Aula nº4

1,041 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,041
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
332
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula nº4

  1. 1. RESUMO DAS AULAS DE GEOGRAFIA – 2013/2014 9ºano AULA Nº4 Olá turma! Nesta quarta aula vamos abordar os objetivos “Compreender a organização morfofuncional das cidades”, dando particular atenção aos descritores desde o número 3 ao nº6, e “Compreender a inter-relação entre o espaço urbano e o espaço rural”. Já afirmamos anteriormente que as cidades são locais terciarizados, isto é, locais de concentração de atividades do setor terciário, tais como, o comércio, serviços administrativos, serviços bancários, seguros, profissões liberais, serviços culturais (cinemas, teatros, museus, etc.). É vulgar que, dentro do tecido urbano, as unidades funcionais que prestam estes serviços se localizem em áreas específicas concentrando-se, muitas vezes, em vias por onde é habitual passar o maior número de pessoas e, por conseguinte, o maior número de potenciais compradores. Por exemplo, no caso do comércio, há ruas que parecem especializadas em determinadas funções. Pensem na rua da Bandeira aqui tão perto da nossa escola: quantas padarias existem ao longo do seu comprimento? E quantas farmácias? E quantas confeitarias? E quantas sapatarias? Terá sido sempre assim? Parece que não. À medida que uma cidade cresce, a sua estrutura morfofuncional vai sendo alvo de alterações. Quando se fala em estrutura morfofuncional quer-se referir, por um lado, à forma das ruas, das habitações, aos espaços verdes existentes e aos equipamentos coletivos presentes na cidade (morfo = forma) e, por outro lado, ao tipo de desempenho funcional de cada uma dessas morfologias (funcional = função). No início, a cidade firmou-se à volta do edifício que representava o exercício do poder e, naturalmente, a função administrativa. Ainda hoje são visíveis, na parte antiga da cidade, edifícios monumentais que constituem um valioso património arquitetónico, embora, muitas vezes, esteja degradado. Com a função industrial de meados do século XIX a impor-se na cidade (não se esqueçam que o modelo que estamos a seguir é o da cidade europeia que foi afetada pela industrialização), a função residencial iniciou uma migração para os subúrbios, principalmente, a das classes média e alta. Pelo contrário, a classe de menor poder de compra teve de permanecer no centro tradicional junto das indústrias que se foram instalando. Para alimentar as necessidades quotidianas dos habitantes, a função comercial desenvolveu-se também. Apareceram os estabelecimentos de diversão e cultura, as escolas, outros serviços. Para cada uma destas atividades, numa altura em que os transportes eram pouco evoluídos e as trocas eram escassas, era frequente haver uma concentração espacial das respetivas unidades funcionais. Prova desta concentração profissional é a manutenção, na toponímia de muitas das cidades portuguesas, de ruas com o nome das atividades que, no passado, aí predominavam. Vejamos a imagem na página seguinte obtida através do Google. Página 1 de 4
  2. 2. RESUMO DAS AULAS DE GEOGRAFIA – 2013/2014 Torre dos Clérigos Rua dos Caldeireiros Aqui, podemos apreciar um pormenor da cidade do Porto, perto do seu centro funcional tradicional (essencialmente constituído pela Câmara do Porto, a avenida dos Aliados e as ruas envolventes) onde é visível um testemunho da antiguidade deste espaço: a rua dos Caldeireiros. Caldeireiros eram aqueles que faziam utensílios em cobre. Em épocas de outrora era um dos materiais usados no fabrico de recipientes usados nas cozinhas. Hoje, persiste o nome na toponímia da rua mas não a atividade. Com o advento dos transportes e o aumento da extensão das redes rodoviária e ferroviária, a cidade foi crescendo em superfície (invadindo as periferias e conquistando o espaço rural mais próximo) e