Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara
a cara versus comunicação online.
Sandra Melro
1
Aprendizagens Digi...
Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara
a cara versus comunicação online.
Sandra Melro
2
Assim, constatamos...
Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara
a cara versus comunicação online.
Sandra Melro
3
1 Introdução
No sé...
Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara
a cara versus comunicação online.
Sandra Melro
4
Comunicar bem, é i...
Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara
a cara versus comunicação online.
Sandra Melro
5
a interação aluno-...
Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara
a cara versus comunicação online.
Sandra Melro
6
Quando os programa...
Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara
a cara versus comunicação online.
Sandra Melro
7
5 Conclusão
Os vár...
Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara
a cara versus comunicação online.
Sandra Melro
8
BIBLIOGRAFIA
Garri...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Ensaio pco sandra melro

165 views

Published on

Ensaio, trabalho do MPeL8, Psicologia Online.
Comunicação face-a-face; Comunicação Online

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Ensaio pco sandra melro

  1. 1. Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara a cara versus comunicação online. Sandra Melro 1 Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação-cara-a-cara versus comunicação online. Elearning on Century the 21st. Face-to-face comunication versus online comunication Universidade Aberta de Lisboa Mestrado de Pedagogia do Elearning Psicologia da Comunicação Online Professor António Quintas Mendes Aluna: Sandra Melro, nº 1301071 Resumo: Este trabalho surge no âmbito da UC de Psicologia da Comunicação Online. Desde o início da civilização que o homem comunica. A comunicação foi desenvolvendo-se com o passar dos tempos. Com o aparecimento da web 2.0 foi possível começar a comunicar em rede. O que é isto? Comunicar em rede é uma forma que os indivíduos têm para conseguirem chegar a todo o lado, comunicando através da comunicação mediada por computador. Pierre Levy (wikipédia) refere que a cibercultura é“…um instrumento de comunicação entre indivíduos, um lugar virtual no qual as comunidades ajudam seus membros a aprender o que querem saber.” Com esta nova particularidade da comunicação as aprendizagens ficaram mais acessíveis e com o seu desenvolvimento, esta chega, a um maior número de indivíduos. Hoje com a web 3.0, web semântica, as informações estão cada vez mais organizadas.
  2. 2. Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara a cara versus comunicação online. Sandra Melro 2 Assim, constatamos uma mudança de paradigma educacional, e percebemos que está em constante mutação. Neste sentido, decidimos falar um pouco sobre a comunicação cara-a-cara e a comunicação online. Palavra-chave: Aprendizagem; Comunicação; Online; Abstract: This paperwork was elaborated for the Online Communication Psycology. Since the very beginning that Human beings communicate with each other. Through time, communication has been developing. With the web 2.0 it was possible to communicate through a network. What is this? Network Communication is a way that individuals have so they can get to everywhere through a mediated communication by a computer. Pierre Levy (wikipédia) says that cyberculture is "...a communication tool between individuals, a virtual place in which, communities help their members to learn what they want to know. With this new communication particularity, it is now easier to learn and more accessible, all due to it''s development Nowadays , with the web 3.0, web semantics, information is more organized than it ever was. So, we witness a change on the educational paradigm, and we realize que it is always changing. In this sense, we decided to talk a bit about face-to-face communication and the online communication. Keywords: Comunication; Online; Elearning
