Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Direito de Autor e Acervos Digitais - Manoel Joaquim Pereira dos Santos

2,666 views

Published on

Apresentação de Manoel Joaquim Pereira dos Santos da FGV-SP para a mesa "Direitos autorais e os acervos digitais” durante a VI Semana de Biblioteconomia ECA-USP. O evento ocorreu de 26 a 30 de setembro de 2011.

  • Be the first to comment

Direito de Autor e Acervos Digitais - Manoel Joaquim Pereira dos Santos

  1. 1. MANOEL J. PEREIRA DOS SANTOS COORDENADOR E PROFESSOR DO PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL DA GVLAW – ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO
  2. 2. <ul><li>QUAL DEVE SER A FUNÇÃO DO ACERVO DIGITAL? </li></ul><ul><li>PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL – Evitar que as obras intelectuais tornem-se indisponíveis por deterioração do suporte material. </li></ul><ul><li>ACESSO ÀS FONTES DE INFORMAÇÃO – Permitir que a sociedade possa facilmente consultar, para determinados fins (didáticos e de pesquisa), obras referenciais e edições históricas existentes em acervos. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>QUAL DEVE SER A FUNÇÃO DO ACERVO DIGITAL? </li></ul><ul><li>DIFUSÃO DA CULTURA NACIONAL – Viabilizar a circulação das obras intelectuais para número maior de usuários sem as barreiras tradicionais (distância, reprodução e custos). </li></ul><ul><li>ESTÍMULO AO EXERCÍCIO DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO E DE INFORMAÇÃO </li></ul><ul><li> – Ampliar as possibilidades de utilização do acervo cultural -> acesso livre ao repositório de teses/publicações . </li></ul>
  4. 4. QUAL DEVE SER O OBJETIVO? <ul><li>ACESSO LIVRE OU ABERTO: </li></ul><ul><li>Permitir a leitura, cópia, impressão, distribuição ou download de obras intelectuais para qualquer fim não comercial </li></ul><ul><li>-> acesso a material científico para fins de pesquisa </li></ul><ul><li>ou </li></ul><ul><li>ACESSO MÍNIMO: </li></ul><ul><li>Permitir apenas a indexação, leitura ou uso para qualquer fim não comercial </li></ul><ul><li>-> divulgação do acervo de material científico </li></ul>
  5. 5. QUAIS SÃO OS PROBLEMAS ASSOCIADOS À CRIAÇÃO DE ACERVOS DIGITAIS? <ul><ul><li>RESTRIÇÕES LEGAIS </li></ul></ul><ul><li>A digitalização, a disponibilização e a geração de cópias constituem atos privativos do titular dos Direitos Autorais. </li></ul><ul><li>A reprodução para preservação e para fins didáticos ou de pesquisa deve estar expressamente prevista na legislação. </li></ul><ul><li>RESTRIÇÕES TÉCNICAS: </li></ul><ul><li>O uso de medidas tecnológicas de proteção pode impedir a reprodução para fins de preservação. </li></ul>
  6. 6. COMO AS LEGISLAÇÕES ESTRANGEIRAS TRATARAM ESTE TEMA? <ul><li>Diversas legislações contemplam limitações destinadas a permitir a preservação de obras intelectuais. </li></ul><ul><li>As diferenças de escopo dessas limitações relacionam-se com: </li></ul><ul><li>(a) As instituições autorizadas a gerar cópias </li></ul><ul><li>(b) A finalidade e o momento da reprodução </li></ul><ul><li>(c) O tipo de cópia que pode ser feita. </li></ul><ul><li>Em geral, as limitações não se destinam especificamente aos acervos digitais, mas às bibliotecas tradicionais. </li></ul><ul><li>A digitalização do acervo e o acesso ao acervo digital para outros fins são questões em aberto. </li></ul>
