Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Termoeletroterapia Aplicada

18,694 views

Published on

Aula termoterapia para alunos UCB-RJ. Prof. Vagner Sá.

Published in: Education, Technology, Business

Termoeletroterapia Aplicada

  1. 1. TERMOTERAPIA<br />Prof. Vagner Sá<br />
  2. 2. Agentes Térmicos<br />
  3. 3.  <br />TERMOTERAPIA<br />Hipotermoterapia<br />Crioterapia<br />HIPERTERMOTERAPIA<br />Profunda<br />Superficial<br />Classificação<br />
  4. 4. Dica Clínica<br />“Os agentes físicos geralmente são utilizados com outras intervenções, e não como uma intervenção isolada”.<br />
  5. 5. Seleção dos Agentes Térmicos<br />
  6. 6. Transferência de Energia Térmica Entre Corpos<br />
  7. 7. Condução<br />
  8. 8. Dica Clínica<br />“A transferência de calor por condução ocorre apenas entre materiais que estiverem em diferentes temperaturas e em contato direto um com o outro”.<br />
  9. 9. Convecção<br />
  10. 10. Dica Clínica<br />“A transferência de calor por convecção ocorre entre materiais que estiverem em diferentes temperaturas e com a presença de fluídos (ar ou água) transferindo energia calórica”.<br />
  11. 11. Conversão<br />
  12. 12. Dica Clínica<br />“A transferência de calor por conversão ocorre quando uma energia (sonora, eletromagnética, etc) se transforma em energia calórica ao passar pelos tecidos corporais”.<br />
  13. 13. Radiação<br />http://images.tribe.net/tribe/upload/photo/b00/da9/b00da912-0608-4a98-adf5-1cf23f0e14d5<br />
  14. 14. Dica Clínica<br />“A transferência de calor por radiação ocorre entre materiais que estiverem em diferentes temperaturas sem a necessidade de um meio interveniente ou de contato entre eles”.<br />
  15. 15. crioterapia<br />
  16. 16. Uso terapêutico do frio!<br />http://www.fortalezaec.net<br />Crioterapia <br />Cirurgia hepática - INCA<br />Crioterapia <br />Cirurgia dermatológica<br />Resfriamento com Nitrogênio <br />
  17. 17. Efeitos Hemodinâmicos<br />Cameron, 2009<br />
  18. 18. Vasodilatação Induzida pelo Frio<br />Inicialmente reportada por Lewis (1930);<br />Quando do resfriamento por períodos prolongados ou quando o tecido atinge menos de 10º C.<br />Cameron, 2009<br />
  19. 19. Dica Clínica<br />“Quando o objetivo da intervenção for a vasodilatação, não se recomenda o uso da crioterapia, que não apresenta esse efeito de forma consistente”.<br />
  20. 20. Curva de dissociação oxigênio-hemoglobina<br />Cameron, 2009<br />
  21. 21. Efeitos Neuromusculares<br />Queda na velocidade de condução nervosa<br />Elevação do limiar de dor<br />Diminuição da espasticidade<br />Modificação da geração da força muscular<br />
  22. 22. Modificações na Força Muscular<br />Cameron, 2009<br />
  23. 23. Dica Clínica<br />“Como a força muscular pode ser temporariamente influenciada pela crioterapia, o teste de força deve ser, de preferência, realizado antes do tratamento”.<br />
  24. 24. Efeitos Metabólicos<br />O resfriamento diminui a velocidade de todas as reações metabólicas, incluindo as inflamações e processos de cura.<br />A atividade das enzimas degradadoras de cartilagens (colagenase, elastase, hialuronidase e protease), são inibidas pela queda da temperatura das articulações; sendo altamente recomendado o uso nas doenças inflamatórias articulares como artrose e artrite reumatóide.<br />
  25. 25. Indicações <br />Controle de inflamações<br />Controle de edemas<br />Controle da dor<br />Modificação da espasticidade<br />Facilitação neuromuscular periférica (Rood)<br />
  26. 26. Técnicas<br />Crioinibição<br />Crioestimulação<br />Criocinética<br />Crioalongamento<br />Banho de contraste<br />Imersão corporal<br />
  27. 27. PROTOCOLO GERAL<br />FRIO<br />COMPRESSÃO<br />ELEVAÇÃO<br />REPOUSO<br />
  28. 28. Criocinética<br />
  29. 29. Crioinibição<br />
  30. 30. Crioinibição<br />
  31. 31. Crioinibição<br />
  32. 32. Crioalongamento<br />
  33. 33. Crioimersão<br />
  34. 34. Contra-idicações<br />Urticária causada pelo frio<br />Intolerância ao frio<br />Crioglobulinemia<br />Hemoglobinúria paroxística fria<br />Doença ou fenômeno de Raynauld<br />Sobre nervos periféricos em regeneração<br />Sobre área com comprometimento circulatório ou doença vascular periférica<br />