  3. 3. Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara a cara versus comunicação online. Sandra Melro 3 1 Introdução No século XVI, Gutenberg inventou a prensa móvel, uma máquina que no século XVIII fez toda a diferença no processo da comunicação, com o advento dos jornais que levavam as notícias às cidades. No século XX, com o aparecimento do radio, jornais e telejornais, as noticias passaram a ser difundidas a nível mundial. Mais tarde com o aparecimento da World Wide Web (www), a difusão da comunicação atingiu um patamar sem precedentes. Primeiro com a web 1.0, em que os conteúdos eram apenas lidos, não sendo possível alterá-los. Depois surge a web 2.0 em que os conteúdos já podem ser partilhados, alterados e em que o utilizador pode fazer uma procura de conhecimentos muito mais elaborada, e assim aparece a web 3.0, chamada de web semântica, que auxilia a partilha de informação mais organizada e dá uma maior conexão entre o homem e a máquina, a fim de que a linguagem dos dois, seja cada vez mais uma só (programação), melhorando a pesquisa dos utilizadores. Assim, a palavra comunicação não é tão banal como parece, pois há vários tipos de comunicação e formas de o fazer. 2 Comunicação cara-a-cara, comunicação online A comunicação cara-a-cara apresenta processos psicológicos de comunicação relacional. Os elementos necessários para uma boa comunicação constam do emissor que envia a mensagem, do recetor que a descodifica, do canal por onde a mensagem é transmitida e ainda da resposta, no caso de existir. (Quintas- Mendes. 2009) Esta é a comunicação denominada por presencial. Em que a expressão da cara, os olhos os movimentos de braços, mãos e até o corpo comunicam e, estão também patentes a perceção de sensações, de sentimentos, de alegria e de tristeza.
  4. 4. Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara a cara versus comunicação online. Sandra Melro 4 Comunicar bem, é imprescindível no âmbito do processo ensino/aprendizagem. Neste contexto, surge a oportunidade de proximidade e inclusão reforçando a comunicação interna. Uma das vantagens da comunicação cara-a-cara, no âmbito do relacionamento interpessoal consiste na oportunidade de reduzir a distância entre as pessoas fortalecendo o relacionamento interpessoal, que naturalmente tem a capacidade de dar e receber feedback, assim como de criar uma relação de confiança entre os indivíduos. 3 Comunicação online e aprendizagem A comunicação online é mediada por computador (MCM) e no âmbito do ensino a distância a separação física entre alunos e professores conduz a procedimentos que intervêm no processo de ensino/aprendizagem, visto que os alunos e os professores encontram-se fora do mesmo espaço e tempo, tal como refere Moore (1993:2), “…a distância transacional é um conceito que descreve o universo das relações professor-aluno, que se dão quando alunos e instrutores estão separados no espaço e/ou tempo.” Neste caso, o professor é apenas um facilitador e o aprendente deverá ser autónomo, uma vez que o conhecimento se centra nele próprio. Existem fatores importantes que levam há redução da distância transacional, tais como, as interações entre aluno e professor, o nível de autonomia do aluno e a organização dos programas educacionais. Moore (1989) refere, que quanto maior for a autonomia do aluno mais sucesso tem na aquisição de novos conhecimentos. Para este autor a interação é fundamental nos cursos de ensino a distância o que conduza a três variáveis, que levam à diminuição da distância transacional, a interação entre aluno-conteúdo – que é um processo de aprendizagem autodirigida, pois o aluno faz a sua leitura dos conteúdos e tira as suas ilações;
  5. 5. Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara a cara versus comunicação online. Sandra Melro 5 a interação aluno-professor – em que o papel do professor passa por estimular o aluno, dar feedback e retirar dúvidas, na sua aprendizagem autónoma; e a interação o aluno-aluno – em que os alunos comunicam entre si, podendo ou não contar com a presença do professor. Anos depois da formulação teórica das três variáveis de interações de Moore, Hillman et al (1994), constatam que com o aparecimento de novos paradigmas digitais, deve existir numa outra interação, a quarta, entre aluno-interface – em que a dinâmica entre aluno-tecnologia, ou seja, entre o aluno e a ferramenta digital utilizada, no decorrer do processo de aprendizagem, tem de ser bem pensada. Neste sentido os alunos têm de ser preparados para uma adequada utilização das tecnologias disponíveis e para uma aprendizagem eficaz no que respeita o seu uso. Mas não só as variáveis acima diminuem a distância transacional. Essa diminuição é feita através de três componentes, que juntas proporciona uma aprendizagem considerável. O diálogo é o processo que acontece na interação entre aluno-professor, aluno-conteúdo e aluno-aluno, que pode ser percebido como uma particularidade positiva e que em EAD é de extrema importância para a motivação dos alunos. Para que um diálogo seja eficaz é necessário que existam vários fatores ou componentes, tais como o carácter dos envolvidos, a metodologia pedagógica utilizada e a forma como a comunicação se faz. O primeiro componente a ter em consideração é o meio usado pela comunicação, o que é muito importante, pois influência a forma como o recetor recebe a mensagem, de modo que o feedback seja o mais correto possível. O segundo componente é a estrutura dos programas de ensino, que pode ser ou não, mais ou menos estruturado. “A estrutura de um programa define a rigidez ou flexibilidade dos objectivos pedagógicos, estratégias utilizadas e métodos de avaliação” (Moore, M; 1993, p5).
