Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
feito um caminho fantástico, o
progresso tem sido incrível. Temos
investigadores de topo no IMM e te-
mos conseguido ganha...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Artigo: Conversas sobre Ciência - Ciência no feminino

186 views

Published on

Têm dedicado a sua vida à investigação e marcado a
actividade de mulheres na ciência em Portugal. Maria Emília
Monteiro e Leonor Saúde seguiram rumos diferentes mas partilham da mesma paixão: descobrir algo que não se conhece.»

// 60 anos dos Prémios Pfizer \\

Published in: Science
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Artigo: Conversas sobre Ciência - Ciência no feminino

  1. 1. feito um caminho fantástico, o progresso tem sido incrível. Temos investigadores de topo no IMM e te- mos conseguido ganhar cada vez mais projectos internacionais no O optimismo é partilhado por Maria Emília Monteiro. “Estamos na melhor fase de desenvolvimen- to nacional de investigação clínica, como nunca se assistiu. O Governo anterior criou um grande diploma de apoio à investigação clínica e o actual criou um grupo de trabalho para implementar os Centros Mé- dicos Académicos e outro para dis- E fazer ciência no feminino é mais difícil e exigente? É certo que as mulheres têm apostado mais nesta área. “Por coincidência, sou a única mulher catedrática nesta Fa- culdade. O meu grupo é maiorita- riamente composto por mulheres mas este não é um critério. Acon- teceu". O facto de ter cargos direc- tivos na faculdade mostra “que é Segundo o Relatório “ABC da Igualdade de Género em Educa- ção: Aptidão, Comportamento e - sado, pelo PISA (The Programme for International Student Assessment), a percentagem de mulheres licen- ciadas nas áreas da ciência é de 56%, acima da média da Organiza- ção para a Cooperação e Desenvol- vimento Económico (OCDE) que se situa nos 41%. A percentagem co- loca Portugal na tabela dos cinco países com mais mulheres licen- ciadas nestas áreas. Na opinião de Leonor Saúde, “claro que as mulheres são capa- zes, não há nenhuma razão para não serem, mas crescemos com ideias preconcebidas. A nossa pre- sidente é uma mulher, a nossa di- retora também, e temos muitas - dera, no entanto, que quando che- ga ao momento de concorrer a lu- gares de topo, são as mulheres as que mais se retraem. “É uma ques- tão de educação. As mulheres têm sempre sentimentos de culpa se - ra casa mais tarde, se têm de vir Sentem uma enorme divisão entre as obrigações familiares e as exi- Mulheres cientistas premiadas Maria Emília Monteiro e Leo- nor Saúde foram duas das in- vestigadoras premiadas com os Prémios Pfizer, nos anos de 1987 e 2005, respecti- vamente. Alguns números mostram a evolução da par- ticipação de mulheres inves- tigadoras nos últimos anos nesta distinção, que come- mora este ano o seu 60º ani- versário, notando-se uma tendência de crescimento da participação feminina. Ciência no feminino São mulheres, cientistas, lideram grupos de investigação em duas instituições reconhecidas em Lisboa, e falam da ciência com entusiasmo. Da imprevi- sibilidade da descoberta ao facto de a investigação ser, por vezes, surpreendente, o caminho tem sido de progresso CONVERSASSOBRECIÊNCIA T êm dedicado a sua vida à investigação e marcado a actividade de mulheres na ciência em Portugal. Maria Emí- lia Monteiro e Leonor Saúde segui- ram rumos diferentes mas parti- lham da mesma paixão: descobrir algo que não se conhece. “O que me move é o facto de to- dos os dias resolvermos peque- nos problemas que esperamos que um dia venham a solucionar - nor Saúde. Para a investigadora do Instituto de Medicina Molecu- lar (IMM), em Lisboa, a investiga- ção sempre esteve presente, em- bora não consiga explicar porque é que escolheu ser bióloga. “Lem- bro-me de passar a minha infân- cia no campo e de o meu avô me explicar muitas coisas relaciona- das com a progressão da vida. Os professores que tive também me Já Maria Emília Monteiro está numa fase da vida em que atingiu - -se em actividades. É investigado- ra principal no grupo Translatio- nal Pharmacology na Nova Medical School. “Vivo de projectos, tenho vários estímulos, e o que me move mais, além da responsabilidade de deixar uma Faculdade de Medicina diferente daquela que encontrei, é o compromisso sobre muitas pes- soas que estão à minha volta e que trabalham comigo ou que ajudei - -se em Medicina, na Universida- de de Navarra, com o intuito de acabou por realizar o seu primei- ro doutoramento tendo tirado um segundo, já de regresso a Portugal. Apesar de nunca ter exercido prática clínica, não se arrepende. “Foi por opção que aproveitei ou- tras oportunidades. Gosto muito do que faço e prezo a minha liber- - curso fácil mas é com orgulho que nos conta o que implicou construir um laboratório de raiz, na Nova Medical School. “Quando cheguei, não havia nada. Foi difícil. Havia - pamentos velhinhos de um anti- go professor que nunca tinham si- do utilizados. Existiam alunos para dar aulas e um espaço de laborató- Descobertas imprevisíveis e surpreendentes O curso de biologia na Universida- de de Aveiro foi decisivo para Leo- nor Saúde. A também professora convidada da Faculdade de Medi- cina de Lisboa, destaca as “mui- tas aulas práticas, não só de cam- bem como o facto de que, na altura em que tirou curso, serem poucos os alunos, situação não compará- vel com a atualidade. “Foi nesta fa- se que percebi que queria trabalhar em laboratório mas foi em Londres que ganhei interesse pela área a que me dedico: a biologia do de- A partir do momento em que se inicia uma investigação, há um longo e, por vezes, surpreenden- te caminho a percorrer. “Uma das belezas da investigação é o facto de as descobertas serem imprevi- síveis e isso também faz parte do entusiasmo. Há que ser perseve- rante ainda que tenhamos o de- - Considera que a comunidade Segundo de cinco artigos Conversas sobre Ciência CONTEÚDO PUBLICITÁRIO Leonor Saúde Maria Emília Monteiro PRÉMIOS PRINCIPAIS 111 em 287 investigadores ATÉ 1999 ATÉ HOJE Em vigor desde 2005 Percentagem geral de mulheres vencedoras Percentagem comparada de mulheres vencedoras (todos os prémios) Percentagem comparada de mulheres vencedoras (todos os prémios) TODOS OS PRÉMIOS 220 em 692 investigadores DEPOIS DE 2000 Estamos na melhor fase de desenvolvimento nacional de investigação clínica, como nunca se assistiu Maria Emília Monteiro Uma das belezas da investigação é o facto de as descobertas serem imprevisíveis e isso também faz parte do entusiasmo Leonor Saúde

×