  7. 7. COMO AS LEGISLAÇÕES ESTRANGEIRAS TRATARAM ESTE TEMA? <ul><li>O Art. 108 da Lei de Direitos Autorais dos EUA prevê uma exceção limitada aos direitos exclusivos para bibliotecas e acervos públicos, em acréscimo às regras de “ fair use ”: </li></ul><ul><li>Cópia única para usuário destinada a fins não comerciais. </li></ul><ul><li>3 cópias de obras não publicadas para fins de preservação. </li></ul><ul><li>3 cópias de obras publicadas para substituição de suporte deteriorado/perdido ou para novo meio de utilização. </li></ul><ul><li>Cópia de obra esgotada, para fins de preservação e pesquisa, durante o prazo final da proteção (20 anos). </li></ul>
  8. 8. COMO AS LEGISLAÇÕES ESTRANGEIRAS TRATARAM ESTE TEMA? <ul><li>Os Arts. 51(a) (obras) e 110(b) (filmes e fonogramas) da Lei de Direitos Autorais da Australia autorizam a digitalização para preservação de exemplar do acervo, desde que: </li></ul><ul><li>O suporte seja danificado, perdido ou furtado. </li></ul><ul><li>Trate-se de obra publicada “ não disponível em prazo razoável e a preço comercial regular ”. </li></ul><ul><li>Trate-se de manuscrito, obra artística original ou matriz de fonograma . </li></ul><ul><li>Os Arts. 51(b), 110(ba) e 112(aa) autorizam em situações especiais a realização de 3 cópias para preservação. </li></ul>
  9. 9. COMO AS LEGISLAÇÕES ESTRANGEIRAS TRATARAM ESTE TEMA? <ul><li>Diretiva 2001/29/CE, de 22 de maio de 2001, relativa à harmonização de certos aspectos do Direito de Autor e dos Direitos Conexos na Sociedade da Informação : </li></ul><ul><ul><li>Art. 5°, 2: Os Estados-Membros podem prever exceções ou limitações ao direito de reprodução previsto no artigo 2° nos seguintes casos: </li></ul></ul><ul><ul><li>c) Em relação a atos específicos de reprodução praticados por bibliotecas, estabelecimentos de ensino ou museus acessíveis ao público, ou por arquivos, que não tenham por objetivo a obtenção de uma vantagem econômica ou comercial, direta ou indireta; </li></ul></ul>
  10. 10. COMO AS LEGISLAÇÕES ESTRANGEIRAS TRATARAM ESTE TEMA? <ul><li>O Art. 52b da Lei de Direitos Autorais da Alemanha permite a disponibilização em terminais, para fins de estudo e pesquisa, de cópias de obras existentes em bibliotecas e acervos públicos. </li></ul><ul><li>O Art. 53a permite o fornecimento limitado de cópias para usuários, para fins de estudo e pesquisa. </li></ul><ul><ul><li>Os usos acima permitidos pressupõem o pagamento de uma remuneração equitativa por meio de gestão coletiva. </li></ul></ul><ul><li>O Art. 53(5) autoriza a reprodução do conteúdo de bases de dados eletrônicas para fins didáticos e de pesquisa. </li></ul>
  11. 11. COMO AS LEGISLAÇÕES ESTRANGEIRAS TRATARAM ESTE TEMA? <ul><li>O Art. L. 122-5(8) do Código de Propriedade Intelectual da França permite a reprodução de obras existentes em bibliotecas e acervos públicos para fins de conservação e preservação. </li></ul><ul><li>Os Arts. 68(2) e 69(2) da Lei de Direitos de Autor da Itália permitem a reprodução de uma cópia do acervo de bibliotecas e outros acervos públicos, desde que para uso interno. </li></ul><ul><ul><li>O Art. 37 da Lei de Direitos de Autor da Espanha permite que bibliotecas e acervos reproduzam obras para fins de pesquisa e preservação do acervo. </li></ul></ul><ul><li>O Art. 22 da Decisão Andina 351 de 1993 permite a reprodução de obra constante do acervo de bibliotecas para preservação e substituição de exemplar perdido ou deteriorado. </li></ul>
