Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A escala de dó maior

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

A escala de dó maior

  1. 1. Escola Padre José Rota Ano lectivo 2010/2011 5º 2 nº 18
  2. 2. Índice Introdução - O que é uma Escala?  Modos ou Inversões da Escala de Dó Maior  Conclusão - Curiosidades  Bibliografia 
  3. 3. O que é uma Escala?      Uma Escala é uma sequência de sons consecutivos em movimento ascendente (do mais grave para o mais agudo) e descendente (do mais agudo para o mais grave), limitada pela oitava, cuja nota representativa é o centro de atracção. Esta sequência de notas têm um “desenho” característico, ou seja, obedecem a uma estrutura que determina a distância exacta ( um intervalo) entre cada som e o próximo. Consequentemente, a estrutura também define os intervalos entre cada som e o centro de atracção (que é o primeiro grau). Duas escalas são distinguidas uma da outra por: o número de notas que tem; e a distância entre seus graus. Por exemplo, sete diferentes escalas podem ser construídas com as sete notas naturais (sem os acidentes) as notas dó – ré – mi – fá – sol – lá – si – dó tocadas nesta sequência formam uma escala ascendente (escala de dó maior). Para formarmos outras escalas, precisamos usar os acidentes. cont.
  4. 4. O que é uma Escala?     (sustenidos ou bemóis, conforme o caso) para ajustar os intervalos. Por exemplo, a escala de fá maior tem as notas fá – sol – lá – si bemol - dó – ré – mi – fá. Podemos representar este exemplo por uma escada. A nota dó é o primeiro degrau, a nota ré é o segundo degrau, mi é o terceiro degrau e assim por diante. Esta é uma escala maior; uma escala menor teria outra configuração, pois a distância entre os seus graus é diferente. E a escala de dó maior é uma escala diatônica de sete notas em modo maior, um dos modos musicais utilizados atualmente na música tonal. A sequência de tons e semitons dessa escala obedece à seguinte ordem: Tom - Tom - Semitom - Tom - Tom - Tom – Semitom. A partir da escala maior é que são formados os acordes maiores. A escala fundamental do modo maior é a escala de Dó maior, uma vez que a relação de intervalos desse modo pode ser obtida nesta escala sem a necessiade de nenhuma alteração de altura.
  5. 5. Modos ou Inversões na Escala de Dó Maior   Antes de prosseguirmos na ideia da visualização da Escala e seus respectivos Modos ou Inversões , penso que existe uma explicação , ainda que superficial e breve ( por não ser o objectivo aqui o estudo Histórico ,Físico e Cosmológico deste assunto ), porém necessária, a qual se tenha alguma referência de como surgiram os tais Modos(Jônio ou Jônico , Dórico, Frígio, Lídio, Mixolídio , Eólio ou Aeólio e Lócrio) . Conforme já é do conhecimento comum, os nomes destes Modos são Gregos e parecem surgir na Cultura Grega Antiga ( há citações em textos de diálogos do Filósofo Sócrates com outros Filósofos no livro de Platão , intitulado "A Republica" ) óbviamente a.C. na qual se fundamentam não só a nossa Musica bem como todo o conceito de Arte e Cultura Ocidentais. Entretanto, mais recentemente descobriu –se que embora os nomes pudessem ser Gregos a ascendência e descendência dos Modos não eram correspondentes àqueles adotados já no Periodo Eclesiástico da nossa história pelo Papa Gregório I que no século VI (DC), portanto já na Idade Média , organizou a musica Liturgica e os Modos nela empregados , daí o nome; Modos Litúrgicos ou Modos Eclesiásticos ( que cujo modelo é básico para o chamado Canto Gregoriano também conhecido como Canto - Chão que é a musica oficial do culto católico). A Musica chamada Liturgica tinha objetivos exclusivamente religiosos em contra partida à chamada " Musica Profana ou Mundana " que tinha por fim apenas expressar os sentimentos e outros aspectos da vida humana que não os religiosos e daí a conceituação do Clero da época.
  6. 6. Curiosidades        O Tetracorde é uma escala de quatro notas contidas no limite do quarto grau. Os tetracordes eram usados para construir melodias na música grega antiga. Existiam três tipos de tetracordes gregos: Diatônico, com intervalos de: Semitom - Tom - Tom Cromático, com intervalos de: Semitom - Semitom - Tom e meio Enarmônico, com intervalos de: Quarto de tom - Quarto de Tom - 2 tons As notas dó – ré – mi – fá – sol – lá – si – dó se forem tocadas nesta sequência formam uma escala ascendente que é a escala de dó maior e cada um destes sons (dó – ré – mi – fá – sol – lá – si – dó) é chamado de grau da escala, e é numerado conforme a sua posição a partir do centro de atração.
  7. 7. Bibliografia     http://pt.scribd.com/search?query=Escala+Diat%C3%B4nica++Maior http://www.musicaeadoracao.com.br/tecnicos/teoria_musical/teoria_cintra/escal a_2.htm http://www.musicaeadoracao.com.br/tecnicos/tecnica_vocal/perguntas/pergunta _54.htm http://www.wesleycaesar.mus.br/escala3.htm

    Be the first to comment

    Login to see the comments

Views

Total views

287

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

2

Actions

Downloads

2

Shares

0

Comments

0

Likes

0

×