  6. 6. Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara a cara versus comunicação online. Sandra Melro 6 Quando os programas são pouco estruturados, os alunos recebem as indicações através do diálogo do professor o que faz com que a distância transacional diminua, nesta situação o aluno tem de ser organizado e autónomo para atingir o sucesso. Quando temos programas muito estruturados acontece os materiais são distribuídos de forma deficiente e a distância transacional cresce. A autonomia, terceiro componente, é um dos fatores para o sucesso do aluno. Segundo Moore (1989) “…a autonomia do aluno é a medida pela qual na relação ensino/aprendizagem, é o aluno e não o professor quem determina os objetivos, as experiências de aprendizagem e as decisões de avaliação do programa de aprendizagem.” (Wikipédia). Quer isto dizer que o ensino está amplamente centrado no aluno. O aluno deve ser muito organizado, com objetivos bem definidos, e ter uma autonomia muito clara. Ou seja quanto maior for a distância transacional, maior a autonomia, sendo que o poder de autonomia do aluno e a responsabilidade do aluno para que este possa estudar sozinho. 4 Metodologia Este estudo tem como objetivo compreender o que é a comunicação cara-a-cara e comunicação online e quais as suas implicações no novo paradigma educacional. A metodologia usada consiste numa investigação bibliográfica exploratória que começou com a caraterização da questão e do seu sentido. Permitiu, ainda alcançar algum saber científico sobre o objeto em estudo, enquanto o aspeto exploratório facultou uma maior firmeza com o tema e um levantamento bibliográfico sobre o mesmo.
  7. 7. Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara a cara versus comunicação online. Sandra Melro 7 5 Conclusão Os vários tipos de comunicação expostos neste trabalho demonstram que o desenvolvimento da aprendizagem e do ensino a distância ainda estão no início. Com o desenvolvimento de novas ferramentas e tecnologias é cada vez mais premente a mudança dos paradigmas educacionais, porque o futuro passa pelo ensino online em que o elearning é a solução para a educação. Num mundo globalizado, o ensino online, deverá ser um fator de sucesso, para que as economias dos países mais desenvolvidos possam aumentar de uma forma estratégica, e englobar os países menos desenvolvidos, utilizando a educação do futuro, ou seja, o elearning.
  8. 8. Aprendizagens Digitais no Século XXI. Comunicação cara a cara versus comunicação online. Sandra Melro 8 BIBLIOGRAFIA Garrison, R. & Anderson, T. (2003). eLearning in the 21st Century: A Framework for Research and Practice. London & New York: Routledge Falmer. Garrison, R.; Anderson, T.; & Archer, W. (2000). Critical Inquiry in a text-based environment: Computer conferencing in higher education. In Internet and Higher Education, 11(2), 1-14. Recuperado de http://www.sciencedirect.com/science acessado em 24.02.2016 Lévy, P. (2000). Cibercultura. Lisboa: Piaget. Moore, M. (1989). Editorial: Three types of interaction. InThe American Journal of Distance Education (AJDE)', 3(2), 1-7. Recuperado de http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/08923648909526659 consultado em 26.02.2016 Moore, M. (1993). Teoria da Distância Transacional. In Aprendizagem Aberta e a Distância. São Paulo. Agosto 2002. Tradução de Wilson Azevedo. Recuperado de http://www.abed.org.br/revistacientifica/Revista_PDF_Doc/2002_Teoria_Distancia_Tra nsacional_Michael_Moore.pdf consultado em 26/02/2016 Moore, M. (s.d.). Recuperado de http://michaelgrahamemoore.com/a/ consultado em 27/02/2016 Quintas-Mendes, A. & Morgado, L. (2009). Comunicação mediada por computador e educação online. In Da distância à proximidade. 7º Seminário nacional ABED de educação a distância. Recuperado de https://distanciaproximidade.wikispaces.com/ consultado em 20/01/2016 https://pt.wikipedia.org/wiki/Cibercultura Wikipédia. Recuperado de https://pt.wikipedia.org/wiki/Dist%C3%A2ncia_transacional consultado em 02/03/2016 Wikipédia. Recuperado em https://pt.wikipedia.org/wiki/Cibercultura consultado em 29/02/2016

×