  35. 35. hipertermoterapia<br />
  36. 36. Uso terapêutico do calor!<br />
  37. 37. Efeitos Hemodinâmicos<br />Cameron, 2009<br />
  38. 38. Dica Clínica<br />“Agentes superficiais de calor não aquecem até a profundidade da maior parte dos músculos. Para isso ocorrer, deve-se prescrever o uso de exercícios ou modalidades de calor profundo”.<br />
  39. 39. Efeitos do calor nos tecidos<br />Aumento da velocidade de condução nervosa<br />Redução do espasmo muscular<br />Aumento do limiar de dor<br />Variações na força muscular (diminuição até 30 m após aplicação; e aumento de 30m a 2 h)<br />Aumento do metabolismo (13% para cada 1 grau)<br />Aumento da velocidade das reações enzimáticas<br />Aumento da extensibilidade do colágeno<br />
  40. 40. Indicações Gerais<br />Controle da dor<br />Aumento da amplitude dos movimentos<br />Lesões sub-agudas e crônicas musculares e ligamentares<br />
  41. 41. Contra-indicações<br />Hemorragia recente<br />Lesão inflamatória aguda<br />Tromboflebite<br />Alterações da sensibilidade<br />Déficit cognitivo<br />Tumor malígno<br />Olhos e gônadas<br />Déficit circulatório<br />
  42. 42. Efeitos Adversos da Termoterapia<br />Queimaduras<br />Desmaios<br />Sangramento em pacientes hemofílicos<br />
  43. 43. Compressas Quentes<br />Esfriam com o passar do tempo.<br />De 15 a 20 minutos.<br />reutilizáveis.<br />Envolver a compressa com toalhas secas.<br />Baixo custo.<br />
  44. 44. Parafinagem<br />Temperatura entre 45 e 54 graus.<br />Dosimetria de 15 a 30 minutos.<br />Aplicação direta.<br />Técnicas de imersão e pincelamento.<br />Uso mais comum em extremidades.<br />
  45. 45. RadiaçãoInfravermelha<br />Aplicação direta<br />Sem uso de toalha.<br />IV não luminoso e luminoso.<br />Dosimetria de 15 a 30 minutos.<br />Aplicação sempre em 90 graus.<br />Manter distância entre 40 e 60 cm.<br />
  46. 46. Forno de Bier<br />Aplicação direta<br />Sem uso de toalha.<br />Atualmente em desuso pelos fisioterapeutas.<br />Dosimetria de 15 a 30 minutos.<br />
  47. 47. O queescolher?<br />Adaptado de Cameron, 2009<br />* Existemestudosinformandomelhora. <br />
  48. 48. DIATERMIA<br />Ondas Curtas e Microondas<br />
  49. 49. Introdução<br />Produção de aquecimento tecidual com a utilização do ondas curtas ou microondas com finalidades terapêuticas.<br />
  50. 50. Espectro eletromagnético<br />
  51. 51. Fenômeno de d’Arsonval<br />A passagem de corrente elétrica de alta freqüência causa aquecimento tecidual sem estimular o complexo neuromuscular<br />http://www.electrotherapymuseum.com/Articles/HighFrequencyCurrents.htm<br />
  52. 52. Freqüências <br />27 MHz<br />2450 MHz<br />60 Hz<br />
  53. 53. Dica Clínica<br />“A diatermia aquece mais profundamente do que bolsas térmicas e aquece uma maior área do que o ultrassom”.<br />
  54. 54. Técnicas de aplicação Ondas Curtas<br />CONTRAPLANAR<br />COPLANAR<br />LONGITUDINAL<br />
  55. 55. Técnicas Microondas<br />
  56. 56. Efeitos Térmicos<br />Quando aplicado de forma continua<br />Aquecimento profundo<br />Vasodilatação<br />Aumento do metabolismo e fluxo sanguíneo<br />Aumento da extensibilidade do colágeno<br />Relaxamento muscular<br />Entre outros...<br />
  57. 57. Efeitos não térmicos – ondas curtas<br />Quando aplicado de forma pulsada<br />Maior perfusão microvascular<br />Melhora da função da membrana celular<br />
  58. 58. Indicações<br />Aceleração da cicatrização tecidual<br />Diminuição da rigidez articular (osteoartrite)<br />Diminuição da tensão muscular (lombalgias)<br />Controle da dor e edema crônico<br />
  59. 59. Contra-indicações<br />Marcapassos cardíacos<br />Infecção<br />Gestação<br />Implantes metálicos<br />Malignidades (tumores, câncer)<br />Olhos<br />Testículos<br />Áreas isquêmicas<br />
  60. 60. Precauções <br />Obesidade<br />Esqueleto imaturo<br />
  61. 61. Referências Básicas<br />Cameron, M. Agentes físicos na reabilitação. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.<br />Low and Reed. Eletroterapiaexplicada. 4ed, 2009.<br />Bazin, S. Eletroterapiabaseadaemevidências. 11 ed. 2003.<br />

×