em altura. A indústria foi obrigada a afastar-se do centro e, nos nós rodoviários periféricos, de grande acessibilidade, foram surgindo, de há uns anos para cá, grandes superfícies comercias. Não admira que, neste longo processo de crescimento urbano, se tenham verificado adaptações aos novos contextos sociais e económicos que provocaram mutações morfofuncionais. Com a retirada de muitos dos habitantes do centro da cidade, edifícios habitacionais foram conquistados pelas atividades comerciais, especialmente, as de maior poder de compra capazes de adquirir um espaço no centro onde, por força da localização e da escassez de espaço, o preço do solo atinge valores muito altos. Vocacionados para as vendas ao pequeno consumidor, muitas das vezes constata-se um grande contraste entre o rés-do-chão, com montras vistosas para atrair o comprador, e os andares superiores que se mantêm degradados. Nestes, podemos encontrar ateliês de vestuário, consultórios e habitações onde moram pessoas idosas, incapazes de se deslocarem (doentes e sem elevadores, ficam anos e anos retidas nas suas velhas habitações onde sempre moraram e cuja renda é de baixo preço). Nestes casos, diz-se que há uma ocupação vertical do espaço heterogénea. A nível do rés-do-chão, pelo contrário, a ocupação é idêntica e, diz-se, homogénea. Neste movimento de encontrar a situação geográfica mais privilegiada, é frequente ver-se desaparecerem unidades funcionais que, no passado na sua atividade atingiram grande prestígio, serem substituídas por outras que, pela sua capacidade financeira, compram espaços caríssimos mas que lhes dão a garantia de se localizarem nos locais de passagem de maior acessibilidade. Isto sucede, por exemplo, com Bancos, Companhia de Seguros ou comércio altamente especializado vocacionado para uma população de elevadíssimo poder aquisitivo. Com a expansão da cidade, também, acabam por surgir centros secundários que, por estarem juntos de vias de maior acessibilidade, acabam por fazer concorrência ao centro tradicional disputando-lhe área de influência. Página 2 de 4
  3. 3. RESUMO DAS AULAS DE GEOGRAFIA – 2013/2014 Para quem conhece algo da cidade do Porto, bastará pensar na capacidade atrativa de áreas como a da Boavista. Com a construção da ponte da Arrábida (1963) e a abertura de novas vias de comunicação, mais amplas e largas, as áreas próximas foram alvo de um surto de construção de novas habitações, novos estabelecimentos comerciais (o primeiro centro comercial, o Brasília, surgiu na Rotunda da Boavista), novos edifícios escolares de ensino superior, novos hotéis e outras unidades funcionais. Para diversos autores, a cidade atual é POLICÊNTRICA e MULTIFUNCIONAL dado o aparecimento e afirmação de centros secundários. Se o aspeto formal de uma cidade reflete as etapas do seu crescimento no espaço, o aspeto funcional (residência, trabalho e lazer - que explicam os movimentos e crescimento da população, a diferente utilização do solo urbano e a sua acessibilidade), permite compreender o seu funcionamento e aprofundar as razões do seu crescimento. Nesta cidade policêntrica e multifuncional as centralidades são aquelas áreas que melhor traduzem o próprio valor da cidade, onde se concentram funções denominadas de centrais espelhando a dinâmica da aglomeração urbana e da área envolvente. Assim, a cidade deve ser olhada como um território onde coexistem vários centros, um dos quais a área central tradicional. Desta forma, a perda de importância desta área não deve ser mais encarada como um facto irreversível e negativo, mas sim como consequência de um processo mais ou menos longo da sua adaptação à nova organização urbana que se encontra em contínua transformação. Paula Raquel Ferreira, XII Colóquio Ibérico de Geografia. No Porto … o centro comercial mantém-se até ao século XIX no coração do casco histórico … As praças abertas do lado de fora das portas da muralha … são focos importantes de comércio … e a Baixa vai formar-se entre as Praças Carlos Alberto e Batalha, detendo já 50% das unidades funcionais da cidade em 1882. Entre 1910 e 1938 os serviços financeiros abandonam o centro histórico a favor da Praça-Avenida dos Aliados. O apogeu da Baixa é situado … à volta de 1938 e, depois, progressivamente … a expansão das atividades é dificultada “pelos entraves colocados à substituição do construído e pela quase inexistência de espaços livres (isto pode-se observar na imagem acima)… Assiste-se primeiro a um processo de seleção que fixa algumas atividades e expulsa outras, depois ao declínio do centro e posteriormente a 1970, ao desenvolvimento de um novo centro terciário na Boavista (a Oeste). Em 1991 a Baixa portuense concentrava 26,8% dos estabelecimentos comerciais e a Boavista 14,3%. Para a emergência dos novos polos terciários contribuem as novas condições de acessibilidade. Adaptado de “O comércio e a cidade: Lisboa e Porto” de Teresa Barata Salgueiro A expansão urbana, já o vimos, implica consumo de espaço, tanto mais quanto as redes de transportes se afirmam como meio de ligar os diferentes lugares e tornar mais curtas, em tempo, as distâncias reais que é preciso percorrer, seja nas migrações pendulares casa-trabalho-casa, seja na deslocação de produtos. Entre estes, os produtos agrícolas ocupam um lugar de relevo no abastecimento das cidades. Nestas, concentram-se os consumidores que dependem dos poucos produtores que permanecem nos campos. Estes, para produzirem e venderem precisam de quem tem poder de compra para adquirir os produtos, das fábricas que fornecem as máquinas, das que produzem adubos, das universidades que fazem investigação agrária, etc. Muitos mais exemplos poderíamos acrescentar para comprovar que existe e continua a reforçar-se uma verdadeira interdependência entre a cidade e o campo, entre o espaço urbano e o espaço rural. E, se ao campo se atribui o papel de fornecedor de alimentos naturais, não se pode esconder a importância que é dada ao mundo rural como palco de preservação de um património comum a rurais e a urbanos. É por reconhecer a importância vital do espaço rural que a União Europeia mantém e reforça a PDR – Política de Desenvolvimento Rural, extensiva aos seus 28 Estados-Membros. (…) as zonas rurais da Europa têm muito para nos oferecer: desde matérias-primas essenciais a espaços de indiscutível beleza, onde podemos descansar, recuperar energias e entregar-nos a múltiplas atividades de lazer. São os nossos pulmões e, por essa razão, uma das frentes de batalha da luta contra as alterações climáticas. Há muita gente que se sente atraída pela ideia de viver e trabalhar no espaço rural, desde que tenha acesso a serviços e a infraestruturas adequadas. http://ec.europa.eu/agriculture/rurdev/index_pt.htm Página 3 de 4
  4. 4. RESUMO DAS AULAS DE GEOGRAFIA – 2013/2014 No esquema seguinte procura-se traduzir as principais razões da interdependência entre o mundo urbano e o mundo rural. Produtos agrícolas Investimento Investimentos Tecnologia Produtos industriais Serviços População (Êxodo rural) A importância do setor agrícola constata-se, ainda, em Portugal, pelo número de jovens que, no atual contexto difícil da economia nacional se tem candidatado a criar emprego no campo. Os jovens estão mesmo a regressar ao campo (…). Só este ano (…) instalaram-se 2 mil jovens na agricultura. O que dá uma média de 200 por mês. "Muitos têm formação superior, vêm de outras áreas para criar o seu próprio emprego, são empreendedores" … As boas notícias sucedem-se: "Nos últimos dois anos, a agricultura criou mais de 20 mil novos postos de trabalho e os projetos já entrados no Ministério da Agricultura para serem financiados pelo PRODEP preveem a criação de mais 30 mil empregos." Ler mais: http://visao.sapo.pt/regresso-ao-campo=f693888#ixzz2k0KpVm68 Prof. Idalina Leite Página 4 de 4

×