  12. 12. COMO REGULAR ESSAS QUESTÕES PELO DIREITO DE AUTOR? <ul><li>Permitir que bibliotecas e outros acervos digitais possam livremente digitalizar as obras intelectuais para a substituição do suporte material – preservação de versões originais. </li></ul><ul><li>Permitir que bibliotecas e outros acervos digitais possam livremente viabilizar o acesso à obra mediante a utilização de recursos digitais desde que tais recursos sejam disponibilizados no ambiente fechado da biblioteca ou acervo digital. </li></ul>
  13. 13. COMO REGULAR ESSAS QUESTÕES PELO DIREITO DE AUTOR? <ul><li>Permitir que bibliotecas e outros acervos digitais disponibilizem livremente obras intelectuais para consulta de forma remota – via Internet – desde que proibidos os atos de impressão e download. </li></ul><ul><li>Permitir que bibliotecas e outros acervos digitais autorizem a reprodução integral de obras esgotadas , mediante download ou impressão da versão digital. </li></ul>
  14. 14. PROJETO DE LEI DO MINC = ART. 46 <ul><li>Permitir que bibliotecas e outros acervos digitais possam livremente digitalizar as obras intelectuais para a substituição do suporte material – preservação de versões originais. </li></ul><ul><li>“ XIII – a reprodução necessária à conservação, preservação e arquivamento de qualquer obra, sem finalidade comercial , desde que realizada por bibliotecas, arquivos, centros de documentação, museus, cinematecas e demais instituições museológicas, na medida justificada para atender aos seus fins;” </li></ul>
  15. 15. PROJETO DE LEI DO MINC = ART. 46 <ul><li>Permitir que bibliotecas e outros acervos digitais possam livremente viabilizar o acesso à obra mediante a utilização de recursos digitais desde que = </li></ul><ul><li>(a) tais recursos sejam disponibilizados no ambiente fechado da biblioteca ou acervo digital. </li></ul><ul><li>(b) para consulta de forma remota – via Internet – se proibidos os atos de impressão e download. </li></ul><ul><li>“ XVI – a comunicação e a colocação à disposição do público de obras intelectuais protegidas que integrem as coleções ou acervos de bibliotecas, arquivos, centros de documentação, museus, cinematecas e demais instituições museológicas, para fins de pesquisa, investigação ou estudo, por qualquer meio ou processo, no interior de suas instalações ou por meio de suas redes fechadas de informática ;” </li></ul>
  16. 16. PROJETO DE LEI DO MINC = ART. 46 <ul><li>Permitir que bibliotecas e outros acervos digitais autorizem a reprodução integral de obras esgotadas , mediante download ou impressão da versão digital. </li></ul><ul><li>“ XVII – a reprodução, sem finalidade comercial, de obra literária, fonograma ou obra audiovisual, cuja última publicação não estiver mais disponível para venda , pelo responsável por sua exploração econômica, em quantidade suficiente para atender à demanda de mercado, bem como não tenha uma publicação mais recente disponível e, tampouco, não exista estoque disponível da obra ou fonograma para venda ;” </li></ul>
  17. 17. PROJETO DE LEI DO MINC = ART. 46 <ul><li>Parágrafo único. Além dos casos previstos expressamente neste artigo, também não constitui ofensa aos direitos autorais a reprodução, distribuição e comunicação ao público de obras protegidas, dispensando-se, inclusive, a prévia e expressa autorização do titular e a necessidade de remuneração por parte de quem as utiliza, quando essa utilização for: </li></ul><ul><li>I – para fins educacionais, didáticos, informativos, de pesquisa ou para uso como recurso criativo; e </li></ul><ul><li>II – feita na medida justificada para o fim a se atingir, sem prejudicar a exploração normal da obra utilizada e nem causar prejuízo injustificado aos legítimos interesses dos autores. </li></ul><ul><li>. </li></ul>

×