatizando os métodos tradicionais deinstrução. Já na forma construcionista o aluno passa a ser o construtor de seu próprioconhecimento e a ênfase está na aprendizagem e não na instrução. Vale lembrar,que a sociedade de hoje cobra profissionais preparados para lidar com asmudanças tecnológicas, que sejam críticos, pensantes e capazes de adaptar-se àsconstantes mudanças. Sendo assim a escola deverá preparar melhor seus alunos para atuarem nomeio em que vivem, propiciando atividades instigadoras, desafiadoras, mas quesejam possíveis de serem realizadas pelos mesmos e que os levem a crescer emseu processo ensino-aprendizagem, ao mesmo tempo em que possibilitam ainteração e a construção do conhecimento pelos próprios educandos.(ex: construção de cartazes, slides, jogos, fóruns de debates, criação de blogs,wikis,etc.dentro dostemas estudados). |Isto implica numa mudança de postura por parte dos profissionais daeducação e conseqüentemente na formação que deverá ser oferecida aos mesmos.

×